Quarta-feira, 29 de Julho de 2009

       

         A  PETIÇÃO POR UMA DECISÃO DEMOCRÁTICA SOBRE O MUSEU IBÉRICO DE ABRANTES ultrapassou ontem as 800 assinaturas on-line.

        
       Se considerarmos as assinaturas nas versões da petição impressas em papel, que alguns entusiastas por este movimento cívico têm distribuído em Abrantes, a soma deverá andar pelas 1000 assinaturas.
 
        Assim enfrenta a Cidadania os desmandos camarários e o grotesco pedregulho de Carrilho da Graça!


publicado por porabrantes às 00:36 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 28 de Julho de 2009

Em entrevista à rádio Antena Livre, o sr. Nelson Carvalho qualificou a nossa petição de “absolutamente absurda” (não o é, como o tempo irá demonstrando) e alongou-se em exaltadas loas ao caixote de Carrilho da Graça.
Não percebeu ainda o que está em causa: a democracia. Aos cidadãos abrantinos cabe o direito de escolher a cidade em que querem viver. Abstenha-se o presidente da Câmara de provocatoriamente desqualificar os que não pensam como ele e mostre mais respeito pela cidadania!

 



publicado por porabrantes às 02:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

“Este projecto não é uma torre….
 

 

… é um projecto global para a recuperação (SIC!!!) do convento de S.Domingos”  (Nelson Carvalho)

 



publicado por porabrantes às 02:01 | link do post | comentar

Sexta-feira, 24 de Julho de 2009

 

Um cidadão abrantino, no exercício dos seus direitos, fez um requerimento ao presidente da Câmara para esclarecer os motivos e a legalidade das escavações arqueológicas que se estão a realizar no Convento de S. Domingos.

Aguarda-se a resposta (dentro do prazo legal).

Eis o requerimento:

 

 

Exmo. Sr. Presidente da
Câmara Municipal de Abrantes
 
Assunto: Prospecções arqueológicas no Convento de São Domingos
Data: 21 de Julho de 2009

Exmo. Sr.
O parecer do IGESPAR referente ao Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes com data de 31 de Março de 2009, refª. 60 91 68 (informação nº1/DS/2009) refere que “deve ser devidamente acautelada a construção no intradorso da muralha abaluartada do ponto de vista físico e da salvaguarda dos eventuais vestígios arqueológicos”.
                O requerente solicita ao Sr. Presidente da Câmara Municipal de Abrantes que lhe especifique que acções estão a ser desenvolvidas para cumprir estas condições.
                O requerente solicita ao Sr. Presidente da Câmara Municipal de Abrantes que lhe mande passar certidão de todos os actos administrativos praticados para cumprir as exigências referidas no citado parecer e cópia dos relatórios dos trabalhos eventualmente realizados.
                O requerente solicita ao Sr. Presidente da Câmara Municipal de Abrantes a identificação do responsável pelos trabalhos, o seu Curriculum Vitae e lista das publicações científicas que eventualmente tenha realizado.
Pede deferimento, com os melhores cumprimentos
                                  Paulo Falcão Tavares 
                                               Historiador                       


publicado por porabrantes às 16:36 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

 

Estão a decorrer escavações arqueológicas misteriosas no Convento de S. Domingos, no local previsto para a implantação do paralelepípedo de Carrilho da Graça.

 

 

 

As escavações puseram a descoberto importantes achados arqueológicos

que se impõe preservar.

 

 



publicado por porabrantes às 23:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

 

 

 

1 - A Informação assinada pelo sr. Hermínio Duarte Ferreira não é um parecer técnico sobre o projecto, é uma profissão de fé no “génio” de Carrilho da Graça.
 
2- Não é um parecer, porque um parecer deve ser objectivo. Ferreira gosta do projecto de Graça (está no seu direito), mas não pode substituir a discussão e a apreciação fria e rigorosa das considerações próprias de um projecto com esta repercussão pelo panegírico, pela adesão acrítica do adepto.
 
3- Não é um parecer, porque num parecer as conclusões obrigam a uma prévia e séria fundamentação e essa fundamentação não existe aqui: desde logo, escamoteia a questão da legitimidade cultural de destruir a harmonia de um conjunto monástico renascentista e maneirista para construir uma torre de 30x23x23 na sua cerca.
 
4- Não é um parecer, porque se o fosse analisaria o brutal impacte paisagístico que o projecto teria sobre a cidade de Abrantes.
 
 5- Não é um parecer, ou antes, é um mau, um infundamentado parecer, porque não afirma sobre bases sólidas, de molde a constituir uma fundamentação do acto que dele colhe a fundamentação: da omissão da ponderação de factores de tal importância resulta a desproporção do assentimento final: é incongruente. E o pouco que não é panegírico ou hagiografia está escrito numa linguagem esotérica, eivada de subjectivismo: é obscuro.


publicado por porabrantes às 02:31 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

Leia o extraordinário parecer:

 

http://www.cm-abrantes.pt:88/NR/rdonlyres/000117ca/tavgackehljfsbpxqdcibiahjaifukgq/MIIAParecerdoIGESPAR.pdf

 



publicado por porabrantes às 02:08 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

A necessidade de afirmação dos políticos pela “obra” esconderá a capacidade de afirmação pela prática politica e pela boa governação? Nuns casos sim, noutros talvez não mas todos governam para ganhar a eleição seguinte. E assim se encheu o País de rotundas esplendorosas e agora de museus e centros culturais de coisa nenhuma com custos astronómicos de construção e de manutenção que vamos todos alegremente pagando sem nos queixarmos. A culpa é portanto nossa, de quem apoia esta política e de quem não apresenta alternativas.

 

Não quero discutir a necessidade do Museu Ibérico (qual Guggenheim Abrantino) nem a bondade da decisão.

 

Também não quero discutir a estética e a qualidade da arquitectura pois, nessa arte maior, como em quase tudo, pode-se defender com argumentos validos uma coisa e o seu oposto. É por isso uma discussão infértil saber se o edifício do Museu Ibérico se encontra desenquadrado em termos urbanísticos “afirmando-se” por contraste! Com isto não se pretende dizer que não seja por demais evidente a aberração e a escala desajustada do objecto. Infelizmente, há gostos para tudo... quando o “gosto” não é educado.

 

O problema que está aqui em causa é um problema de que o País enferma há muitos anos: o novo-riquismo. Fazem-se obras faraónicas ao lado de património arquitectónico em ruína. Construiu-se o Centro Cultural de Belém e pretende-se agora um Novo Museu dos Coches numa Cidade onde existem inúmeros Conventos e edifícios de elevado valor patrimonial em ruína. Basta viajar por este País fora para se ver, por todo o lado, o património em desgraça e ruína ao lado de obras sumptuosas, Centros Culturais, Museus, Casas da Cultura (de inegável valor arquitectónico em muitos casos) mas cheias de nada e de ninguém.

 

Quando eu era pequeno costumava brincar no castelo de Abrantes. Ficava fascinado com as escavações arqueológicas inacabadas e com os mistérios que tudo aquilo encerrava. Subia à torre de menagem de onde se vislumbrava todo o horizonte que os nossos olhos conseguiam com o Tejo a serpentear entre os vales. Ficava ofuscado com a grandiosidade de tudo aquilo. É ainda, para mim, um dos lugares mais maravilhosos deste pequeno País, tem uma dimensão inigualável pela grandeza do que se alcança.

 

Por outro lado inquietou-me sempre o estado de abandono e de ruína de tudo aquilo. Achava sempre que um dia iam terminar as escavações e então seria tudo arranjado e recuperado. Sempre se falou da sua recuperação, e da instalação de uma pousada, ou de um hotel, ou de um restaurante, enfim qualquer coisa que trouxesse vida. Os anos foram passando e a esperança foi-se perdendo e o estado de ruína e abandono foi-se agravando.

 

Quando pela primeira vez “vi” o Museu Ibérico não liguei à bestialidade da dimensão mas lembrei-me logo do Castelo. Onde melhor do que ali poderia estar um museu? ainda para mais de arqueologia! A oportunidade é única pensei eu, pois, ao que parece, agora há o dinheiro que nunca houve.

 

Infelizmente percebi rapidamente que ainda não era desta. É mais importante mostrar que se fez um obra nova do que, ao fazê-la, preservar o que de melhor temos.

 

É assim este País e a culpa é toda nossa.

 

Gil Serras Pereira



publicado por porabrantes às 00:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

 

Esquema de implantação do Museu e a sua relação com o Hospital e o Castelo.



publicado por porabrantes às 12:06 | link do post | comentar | ver comentários (4)

 

A notícia da criação de um Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes deixou-me com enorme expectativa. Não é todos os dias que um museu é criado, ainda mais na nossa terra e com as interessantes colecções que para este se prevêem: Colecção de Arqueologia da Fundação Estrada e doações das colecções pessoais de Maria Lucília Moita e Charters de Almeida. A expectativa aumentou ao saber que havia sido escolhido o Arquitecto Carrilho da Graça para desenhar o edifício. Fiquei a esperar o melhor. E esperei até desesperar perante a maquete apresentada, na qual pensei que havia alguém com muito sentido de humor a querer fazer um qualquer ensaio académico sobre como não implantar um edifício na malha urbana. Infelizmente tratava-se, de facto, do projecto do novo museu abrantino.

 

Quando discuto arquitectura e o seu diálogo com as cidades, insisto em dizer que mais do que o traço, o que me importa é a volumetria e o enquadramento. Para a harmonia de uma cidade é muito mais lesivo um grande volume bem desenhado, mas mal enquadrado, do que um pequeno edifício feio, mas bem enquadrado. No fundo é também isto que distingue a arquitectura da escultura. Entre as zonas mais sensíveis a estes enquadramentos estão, obviamente, as linhas de festo ou cumeada, ou, em linguagem mais popular, os cimos dos montes. Abrantes é uma cidade que se desenvolveu a partir do topo da colina e em que o relevo é decisivo na sua definição urbanística. Tomam assim importância acrescida as zonas do Castelo e do Convento de São Domingos, quer pelos edifícios, quer pela privilegiada vista que daí se pode usufruir, quer pelo seu impacto em quase todas as vistas para a cidade. Estes edifícios, sábia e humildemente construídos há muitos anos, souberam adaptar-se ao local, mostrando-se bem, mas com bastante pudor, não se impondo à cidade e à paisagem que encontraram.

 

Tendo em conta o curriculum do Arquitecto Carrilho da Graça, era isto que esperava, um bom traço de arquitectura, elegante e vistoso, que respeitasse o local para o qual era desenhado. Daí a surpresa ao descobrir um paralelepípedo com uma colossal volumetria, que tanto poderia ter sido desenhado para o deserto do Sahara como para uma megacidade como Tóquio. Seguramente não foi desenhado a pensar neste local, fico até com a dúvida se o senhor arquitecto se dignou a visitar Abrantes para além do dia em que veio assinar o contrato. Acho esta dúvida legítima em respeito ao curriculum do Arquitecto Carrilho da Graça e às obras que já nos deixou, além de uma justificação para o tamanho disparate com que quer brindar Abrantes.

 

No mundo de hoje, os arquitectos estrelas adquiriram uma força sobre os autarcas sedentos de afirmações de poder, cujos paralelos remontam a regimes antigos e de má memória. Basta a sua assinatura para tudo ser tolerado e aplaudido com uma reverência provinciana, de quem se vê perante a possibilidade de ter na sua cidade um edifício “de autor”, a exemplo de Ghery em Bilbau que criou invejas e desejos de réplicas que ainda mais aguçaram o novo-riquismo. Felizmente ainda há quem consiga por os grandes egos na ordem, caso da Baronesa Thyssen que “obrigou” Siza Vieira a alterar o seu projecto para o Passeio do Prado, evitando assim o abate de árvores centenárias para darem lugar a betão, com a ameaça de retirar o museu do edifício em que se encontra. O problema é que “armas” destas não são fáceis de encontrar para travar os projectos.

 

A cidadania, ainda imberbe em Portugal, vai no entanto crescendo, sendo reconfortante verificar a justa indignação abrantina na adesão à petição que circula na internet – “Petição por uma decisão democrática sobre o Museu Ibérico de Abrantes”,  – e agora também em papel, a favor de um adequado debate sobre este projecto.Que isto faça pensar quem de direito.

 

João Albuquerque Carreiras

(Arquitecto Paisagista)



publicado por porabrantes às 11:55 | link do post | comentar | ver comentários (2)

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Centroliva parcialmente e...

Os guerreiros ibéricos

A obscenidade aérea choca...

A generosa doação à Assoc...

Mistérios das Mouriscas :...

Extorsão passional à abra...

D. Augusto César e o padr...

O carvão do Pego na Impre...

Damos voz à comunidade ci...

Quando começou São Macári...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cma

cónego graça

constância

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

vale das rãs

todas as tags

links
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds