Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Diz o Mirante que a Junta de Alferrarede vai homenagear várias personalidades locais, incluindo Manuel Martinho, Director do Jornal de  Alferrarede.

 

Todas as personalidades, em especial o nosso amigo Fernando Simão , pai do nosso apoiante,  Pedro Simão são credoras da gratidão local excepto o Sr. Dr. Nelson Carvalho que também vai ser homenageado.

 

 

De todos é Fernando Simão o que merece o maior galardão. Octogenário mas sempre jovem e bem disposto continua a ser alma da Assistência Social em Alferrarede.

 

Ei-lo aqui (3º a contar da esquerda) recebendo o Amar-Abrantes

fto blogue Amar-Abrantes

 

 

Parece-nos que a Junta foi precipitada a resolver homenagear Nelson Carvalho, enquanto não se esclarecer o imbróglio judicial em que está envolvido.

 

Nelson Carvalho vestido em traje folclórico japonês. Foto Jornal de Alferrarede

 

 

 

E também achamos que o Presidente da Junta,

Foto C.M.A.

tem o dever não só de distribuir medalhas, mas também de perguntar na Assembleia Municipal o que se passou na busca da Judiciária à Câmara.

 

Já sabemos que é do PS, mas é primeiro deputado municipal eleito pelo povo, perante quem responde e depois militante socialista.

 

Estamos certos que o ex-Presidente Adelino Venâncio não teria papas na língua e perguntaria o que se passou...

Aproveitamos aqui para expressar a nossa admiração pelo grande autarca que foi o Adelino.

 

 

Finalmente achamos que por Direito tinha de estar na lista (e no lugar de Nelson Carvalho), o eng Miguel Pais do Amaral, Conde de Alferrarede, dirigente da Associação das Casa Antigas e que tem dado um nobilíssimo exemplo de preservação do património, na forma exemplar como mantém um dos  imóveis de interesse público da Freguesia, classificado pelo IGESPAR por iniciativa do seu proprietário.

Foto Sport Magazine

O Castelo do Bom Sucesso

Foto D.G.M.N.

 

POR ABRANTES



publicado por porabrantes às 21:18 | link do post | comentar



A diáspora dos Buíças
por Mário Robalo, Rede Expresso


Saiba onde param os descendentes de Manuel Buíça, um dos homens que protagonizou a morte do Rei D. Carlos, há 100 anos

Aconchega o boné de lã azul quando se lhe pergunta se conhece alguém da família de Manuel Buíça, o regicida. “Já não há ninguém”, atira Álvaro David, enquanto pega num braçado de lenha para atear a fogueira.

O fim de tarde anuncia-se gélido e nas ruas da transmontana Lagarelhos pouco se afoitam, enquanto da maioria das chaminés já se solta um fumo azul-cinza que vai cobrindo os castanheiros. É nesta aldeia, a meia dúzia de quilómetros de Vinhais, que o regicida viveu com o pai, o padre Abílio Augusto Buíça, abade naquela vila. É mais uma tentativa para encontrar descendentes do homem que no dia 1 de Fevereiro de 1908, com Alfredo Costa, atirou sobre D. Carlos...
“Lá para baixo, para Abrantes, vive um sobrinho meu (por parte da mulher) que ainda pertence a essa família”, informa Álvaro que diz não ter recordações de, em criança, ouvir falar da família Buíça. “Só quando era mais velho ouvi falar do homem que matou o rei. E sempre em sentido negativo”.
O sobrinho de Abrantes a que Álvaro se referia é Armando Fernandes, a quem já não foi dado o apelido Buíça. “Não mo deram por ser considerado pejorativo e para não ser incomodado”, diz Armando, enquanto mostra a certidão de nascimento da mãe, Clemencia Maria, filha de Francisco do Nascimento Buíça, um segundo primo do regicida.
“Em Lagarelhos nunca houve repercussão da nossa presença”, diz este antigo funcionário da Fundação Calouste Gulbenkian, licenciado em História e que tem pesquisado a genealogia dos Buíças.

Para encontrar algum familiar de Manuel Buíça é preciso calcorrear muitos caminhos

De facto, para encontrar algum familiar de Manuel Buíça é preciso calcorrear muitos caminhos. Armando encontra uma justificação para a dispersão da família, após o atentado do Terreiro do Paço. “O estigma foi tão grande, que ainda ouvi o meu avô contar que a família tinha sido ameaçada de ser morta até à sexta geração”. Daí lembrar-se de um “falso” - esconderijo no interior das paredes - na casa de Lagarelhos.
Manuel Joaquim Barroso, outro natural de Vinhais que há mais de uma década investiga a família Buíça, recorda: “Das oito irmãs só duas ficaram na terra”. Toda a família se sentiu publicamente reprovada e “muitos deixaram de colocar o apelido aos filhos”, anota Barroso, no que é corroborado, em Lisboa, por Estela Belém Pereira, neta de Elvira, uma das irmãs do regicida que permaneceu em Vinhais. “A família foi para o Brasil, por se sentir perseguida”, diz Estela, que já não herdou o sobrenome Buíça, e cujos irmãos mais velhos - Helder e Maria Júlia - “ainda foram incomodados nos liceus, em Lisboa, por professores mais arrogantes”. Com esta palavra Estela quer significar “monárquicos”...

Isabel, o mais novo elemento do clã Buíça, nasceu a 5 de Outubro

Quem nunca se sentiu incomodada com o apelido é Isabel, de 25 anos. O mais novo elemento do clã Buíça nasceu... no dia 5 de Outubro, em Bragança, para onde se dispersaram alguns ramos da família. Ela própria só descobriu a ligação familiar com Armando Fernandes através do Expresso. O avô de Isabel, José Manuel Buíça, era irmão da mãe do antigo funcionário da Gulbenkian.
“Quando na televisão passava alguma reportagem sobre D. Carlos ficávamos atentos a ver se falavam dele (do regicida)”, Isabel evoca o seu avô como “um polícia com ar austero mas com muita honra no seu republicanismo”. Na escola de Bragança nunca ninguém questionou o apelido mas, já na Universidade, alguém lhe perguntou “se pertencia à tal família”. Mas terá sido “mais por curiosidade”.
O mesmo não se passou com o avô de Armando. Francisco Buíça, que no Rio de Janeiro (Brasil) passou a ser olhado de soslaio na empresa inglesa de carros eléctricos quando um administrador descobriu que era primo “do Buíça que matou o rei”. Viu-se obrigado a regressar a Lagarelhos em 1958. “Os ingleses nunca perdoaram a Manuel Buíça”, diz Armando.
Estela também “regressou à terra da família em adulta”. Mas por curiosidade. Já não encontrou nada da família. A casa e as propriedades do abade Abílio Buíça (pai do regicida e da avó de Estela) “tudo se perdeu e a família dispersou-se”, Estela conseguiu preservar uns talheres em prata - “herança da minha avó” - gravados com o monograma do abade Abílio Buíça, o seu bisavô, que nunca rejeitou o filho, mantendo-se republicano, mesmo depois de 1910, ao arrepio da maioria do clero.




 


 

 

 

Pelo seu interesse inserimos na nossa secção antologia este recorte do

Diário de Trás-os-Montes

 

Sugerimos à comissão local do centenário da República que se escolha o beco mais recôndito da Cidade para ser baptizado com o nome do Regicida.

 

POR ABRANTES

 



publicado por porabrantes às 21:09 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Bom Feriado

Nem os mortos respeitam

Não há mais nada a dizer

Dr.Gilberto Vasco (2)

Imprensa diocesana retrat...

Colega da cacique no olho...

O assunto não deve ser p...

Quando Gomes Mor se senta...

Caçadores das Arreciadas ...

Presos políticos abrantin...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds