Quinta-feira, 25 de Novembro de 2010

Hoje é 25 de Novembro. Em 1975 foi o dia da batalha decisiva entre os democratas (e também todos os anti-comunistas, obrigado Cónego Melo, obrigado Comandante Alpoim Calvão) e as forças totalitárias.

 

A todos e em especial ao povo português e ao General Jaime Neves o nosso obrigado.

 

Ao falecido Vereador Campante e aos outros alegados implicados num golpe comunista devemos dizer-lhes que o seu lugar devia ter estado no banco dos réus por traição à Pátria.

 

Há momentos na história em que ganham os bons, foi assim a 25 de Novembro de 1975.

 

Uma jornada tão decisiva como Aljubarrota.

 

Publica-se o extracto do Relatório oficial do golpe comunista em Abrantes, dado à estampa pela Capital de 13 de Julho de 1976.

 

Haverá gente que fique ofendida?

 

Porca miséria!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E o alegado golpista abrantino que foi mais longe.....

 

 

Decididamente somos um país de memória curta

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 22:38 | link do post | comentar

 

A nossa amiga Arq. Teresa Gil disse isto sobre a miserável carrilhada na nossa página do Facebook:

 

Parem de demolir o passado para justificar o presente! Há tanto terreno para mostrarem como se gasta mal o nosso dinheiro, não há necessidade de apagar o que outros fizeram com esforço! Parece que o passado os atormenta...e para estes sinais de loucura há sempre verbas? Vou divulgar e penso que aqui temos um bom meio onde nos unirmos contra este atentado antes que seja tarde!

 

Obrigado Teresa!!!

 

Pedimos aos nossos amigos que exprimam a sua opinião

 

A Teresa é arquitecta da Càmara Municipal de Vila Nova da Barquinha.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 18:52 | link do post | comentar

Só soubémos agora da morte duma activa e empenhada Senhora abrantina, a nossa amiga Mná.

 

Militante católica desde sempre, bairrista abrantina e sardoalense ( dividia a sua vida entre as casas que possuía em Abrantes e Sardoal), mulher de cultura, às vezes com posições polémicas deu, a sua Alma ao Senhor.

 

Na imprensa católica local que tanto lhe ficou a dever, não vimos uma linha dedicada à sua memória. E dizem-nos que a dita Igreja sai beneficiada por uma herança sua.

 

Deve ser desatenção minha, decerto.

 

E também estou certo que o Boletim Municipal do Sardoal lhe dará o relevo devido.

 

Apresentamos as homenagens deste blogue à Sua memória, à sua família enlutada e em especial ao seu irmão Dr. João Nuno Serras Pereira, o último grande parlamentar abrantino e aos seus sobrinhos, em especial aos peticionários Frei Nuno Allen Serras Pereira e Arq. Gil Allen Serras Pereira.

 

E como última homenagem nada melhor que dar a palavra a Frei Nuno:

Marcello de Noronha

M. Manuel Serras Pereira – a perspectiva de um sobrinho

 

Maria Manuel Serras Pereira foi dada à luz em Abrantes no dia 11 de Fevereiro de 1917. O dia do seu nascimento é o de Nossa Senhora de Lurdes e o ano, do mesmo, o das aparições de Fátima e da revolução comunista na Rússia. Todos saberemos que a Virgem Maria, revelando-Se como a Imaculada Conceição, apareceu a Bernardette em Lurdes fazendo desse santuário um lugar de acolhimento e cura de enfermos. Maria Manuel foi toda a vida doente parecendo ter-lhe sido concedida a Graça de participar nos sofrimentos de Cristo em favor da salvação do mundo. Foi sempre muito devota de Nossa Senhora e uma acérrima inimiga do comunismo. Deus chamou-a para Si no dia da Natividade de Maria Santíssima, 8 de Setembro do corrente ano, no hospital de Abrantes, dando a impressão que a Virgem a veio buscar. Nasceu para o Céu no dia em a Mãe de Deus nasceu para este mundo.

Filha de David e de Maria Guilhermina Serras Pereira, viu-se órfã de pai pelos vinte anos de idade. Tinha como irmãos mais novos a Maria de Jesus (Májú) e o João Nuno. A irmã partiu muitos anos antes dela, o irmão é vivo e conta 90 anos.

Desde cedo amou a vida com intensidade, vendo nela um dom precioso de Deus, e foi dotada de um espírito de aventura, talvez raro para uma mulher naquele tempo. Gostava muito de equitação, cavalgando por montes e vales, e aos 18 anos já a vimos feliz voando naqueles aviões como os da primeira guerra mundial (1925).

Na sua mocidade dedica-se ao apostolado e evangelização tendo liderado a juventude católica feminina em Abrantes. Quando vai a férias em Coimbra a casa do tio João Serras e Silva, Lente da Universidade, trabalha com as noelistas e as criaditas dos pobres, ajudando no cuidado dos mesmos e dos enfermos.

Durante a segunda guerra mundial funda a “Malta Brava” organizando acampamentos, na quinta de família na Venda Nova, perto do Sardoal, acompanhada de uma amiga e do seu irmão João Nuno. A malta brava era composta de rapazes, mais novos, que ela procurava educar na Fé cristã. Como alguns eram dotados de forte agressividade uns para com os outros ensinou-os a dirigi-la para o demónio, de modo que em vez de se escavacarem entre si, exerciam um autodomínio, uma contenção, que significava um espancamento do diabo. Cada vez que não faziam o que ele queria mas sim a vontade de Deus isso correspondia a uma tareia no mafarrico. Como era dotada de uma autoridade natural, sem ponta de autoritarismo, nunca precisou, para pôr a malta na ordem, de bater em algum. Lembro-me de há alguns anos caminhando com ela nas ruas de Abrantes, quando a sua memória já se delia e tinha dificuldade em reconhecer algumas pessoas, de alguns homens se aproximarem cumprimentando-a e dizendo “Eu sou fulano, da malta brava”. Descobri depois, acompanhando como sacerdote peregrinações de jovens a Fátima, que numa terra entre Alcanena e Minde, Moitas Vendas, existia um grupo denominado com o mesmo nome, seguramente organizado por um desses rapazes que tinha passado pelo original.

Maria Manuel matrimoniou-se com Fernando Côrte-Real Alves Amaro, oficial de cavalaria, vindo a enviuvar aos 13 anos de casada, devido a uma acidente de automóvel, perto de Almeirim. Para grande desgosto dos dois não puderam ter filhos. Aconteceu, por isso, que nós os sobrinhos viemos a ser tratados como se fôramos tais.

Quando a tia Maria Manuel tentava ensinar a sua sobrinha mais velha, a Margarida (Begui), com pouco menos de dois anos, a pronunciar o seu nome esta não conseguia senão articular a palavra Mená, pelo que a partir daí a Maria Manuel, em família, passou a ser tratada por esse nome.

Foi a Mená que me preparou, juntamente com o filho mais velho do jardineiro, o Armando, para a primeira Comunhão. Lembro a Fé o carinho com que o fez e em especial o facto de me ter dito que quando comungasse a minha alma ficaria mais branca do que o Sacrário, o que me pareceu algo de verdadeiramente extraordinário e só possível por milagre. Naquele tempo o Sacrário era reconhecido como tal, isto é, como o lugar onde verdadeira e realmente está Deus humanado e, por isso, era imponente como o Santo dos Santos de um templo e rodeado de todas a reverências e adorações. Hoje, com o que para aí anda de pechisbeque, irreverências e indiferenças parece quase impossível que os católicos ainda acreditem na Presença real de Jesus na Eucaristia.

Esta “catequese” que então me proporcionou continuou com o exemplo da sua vida, pois ia diariamente ao hospital da Misericórdia ajudar as Irmãs enfermeiras, levando-me algumas vezes consigo, e não poucas vezes a acompanhei a visitar enfermos pobres a quem levava consolo e cabazes de alimento.

Uma das vezes em que me levou ao hospital obrigou-me a ver, com grande repugnância minha, o tratamento nas urgências de uma moça, mais ou menos da minha idade, com o corpo todo queimado devido ao descuido com uma lareira. Foi um verdadeiro acto de amor não me deixar ir embora nem virar a cara porque tanto eu como meus irmãos tínhamos o costume temerário de brincar com o fogo da lareira quando apanhávamos os adultos desprevenidos. Ora naquela região havia muitas crianças que morriam por causa dos descuidos com as lareiras. Ficou-me de lição.

A tia Mená, juntamente com a sua mãe e minha Avó, e durante algum tempo o tio Fernando, educou e formou, durante largos períodos, nove sobrinhos e uma catrefada de sobrinhos netos. Na nossa meninice, adolescência e parte da juventude ora por motivos de dificuldades de emprego do pai ora pelas férias de Natal, da Páscoa e as intermináveis(mais de três meses) de Verão passávamos o tempo em Abrantes.

 

 

A sua relação connosco embora fosse de grande afectividade nunca teve nada de lamechas, coisa aliás a que era completamente alérgica. Dotada de uma imaginação prodigiosa e de um “magnetismo” singular contava-nos narrações coloridas, cromáticas, embevecedoras, cheias de peripécias e graças que nos faziam mergulhar num mundo outro, fantástico. A mais das vezes eram histórias dos “nossos amigos” - um grupo de animais - de fazer inveja ao Walt Disney, ou do castelo dos anões que havia na Venda Nova, outras vezes “delírios” que nos faziam susto com os seus fantasmas, como o “Padre das batatas”, assim chamado pelos altos que tinha na cabeça, antigo vizinho, já falecido, mas cujos passos e rumores se ouviam ainda por noite dentro, ou o lobisomem que corria sete serras vagueando por Alcaravela, Vila de Rei e mais além.

 

Sendo uma entusiasta de S. Francisco de Assis com quem se identificava muito no seu amor à natureza e aos animais (pelo contrário, tinha uma dificuldade grande com a espiritualidade de S. João da Cruz) tinha com estes uma relação extraordinária. Parece que não havia bicho que ela não encantasse ou “hipnotizasse”. Os cães mais ferozes e bravos amansavam diante da sua voz maviosa e do seu olhar doce, para grande espanto dos seus donos que a precaviam com sérias admoestações. Domesticou, e teve em casa, raposas, ouriços-cacheiros, mochos, corujas, coelhos, gatos, cães e, para grande horror da minha avó, um rato – no jardim, e as aranhas do quintal a que dava festinhas sem que elas fugissem ou a picassem. Sempre que íamos a Abrantes era certo haver uma ninhada de gatinhos que nos deliciava e com que brincávamos. Uma vez que morreu a mãe de uma ninhada a tia Mená conseguiu que a bigodaças, uma coelha que se passeava pela casa em companhia de um cão fox-terrier e dos gatos, amamentasse a ninhada órfã, e assim esta sobreviveu.

 

Connosco tinha um enorme bom humor, até nos ralhetes ou castigos que nos dava. Às vezes, para nos pôr na ordem, dizia pausadamente, com voz grave uma frase de Aquilino Ribeiro: olhem que “eu bato com o malho no talho, deito a carvalhosa abaixo e como melros e melráchos.” Na sua voz nunca havia agressividade ou desdém embora raramente pudesse haver alguma irritação. Se nos portávamos mal à mesa mandava vir um alguidar da cozinha, virava-o ao contrário e punha-nos a comer no fundo do alguidar, como se fora uma grande humilhação, mas sempre temperada de muito bom humor. Tinha uma vergasta com que nos ameaçava mas que só usava quando ultrapassávamos todos os limites. Então dava-nos com ela na barriga das pernas de modo a que doesse um bocadinho mas não magoasse verdadeiramente. Que limites eram esses? Dou dois exemplos para que se perceba: uma vez deu connosco debaixo da cama do nosso pai, que estava para Lisboa, fazendo uma fogueira, a brincar aos índios…; outra: como tantas vezes acontecia avisaram que a água ia faltar por dois ou três dias. Como era costume enchiam-se jarros, alguidares, lavatórios e banheiras. Pois foi dar connosco esvaziando alegremente as águas armazenadas – eu tinha dois anos e já ajudava à festa.

 

 

No seu quarto tinha guardado, numa gaveta, a “trela russa” que era uma espécie de correia ou chicote entrelaçado reservada para os “grandes” castigos. Quando acontecia apanharmos, coisa raríssima, com ela era com a mesma debilidade com que nos dava com a vergasta, nem uma mínima marca ficava, nem ligeiro rubor, mas a solenidade do nome dava um peso maior ao acontecimento. Mas o pior dos castigos era a “sova fora do rabo”. Isso sim era terrível. Combinada com as empregadas domésticas ameaçava-nos com a sova fora do rabo e elas numa aflição gritada e gesticulada clamavam: “Ó minha senhora, isso não! Tudo menos isso! Dê-lhes antes com o cavalo-marinho!” Mas a tia Mená implacável punha-nos em cima da sua cama de rabo para o ar e com quantas forças tinha batia rijamente no colchão palmadas medonhas. E nós chorosos pela crueldade dos tormentos e dos tratos…

Quando nos armávamos em inteligentes com a idiotia presunçosa da adolescência logo nos desarmava dizendo “Ai que tenho um sobrinho estaburro (sic), animal de cabresto, habitante do pocilgo”.

Mas uma vez dado o raspanete ou o castigo não voltava ao assunto, nem repisava, nem humilhava,mas dava-nos rédea solta para andarmos à vontade.

 

E tantas vezes nos acompanhou na doença e a mim na quase morte quando estive em coma por vários dias.

A Mená foi o único jornalista português presente no Concílio Ecuménico Vaticano II – escrevia crónicas para o jornal A Voz e oDiário da Manhã. Aí conheceu e entrevistou muitos Bispos e Cardeais, entre os quais, Karol Wojtylia, futuro Papa João Paulo II, o Irmão Roger, fundador de Taizé, com quem depois se carteou, o então jovem teólogo Joseph Ratzinger, agora Papa Bento XVI, o Patriarca de Alexandria que lhe falou num português correctíssimo, para grande espanto dela, pois era um admirador e leitor assíduo do Eça de Queirós, etc. Ouvi-lhe muitas histórias muitas vezes sobre esses tempos que passou em Roma, o que viu, as conversas que teve, as personagens e prelados que conheceu, tantas coisas que soube interessantíssimas. (Há vários anos, creio que há oito, falei a uma jornalista de RR nesta minha tia. Pelos vistos não houve interesse em conhecê-la e ouvi-la sobre esses tempos, agora é tarde.). Ficou fascinada com Roma e com a Itália em geral: Assis, Sena, Florença, Veneza, etc.

Depois como aventureira que era viajou por França e pela Suíça de onde nos trazia uns chocolates magníficos – naquele tempo não havia nem por sombras a variedade de chocolates que agora se encontram em qualquer hipermercado, tanto quanto me lembro havia duas ou três das quais só uma era comestível.

 

Mais tarde, devido aos desmandos pós Conciliares, feitos em nome do Concílio Vaticano II mas cujo intuito real era o de destruir a Igreja, ignorar a Tradição e subverter as verdades de Fé insere-se, para além da Acção Católica, a que já pertencia, em grupos e movimentos de resistência e fidelidade a Santo Padre, à Igreja, a Fé verdadeira.

Impelida por um desejo missionário resolveu-se a ir a Moçambique onde passou largos meses ajudando as freiras nos seus trabalhos. Em outra altura foi também a Angola. Como o dinheiro lhe escasseava não o tinha para pagar essas viagens como um passageiro normal. Mas uma vez que era viúva de militar concediam-lhe que apanhasse boleia nos aviões militares a hélice. Apanhou alguns sustos com grandes poços de ar e tempestades, mas como sempre foi muito corajosa não se deixou atemorizar.

 

 

Mais tarde virá a ser crítica de programas da então Emissora Nacional. Embora ganhasse um magro ordenado servia-lhe de ocupação e entretenimento.

Depois que Deus chamou a si a sua mãe e minha Avó resolveu-se a ir morar no Sardoal. A casa era mais pequena, mais aconchegada, e em virtude da população ser menor sentia-se mais em família, tanto mais que ali tinha muitas raízes.

Para prover ao seu sustendo, começou a meter-se em negócios de venda e urbanização de terrenos que por aqueles sítios tinha herdado. Ao princípio a família temeu, uma vez que, exceptuando um dos meus irmãos, parecia que havia como que uma sina genética, de ambos os lados, para o desastre em matéria de negociações. Depois, a sua idade era tão avançada que esperava-se o pior. Para surpresa geral teve bom sucesso assegurando a autonomia, que sempre muito estimou.

 

As suas enfermidades que a acompanharam toda a vida foram-se agravando e as suas forças debilitando. Apesar disso teimou sempre em continuar a viver sozinha. Que não lhe falassem em ir viver com a família para Lisboa e em lares muito menos. No entanto, pelo Natal vinha de boa vontade e com muita alegria passar essa festa em casa do irmão ou da sobrinha Marta.

Como ela outrora correu levando-nos ao hospital, normalmente por cabeças partidas, nestes últimos anos de vida também nós a levámos inúmeras vezes ao hospital e consultas, pois sempre que cá vinha apanhava alguma pneumonia ou outra maleita.

No último ano de vida, para além da sua Anabela que a servia como fosse sua filha, com enorme dedicação, muito lhe valeu o seu primo António João e sua mulher Pilar, que foram incansáveis e de uma generosidade sem limites. Também vários sobrinhos e sobrinhos netos a acompanharam com muito amor nos últimos tempos.

 

 

Depois de uma queda no Sardoal a sua decadência física foi-se agravando velozmente. Ainda foi ao jantar dos 90 anos do seu irmão meu pai a 16 de Julho. Os últimos tempos, passou-os quase sempre no hospital de Abrantes, onde foi muito bem tratada.

Confessei-a, e o seu Pároco, o Padre Carlos, deu-lha a Santa Unção. Mais tarde rezei com ela, dei-lhe de novo a absolvição e a indulgência plenária. Nunca desistiu da vida apesar de tanta maleita mas aceitou com grande paz quando Nossa Senhora a veio buscar. Sempre soube e nos ensinou que a vida, esse esplêndido dom de Deus, vale a pena ser vivida, mesmo com sofrimento e tribulações, mas que ela é sinal e caminho para aquela Vida eterna, que Deus quer para todos, onde encontraremos a felicidade absoluta e reencontraremos os nossos que nos precederam. “À medida que o exterior se vai degradando o interior se vai renovando”, poderia ela repetir com S. Paulo.

Teve os seus pecados, defeitos e limitações. Mas arrependia-se, confessava-se e andava para a frente não desistindo nunca. Agora, como dizia numa carta que nos deixou para ser lida após a sua partida, está junto a Deus com a “trela russa” olhando por nós e se for preciso pedirá ao Senhor que a deixe usar para nos corrigir. É sem dúvida alguma a tia a que todos estamos mais ligados, a que mais estimamos e a que deixa mais saudades. Foi a melhor tia do mundo.

Nuno Serras Pereira

 

in http://jesus-logos.blogspot.com/2010/09/m-manuel-serras-pereira-perspectiva-de.html



publicado por porabrantes às 17:40 | link do post | comentar

Segundo o Jornal de Notícias '' Nos (bombeiros) Municipais de Abrantes "os trabalhadores apresentaram-se ao serviço, mostraram-se em greve mas disponíveis para cumprir os serviços mínimos". No entanto, "foram mandados embora e substituídos", refere a estrutura sindical.''

 

E ainda '' Já nos Bombeiros Municipais Loulé, Tavira, Olhão, Santarém, Cartaxo, Coruche, Tomar e Abrantes, verificam-se as médias de adesão mais baixas, na ordem dos 65%''.

 

O título da notícia é elucidativo:

Bombeiros profissionais queixam-se

de ilegalidades em

cinco corporações

 

 

 

Diz a Legislação:

P – O empregador pode por qualquer modo coagir o trabalhador a não aderir a uma greve ou prejudicá-lo ou discriminá-lo pelo facto de a ela ter aderido?

R – Não. É absolutamente proibido coagir, prejudicar e discriminar o trabalhador que tenha aderido a uma greve.

Os actos do empregador, que impliquem coacção do trabalhador no sentido de não aderir a uma greve e/ou prejuízo ou discriminação pelo facto de a ela ter aderido, constituem contra-ordenação muito grave e são ainda punidos com pena de multa até 120 dias (art.ºs 540.º e 543.º do CT, respectivamente).

 

Portanto a CMA insultou os trabalhadores abnegados de uma corporação ainda há pouco condecorada pelo Ministro do ramo.

 

Portanto a CMA violou a Lei da Greve, se a notícia é verdadeiea.

 

Portanto restam aos Bombeiros os tribunais para punirem os alegados violadores da Lei.

 

Roga-se aos sindicatos que façam sentar nos Tribunais quem não cumpre a lei!!!

 

Miguel Abrantes, grevista

 

A petição solidariza-se com os bombeiros insultados por chefias dignas da herança fascista !!!!


tags: ,

publicado por porabrantes às 12:24 | link do post | comentar

Greve em Abrantes: “E quem me paga as contas?”

 

''

(...)Ao chegarmos ao largo da Câmara, as portas grandes do edifício fechadas anunciavam o imaginado. Com o aviso estampado informavam, com as devidas lamentações, que estavam encerrados por motivo de greve. Outras divisões também encerraram completamente. Ali perto, o balcão da Caixa Geral de Depósitos encontrava-se igualmente fechado. O aviso informava do motivo e pedia as respectivas desculpas pelo incómodo.

As principais escolas do concelho não estiveram a funcionar e os outros serviços públicos tiveram adesões na ordem dos 50%, como é o caso das finanças e do hospital.

No sector privado, quase sempre o departamento de Recursos Humanos esteve ocupado e quase sempre sem tempo para dar informações sobre os números da greve. Segundo os sindicatos, a maior adesão registou-se na Mitsubishi, com a greve a rondar os 80%, obrigando à paragem da produção. Na Robert Bosh registaram-se algumas paragens e a adesão rondou os 75%. Na Silicália e Central do Pego a grave não se fez sentir e nas FRA a adesão não ultrapassou os 10%(...).''

 

Manuel António in Jornal da Esta

 

A petição saúda a luta militante dos trabalhadores da CMA que forçaram o executivo a fechar as portas da Loja.

 

Um dia sem actividade municipal é um dia sem disparates na política abrantina!!!!

 

A petição saúda a bofetada dada a um executivo medíocre e arrogante, que não merecia mais que isto!!!

 

A petição assume que a bofetada foi dada em primeiro lugar na política de Maria do Céu Albuquerque!!!!

 

 

A petição espera que esta política autista, anti-abrantina, umbiguista, vandalizadora do património abrantino receba ainda mais bofetadas e a petição está na disposição de as proporcionar.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 10:25 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A Madre Leão, maior poeti...

Um neo-liberal às aranhas...

Tramagalenses romanos?

A dona dos plátanos

Do charuto do capitalista...

A despedida

O Serviço Nacional de Saú...

Nove mil euros para corta...

A lesma abrantina: arion ...

A ''Universidade'' Pelica...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds