Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

No devido momento fomos os primeiros a dar notícia desta acção movida pelo empresário Sr.Jorge Dias. A imprensa local silenciou o  assunto durante meses, incluindo durante a campanha local. Também referimos aqui a acusação feita em sede de A.Municipal por um prestigiado Advogado e Deputado do ICA    que  censurava a cacique por faltar deliberadamente à verdade num processo do caso Jorge Dias.

 

Hoje o Mirante aborda o assunto em artigo que se reproduz com a devida vénia :

 

 

 

Câmara de Abrantes contesta acção de 6,5 milhões de euros movida por construtor falido 

foto

Jorge Ferreira, 57 anos, considera que autarquia lhe arruinou a vida empresarial. Município entende que o empresário não alega factos suficientes que lhe permitam vir a provar em tribunal os prejuízos que diz ter sofrido.

 

Edição de 2013-10-17
  Imprimir ArtigoComentar ArtigoEnviar para um amigoAdicionar aos favoritos

 

Está a decorrer no Tribunal Fiscal e Administrativo de Leiria uma acção administrativa na qual é ré a Câmara de Abrantes e que poderá vir a implicar o pagamento pela autarquia de 6 milhões 693 mil e 719, 68 euros à empresa de Construções Jorge Ferreira. A acção, que pode ser enquadrada no âmbito de um pedido de indemnização por danos morais, foi liderada por Jorge Ferreira Dias, dono dessa empresa, que prometeu não cortar as suas longas barbas enquanto os negócios não se endireitassem.

Jorge Dias imputa responsabilidades da sua ruína à Câmara de Abrantes devido a várias questões. Uma delas, refere, deve-se ao facto da autarquia lhe ter movido um processo judicial, em Novembro de 2002, por questões relacionadas com uma parcela de terreno na Encosta Norte da cidade. Outra tem a ver com o aborto do projecto “Ofélia Clube”, uma Unidade de Saúde e Bem-Estar/Complexo Médico-Social, prevista para Abrantes, tendo-lhe sido prometido um negócio de 2,5 milhões de euros com a venda dos seus terrenos para a instalação do complexo.

A operação de loteamento foi autorizada pelo município mas a obra, que estava prevista arrancar em Novembro de 2008, não saiu do papel. Jorge Dias acabou por ver o negócio dos terrenos ir por água abaixo em Março de 2010, quando a autarquia declarou a caducidade do alvará de construção do projecto do grupo “Portanice Investimentos Imobiliários Lda”.

O construtor também se queixa do facto de um prédio seu, sito na rua de Sant’Ana, em Abrantes, ter estado sem ligação de água à rede durante sete anos, impedindo que fosse vendido qualquer apartamento. A autarquia justificava que o motivo do impasse se devia a um processo judicial entre câmara e construtor que ainda não tinha desfecho conhecido. O assunto acabaria por ficar resolvido em Outubro de 2009 mas, até ao momento, o construtor não conseguiu vender nenhuma fracção, encontrando-se o prédio a mercê do vandalismo, conta.

De acordo com documentos a que O MIRANTE teve acesso, a acção deu entrada no Tribunal Administrativo a 11 de Junho último, tendo o município abrantino contestado a acção na sexta-feira, 4 de Outubro, dentro dos 30 dias previstos após notificação. “Queremos esclarecer que não estamos perante uma execução, mas sim perante uma acção administrativa comum sob a forma ordinária. Num processo de execução já existe um título que permite obter o pagamento. Na presente acção todos os factos alegados terão ainda de ser provados pelas Construções Jorge Ferreira e Dias, Lda”, explica a autarquia em resposta enviada a O MIRANTE.

A Câmara de Abrantes entende ainda que a autora da acção, a empresa Construções Jorge Ferreira e Dias, Lda., não alega factos bastantes e suficientes que lhe permitam vir a provar em tribunal os prejuízos de 193.719 euros a título de danos emergentes e 6 milhões e 500 mil euros a título de danos cessantes que diz ter sofrido. A autarquia explica que contestou a acção por entender ter fundamentos que permitem contrariar os factos alegados pela autora da acção e “não está disponível a pagar qualquer indemnização ao construtor pelos factos que este imputa ao município”.

 

“Querem dar-me como maluco mas não sou”

O construtor conta que a ruína nos seus negócios começou em 2002, quando a autarquia lhe moveu uma acção judicial. Até aí, diz, granjeava de crédito na banca, o que deixou de acontecer. “Prejudicou-me numa vida inteira porque tinha negócios previstos para esses terrenos que deixei de concretizar quando os interessados souberam deste litígio”, explica o empresário que já escreveu inúmeras vezes no Livro de Reclamações da autarquia e protagonizou cinco protestos com jumentos no centro histórico de Abrantes para fazer ouvir a sua voz.

“Querem-me dar como maluco mas estou ciente do que digo e faço”, atesta, referindo-se a um processo que decorre actualmente e que foi interposto pela actual presidente da autarquia, Maria do Céu Albuquerque, após Jorge Dias ter provocado desacatos numa reunião de câmara.

O construtor foi ainda absolvido de um processo crime que o anterior presidente da câmara, Nelson de Carvalho, lhe colocou por difamação, na sequência de um desses protestos, mas que resultou no arquivamento do mesmo pelo Tribunal Judicial de Abrantes por falta de provimento e evocando o direito à liberdade de expressã

 

http://semanal.omirante.pt/noticia.asp?idEdicao=622&id=95036&idSeccao=10811&Action=noticia

 

 

 

Sobre os argumentos esgrimidos pela CMA só se pode desatar a rir à gargalhada!!!

 

 

 

: ''A autarquia explica que contestou a acção por entender ter fundamentos que permitem contrariar os factos alegados pela autora da acção e “não está disponível a pagar qualquer indemnização ao construtor pelos factos que este imputa ao município”.

 

A fonte anónima da CMA será formada em Direito?

 

 

Se a CMA não contestasse tinha de pagar. Quem não contesta é automaticamente condenado. Foi por isso que contestaram .....

 

A autarquia diz que não ''está disponível para pagar''.

 

Ora bolas (omito o porra que era o que esta consideração merecia) se a autarquia for condenada também poderá continuar a dizer, mais subtil que o Jerico, que não ''está disponível para pagar''.

 

Então o sr. Jorge Dias com o título executivo na mão (a sentença) começará a penhorar os bens da autarquia:

 

A título de exemplo:

 

 

Palácio da Raimundo Soares- 500.000 €

Casa Milho                             250.000 €

Campo de baseball                  15.000 €    

Terreno  Barro Vermelho        100.000 €

Convento S.Domingos         1.000.000 €

Carro Presidenta                        8.000 €

Mobília do Escritório da Céu    3.000 €  (1)

Escola Nova  de Alferrarede   500.000 €

Claras                                    300.000 €

Antigo Tribunal                       200.000 €

Piscinas Velhas                      500.000 €

bolas de baseball                          300 €

1 carro dos bombeiros             45.000 €

4 vassouras dos varredores           50 €

Arquivo Municipal                   150.000 €

medalhas de lata                            25 € 

 

assim sucessivamente até perfazer os mais de 

 

7 milhões de euros 

 

+

 

mais juros

 

 

(1) a mobília do gabinete da D.Céu foi coomprada por 6.000 € mas agora só valerá 3.000 por ser em segunda mão

MA

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 09:21 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A origem do virús

Os profissionais da saúde...

A Tifóide mata o Rei depo...

A salvadora das nabiças ...

A pandemia nos lares de i...

Assim vai o combate ao co...

O escravo do judeu

Coronavirús: A Justiça

MORRER SEM SER AMADA...

America First

arquivos

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds