Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009

 

Este blog já deu notícia de que finalmente averiguámos a identidade do ‘’arqueólogo misterioso’’ que ilegalmente a Vereadora da Cultura Isilda Jana se recusava a divulgar.

A informação secreta estava on-line na página do IPA e o responsável pelas escavações é o Prof . Luís Oosterbeek.
Acontece que o Prof . Luís Oosterbeek é o responsável científico da colecção do MIAA através de contrato celebrado com a Câmara de Abrantes. Acresce que o dito Professor é ainda membro da Comissão de Acompanhamento para a instalação do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes.
A pergunta a fazer é simples e clara: Tem o Prof. a isenção e independência necessária para ser o responsável pelas escavações exigidas pelo IGESPAR em São Domingos?
Não pode haver um conflito de interesses entre a sua posição como responsável do Museu e pela escavação, dado que se aparecerem achados arqueológicos relevantes a C.M.A. será obrigada a reformular o projecto do Museu?
Que dispõe a deontologia acerca deste conflito de interesses?
O Código Deontológico da Associação Profissional de Arqueólogos, aprovado em 10 de Maio de 1997, estabelece entre outros deveres de  um arqueólogo:
‘’- 8. Não beneficiar abusiva ou ilegitimamente, de forma directa ou indirecta, da ligação a interesses sobre os quais deva tomar decisões ou dar pareceres no âmbito da sua acção profissional. ‘’
E ainda:
 10-  Exercendo a sua actividade em instituição pública, não se envolver ou realizar trabalhos com fins lucrativos sobre os quais a própria instituição tenha funções de acompanhamen­to, fiscalização ou avaliação.’’ 
 
E há depois as incompatibilidades legais, previstas no artº 44 do Código de Procedimento Administrativo: Casos de impedimento
1 - Nenhum titular de órgão ou agente da Administração Pública pode intervir em procedimento administrativo ou em acto ou contrato de direito público ou privado da Administração Pública nos seguintes casos:
 a) Quando nele tenha interesse, por si, como representante ou como gestor de negócios de outra pessoa; (...)
d) Quando tenha intervindo no procedimento como perito ou mandatário ou haja dado parecer sobre questão a resolver;
 
É inquestionável que Luís Oosterbeek interveio no processo do MIAA enquanto perito.
É inquestionável que Luís Oosterbeek pelo sua intervenção nas escavações está a realizar um trabalho para uma instituição, a CMA, que tem sobre eles, ‘’funções de acompanhamen­to, fiscalização ou avaliação.’’ 
E que continua a desempenhar os cargos referidos no MIIA, dependendo portanto da CMA.
 
O secretismo da Câmara de Abrantes faz avivar ainda mais a nossa estranheza.
Se há secretismo oficial alguma coisa haverá para ocultar, não deixaria de perguntar um observador ingénuo.....
 
Este blog pergunta, portanto por uma questão de transparência, não deveria o Prof. Luís Oosterbeek deixar a outro a responsabilidade das escavações em São Domingos face a estas disposições deontológicas e legais?
 
Ou como diria o outro, há tanta falta de arqueólogos que a C.M.A. só tinha o Prof. Luís Oosterbeek para fazer este lindo serviço?
 


publicado por porabrantes às 00:58 | link do post | comentar | ver comentários (3)

 

 
O arqueólogo responsável pelas escavações no Convento de S. Domingos é o Dr. Luis Oosterbeck, o mesmo que “desde a primeira hora,se encontra integrado na equipa multidisciplinar que irá conceber e programar o Museu” (dixit Fernando Baptista Pereira).
Veja-se: em: http://www2.ipa.min-cultura.pt/pls/dipa/build_ficha?pagetitle=Pesquisa%20de%20Projctos%20Arqueológicos&xcode=2807478&type=P
 
Os factos são os seguintes:
 
1)      O inacreditável parecer do IGESPAR (publicado neste blog), que num desconcerto de louvaminhas aprova a torre de Carrilho da Graça, coloca, no entanto, algumas reservas no que respeita a eventuais vestígios arqueológicos, o que poderia pôr em risco a obra.
2)      A Câmara Municipal teria que proceder, pois, a escavações que concluissem que nada de importante de perderia com a implantação da torre na cerca de S. Domingos.
3)      Os eventuais vestígios arqueológicos, a existir (existem!), seriam da época medieval ou da época moderna.
4)      As escavações ficam sob a responsabilidade do Dr. Luis Oosterbeck.
5)      O Dr. Luis Oosterbeck é especialista em Pré-História, toda a sua obra está restrita a este período e pouco saberá sobre arqueologia medieval ou moderna.
6)      O Dr. Luis Oosterbeck faz parte do círculo restrito que está a programar o museu, sendo, pois, parte interessada no sentido das conclusões das escavações.
 
Tirem as vossas conclusões.


publicado por porabrantes às 00:33 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009

 

Os muitos anos de maioria absoluta desvairaram os socialistas da Câmara de Abrantes.
À insuportável arrogância de querer impor um gigantesco caixote ao lado do Convento de S. Domingos contra a sensibilidade dos abrantinos, seguem-se as práticas anti-democráticas.
A vereadora Isilda Jana, de consciência pesada, quis esconder o nome do arqueólogo responsável pelas escavações na cerca do convento.
Não o conseguiu.
Já encontrámos o arqueólogo oculto e amanhã divulgaremos o seu nome.
Mas adiantamos: é um ESCÂNDALO.


publicado por porabrantes às 03:19 | link do post | comentar

Sábado, 22 de Agosto de 2009

 

Porque será que a Câmara Municipal de Abrantes (em concreto, a vereadora Isilda Jana) se recusam a divulgar o nome do arqueólogo responsável pelas escavações no Convento de São Domingos?

 

Não queremos acreditar (porque seria de uma gravidade extrema) que o indivíduo em causa seja:

- um arqueólogo especializado em Pré-História (e que só saberá desse período), quando estão em causa vestígios arqueológicos das épocas medieval e moderna;

- alguém que tem responsabilidades no processo do Museu Ibérico (logo, sem qualquer garantia de independência).



publicado por porabrantes às 00:21 | link do post | comentar | ver comentários (5)

 

 A Câmara de Abrantes tem muito a esconder no que respeita ao processo do Museu Ibérico e, mais concretamente, em relação às escavações em curso no Convento de São Domingos. Isso é notório na resposta da CMA ao requerimento do Dr. Paulo Tavares, abaixo publicada (ver post: CMA foge a responder - Porque será?).

 

Em resposta, o Dr. Paulo Tavares enviou ao presidente da Câmara a seguinte contestação:

 

 

Abrantes, 20 de Agosto de 2009
 
 
 Ao Presidente da Câmara Municipal de Abrantes
 
 
Acuso a recepção do V. prezado ofício nº11432 12.08.09, cujo assunto é “Prospecções Arqueológicas no Convento de São Domingos de Abrantes”.
 
Em relação a ele, devo realizar os seguintes comentários:
 
Certamente por lapso foi-me negado o pedido de acesso feito a documentação referente às sondagens arqueológicas em curso no Convento de São Domingos para cumprimento das exigências do parecer do IGESPAR para autorizar a construção do Museu Ibérico.
 
A recusa foi fundamentada com base no seguinte texto: ‘‘ Em face do req. entende-se  que o peticionado respeita a elementos do projecto em execução.
Por outro lado, o requerente não se apresenta nem demonstra a qualidade de interessado ou dotado de interesse legítimo para efeitos dos artigos 61º, 62º e 64 do CPA.
 Como tal, e com base nos referidos dispositivos legais a CMA ENTENDE NÃO SER SEU DEVER PRESTAR AS INFORMAÇÕES SOLICITADAS. ‘’
 
Ora a fundamentação jurídica invocada não é aplicável ao pedido feito porque se trata de um interesse difuso (o património histórico classificado da cidade de Abrantes), em relação ao qual qualquer cidadão tem o direito a ser informado, não sendo necessário invocar nem provar qualquer interesse legítimo.
 
A norma legal aplicável é o artigo 110º do Decreto-Lei nº 555/99 de 16 de Dezembro: Garantías dos particulares  
Artigo 110. º
Direito à informação
1 - Qualquer interessado tem o direito de ser informado pela respectiva câmara municipal:

a) Sobre os instrumentos de desenvolvimento e planeamento territorial em vigor para determinada área do município, bem como das demais condições gerais a que devem obedecer as operações urbanísticas a que se refere o presente diploma;
b) Sobre o estado e andamento dos processos que lhes digam directamente respeito, com especificação dos actos já praticados e do respectivo conteúdo, e daqueles que ainda devam sê-lo, bem como dos prazos aplicáveis a estes últimos.

2 - As informações previstas no número anterior devem ser prestadas independentemente de despacho e no prazo de 10 dias.

3 - Os interessados têm o direito de consultar os processos que lhes digam directamente respeito, e de obter as certidões ou reproduções autenticadas dos documentos que os integram, mediante o pagamento das importâncias que forem devidas.

4 - O acesso aos processos e a passagem de certidões deve ser requerido por escrito e é facultado independentemente de despacho e no prazo de 10 dias a contar da data da apresentação do respectivo requerimento.

5 - A câmara municipal fixa, no mínimo, um dia por semana para que os serviços municipais competentes estejam especificadamente à disposição dos cidadãos para a apresentação de eventuais pedidos de esclarecimiento ou de informação ou reclamações.

6 - Os direitos referidos nos numeros 1 e 3 são extensivos a quaisquer pessoas que provem ter interesse legítimo no conhecimento dos elementos que pretendem e ainda, para defesa de interesses difusos definidos na lei, quaisquer cidadãos no gozo dos seus direitos civis e políticos e as Associações e Fundações defensoras de tais interesses.
 
Tendo em conta o disposto no nº6 posso garantir a V.Exa que me encontro no pleno gozo dos meus direitos civis e políticos, podendo pois ter acesso à informação procedimental requerida.
 
É dever de V.Exa, cumprir a Lei e mandar-me passar os documentos pedidos, sob pena de ter de recorrer a outras instâncias para salvaguardar os meus direitos.
 
Aguardo uma resposta no prazo legal.
 
Com os melhores cumprimentos. 
 
Paulo Falcão Tavares
 
 


publicado por porabrantes às 00:11 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Agosto de 2009

A avaliar pelas despesas que a CMA assumiu para concretizar a exposição do paralelipípedo, em adjudicação directa e sem concursos públicos, parece que a autarquia anda numa próspera fase de fim de mandato.

 

Ora vejamos:

 

Material Expositivo e de Iluminação (Construções António Martins Sampaio Sucrs. Lda) - 55 560.00€

Catálogos (Tipografia Central Entroncamento, Lda.) - 34 620.00€

Serviços de Vigilância e Videovigilância (Securitas) - 23 460.75€

Elaboração do projecto expositivo de museografia e comunicação (JLCG Arquitectos Lda.) - 18 000€

Produção e montagem da exposição (Demetro a Metro Construções de Ideias) - 9 800€

TOTAL: 141 440€

Toda esta informação está disponível no site Transparência na Administração Pública.

 

Podiam ser feitos vários comentários, seja acerca de vigilância de uma exposição quase sem visitantes, ou do pagamento extra a um arquitecto para além dos míseros 800 000€ que irá ganhar com o projecto. Enfim, muita coisa podia ser dita, mas cada um tire as suas conclusões. Aproveito para sugerir a consulta deste link para conhecer mais algumas despesas sem concurso público da CMA:



publicado por porabrantes às 12:30 | link do post | comentar

Datada de 11 de Agosto, sem registo, o Dr. Paulo Tavares recebeu da Câmara Municipal a resposta ao requerimento que enviou ao presidente da Câmara no dia 21 de Julho passado e que está afixado neste blog.

 

transcrevemos na integra:

 

" ref.11432 12.08´09

 

assunto: Prospecções arq. no c.s.domingos

 

Em face do req. entende-se que o peticionado respeita a elementos do projecto em execução. Por outro lado, o requerente não se apresenta nem demonstra a qualidade de interessado ou dotado de interesse legitimo para efeitos dos artigos 61º, 62º e 64 do CPA.

 

Como tal, e com base nos referidos dispositivos legais a CMA ENTENDE NÃO SER SEU DEVER PRESTAR AS INFORMAÇÕES SOLICITADAS.

 

Todavia informamos que em relação ao assunto a CMA está a dar cumprimento ao programa de sondagem arqueologica apresentado e aprovado pelo IGESPAR.

 

Temos como coordenador cientifico um Prof. Doutor de uma instituição de ensini superior, reconhido nacional e internacionalmente, cujo curriculo, pelas razões referidas não podemos disponibilizar.O trabalho de campo é assegurado pelo Serviço de Arqueologia da cma.

 

assina

ISILDA JANA,vereadora da cultura cc



publicado por porabrantes às 01:09 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Pedrógão no New York Time...

Quando a cacique queria p...

Câmara despreza antigo co...

Fogos reais para animar t...

Pego perde investimento d...

Tropa eucaliptiza Bempost...

Julgar os homicidas de Pe...

Folha de S.Paulo destaca ...

A dama e o varino.

Combater catástrofes sem ...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diogo oleiro

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

museu iberico

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

vale das rãs

todas as tags

links
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds