Sábado, 5 de Maio de 2012

Era Bispo de Portalegre ao tempo  Augusto César, um Bispo retornado de Tete, posto em causa pelos seus excessivos serviços à ditadura  neste

livro

 

 

 

 

pelo Rev. Padre Arnaldo Baritussio, ao tempo missionário comboniano na colónia de Moçambique onde Kaulza dirigia uma guerra de extermínio contra as tribos que apoiavam a guerrilha.

 

 

 

 

 

Um delator é em linguagem popular um bufo seja Bispo ou pide, uma criatura de ínfima catadura moral, um homem que por vício de denunciar ou por uma recompensa material está pronto a vender-se.

 

 

Um delator é em linguagem bíblica um Judas.

 

 

Houve Bispos delatores na História???? 

 

Houve, Judas era Bispo.

 

O Padre António Marujo contou esta história no Público de  30 de Abril de 2004.  A história dum denunciante.

 

Qual a diferença entre um delator e um denunciante???? Deixo ao critério do leitor.

 

O Bispo, a Denúncia e a Expulsão dos Missionários.

PUBLICO
Por ANTÓNIO MARUJO
Sexta-feira, 30 de Abril de 2004

Pode ter sido um bispo o responsável, pelo menos indirecto, da expulsão de 11 padres dos Missionários Combonianos que estavam em Nampula (Moçambique) e do próprio bispo da diocese, em Março e Abril 
de1974. A causa imediata da decisão das autoridades coloniais mandarem sair os missionários e o bispo foi a divulgação do documento "Imperativo de Consciência". Esta foi uma das histórias mais relevantes do final do Estado Novo e um dos principais episódios da oposição de católicos ao regime.

No texto, 94 elementos dos Missionários Combonianos e o bispo de Nampula criticavam a "renúncia da Igreja em assumir a sua missão profética e libertadora" no meio da situação colonial que se vivia em 
Moçambique e recusavam "partilhar a cumplicidade", como escreviam, da hierarquia católica de então. Esta, "talvez inconscientemente", colaborava "no manter" de uma situação "contrária ao Evangelho".

Um dos padres então expulsos, o italiano Danilo Cimitan, conta na revista "Além-Mar", do seu instituto, que uma cópia "apócrifa" do texto teria sido vista por Vieira Pinto "nas mãos de um dos bispos", cuja identidade não é revelada. A questão é que as 13 cópias do texto, policopiado em papel verde, tinham sido distribuídas a pessoas concretas: nove foram entregues ao presidente da Conferência Episcopal de Moçambique (CEM), D. Francisco Nunes Teixeira, para serem entregues aos membros da CEM que, daí a poucos dias, iria reunir em assembleia - o texto destinava-se a ser debatido pelos bispos. Outras três foram guardadas pelo superior regional dos combonianos e a última estava com o padre Cimitan no momento em que aconteceu o episódio referido.

Como se explicava então a existência de outras cópias - que viriam, afinal, constituir-se como fundamento para a ordem de expulsão? No livro "Mozambico - 50 anni di presenza dei Missionari Comboniani", 
escrito pelo também padre comboniano Arnaldo Baritussio, reconstitui-se o essencial dos factos desses dias.

O "Imperativo de Consciência" é datado de 12 de Fevereiro de 1974. No dia 14, os padres Danilo e Manuel Ferreira Horta, entregam a Nunes Teixeira os nove envelopes, dirigidos a cada um dos bispos. No dia 
seguinte, ambos os padres regressam a casa do bispo, para voltar a conversar sobre o teor do texto. D. Francisco, que já lera entretanto o documento, recusa as acusações que nele são feitas à hierarquia da 
Igreja e contesta que o Governo não ligue à cultura local. Para comprovar o argumento de que as autoridades coloniais portuguesas valorizavam a cultura local, conta Baritussio no livro, vai buscar um 
manual da escola primária onde se mostram "belas fotografias de zebras, leões, gazelas, etc.".

Antes da reunião da CEM, que deveria acontecer dia 19, os combonianos ouvem rumores de que o documento já circulava publicamente. O padre Danilo vai a Lourenço Marques (actual Maputo), onde Nunes Teixeira lhe diz que a sua presença se tornara inútil, uma vez que os próprios missionários tinham feito chegar o documento ao governo provincial. Cimitan argumenta que é absurdo acusar os combonianos de tal responsabilidade, mas a conversa acaba ali mesmo.

Cimitan, conta ainda o livro, numa história que também foi resumida no número de Março da "Além-Mar", sai então para a actual Avenida Eduardo Mondlane (então Pinheiro Chagas) e encontra uma freira conhecida e um professor universitário português, Manuel Barreto. Este dá-lhe os parabéns pelo nada e o professor mostra-lhe uma cópia com observações à margem: "Falso", "Não é verdade"...

O missionário regressa então à conversa com os bispos, mas D. Francisco não aceita a alegada prova de inocência que o padre lhe traz. É nesse momento, contará mais tarde o padre, num depoimento registado pela "Além-Mar", que o bispo de Nampula, Vieira Pinto, vê "o original da cópia" que o padre vira instantes antes, "nas mãos de um dos bispos".

Outros missionários que estavam na altura em Moçambique dizem que uma das versões que correu na altura é que teria sido um dos bispos a passar o texto a um padre que, por sua vez, o teria entregue às 
autoridades. Nunes Teixeira, que publicou em 1995, antes de morrer, o livro "A Igreja em Moçambique na Hora da Independência", conta diversos episódios ligados ao acontecimento, mas nunca se refere à divulgação do documento nem às conversas com os padres. Apenas defende a argumentação de que os bispos preferiam falar directamente com as autoridades, evitando polémicas públicas.

Os factos precipitaram-se a partir de então. Os bispos - à excepção de Vieira Pinto - escrevem para Roma, queixando-se de quebra de solidariedade. Uma pequena comissão criada entre os bispos e os combonianos não encontra culpas nos missionários. Mesmo assim, o então bispo de Tete, actual resignatário de Portalegre-Castelo Branco, D. Augusto César Ferreira da Silva, escreve um artigo no jornal "Notícias", em que volta a acusar os combonianos.

Contactado agora pelo PÚBLICO, o bispo prefere não falar do que aconteceu. O seu secretário, padre Francisco Vermelho, disse que Augusto César não quer responder a "inverdades históricas de algumas 
revistas" - uma alusão à "Além-Mar", admitiu - e que o que havia a dizer "já o escreveu numa carta" ao actual superior dos Combonianos em Portugal.

O Governo provincial acaba por decretar a expulsão dos missionários, concretizada dia 13 de Abril, alegando falta de segurança para poderem permanecer no território. Com o mesmo argumento, Vieira Pinto também é expulso. No dia 14, sábado de Páscoa, chegam a Lisboa. No dia 25 de Abril, a revolução põe fim ao Estado Novo. Um dos três objectivos do movimento militar era sair das colónias...

"É Verdade Que Os Missionários Têm Metralhadoras?"

Quando, no dia 14 de Abril de 1974, chegou a Lisboa com os seus companheiros expulsos, o padre Manuel Horta foi recebido pelo núncio apostólico, o representante do Vaticano em Lisboa. "Do núncio nem um 
aperto de mão recordo; recordo bem as perguntas que nos dirigiu: 'Que fizeram vocês combonianos em Moçambique? É verdade que os combonianos têm metralhadoras?'"

A história está contada na "Além-Mar", a revista dos missionários, onde Manuel Horta, que entretanto trabalha de novo em Moçambique, também já escrevera: "Eu tinha apenas uma espingardita de pressão de 
ar, enferrujada, que usei quando bateram no padre Rogério de Sousa..."

A arma dos missionários, afinal, era a palavra. O documento "Imperativo de Consciência" acabaria por desencadear uma grande solidariedade entre os que estavam a missionar em Moçambique. Dominicanos, jesuítas, membros da Sociedade Missionária da Boa Nova, portugueses e estrangeiros, o documento acabou por receber a adesão de muitos, depois da sua divulgação, recorda o padre Agostinho de 
Sousa, então vigário-geral da diocese de Nampula.''

 

 

Isto é uma Comissão de Bispos moçambicanos e de missionários ilibara de qualquer culpa os missionários, mas Augusto César quebrando a solidariedade episcopal e as conclusões da comissão usa um jornal local para se pôr ao lado das forças coloniais e repressivas para acusar os combonianos.

Pois bem foi este homem que colocou o Graça em Abrantes, depois de uma polémica direcção deste na paróquia de São Facundo, com espancamentos e processos judiciais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

que passou a liderar uma Paróquia milionária através desta morte:

 

 

   

 

 

 

Este blogue no meritório trabalho  de informar a opinião pública e os católicos não se poupou a esforços para conseguir os documentos necessários para elucidar quem estiver interessado.

 

 

Isto é apenas um aperitivo.

 

 

Uma morte duma idosa e uma fortuna transferida para os bolsos da Santa Madre Igreja.

 

 

Uma história demasiado habitual.

 

 

 

Com pormenores curiosos.

 

 

 

Tudo graças ao Augusto César e ao Graça e  mais gente.

 

Temos direito a saber os nomes e os processos.

 

Aqui sairão.

 

 

A redacção

 

 

 



publicado por porabrantes às 23:07 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Boa Sorte Pan

Como ao Vara....

Ambulância leva 5 horas d...

Igreja quer bens de freir...

Os republicanos de 1907

A prata da casa

Se não legas à Paróquia, ...

Dia da Cidade

O Arquivo dos documentos ...

Recuperando o nosso patri...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds