Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

[ler2.jpg]

 

 

Estas declarações do maior prosador vivo de língua portuguesa são uma amostra da rivalidade literária e política entre os dois escritores.

 

Somos contra a beatice de começar a choramingar duma forma piegas quando morre um grande vulto

 

 

Aqui, um jornalista do Tal e Qual (grande jornal nos seus bons tempos!)  Frederico Duarte de Carvalho conta a história da prenda a Saramago e do equívoco que levou Lobo Antunes a fazer as declarações acima reproduzidas.

 

Continuemos com má língua (que eu não estou a trabalhar para a Santidade como o Ataíde), a ver o que diz de Saramago a (má) língua do V.P.V.,

sigla que traduzimos para que algum leitor não ache que estamos a falar dalgum inculto, Vasco Pulido Valente:

Está a referir-se a Saramago, por exemplo?

Interessa-me menos do que o Miguel Sousa Tavares. Porque o Miguel Sousa Tavares, ao menos, é genuíno. Tudo o que se possa dizer dele, eu disse.Mas é genuíno. O Saramago é uma derivação da literatura da América Latina.Mas ele não nasceu nas Caraíbas! É uma pena.

Considera-o um sucedâneo da literatura latino-americana em que sentido:pela componente de fantástico de alguns dos romances dele?Se fosse pelo fantástico era o menos.Ele tem romances muito distintos.

É pela prosa.Aquilo era uma prosa admissível nas Caraíbas.É admissível nas Caraíbas ou num português que tivesse vivido a vida inteira nas Caraíbas. Mas assim não faz sentido nenhum...

O facto de ele ter ganho o Prémio Nobel não tem para si importância?

Nenhuma.Leia a lista dos prémios Nobel.

in Revista Ler  (Entrevista de Carlos Vaz Marques -aqui

 



Os Senhores Bispos mandaram um comunicado a dizer que Saramago era um grande escritor.



Serão críticos literários?

 

Quem eu gostava de ouvir era a D.Manuela de Azevedo despedida por Saramago por  ''fascista'' do Diário de Notícias, quando toda  a vida foi uma democrata (e por isso mesmo não queria uma nova ditadura) e que está viva e com uma óptima cabeça, que diria?

 

Como Vasco Lourenço sobre Costa Martins: ''Não vou ao enterro desse gajo''!!!

 

Evidentemente, que não, porque a D.Manuela é uma Senhora!!!!

 

Por uma vez, acato as opiniões dos Senhores Bispos: era um grande prosador.

 

Mas espero que  a Pilar não seja nomeada  como Viúva Oficial da Pátria

 

Finalmente termino : que dirá a Nova Aliança?

 

Morreu o ateu bolchevista?



Miguel Abrantes

 

Rogamos à Comissão Concelhia do PCP que mande dizer uma missa por alma dele ao Sr. Cónego. Não vão ao vigário que os fulmina e ainda vos faz um exorcismo....



publicado por porabrantes às 19:01 | link do post | comentar

MUSEU MIAA na VELHA RODOVIÁRIA?!
A TORRE não encontra fiannciamento e até às traseiras do Politécnico e ao piso térreo desse palacete podem crescer cinco pisos ligando o Jardim, a Biblioteca de S. Domingos à rua da Nª Srª da Conceição. Com estruturas metálicas os 5 pisos fazem-se num instante. E assim se seguram as colecções...

 

in pico do Zêzere

 

Ainda me canonizam como ao Sr. Pico. Ando muito bom. Até o elogio depois de nos ter atacado tanto......

M. Ataíde



publicado por porabrantes às 18:33 | link do post | comentar

O Casal Curtido com cerca de 82 ha foi comprado pela C.M.A. por um valor de um milhão de euros.

 

A própria comissão de avaliação achou caro.

 

Fomos ver os preços de mercado na net para uma herdade deste tipo:

 

 

Herdade , Ref: 465
São Miguel do Rio Torto, Abrantes

 

  • Para: Venda
  • Estado: Não Aplicável
  • Ano de construção: 2007
  • Preço:
  • 475.000
  • Área útil: 638.500 m²
  • Descrição
    Propriedade com dois montes, um por recuperar outro a necessitar de algumas melhorias. Bons acessos, oliveiras, mata, sobreiros, acácias. 5 ha da propriedade estão inseridos no pdm local. 25 fogos/ha.


  • Ou seja metade do preço do Casal Curtido !!!!! E com possibilidade de urbanizar 5 hectares !!!!

 

Andam a brincar connosco?

 

 

Porque raio é que a empresa tinha de ir para a Concavada?

 

São Miguel não tem zona industrial?

 

Não está lá a Victor Guedes (que acaba de passar a controle holandês) ?

 

Não estão lá, uma delas no meio do campo, 2 fábricas de cortiça do Sr. Américo Amorim?

 

Que para as montar não pediu nenhum terreno a preço simbólico?

 

 

Vão ver a escritura da herdade de Cadouços com 600 ha, vendida por um membro da família Soares Mendes a um industrial nortenho e descobrem o preço do hectare, neste caso com excelente montado  que pagou o industrial nortenho pela propriedade....

 

 

Vamos terminar com esta treta por uns dias, mas voltaremos o assunto.

 

Agora só faltava um flop nos painéis e nos azeites voltar-se a repetir a história da marca ''Andorinha'' que se fabricava em Alferrarede e agora não sei onde pára, a não ser no supermecado.....

 

Quanto aos gays do Alves voltaremos ao assunto

 

M.Abrantes



publicado por porabrantes às 17:48 | link do post | comentar

Regressar a Portugal na TAP tem algumas pequenas vantagens. Uma delas é começar a ler os jornais portugueses (mais ou menos) confortavelmente sentado antes de cá chegar.

E, digam lá o que disserem, ler os jornais na net sucks: ler jornais é ter o papel nas unhas, folheá-lo, esbarrar nas costas da cadeira em que o gajo da frente se recosta, pôr de parte as folhas que só fazem peso, dobrá-lo, desdobrá-lo (que chatice, os dedos já estão sebentos...), cheirá-lo, ler os títulos (isto é só palha, que raio!), voltar atrás para, finalmente, ler o pouco que interessa. Mas, como dizia António Botto, "enfim, gosto!"

E no meio dessa orgia de cheiros e papel amarfanhado, lendo o Correio da Manha (como lhe chama, com muito a-propósito, o meu amigo João Reis) que vejo eu?! (perguntem lá, carago: "que viste tu?"). O que acima reproduzo: "Alexandre Alves aposta no Algarve" e o da manha designa-o como "MAGNATA DOS MEDIA".

Para já, o Algarve que se cuide, pois, se se mantiver a "tradição", vai à falência na certa e o "magnata" fica um pouco mais rico.

Este "rapaz" que o da manha nos apresenta já na meia idade, em pose "desportiva" e com um belo bronzeado (um luxo em pleno Inverno...) entrou muito novinho para a Tepclima (creio que ainda na fase de Tiago & Pereira) como adjunto técnico, ou estagiário, ou por aí, era muito esperto e desenrascado e subiu muito rapidamente na empresa. E subiu por mérito próprio, em grande parte, diga-se de passagem e em abono da verdade.

Com a criação da FNAC (não a dos livros, mas Fábrica Nacional de Ar Condicionado, com o lince, lembram-se?) ganhou asas e projecção até que o negócio começou a correr mal, os japoneses (e não só) atacaram em força e, a partir de certa altura, não houve volta dar-lhe.

A coisa foi ao ponto de os cooperantes terem ficado sem um tusto (a Tepclima, "herdeira" da Tiago & Pereira, foi uma cooperativa até ao fim) .

Só que, não obstante as empresas se irem afundando sem solução à vista, alguns "funcionários" enriqueciam a olhos vistos, ele eram altos casarões na Arrábida, altos carrões, altas vidas, chegando mesmo três deles, gestores de topo, a verem-se incluídos nas listas dos mais ricos de Portugal, com fortunas acima de 1 Milhão de contos. O "nosso" Alexandre Alves era o mais enricado dos três, seguindo-se o Engº Brito e a Dra Ladeiras.

Realmente, a competência de um gestor bem poderia ser avaliada à luz deste critério: mesmo que os negócios da empresa vão a pique e o pecúlio dos cooperantes e accionistas se desvaneça, o gestor consegue, contra ventos e marés, salvaguardar "o seu".

Portanto, o Algarve que se cuide e que se cuidem as empresas em que o Alexandre vai investir os tais 4 Milhões de euros.

Ah! que se cuide também quem cair com os 4 milhões, para financiar o magnata...

Publicação e título por A.Abrantes


tags:

publicado por porabrantes às 17:13 | link do post | comentar

Mais outro blogue sobre o grande empresário

 

Os iogurtes da Fnac e a migração para Luanda

 

Nem sempre FNAC foi sinónimo de livros e discos com desconto. Há 20 anos, ao ouvirmos a palavra a FNAC, vinham-nos logo à cabeça os acordes da Primavera, de Vivaldi, que serviam da banda sonora à campanha publicitária aos aparelhos de ar condicionado FNAC.

Alexandre Alves, capa da Exame com o cognome “o empresário vermelho” (dupla piscadela de olho às suas ligações ao PCP e SLB), era o líder da Fábrica Nacional de Ar Condicionado (FNAC), a cabeça de um grupo que estendeu os seus tentáculos à área da distribuição em Moçambique.

Em meados dos anos 80, faltava de tudo nas jovens nações africanas nascidas do desmoronamento final do nosso Império colonial e a FNAC espreitou essa oportunidade. Em Moçambique, geria as Lojas Francas, onde era possível comprar tudo, contanto se levasse no bolso moeda forte: rands ou dólares. Lá dentro, os meticais valiam tanto como as notas do Monopólio.

Conheci Alexandre Alves em Maputo, em 1987, estava lá ele a tentar desatar um nó dado pelo gerente das lojas, que a braços com um carregamento de iogurtes no final do prazo de validade, resolveu pô-los em promoção, explicando que a data indicada nas embalagens era uma mera cautela formal e que o produto se mantinha bom para consumir.

Eu até era capaz de aproveitar a promoção, pois concordo com a argumentação e não raro como iogurtes fora de prazo de validade. Mas o Samora Machel não achou graça ao assunto e mandou fechar as lojas francas.

Nos dias seguintes, o desbloqueador de conversa favorito em Maputo era a adivinha: “Sabes o que quer dizer FNAC? Fomos Novamente Aldrabados pelos Colonialistas”.

Já se passaram 20 anos sobre este episódio. Mas apesar do tempo ser o grande curandeiro das feridas abertas por seis séculos de colonização e 13 de guerra colonial, ainda são visíveis as cicatrizes, como o provam as desculpas frouxas apresentadas pelos presidentes de Angola e Moçambique para não virem a Lisboa participar na última cimeira da CPLP.

Provavelmente só quando desaparecerem do poder, em Lisboa, Luanda e Maputo, os membros da geração que esteve em guerra será possível as relações entre Portugal e os Palop seja tão descomplexada e de igual para igual como a que existe com o Brasil.

No entretanto, a coincidência entre a crise portuguesa e o trepidante crescimento angolano (rebocado pela extracção diária de 1,7 milhões de barris de petróleo e anual de dez milhões de quilates de diamantes) desencadeou um movimento de emigração de Lisboa para Luanda.

Angola não tem quadros em quantidade e qualidade suficientes para sustentar o formidável período de expansão que atravessa. A opção natural, por afinidade de língua e cultura, é pescar no reservatório de mão de obra qualificada libertada pela nossa crise.

Mas para o bem dos dois países, e do seu relacionamento futuro, é essencial que os quadros portugueses emigrados tenham um comportamento profissional inatacável – e não se esqueçam do episódio dos iogurtes da Fnac.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

 

Título de Adérito Abrantes. Publicado por M.Abrantes




publicado por porabrantes às 16:42 | link do post | comentar

Outro blogue analisou a situação da dupla Alves & Carvalho



 

O empresário, também conhecido por ‘Barão Vermelho’, promotor do investimento, disse na última segunda-feira, em Abrantes, ter convidado todos os deputados para a cerimónia, onde foi anunciado que a RPP Solar vai receber 128 milhões de euros de incentivos fiscais e financeiros para criar emprego e dar formação. “Convidei os deputados todos e não puseram cá os pés( não era mais fácil ter ido assinar o protocolo à AR senhor Barão?).Têm mais que fazer. Aqui não tenho escutas para resolver. Não tenho maricas aqui ao pé de mim". O conhecido empresário, que dirige a RDP Solar, empresa de painéis fotovoltaicos, instalada no Pego, Abrantes, num terreno com 82 hectares, comprado e disponibilizado ao "preço simbólico" de 200.000,00 €, pela Câmara Municipal de Abrantes, que também isentou a empresa das taxas urbanísticas. Do protocolo assinado existe a obrigação do empresário contratar 1900 trabalhadores indiferenciados, aos quais será depois dada formação. Cada emprego custará ao Estado 30.000,00 €. O anterior presidente da autarquia, Nelson Carvalho, vai ser o director de Formação e Grandes Projectos da RPP Solar, anunciou Alexandre Alves (amor com amor se paga não é senhor Barão?). Já viram o alcance da jogada (bem deve ter sido por acaso)
Mas passemos à frente que isto já é o dia a dia. O empresário é o campeão dos falhanços como empresário, como por exemplo na FNAC, no sector do imobiliário e até na comunicação social, mas consegue sobreviver sempre a estes falhanços. Só não é dito é se os seus ex-funcionários também se têm safado.

 

Frases ditas pelo "Barão":

 

"Não estou nada satisfeito com o ritmo do governo" (muito esclarecedor)

"Há oito meses que andam papéis para cá e para lá" (mas isso não tem a ver com o país que temos?)
"E ainda não assinei contrato com o Ministério da Economia" ( vá lá apresse-se não vão eles arrepender-se ou aplicar algum imposto sobre esses milhões)
“Como incentivo trazemos os clientes de férias a Abrantes. Ficam ali no hotel, a ver o Tejo e vão aos bons petiscos do Alberto” (isso é que é falar senhor Barão, ou o hotel e o tasco do Alberto também são seus?)Não entendi foi aquela dos maricas.... :-) :-) :-)

 

 

in http://moinhodevilaverde.blogspot.com/2010/06/deputados-nao-vieram-porque-nao-tenho.html

 

Título de Adérito Abrantes. Publicação de M.Abrantes



publicado por porabrantes às 16:35 | link do post | comentar

ALEXANDRE ALVES - "O Barão Vermelho"

Muitos não se lembram que, dantes, FNAC era sinónimo de ar condicionado. A FNAC era a "Fábrica Nacional de Ar Condicionado", tinha como símbolo um lince, e era supostamente um modelo empresarial. Na Internet, há pouca informação sobre esta história recente, mas há ainda algumas pérolas. A FNAC faliu nos finais da década de 80, no meio de um processo atribulado, sem que pessoas como o presidente Alexandre Alves, fossem afectadas no processo. O Alexandre Alves, conhecido como o "O Barão Vermelho", entretanto foi abordando outros conceitos empresariais, mas como bom empresário comunista, nenhum com sucesso reconhecido. 
Entretanto, Alexandre Alves apareceu com um novo projecto: RPP Solar. É uma inflexão de 180º, do frio para o solar. E o que está a dar é sacar dinheiro ao Estado/contribuintes. São "apenas" 128 milhões de euros de incentivos, ao abrigo do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), sendo 58 milhões de incentivos financeiros e os restantes 70 milhões de incentivos fiscais. E ele ainda se queixa de que é pouco! Segundo o Correio da Manhã de hoje, são 30.000 euros de incentivos por cada posto de trabalho a criar! Mas isso não é o pior. O pior é que o caminho da indústria fotovoltaica, nos termos actuais, é para baixo. Se lá fora a bolha já estoirou, porque estamos nós a investir aqui em Portugal? Será que vamos importar a sucata fotovoltaica de Espanha, puxar o lustro, e impingir os painéis fotovoltaicos a alguém? Qualquer dia, não se admirem, verão o "Barão Vermelho" noutro esquema qualquer...

Leia mais aqui

 

in os trabalhadores não são números

 

Pelo seu interesse reproduzimos este post do blogue citado

 

E só comentamos:

 

O Secretariado da Guarda dos TSD é mais inteligente que a nossa crédula social-democracia local

 

Marcello de Ataíde



publicado por porabrantes às 12:46 | link do post | comentar

O Sr. Alexande Alves foi anunciado como Administrador da RP Solar, empresa que beneficiou dum tratamento super-amável da Câmara de Abrantes, presidida pelo dr. Nelson Carvalho e que se traduziu por exempo na venda a preço simbólico de parte da herdade do Casal Curtido.

 

N

A certidão que reproduzimos identifica os administradores, o seu capital e a sede social e é da Conservarória de Registo Comercial de Abrantes

 

NIF/NIPC

509024530

 

Entidade

RPP SOLAR - ENERGIAS SOLARES S.A.

 

Data Publicação

2010-03-05

 

Publica-se que em relação à entidade: 
Nº de Matrícula/NIPC:509024530

RPP SOLAR - ENERGIAS SOLARES S.A. 


Natureza Jurídica: SOCIEDADE ANóNIMA 
Sede: Casal do Curtido - Estrada Nacional 118, ao Km 142 
Distrito: Santarém Concelho: Abrantes Freguesia: Concavada 
2205 Concavada 

Matriculada na: Conservatória do Registo Predial/Comercial de Abrantes 

pela Apresentação AP. 103/20100303, referente ao averbamento 1 à inscrição 2, 
foi efectuado o seguinte acto de registo: 

Insc. 2AP. 446/20091123 15:42:50 UTC - AUMENTO DO CAPITAL, ALTERAÇÕES AO CONTRATO DE SOCIEDADE E DESIGNAÇÃO DE MEMBRO(S) DE ORGÃO(S) SOCIAL(AIS)


Montante do aumento : 1450000.00 Euros 
Montante realizado: 30% 
Modalidade e forma de subscrição: em dinheiro 
Capital após o aumento : 1.500.000,00 Euros 
Artigo(s) alterado(s): 4º, 9º e 12º 

ACÇÕES: 

Número de acções: 300000 
Valor nominal : 5.00 Euros 

FORMA DE OBRIGAR/ÓRGÃOS SOCIAIS: 

Forma de obrigar: um administrador 
Estrutura da administração: conselho composto por 2 membros 

DESIGNADO(S): 

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: 

Nome/Firma: JOÃO JOSÉ ALEXANDRE ALVES
NIF/NIPC: 118918958 
Cargo: Presidente 

Nome/Firma: CLÁUDIA SUSANA DE BRITO
NIF/NIPC: 220812675 
Residência/Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 148, 7º A 
1050 - 021 Lisboa 

Prazo de duração do(s) mandato(s): até final do mandato em curso (2009/2011) 
Data da deliberação: 2009.11.09 

Conservatória do Registo Comercial de Lisboa 
O(A) Conservador(a), Maria Fernanda Marques Rolão Campos Garcia

An. 1 - 20091202 - Publicado em http://www.mj.gov.pt/publicacoes.
Conservatória do Registo Comercial de Lisboa 
O(A) Conservador(a), Maria Fernanda Marques Rolão Campos Garcia

Av. 1AP. 103/20100303 15:16:32 UTC - ACTUALIZAÇÃO


Realizado mais 290.003,69 Euros quanto ao valor do aumento do capital, em 2010-02-09. 

 




O(s) documento(s) que serviu(ram) de base ao presente registo encontra(m)-se depositado(s) na Conservatória da sede da Sociedade.

 

Ou seja a 5-3-2010 os administradores eram aos Snrs 

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO:

Nome/Firma: JOÃO JOSÉ ALEXANDRE ALVES
NIF/NIPC: 118918958
Cargo: Presidente

Nome/Firma: CLÁUDIA SUSANA DE BRITO
NIF/NIPC: 220812675
Residência/Sede: Av. António Augusto de Aguiar, 148, 7º A
1050 - 021 Lisboa

 


Aliás o protocolo assinado com o IEFP e homologado pelo Secretário de Estado Walter Lemos é assinado também por   JOÃO JOSÉ ALEXANDRE ALVES como Presidente do C.A. da empresa.

 

Voltámos hoje a verificar se havia alguma alteração segundo a base de dados  do Ministério da Justiça : e não há nenhuma !!!!!!

 

Também aí se diz que que o capital é de 1.500.000 € estando 30% realizado ou seja 450.000 €

 

Depois há um averbamento que informa que foi realizado mais 290.003,69 €.

 

Coisa que dá ideia que o capital realizado é aparentemente   duns 740.000 euros que não chega a 50 % do capital

 

740.000 são uns parcos 148 mil contos, uma coisa que não dá comprar uma casa decente em Cascais

 

Em  7-7-2009, o Sr. Nelson Carvalho propõe a compra de ''A aquisição do prédio rústico, denominado “Casal Curtido”, composto de eucaliptal e cultura arvense, sito na freguesia da Concavada, com a área total de 82,875000hectares, que confronta a norte com Estrada Nacional 118, a Sul com caminho, a Nascente com caminho e a Poente com caminho, inscrito na matriz predial rústica sob o artigo 3, da Secção B, da freguesia de Concavada, descrito na Conservatória do Registo Predial de Abrantes sob o número 00601/20080617, sobre o qual incide uma servidão a favor de REN – Gasodutos S.A.;''

 

Com algumas considerações interessantes: '' avaliação da Comissão de Avaliação Municipal apontar para um valor inferior

 

E ainda: ''considerando que não há alternativas à implantação do investimento com aquela área''

 

Ora bolas, se me tivessem perguntado tinha oferecido pelo menos 5 herdades com a mesma área a um preço mais barato

 

Quanto as condicionantes fica para outro dia......

 

A deliberação foi aprovada por unanimidade !!!!! (para variar)


Assembleia Municipal de 17 de Julho terá aprovado a compra. Digo isto porque curiosamente não está no site da CMA a súmula das decisões dessa reunião. Porque será?

 

 



Em 8-9-2009 Nelson Carvalho apresentou uma Informação do Departamento de Administração e Finanças pelo qual seria compatível instalar uma indústria  que vai ter mais de 1500 trabalhadores em espaço-florestas, de acordo com o PDM. O que se pergunta : é se se pode fazer isso, o que é que não se pode fazer?

 

Construir um barracão? (deixamos esta análise ao Sr.Pico, grande especialista em PDMs)

 

Os bravos autarcas votaram de novo por unanimidade!!!!

 

Ninguém quis ser um desmancha-prazeres!!!

 

 


 

em 6 de outubro de 2009

Nelson Carvalho: O Presidente da Câmara terminou a sua intervenção, referindo que o Tribunal de Contas deu o visto relativamente ao terreno da Concavada para instalação de complexo industrial, pelo que já foram celebrados os respectivos contratos na passada quinta-feira, dia 1 de Outubro de 2009.

 

Nº 1 – Proposta de Deliberação do Presidente da Câmara, remetendo, para ratificação do órgão executivo, o seu despacho datado de 30 de Setembro de 2009, a aprovar a minuta de compra e venda de um prédio rústico, denominado “Casal Curtido”, sito na freguesia de Concavada, no Concelho de Abrantes, pelo valor de 1.000.000,00 (um milhão de euros), a celebrar entre Maria dos Anjos Almada Pereira Burguete Soares Machado e a Câmara Municipal de AbrantesDeliberação: Por unanimidade, ratificar o despacho do Presidente da Câmara, de aprovação da referida minuta de compra e venda, oportunamente aprovada, mas aditada com elementos de identificação de intervenientes e de documentos.


Nº 2 – Proposta de Deliberação do Presidente da Câmara, remetendo, para ratificação do órgão executivo, o seu despacho datado de 30 de Setembro de 2009, a aprovar a minuta de compra e venda de um prédio rústico, denominado “Casal Curtido”, sito na freguesia de Concavada, no Concelho de Abrantes, pelo valor de 103.586,00 (cento e três mil quinhentos e oitenta e seis euros), a celebrar entre a Câmara Municipal de Abrantes e João José Alexandre Alves, na qualidade de Administrador Único da sociedade anónima denominada RPP SOLAR – Energias Solares, S.A..Deliberação: Por unanimidade, ratificar o despacho do Presidente da Câmara, de aprovação da referida minuta de compra e venda.

 

Note-se que de acordo com a certidão transcrita o Sr. João José não é Administrador único da mesma Sociedade, mas presidente do Conselho de Administração !!!!

 

 

 

 

Em 2-11-10 Maria do Céu Albuquerque apresenta proposta sugerindo a aprovação do pedido de licenciamento referente ao projecto de construção de unidade industrial, a levar a efeito na Estrada Nacional 118, em Concavada, Abrantes, requerido por RPP Solar – Energias Solares,S.A. A aprovação foi unânime já com os novos Vereadores em actividade seguiam as boas tradições, que recomendavam que o dever da oposição é seguir mecanicamente o que mandam as autoridades.

 


Há muitas perguntas para uma curiosa fazer

 

Porque não se optou pela expropriação?

 

Porque se pagou um preço mais alto que o avaliado pela Comissão de Avaliação?

 

Qual foi este?

 

Continuando a RPP Solar comprou por 103.596 euros, segundo as actas, uma propriedade que a CMA comprara à D. Maria dos Anjos Burguete, conhecida aristocrata abrantina e uma das donas do Palácio Almada,  por um preço superior ao que valia segundo a Comissão de Avaliação e foi vendê-la por um preço simbólico de 103.598 € !!!!

 

Palácio Almada

Ala lateral do Palácio Almada residência da grande proprietária rural D. Maria dos Anjos Almada Burguete que fez um bom negócio  ....

 

 

Mas quem fez um óptimo negócio foi a RPP Solar!!!!

 

Há mais coisas curiosas!!!!

 

A curiosidade é  a mãe de todos os vícios.....

 

O Correio da Manhã, que tem acompanhado o dossier de perto, escreveu: ''Instalada em Pego, num terreno com 82 hectares, comprado e disponibilizado ao ‘preço simbólico’ de 200 mil euros pela Câmara, que também isentou a empresa das taxas urbanísticas, a unidade implica um investimento de 1072 milhões de euros e a criação de 1900 empregos até 2012.

 

 

Porque é que se declara que foram 200 mil euros, quando as actas da Câmara referem 103.596 euros?

 

É para dar ideia que os Alves & Cª ( por certo, título dum romance do Eça) não foram tão previligiados pela CMA?

 

 

E temos finalmente as declarações que constam do post anterior da contratação de Nelson de Carvalho como director de Formação e Grandes Projectos da RPP Solar

 

 

Diz assim a Lei n.º 64/93, de 26 de Agosto, já actualizada, com as rectificações posteriores:

 

art 3º Titulares de altos cargos públicos1 ‐ Para efeitos da presente lei, são considerados titulares de altos cargos públicos ou equiparados:

 

c)  O membro em regime de permanência e a tempo inteiro da entidade públicaindependente prevista na Constituição ou na lei.

 

Artigo 5º Regime aplicável após cessação de funções

 

1. Os titulares de órgãos de soberania e titulares de cargos políticos não podem exercer, pelo período de três anos contado da data da cessação das respectivas funções, cargos emempresas privadas que prossigam actividades no sector por eles directamente tutelado, desdeque, no período do respectivo mandato, tenham sido objecto de operações de privatização outenham beneficiado de incentivos financeiros ou de sistemas de incentivos e benefícios fiscaisde natureza contratual.

2. Exceptua‐se do disposto no número anterior o regresso à empresa ou actividade exercida àdata da investidura no cargo.

 

A sanção aplicada é à infracção ao disposto no artigo 5º determina a inibição para o exercício de funções dealtos cargos políticos e de altos cargos públicos por um período de três anos.

 

 

Já estou farto disto vou ler o artigo de hoje do João Miguel Tavares
que se chama '' A arte de não ter vergonha na cara''

 

Marcello de Ataíde

 

PS -Volto a dizer que a Oposição da Direita à Extrema-Esquerda se dedica a apanhar bonés. Têm aqui o trabalhinho feito....

 

E um boné.... 

 

Há mais para comentar mas tenho de ler o Tavares



publicado por porabrantes às 07:53 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O caso do anti-terrorista...

A defesa da cultura no Pa...

Os asiáticos e os ciganos...

Alferrarede

O fim dos colaboradores ...

Barata nomeia Boca do Inf...

Agradecemos à China. 

Regresso à vida normal

Não uses a máscara

Onde andava D.Pedro, o Cr...

arquivos

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



30

31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds