Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

 

‘’Em 1967 eu salvei o convento de São Domingos de ser demolido, passados 42 anos volta a pairar uma nuvem negra sobre o último convento de Abrantes. Construir de forma desproporcionada em relação ao espaço e aos edifícios existentes não construir, é destruir.’’

 Duarte Castel’ Branco

 

Assim se referiu o maior arquitecto abrantino, professor emérito da Faculdade de Arquitectura de Lisboa e do Porto, ao projecto do Arquitecto Carrilho da Graça, ao assinar uma petição de cidadãos abrantinos que resolveram mobilizar-se para salvar o património da cidade ameaçado pela megalomania do novo-riquismo de Carrilho da Graça.

Todos contemplámos o silêncio sepulcral dos políticos locais ajoelhados com uma devoção própria de beatas face ao projecto ‘’sagrado’’ do Prémio Pessoa.

Apenas se bem me lembro o António Colaço, eu próprio e o sempre militante António Castel-Branco ousaram dizer não a este desmando.

Isto é, em pleno ‘’fascismo’’ havia mais discussão cívica sobre projectos deste calibre e existiram autarcas como João Manuel Esteves Pereira e Agostinho Baptista capazes de ter a sensibilidade e o bom gosto de salvar São Domingos.

E houve Ministros da Ditadura capazes de compreender esta posição e evitar que o património de Abrantes fosse profanado.

Pelo contrário, agora tudo parecia comungar numa unanimidade digna duma U.M. - União Municipal até que chegou o eng. José Carreiras e lançou a petição on-line. Neste momento já ultrapassa 600 subscritores, inclui ex-Ministros como Ferreira do Amaral, músicos como Rui Veloso, escritores como Luísa Costa Gomes, políticos locais como José Amaral ou Santana-Maia Leonardo e é notícia em todos os meios de comunicação.

Os defensores do projecto só sabem desfiar ladainhas dizendo que se trata de cantilenas de velhos do Restelo ou no caso do pior caciquismo rural de obra de anarquistas e niilistas.

Tenho a honra de pertencer a essa temível horda desde o primeiro momento e naturalmente de defender que se o povo é soberano, deve ser ele a pronunciar-se em referendo local sobre a bondade do projecto.

Que é importante para o Concelho mas com outra volumetria e localização.

E deixo um recado aos políticos locais e ao arq. Carrilho da Graça: leiam o velho e sempre actual livro do falecido Arq. José D. Santa-Rita Fernandes, ‘’Abrantes Cidade’’. Lá explica-se muito bem os desmandos cometidos contra a velha Abrantes e a forma de os evitar. 

 

Henrique Falcão Estrada



publicado por porabrantes às 11:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

ESTÁ NAS MÃOS DOS AMIGOS DE ABRANTES SALVAR A CIDADE DO PEDREGULHO!POR ABRANTES,QUANTO ANTES!!!DEBATER ANTES DE DECIDIR!

 

 

A ânimo está em condiçoes de avançar com a informação de que o pedregulho de Abrantes, não obstante toda a celeridade que foi pedida para o projecto ( eleições oblige!!! ), não obstante  o estudo prévio já ter merecido aprovação por parte do IGESPAR, nada está ainda decidido em definitivo.

Ou seja, está nas mãos dos abrantinos, naturais e amigos de Abrantes, exigir toda a informação, a informação de tudo o que verdadeiramente está em causa, para que o processo, a sua decisão final possa contar com a nossa esclarecida opinião.

Tanto quanto é possível adiantar, há dúvidas junto do licenciamento final do processo, sobre as “implicações de ordem arqueológica“, ou seja as fundações da dita torre!!! Ou seja, “o conceito” está aprovado, quer dizer, o pedregulho em si,   o único impedimento são  as “implicações arqueológicas”, quer dizer, os esqueletos, o legado dos nossos antepassados!!!

Pois bem, é em nome do respeito pelo património que nos legaram exactamente os nossos antepassados que faz sentido esta luta! Segundo os defensores do projecto, para além do nome de Carrilho da Graça – outra vez o deslumbramento com os nomes!!! ( por ex. adoro a obra de José Guimarães mas acho um autêntico mamarracho a sua escultura gigantesca na Av Infante D.Henrique , ali para as bandas da Expo!!!Mas, claro, é  de José Guimarães….) – o projecto é importante para afirmar Abrantes, bla, bla!!! Mas… qual Abrantes? A Abrantes desfigurada? Quase que apetece dizer quando nos argumentam que no passado também construíam castelos, então, façam favor, destruam o Castelo, e, se quiserem, destruam a cidade toda! Que chatice a Igreja de S.Vicente, destruam-na! Que chatice as muralhas, ficava ali tão bem um torre-outra, do Carrilho da Graça, se quiserem, destruam-nas…

 

Abrantes dá mau jeito?

 Destruam-na, arrasem-na, estejam à vontade! Carrilhôôôô, pst, pst!!! faz favor, avance!!!

A caricatura é uma arma, sim, mas os atestados que em nome dos desafios do futuro nos querem passar só merece mesmo que a usemos.

É assim, ou damos de mão beijada que, hoje, no Convento de S.Domingos, amanhã no meio da Barão da Batalha, os construtores de cidades caixotes avancem ou, então, não poderemos deixar de exigir, confrontar, os seus defensores com a ideia de cidades acolhedoras que queremos  que Abrantes continue a ser!

Por que não experimenta o senhor arquitecto Carrilho da Graça desafiar-se a si próprio e conceber para o mesmo lugar um outro projecto? Ninguém põe em causa o valiosíssimo espólio que queremos ver salvaguardado, o que questionamos é que a pretexto de o salvaguardar percamos esse espólio outro que é o belíssimo património visual de Abrantes, mau grado a meia dúzia de aberrações que foram consentidas!

Só há uma solução: DEBATER! DEBATER ANTES DE DECIDIR!

CONTRA OS CALENDÁRIOS ELEITORAIS A FAVOR DOS NOSSOS VALORES PATRIMONIAIS!

PS – A ânimo, o seu animador de serviço, declara, para todos os efeitos que recusa terminantemente  qualquer aproveitamento eleitoral politico-partidário desta sua tomada de posição feita em nome de uma cidadania que se quer livre, ILUMINADA (convocamos a nesga de luminoso sol, assim como quem ainda vai a tempo!!!).

Reconstruir Abrantes nos termos em que defendem os autores desta proposta configura profunda alteração da sua matriz genética . O atentado que se prepara ou é sancionado, referendado pela vontade da maioria ou configurará a confiscação de cidadania a todos os que gostamos muito da “fresca” Abrantes, aquela e não outra que ” logra do Tejo as águas abundantes”, no dizer do nosso querido Luiz Vaz!! Não nos atirem pedregulhos, perdão, areia, para os olhos!

Queremos continuar a ver o Tejo e tudo à volta!!!!

Assine a petição!

 

7 de Julho de 2009

António Colaço, in "Ânimo"

 

 



publicado por porabrantes às 11:41 | link do post | comentar

 

(Entrevista de Mário Semedo sobre o projecto para o Museu de Ibérico.)

 

Phil Hawes, arquitecto americano, discípulo do famoso arquitecto Frank Lloyd Wright, e arquitecto do conhecido projecto Biosfera 2, esteve em Abrantes, aproveitei para o entrevistar:

 

Mário Semedo: agora que teve contacto com o projecto para o Museu de Ibérico, qual a sua opinião sobre o projecto?

Phil Hawes: Estou completamente estupefacto com a arquitectura proposta para o Museu Ibérico. Caridosamente falando é uma abominação ego-maníaca. Está para além do meu entendimento como é possível que os residentes de uma cidade tão bela como Abrantes possam seriamente considerar uma úlcera como esta na paisagem de sua cidade. O impacto que este edifício vai ter irá negativamente mudar para sempre o aspecto actual da cidade de Abrantes, uma vez que irá abrir o caminho para a sua futura degradação visual.

 

 

Para lhe dizer a verdade, nem Speer (o arquitecto de Hitler) consideraria tamanha declaração ditatorial, contudo...talvez Estaline estivesse mais inclinado para  semelhantes declarações arquitectónicas.

 

MS: Considera por isso que o projecto tal como está não deveria ser construído?

Phil Hawes: espero não ter deixado qualquer dúvida na sua mente; considero este projecto como um completo desastre arquitectónico. Não posso imaginar nenhum estudante do primeiro ano de arquitectura conceber algo tão ofensivo e destrutivo para o tecido da comunidade. Com efeito, tenho sido professor de arquitectura em 4 universidades diferentes na E.U.A. e na Europa, e posso dizer-lhe que eu nunca tive um aluno que me fizesse algo tão fora de escala, tão fora de contexto, e tão longe de qualquer realidade actual.



publicado por porabrantes às 11:23 | link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

 

Os meus primeiros comentários a este gesto de cidadania que constitui a notável adesão à Petição por uma decisão democrática sobre o Museu Ibérico de Abrantes (500 assinaturas em 5 dias) são os seguintes:
1) A Câmara de Abrantes não tem legitimidade para impor em fim de mandato e sem um verdadeiro debate público um projecto que terá um enorme impacto sobre a cidade e que merece as maiores dúvidas e objecções dos abrantinos. O presidente e os vereadores têm o dever de se pronunciar sem ambiguidades.
2) Nos 5 primeiros dias, apenas um candidato a presidente da Câmara (e um candidato a presidente da Assembleia Municipal) subscreveram a petição. Os outros candidatos deverão fazer ouvir a sua voz. Este caso é paradigmático para se avaliar como concebem o exercício do Poder. Não se é um democrata apenas por o apregoar ou por estar matriculado num partido político democrático.
3) Entre os subscritores encontram-se pessoas de todos os sectores da sociedade abrantina, de todas as opiniões políticas, muitos arquitectos e intelectuais e numerosos membros das famílias dos doadores das colecções que integrarão o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes.
4) A discussão sobre este projecto deve ser retirada imediatamente da esfera da discussão especializada. Antes que Arquitectura, o que está em causa é Urbanismo e Democracia. Não podemos aceitar uma civitas imposta e não discutida. Todos nos devemos pronunciar!
5) A adesão popular a esta petição terá de ter consequências políticas. O comportamento dos políticos abrantinos irá ser avaliado. Afinal, que respeito merece a vontade dos eleitores?
 
            José  Albuquerque Carreiras

 



publicado por porabrantes às 22:37 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 1 de Julho de 2009


"Petição por uma decisão democrática sobre o Museu Ibérico de Abrantes"

 

A Câmara Municipal de Abrantes aprovou a construção de um edifício de forma paralelepipédica, com cerca de trinta metros de altura, sem janelas, para albergar o futuro Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes. O edifício ocupará grande parte da cerca do Convento de S. Domingos - um das mais importantes e históricos conjuntos arquitectónicos do burgo - situado num dos pontos mais elevados do monte onde se ergue a cidade de Abrantes.

 

Maquete do projecto, apresentada pela CMA
Maquete do projecto, apresentada pela CMA

Simulação do impacto do projecto na cidade
Simulação do impacto do projecto na cidade

 


Considerando que:

a) o projectado Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes terá um enorme impacto visual e romperá o equilíbrio do actual perfil da cidade;
b) que esse projecto não foi suficientemente debatido e não é do conhecimento de grande parte dos abrantinos;
c) que as eleições autárquicas se irão realizar muito brevemente.

os signatários pedem que:

1) A Câmara Municipal suspenda todas as iniciativas conducentes à execução do projecto até às Eleições Autárquicas, seguindo assim o exemplo do Governo do país que, não considerando legítimo avançar em vésperas de eleições com o seu plano Obras Públicas o suspendeu até à celebração das mesmas.
2) Os candidatos a presidente da Câmara de Abrantes se pronunciem na campanha eleitoral sobre o projecto e que este seja um assunto central do debate eleitoral.
3) A próxima Assembleia Municipal convoque um Referendo Local sobre este polémico projecto, permitindo assim a expressão democrática da vontade dos cidadãos.


publicado por porabrantes às 15:32 | link do post | comentar | ver comentários (4)

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Boa Sorte Pan

Como ao Vara....

Ambulância leva 5 horas d...

Igreja quer bens de freir...

Os republicanos de 1907

A prata da casa

Se não legas à Paróquia, ...

Dia da Cidade

O Arquivo dos documentos ...

Recuperando o nosso patri...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds