Quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

D.Antonino Pio, nosso Bispo, exprimiu junto da Congregação das Irmãs de Santa Doroteia o seu desejo e conselho que as Irmãs Doroteias permanecessem na Cidade no prosseguimento da notável missão que vêm desempenhando quase há 75 anos.

A opinião do Ordinário Diocesano, um homem inteligente e de honra, é a todos os títulos louvável e no fundo representa a opinião culta católica da Cidade e Concelho.

Face ao pedido do Bispo a Congregação das Irmãs de Santa Doroteia está a ponderar o assunto e não descarta permanecer na Cidade.

A Congregação é canonicamente independente da autoridade diocesana (como o são os jesuítas e outras ordens) mas é naturalmente sensível à opinião do ilustre Prelado.

Recorde-se que as Doroteias não queriam vender o Colégio e que foi por pressão municipal que iniciaram negociações com a autarquia. 

A autarquia queria desenrascar-se do falhado concurso público do Barro Vermelho.

No próximo ano celebram-se os 75 anos da inauguração de Colégio de Fátima, evento que será celebrado de forma solene pela comunidade abrantina.

Vamos seguir o assunto e naturalmente torcemos para que esta instituição abrantina, o Colégio, continue a funcionar como até aqui.

Se se confirmar a notícia, a  Cidade deve atribuir uma medalha ao Bispo de Portalegre pelos seus bons-serviços

MN

PS-a notícia foi-nos dada por uma fonte católica que pediu reserva da sua identdade



publicado por porabrantes às 21:15 | link do post | comentar

''Todo o autarca gostaria de ter um hospital no seu concelho. Isso não faz sentido. Já tivemos essa experiência naquele famoso triângulo do que é agora o Hospital do Médio Tejo entre Abrantes, Tomar e Torres Novas. Temos ali três hospitais que no fundo são um hospital com corredores de trinta quilómetros''

 

Pedro Pita Barros, Catedrático da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, especialista em Economia da Saúde.

 

''É muito fácil entrarmos numa ditadura sanitária.” – alerta Pita Barros. “

 

Grande entrevista de Helena Matos, no ''Observador''.

 

sn



publicado por porabrantes às 18:19 | link do post | comentar

 

Em Abrantes não houve só Almeidas, também tivemos  Coutinhos.

E já agora houve Pachecos medievais, da família daquele brutamontes, o algoz que ajudou a matar a galega Inês de Castro. 

 

Fernão Mendes Coutinho.png

 ''Livro das terras e vilas e lugares e possessões de raíz que Fernão Martins Coutinho e D. Leonor de Sousa sua mulher hão dos direitos e rendas das ditas terras e vilas e lugares ao tempo dora em este ano que ora entrou este mês de Janeiro desta era mil quatrocentos e trinta e quatro anos''

''1576-12-23 Date is certain to 1576-12-23 Date is certain 

''Traslado feito por Cristóvão de Benavente, escrivão da Torre do Tombo. Foi mandado fazer pelo Dr. António de Castilho, por ordem do rei. Refere Mafra, Enxara dos Cavaleiros, Abrantes, Sardoal, Torre. No topo noutra letra pode ler-se "Foral de Mafra". ''

 

As referências entre aspas são da Torre do Tombo 

 O documento de propriedade particular foi depositado na Torre por uma ilustre família titular.

mn



publicado por porabrantes às 15:20 | link do post | comentar

''Relativamente à administração territorial, Abrantes foi entregue ao domínio senhorial em 1476, com a nomeação de D.Lopo de Almeida como primeiro Conde da Vila. Este novo poder intermédio, concedido à única família nobre existente em Abrantes, foi aumentando durante toda a Idade Moderna'' (...)

 

Ana Paredes Cardoso, p. 14 do livro ''património edificado Centro Histórico de Abrantes''

 

O despautério continua.

O domínio senhorial já existia pelo menos 200 anos antes.

A Hermínia Vilar situou esse momento entre 1281-1287 com a doação do senhorio a Isabel de Aragão. D.Fernando atribuiu o senhorio a Leonor Teles, barregã  do monarca e depois Rainha.

E parece-me que há uma doação a outra rainha antes.

Mas por razões de economia do post vou cingir-me ao período posterior a D.Dinis.

A doação a Santa Isabel foi efectiva?

Foi. Os notários locais, os tabeliães, intitulavam-se ''da Rainha'', diz  Hermínia Vilar .

O primeiro Almeida a ter direitos senhoriais na vila não foi Lopo, mas o seu antepassado Fernão Álvares de Almeida em 1400 (Vilar. p.84).

O poder dos Almeidas não foi aumentando abruptamente ''durante toda a Idade Moderna''  , D.Manuel diminui-o drasticamente ao atribuir o senhorio da vila ao seu filho o Infante D.Fernando, Duque da Guarda, que viveu na vila e foi enterrado em São Domingos.

 

D.Manuel também não renovou o título de Conde de Abrantes, que só voltou a ser atribuído depois de 1640.

Devo parar as críticas a este espantoso  parágrafo  ?

Não.

A Senhora Ana Paredes Cardoso sustenta que os Almeidas eram a ''única família nobre existente em Abrantes''.

Como é que ela sabe?

Encontrou um nobiliário abrantino inédito de 1476?

Um nobiliário que escapou a Diogo Oleiro, Eduardo Campos e à Hermínia Vilar?

E a Alexandre Herculano que também esteve aqui rebuscando papéis velhos?

E a Anselmo Braancamp Freire, o dos Brasões da Sala de Sintra?

E ainda ao Marquês de Abrantes, depois de Braamcamp, o historiador que mais sabia de nobres?  

 

Em 1396 sabemos que Fernão Martins Coutinho tinha casa no Castelo e herdades no termo. A lista do seu pecúlio está na Torre do Tombo.(Vilar, p.36)

Não era nobre o Coutinho?

 

A nobreza também se divide em categorias e dedicava-se às armas, com as chatices que isso traz.

escudeiro.png

 (in Monumenta Henricina,VII volume, Lisboa, organizada por António Joaquim Dias Dinis,OFM, Coimbra, 1965).

 

Ora bolas, não serei eu que retirarei foro de nobreza ao Diogo Delgado, escudeiro, criado de D.João I, que pela Cristandade jazia cativo em terras de mouros.

Nem Afonso V lhe retirava esse foro.

Quem é a Paredes Cardoso para dizer que Diogo Delgado não era nobre?

Saberia ela mais que Afonso V?

MN

Hermínia Vasconcelos Vilar, Abrantes Medieval Séculos XIV-XV, Abrantes 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 12:14 | link do post | comentar

museu sem torre.jpg

 A revista Análise Social a mais importante publicação académica lusa sobre Ciências Humanas e Sociais foi suspensa por ter um artigo ''  A luta voltou ao muro'', da autoria de Ricardo Campos, sobre os grafittis onde o povo manda à badamerda a corja de políticos que entregou este país ao austerocídio e à submissão ao estrangeiro.

o caralho

 A censura matou a liberdade e a cultura neste país e conduziu-nos a uma vergonhosa e vil decadência, como o explicou, no dezanove, Antero nas ''Causas de Decadência dos Povos Peninsulares''.

Os velhos e habituais reflexos inquisitoriais estão sempre a regressar e agora voltaram a atacar.

A única resposta é :

Censura????

O CARALHO!!!!!

Torre em São Domingos?????

 O CARALHO!!!!!

a redacção

foto da TVI retirada da Análise Social

foto da fonte: duns amigos

 

 



publicado por porabrantes às 09:11 | link do post | comentar

Terça-feira, 28 de Outubro de 2014

auris.png

auris 2.png

 

auris 3.png

 Entrega dos últimos (1) bens, confiscados em 1911 e 1912 pela República, no caso de 1911 por uma Comissão chefiada por Justo da Paixão, ao Pároco da Freguesia de Santa Luzia do Pego.

Para fazer uma contabilidade da arte sacra, ouro, prata e santos e restantes alfaias e bens imóveis devolvidos à Paróquia e à Irmandade de N.Senhora do Rosário seria preciso fazer outras pesquisas, a que não sei se estou disposto e ainda a uma larga trabalheira.

Pelo menos fica aqui um exemplo documental como foi uma devolução parcial.

Obrigado ao amigo que enviou o documento.

(1) Tinha havido outras devoluções anteriores

MN 



publicado por porabrantes às 19:29 | link do post | comentar

Bem serviu para a malta meter lá o Marinho Pinto, dando uma bofetada ao sistema. E serve para trampolim para ele saltar pra São Bento, dando agora um pontapé na merda do sistema.

 

De resto não serve pra mais nada.

 

Querem ver a única vez que Abrantes foi mencionada nessa casa?

QUESTION ÉCRITE E-0251/08

posée par Ilda Figueiredo (GUE/NGL)

à la Commission

 

Objet:   Poursuite de l'initiative communautaire EQUAL

 

Lors d'une rencontre récente avec l'auteur de la question, des représentants des salariés de l'usine Robert Bosch Travỡes, Lda, à Abrantes, ont indiqué qu'ils faisaient une évaluation positive de la mise en œuvre du protocole d'adhésion entre ladite entreprise et les organisations syndicales CGTP‑IN et Fequimetal dans le domaine de l'égalité entre hommes et femmes.

 

Les actions positives qui seront mises en œuvre relèveront du projet Equal-Agir pour l'égalité, sur la base de l'initiative communautaire EQUAL.

 

La Commission européenne peut‑elle répondre aux questions suivantes:

 

  1. Quelle évaluation fait‑elle des projets réalisés ou à réaliser dans le cadre de l'initiative EQUAL au Portugal ainsi que dans d'autres États membres de l'UE?

 

  1. Comment compte‑t‑elle assurer la continuité de cette initiative au vu de l'évaluation positive qui en est faite?

 

Francamente dispensamos esta instituição.

a redacçao

    



publicado por porabrantes às 15:39 | link do post | comentar

A Junta das Mouriscas acaba de publicar na sua página um violento ataque ao executivo PS da CMA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

junta das mouriscas outubro de 2014.jpg

 

A Junta (CDU) diz que as Mouriscas são o ''parente pobre'' cá do concelho:

 

depois de se queixar do mau estado das vias de comunicação e do saneamento básico, a Junta explica os passos que deu em colaboraçao com a CMA para resolver aquilo que nós chamamos ''a tragédia anunciada'' nas Mouriscas

 

junta 5.jpg

 

 

 O relatório completo pode ser lido no site citado.

ma 

 

 

 



publicado por porabrantes às 13:55 | link do post | comentar

cardoso assembleia.png

 Página 65 do livro da ''insigne mestra'' Drª Ana Paredes Cardoso,livro '' património edificado Centro Histórico de Abrantes'', onde o brilhantismo e a inovação voltam ao ataque.  

 

Diz a Autora, a quem digo ''chapeau'', que a Assembleia de Abrantes era o mais importante espaço ''cultural'' da época.

 

Como é que a menina sabe?

Vivia na época?

Ou falou com alguém que viveu nessa época?

Ainda há felizmente testemunhas vivas, com uma memória menos desgraçada que o Manuel Dias.

Leu nalgum livro ou jornal?

Qual?

Porque não cita nenhum.

Na época estava aberto o Teatro Taborda, no Convento da Esperança, e aí fazia-se mais cultura que na Assembleia, onde se praticavam bailes e jogatana, além de se conspirar para combater  o poder.

Estou a imaginar Manuel Fernandes jogando ao bridge com o Major Marques Godinho e a dizer-lhe : que vamos fazer para lixar o teu colega do Castelo?

O Rosado?

Pois.

Deixo a conversa imaginária entre os dois, porque há um amigo meu que tem o processo de expulsão do Rosado da Assembleia e o quer publicar.

Se eu me dediquei ao ''imaginário'' por momentos, a Drª Paredes Cardoso afirma peremptória : ''A Assembleia Municipal foi pensada em função da sua função topográfica''.

ò minha Senhora, as Assembleias Municipais só foram criadas pela legislação autárquica posterior ao 25 de Abril!!!!!

Em 1927, não existiam Assembleias Municipais.

Portanto Raul Lino não pensou fazer nenhuma Assembleia Municipal.

Diz ainda a ''insigne Mestra'' que as casas do Raul Lino no centro histórico se encontram devidamente referenciadas.

As quais?

Porque uma das mais importantes, a Casa do Dr.Apolinário Oleiro, na Rua de São Pedro, hoje residência do grande abrantino Manuel Bougard e da minha querida Elisa, não tem lá placa nenhuma.

E como essa, outras. 

O que tem um é um silhar de azulejos que o Dr.Apolinário Oleiro lá pôs, assinalando que nesse local foi a Igreja de São Pedro.

Não sei se o folhetim é para continuar, depende da nossa pachorra para ler o livro e da disposição dos editores e da ''insigne'' Mestra de apresentarem desculpas públicas, por exemplo no boletim Passos do Concelho, na primeira página, ao Prof.Duarte Castel-Branco.

ma

duarte siza.jpg

 Foto Arq. Doutor António Castel-Branco.

  



publicado por porabrantes às 10:51 | link do post | comentar

No excelente blogue A memória dos Descobrimentos na faiança portuguesa está este magnífico post abrantino, um bom motivo para visitar a Igreja de São Vicente, monumento nacional, propriedade do Estado, convém sempre recordar isto à Reverendíssima Comissão Fabriqueira por causa das moscas que pousam sobre as escrituras de justificação.....

Reproduz-se com a devida vénia, o Autor é Mercador Veneziano

 

sn

Nº68: Azulejos Naus Portuguesas (Igreja São Vicente - Abrantes)

 
  • Conjunto de dois azulejos inseridos na decoração interior da igreja de São Vicente em Abrantes.
  • Exemplares decorados em tons policromados, com desenho baseado em naus portuguesas com Cruz de Cristo nas suas velas. Pequenas aves a rodearem as embarcações. 
  • Aqui fica um pouco mais de informação sobre a igreja: "A primitiva igreja de São Vicente foi fundada em 1149, depois da tomada do castelo da vila de Abrantes por D. Afonso Henriques, sendo o seu orago dedicado ao mártir lisboeta. Em 1179, depois de um cerco do exército mouro que arrasou a vila, o templo, que era sede de paróquia, seria reconstruído. Em 1565 o Bispo da Guarda, D. João de Portugal, convocava Sínodo Provincial, e como quatro anos depois a primitiva igreja se encontrava em ruínas, D. Sebastião ordenou ao Corregedor de Tomar que procedesse à sua reedificação. A obra da nova igreja seria iniciada em 1569, empregando oficiais dos estaleiros do Convento de Cristo de Tomar, como foram os casos de Francisco Lopes e Pedro Antunes, responsáveis pela edificação das capelas laterais. Em 1595 a obra ficaria a cargo do arquitecto militar Mateus Fernandes, que possivelmente só terminaria o projecto do novo templo em 1605, data em que a sede de paróquia, que desde 1569 transitara, primeiro, para a ermida de Santa Catarina, hoje com a invocação de São Lourenço, e depois para a ermida de Santa Iria, voltava para São Vicente e a nova igreja abria ao culto" (SERRÃO, Vítor, 2002, p. 193)
  • Pelas informações fornecidas no parágrafo acima, julgo que seja plausível que os azulejos analisados possam pertencer ao início do século XVII.


publicado por porabrantes às 10:07 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O Milagre de Tomar

Quando a Câmara violava o...

Mercado Diário : Bloco ac...

Presos políticos abrantin...

Fanáticos perdem em Insta...

Padre de Abrantes aprova ...

Leia os colegas

Deveres de Cortesia: Ephe...

Anti-Fascistas da Resistê...

Médico do Tramagal denunc...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10


25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds