Quarta-feira, 17 de Março de 2010

Publicamos o último artigo de Frei Nuno Serras Pereira, frade franciscano abrantino, de uma das melhores famílias abrantinas, irmão de, entre outros, o nosso amigo arquitecto Gil Serras Pereira, subscritor da petição e autor de um artigo publicado neste blog, e do nosso amigo e grande intelectual Miguel Serras Pereira.

Trata-se de um notável e radical libelo escrito desde uma inquebrantável Fé que se deve respeitar.

 

 

Deriva Totalitária no PSD?
 

Nuno Serras Pereira
15. 03. 2010
 
O partido social-democrata tem tido, de há uns anos a esta parte, através de um número muito significativo dos seus membros, tomadas de posição totalmente contrárias ao ideário personalista e democrático que diz professar. Não só os seus deputados votaram maciçamente, quando Durão Barroso era primeiro-ministro, uma resolução para pôr efectivamente em prática o crime legalizado[1][1] através da violenta “lei” 6/84 do aborto, como escolheu, consciente e livremente, para deputados, políticos que sabia, de ciência certa, que aprovariam a) a medonha “lei” da reprodução artificial, com a consequente experimentação letal em pessoas, na sua etapa embrionária, sua clonagem, seu congelamento em reservatórios de concentração; b) a liberalização do homicídio/aborto; c) o pseudocasamento entre pessoas do mesmo sexo; c) e que darão o seu voto à eutanásia, caso ela seja proposta.
Tudo isto é obviamente de grande gravidade. No entanto, subsistia, em não poucos, a esperança de que alguma gente de boa vontade e rectamente formada, que pertence a esse partido, pudesse recuperá-lo para a saúde original. Por isso, ainda que com muito optimismo, se podia dizer que embora houvesse uma fortíssima deriva totalitária (como também existe no cds/pp) não era ainda um partido totalitário[2][2], como o partido socialista, o partido comunista e o bloco de esquerda. Porém, com o congresso que se realizou neste fim-de-semana parece que foi pulverizado o resto que ainda existia de personalismo e democracia substancial. De facto, é muito inquietante que todos os três candidatos (com possibilidade de ganhar) à liderança do partido advogam pelo menos algumas das monstruosidades acima referidas, que repugnam não só à Fé mas também à Lei Natural. Acresce um facto de extrema gravidade: o apoio entusiástico repetidamente expresso, pela totalidade dos congressistas, à recandidatura de Aníbal Cavaco Silva à presidência da república. E a razão é simples – não existe na história de Portugal nenhum chefe de estado que tenha promulgado “leis” tão gravemente injustas e iníquas e de consequências tão catastróficas para tantos inocentes: liberalização do homicídio/aborto, divórcio expresso, reprodução artificial, com todo o cortejo de tragédias acima referidas. É preciso ser desalmado para não estremecer de horror perante a votação e promulgação destas crueldades brutais que ignoramos com uma indiferença nazi, e não pormos todo o empenho e determinação na abolição destas selvajarias.[3][3] Quando um partido inteiro aclama vibrantemente o terrorismo[4][4] institucionalizado isso só pode significar, evidentemente, que é objectivamente totalitário.
Ainda restará alguma esperança de reverter as coisas? Humanamente falando parece, pelo menos a curto prazo, totalmente impossível.

 


[1][1] Exige-se aos Pastores, aos fiéis e aos homens de boa vontade, em especial se são legisladores, um renovado e concorde empenho para modificar as leis injustas que legitimam ou toleram essas violências (aborto e eutanásia). Não se renuncie a nenhuma tentativa de eliminar o crime legalizado ... (cf João Paulo II, Discurso aos participantes no encontro de estudos, pelo 5º aniversário da encíclica Evangelium Vitae (5º an. EV), n 4
 
[2][2] Quando a lei, votada segundo as chamadas regras democráticas, permite o aborto, o ideal democrático, que só é verdadeiramente tal quando reconhece e tutela a dignidade de toda a pessoa humana, é atraiçoado nas suas próprias bases: Como é possível falar ainda de dignidade de toda a pessoa humana, quando se permite matar a mais fraca e a mais inocente? Em nome de que justiça se realiza a mais injusta das discriminações entre as pessoas, declarando algumas dignas de ser defendidas, enquanto a outras esta dignidade é negada? Deste modo e para descrédito das suas regras, a democracia caminha pela estrada de um substancial totalitarismo. O Estado deixa de ser a «casa comum», onde todos podem viver segundo princípios de substancial igualdade, e transforma-se num Estado tirano, que presume poder dispor da vida dos mais débeis e indefesos, como a criança ainda não nascida, em nome de uma utilidade pública que, na realidade, não é senão o interesse de alguns (cf João Paulo II, Evangelium vitae, n 20).
Quando uma maioria parlamentar ou social decreta a legitimidade da eliminação, mesmo sob certas condições, da vida humana ainda não nascida, assume uma decisão  tirânica contra o ser humano mais débil e indefeso. (cf João Paulo II, Evangelium vitae, n 70).
[3][3] Não há nenhuma razão para aquele tipo de mentalidade derrotista que considera que as leis que se opõem ao direito à vida - as que legalizam o aborto, a eutanásia, a esterilização e os métodos de planeamento familiar que se opõem à vida e à dignidade do matrimónio - são inevitáveis e até quase uma necessidade social. Pelo contrário, são um gérmen de corrupção da sociedade e dos seus fundamentos. (cf João Paulo II, Discurso aos participantes no encontro de estudos, pelo 5º aniversário da encíclica Evangelium Vitae (5º an. EV), n 3
[4][4] A matança maciça de pessoas inocentes, em qualquer etapa da sua vida, é claramente terrorista.

 



publicado por porabrantes às 22:21 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Lacão, em bicos dos pés, ...

Restaurar a democracia na...

Milagre do Pai Bento: Len...

PS encosta gestora da Tej...

O irmão do Pinto de Sousa

A Universidade deles

Para o Estudo da Idade Mé...

Tramagal, 1936

Dia do Senhor: Ciganas sa...

Os desastres do cacique d...

arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Dezembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds