Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Publica-se como prometido o grande artigo do Sr.Tenente-Coronel Pereira Silvestre sobre o tétrico caso do engarrafamento de mortos nos cemitérios da Cidade.

Apesar da coisa poder ser examinada a partir do mais tenebroso humor negro, aquilo que se está a passar é pura e simplesmente uma vergonha

cemitério 1.png

 cemitério.jpg

 

antes disso a parte mínima da lista duns mortozinhos que o Sr. Valamatos quer exumar, à margem do Regulamento Municipal em vigor

 a redacção

 



publicado por porabrantes às 18:37 | link do post | comentar

 

Uma empresa do prestigiado grupo  Octapharma, onde  eng.José Sócrates trabalhava, processou os Hospitais da Região.

CM.jpg

 

Ainda não consultei o rol de testemunhas para verificar se o eng. José Sócrates irá a Leiria depor.

 

Se for, esperamos que faça uma visita de cortesia à prestigiada empresa dos arredores, que o seu colega de quarto em Coimbra administrou e que certa vez ofereceu uma nova Virgem de Fátima à Igreja de São Vicente, por verificar que a velha estava quase tão velha como a Irmã Lúcia, ao templo ainda viva.

 

Entretanto a comissão de fans de Sócrates acaba de pedir que seja atribuído o seu nome ao arruamento do Fojo onde teve um chalet o eng. técnico Júlio Bento. O poeta reformado estava para compor e recitar uma ode anti-fascista em louvor de Sócrates, mas fizeram-lhe os socráticos o mesmo que ao bardo do Astérix. Está amordaçado. E escondido do público para não ser penhorado por uma óptica.    

 

 

1585/14.0BELRA

313082

1ª Espécie - Ação administrativa comum

ADM

Luis Fernando Borges de Freitas

Unidade Orgânica 1

Autor:

Octapharma Produtos Farmacêuticos, Ldª

Réu:

CENTRO HOSPITALAR MÉDIO TEJO - EPE

19/11/2014

 sn



publicado por porabrantes às 17:00 | link do post | comentar

Aguardamos com expectativa a saída do quinzenário Nova Aliança para ver se sai o artigo do Sr.Jorge Ferrão, sobrinho  do Capitão Ferrão, a quem recusaram enterro nos Cemitérios abrantinos.

 

Não se confirma que será retirado qualquer subsídio ao jornal se o artigo sair.

 

a redacção 



publicado por porabrantes às 16:04 | link do post | comentar

 contas 2013 SMAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ajudas de custo.png

 

é obra gastar 50.000 € em ajudas de custo e estar sempre a reforçar a verba

mais que em peças!

a redacção



publicado por porabrantes às 13:43 | link do post | comentar

 

Triste figura em Paris

 
 
  
O Diário da Manhã, a 30 de Abril de 1963, em editorial assinado pelo seu director Barradas de Oliveira, chamava a atenção dos leitores para a “Triste figura de Oposicionistas em Paris” feita na sessão de terça-feira passada de Les Mardis de Preuves. “Uma tristeza” concluía sem hesitar, tendo por base o relato que lhe tinha sido enviado “por um amigo”. Aos leitores deste jornal o director elucidava que «A revista Preuves faz às terças-feiras umas sessões em que vários oradores opinam e discutem sobre tema determinado. A da semana passada trataria de “Le Portugal d’aujourd’hui” e teria como oradores sobre diferentes aspectos do mesmo assunto: Situação económica: Francisco Ramos da Costa; Obscurantismo e vida cultural: António José Saraiva; Os cristãos e o regime: Eduardo Lourenço de Faria; Guerra e descolonização: Fernando Piteira Santos».
 
[Na primeira foto, tirada  em Genève no ano de 1964, Francisco Ramos da Costa, à esquerda, com Tito de Morais e Mário Soares, fundadores do Partido Socialista. Na foto à direita, António José Saraiva. A revista Preuves, editada pelo Congress for Freedom Culture e apoiada financeiramente pela CIA,
foi um espaço de encontro de intelectuais da esquerda não comunista]
 
 
 


Continuando o editorial, Barradas de Oliveira considera ter sido a sessão um “triste espectáculo” e é, naturalmente, severo nos juízos que faz dos oradores. Assim o «Dr. Francisco Ramos da Costa, apresentado como um economista brilhante, fez uma exposição confusa, atrapalhada, sem nível, com números estatísticos evidentemente falseados», enquanto o «Dr. António José Saraiva, anunciado como literato de palavra cintilante, começou por não cintilar na dicção que foi aflitiva. Depois atirou para a sala com todas as falsidades, ainda as mais abstrusas, que ocorreram à exuberância da sua fantasia esquentada». Mas o tom do editorialista muda por completo quando se refere ao terceiro expositor, considerando que o «Dr. Eduardo Lourenço de Faria fez uma conferência luminosa, inteligentemente conduzida, com a preocupação nítida de imparcialidade. Conferência de um professor e não de um político. Aplausos fortes da assistência e movimentos de reprovação dos outros conferencistas (Claro!)».
 
 

 
A identificação do “amigo” que de Paris havia enviado estas informações leva-nos a duas hipóteses a partir de documentos constantes da cópia do Dossier da Pide existente no Acervo de Eduardo Lourenço. O primeiro documento é uma carta datada de “Paris, 24 de Abril 1963” e enviada a César Moreira Baptista, à época director do SNI, por José Augusto dos Santos director da Casa de Portugal na capital francesa. E no que se refere à intervenção de Eduardo Lourenço observa: «Incontestavelmente, o único orador (de interesse) de toda a reunião. Começando por declarar que o tema que ia tratar seria “L’Église et le régime de Salazar” (e não “Les Chrétiens et le Régime”) […] o tom da sua exposição – serena, desapaixonada e bem conduzida – não agradou ao auditório que manifestava, por vezes, certa impaciência». Todavia, e como observação final, José Augusto dos Santos não deixava  de «notar que o Snr. Eduardo Lourenço de Faria não se referiu à última Encíclica papal que, entretanto, foi citada por outros, confusamente atirada para o ar, como uma pedra – melhor, como uma bandeira…»

A segunda hipótese de identificação do “amigo” informador de Paris pode ser feita através das informações que o jornalista A. Horta e Costa envia, a 24 de Abril de 1963, a Dutra de Faria, Director da A.N.I. e que transcrevemos em parte, uma vez que enumera os temas através dos quais a exposição foi feita: «Terceira Intervenção-conferência: Do Sr. Eduardo Lourenço de Faria (“Les Chrétiens et le Régime”). Conferência brilhante e elevado relato desapaixonado (foi o único da noite) das ligações existentes entre Salazar, o regímen salazarista e a Igreja. Exposição iniciada a partir do momento em que o Professor de Coimbra era colaborador do jornal Novidades, do momento em que este jornal publicou um retrato do Dr. Salazar encabeçando-o com o título de apresentação dum novo valor que se deveria chamar para a gerência nacional. Amizade estabelecida entre o Dr. Salazar e o Cardeal Cerejeira. Acordos entre o Governo e a Igreja. Influência da opinião e conselhos da Igreja para um menor endurecimento do Regímen. Primeiras dissenções baseadas e provadas (cito) na carta pastoral do Bispo do Porto, Dom António. Como já escrevi: conferência brilhante, impregnada de imparcialidade e de honestidade. Um relato histórico do qual o conferencista não procurou tirar ensinamentos limitando-se a expor, segundo a sua maneira de ver, factos susceptíveis de serem analisados. Fortemente aplaudido por toda a assistência. Movimentos de reprovação dos outros conferencistas». E Horta e Costa terminando o seu relato de todas as intervenções, finaliza a carta com o parágrafo seguinte: «Como vê, uma reunião sem interesse e, tenho a impressão, sem consequências. A existirem parece-me que elas serão benéficas para nós. Das três horas de contacto com esta elite da oposição, que dizem em Paris que será o núcleo de um possível futuro governo, não posso deixar de fazer votos para que Deus Nosso Senhor dê muitos anos de saúde ao Governo de Salazar. Confesso que esperava mais».

Interrogado Eduardo Lourenço como se poderia identificar no seu Acervo o texto que serviu de base a esta intervenção, ele afirmou não recordar a existência de um só texto até porque havia improvisado durante a sessão. Contudo, no início da década dos anos 60 este assunto acompanhara a sua reflexão e algumas páginas existiriam, haveria que procurar. Uma pesquisa posterior para reunir o material, na sua maioria inédito, que virá a ser incluído no Volume Tempo e Politica (com a organização de Margarida Calafate Ribeiro e Roberto Vecchi) das Obras Completas veio demonstrar factos importantes e nessa investigação foram essenciais duas cartas de Joaquim Barradas de Carvalho das quais se transcrevem alguns excertos. E pela sua leitura pudemos chegar a três conclusões:

1) Eduardo Lourenço pensou efectivamente abordar o tema inicial que lhe tinha sido proposto para a sessão, pois num conjunto de onze páginas, presas por um clips, na primeira escreve: «“Les Chrétiens et le Régime”. Si on pouvait prendre à la lettre le titre de mon intervention – titre qui m’a étè fourni pas les organisateurs amis de cette rencontre – ma tâche en serait simplifiée. Les “Chrétiens et le Regime”, deux abstractions face à face, tout deviendrait clair. La question, on s’en doute bien est tout autre et c’est celle-là la vraie question, ou tout au moins sa difficulté…»

2) O ms. que Barradas de Carvalho devolve, e do qual foram publicados alguns excertos no Jornal da Liga dos Direitos do Homem, permanece inédito na sua totalidade pois estando assinado com o pseudónimo “Marcos Portugal” facilmente terá fugido à atenção dos investigadores.

3) Existe no Acervo um conjunto de 26 pp. reunidas com o título “L’Église et l’État-Nouveau”. Ms. não assinado e por isso, certamente não concluído, seria este o texto a ser publicado na revista Esprit, após a conferência, conforme desejo manifestado por Barradas de Carvalho?
João Nuno Alçada



Duas Cartas de Joaquim Barradas de Carvalho
 ------

Paris 8/IV/63



Caro Amigo

Não vou hoje penitenciar-me pelas cartas que lhe não escrevi e por tudo o que não fiz e devia ter feito relativamente ao meu amigo Eduardo Lourenço de Faria. O seu notável artigo L’Église et le régime de Salazar serviu para o Jornal da Liga dos D[irei]tos do Homem, onde saiu um excerto. Pelo mesmo correio, em envelope registado lhe envio o seu original, assim como o nº do dito Jornal. Mas o que me traz hoje a escrever-lhe, e urgentemente, (esta carta seguirá “expresso”) é uma sessão que se realizará em Paris no próximo dia 23 (3ª feira), numa sala próxima dos Campos Elíseos, e organizada por uma coisa chamada Congrès pour la Libérté de la Culture. […] Publicam uma revista luxuosa e bem feita chamada “Preuves” e dois dos franceses que estão aqui à frente da coisa são o François Bondy e o Tavernier. Enfim uma coisa “comme il faut” , em que não podemos ser acusados de comunismo. Ora esta organização faz todas as 3.as feiras sessões de apresentação de problemas seguidos de discussão. Houve há dois ou três meses uma sessão sobre a Espanha, em que fizeram exposições o Gil Robles, o Prados Duarte […] a Elena de la Souchère e o autor do Hino da Falanje […] Dionísio Ridurejo. A partir desta sessão houve quem se lembrasse de que Portugal também existia, e daí sermos convidados a uma sessão sobre Portugal na 3ª feira, 23 de Abril. O Mardi-Preuves de 23 de Abril intitular-se-á Le Portugal d’Aujourd’hui e farão exposições de 15 a 20 minutos, seguidas de discussão, as seguintes pessoas […] Está o meu amigo de acordo com o este programa e com a sua colaboração? Pedia que me mandasse dizer urgentemente. Se possível por telegrama […]

Cá esperamos o seu telegrama com uma resposta afirmativa o seu amigo fixe

Joaquim Barradas de Carvalho



P.S.

Mando-lhe em envelope separado o seu texto que me parece óptimo para a sessão de 23 e um nº do Jornal da Liga dos D[irei]tos do Homem

-----

Paris, 16 /IV/63



Caro Amigo

Duas palavras apenas para lhe dizer que cá o esperamos na próxima 2ª feira, 22. A sessão é na 3ª feira, 23 à noite, O Congresso para a Liberdade da Cultura e a revista “Preuves”, pagam-lhe a viagem de ida e de volta e dois dias de hotel em Paris. Foi isto que me disse o Tavernier há poucos dias. Cada exposição não deve demorar mais de 15 a 20 minutos. A sua intitula-se “Les Chrétiens et le Régime”. Será depois publicada pela Revista “Preuves”. Convinha que você fizesse depois um artigo no género daquele que me mandou e que eu lhe devolvi para a revista “Esprit”. O Echevarria em tempos disse-me que Você queria aumentar e corrigir esse texto. Foi esta a razão porque eu não fiz força para que ele saísse no “Esprit” […]



Com os cumprimentos a sua Mulher, um abraço do amigo fixe

Joaq[uim] Barradas de Carvalho
 
 


publicado por porabrantes às 12:17 | link do post | comentar

bemposta.png

Da autoria do Professor Doutor Manuel Rodrigues, cujo nome decora uma rua principal e ''vários melhoramentos''.

Haverá na Biblioteca local?

Há na nossa

mn 



publicado por porabrantes às 12:09 | link do post | comentar

Domingo, 23 de Novembro de 2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aquilo que já vi para destruir o dr. Carlos Alexandre....já o tinha visto em Palermo.

São os mafiosos os que não gostam de juízes independentes...

Também me lembro que  no tecto do quarto de Baltazar Garzón havia uma câmara de vídeo para gravar as cenas conjugais do Meretissimo.

E a casa estava guardada pela secreta...

Precisamos de muitos juízes fortes e independentes e não de carreiristas

Também vi um ministro da Justiça da Ditadura, emérito jurista, o Prof. Antunes Varela ser demitido porque se recusou a abafar um caso de orgias e pedofilia que envolvia o José Gonçalo Sottomayor Correia de Oliveira

Por não abafar o caso foi Mário Soares deportado para São Tomé e ouvi-o porquê, pela boca de Salgado Zenha, antes do 25 de Abril.

Também vi numa sala de audiências um Procurador acusar Maria Teresa Horta, Isabel Barreno e Maria Velho da Costa de pornografia, uma semana antes de Abril (ou seriam duas?) e na sessão a seguir ao 25 de Abril pedir, impávido e sereno, a absolvição..

E vi Sarcozy prometer um lugar a um juiz, em troca de informação privilegiada.

Já vimos muita coisa

Vi juízes independentes e juízes prevaricadores.

Mas nunca vi, em Portugal, um bando de hienas querer linchar um juiz como o querem fazer fazer ao Carlos Alexandre.

São uns pulhas, ou então são facciosos.

 Outros são simplesmente tontos como o Duarte Marques.

A corrupção é tranversal ao sistema político. Contagia todos os partidos. Envenena o sistema.

Depois desta, já não poderão dizer que a justiça é em Portugal só para pilha-galinhas.

E houve um homem que lhes mostrou isso. O Carlos Alexandre. Agora é preciso que não se meta em política, como o Garzón.

Depois desta, começamos a ser um país civilizado.

Quanto a primeiros-ministros socialistas fugidos à justiça, já vi o Craxi, exilado na Tunísia, sob protecção dum cleptocrata.

  Mn 



publicado por porabrantes às 22:23 | link do post | comentar

Um fã do blogue pede-me para dizer que a falecida Caetana, Duquesa de Alba e etc tinha antepassados abrantinos.

Não tenho demasiada paciência prá genealogia e pedi ao amigo que fizesse ele a busca nos costados da versão espanhola da Lili Caneças (grande intelectual amiga do arquitecto Carrilho da Graça)

 

 

rui.png

 A Branca de Almeida é irmã do maquiavélico adjunto de D.Afonso V e de D.João II, o Lopo de Almeida.

 

Não posso simpatizar com a Caetana porque ela usava o título de Condessa-Duquesa de Olivares, que o 2º marido, um ex-jesuíta Jesús Aguirre, tinha metido num cartão de visita prá mostar à esquerda que agora era muito importante.

Bem a razão porque os jesuítas o mandaram compulsivamente dar uma volta é semelhante à que outro jesuíta, o Papa, usa  agora para chamar a atenção a certos bispos e sacerdotes.

Resta dizer que quando o Doutor Candeias promoveu o Charters de Almeida a Chefe dos Almeidas, esqueceu-se da Caetana que usava (devia ser difícil de transportar) 60 títulos de nobreza.

Acho que a senhora era mais nobre que o Charters.

E já que se fala de Duquesas, invoco o nome duma que meteu Mário Soares no Conselho de Administração (ou seria Curador?) duma Fundação.

Luisa Alvarez de Toledo, Duquesa de Medina-Sidónia (o título do sogro de D.João IV). Era comuna.

Um dia os ianques descuidaram-se e deixaram cair uma bomba atómica sem detonador nas terras feudais da Luísa.

Ficou furiosa e levou os camponeses e os seus amigos do PCE a enfrentaram-se à polícia franquista.

No julgamento o juíz disse-lhe: Tem maneiras, tu não podes tratar um magistrado por tu.

Cala-te-disse-lhe a comuna, : Tu é que não podes tratar-me a mim por tu, tens de me tratar por Excelência, eu sou Grande de Espanha e tu não passas de um lacaio fascista.

Apanhou uns anos de cadeia que cumpriu, mandando à merda quem lhe propunha um indulto.

luisa.png

Wikipedia

 

Depois foi pró exílio beber copos e conspirar com o Mário Soares que estava em Paris, e com o Santiago Carrillo. O dr.Soares conta a sua amizade com ela aqui.Vale a pena lê-lo, porque é um homem de boa memória e continua a escrever muito bem..

E fiquei a  saber que Luiza Alvarez de Toledo nascera em Portugal.  Já agora era meio judia.

Se o nosso amigo das genealogias quiser verificar se a Duquesa comuna era descendente dos Almeidas a malta agradece.

mn

 

  

 



publicado por porabrantes às 18:59 | link do post | comentar

Tenho de afirmar que não me surpreendeu a prisão de Sócrates, e alguns compinchas seus. Talvez me tenha surpreendido mais o que demorou.

Tenho de afirmar que não me surpreendeu a prisão de Sócrates, e alguns compinchas seus. Talvez me tenha surpreendido mais o que demorou.

 

 

pedro

 

Nunca compreendi o dinheiro que passou a ostentar depois de sair do Governo (mesmo que tivesse governado bem), nunca vi explicado o empenho dele em promover o computador Magalhães (que ao princípio me pareceu tão incapaz, que nunca quis que os meus filhos a ele se candidatassem, embora admita que depois, com o sucesso de vendas, tenha melhorado), como me pareceram difíceis de engolir as relações com o Grupo BES (e o ex-ministro Pinho), ou com os Lena de Leiria e maias alguns. Só para dar alguns exemplos do que me foi difícil observar.

Não estou com isto a fazer acusação nenhuma, porque não tenho dados, e até desconfio sempre da acção da nossa Justiça. Só estou a dizer que não me surpreendeu.

Como não me surpreenderiam outros casos no futuro.

Pedro Anunciação, no Sol, com a devida vénia

O Pedro é cunhado da drª Ana Cabral, que usa Soares Mendes, apelido do ex-marido, e paroquia em nome do Opus Dei a Nova Aliança e diz coitadinha que está muito pobre  (já lá iremos)

 



publicado por porabrantes às 16:28 | link do post | comentar

joaquim lopes da neta.png

 O cavaleiro D.Francisco de Mascarenhas era parente do falecido Marquês de Fronteira, podem ver uma entrevista com ele aqui. Acho que o Joaquim Lopes da Neta, valoroso novilheiro era de família do Sardoal (Valhascos).

Não vou investigar mais.

Podem encontrar mais dados no excelente blogue taurino À Antiga Portuguesa, do amigo Fadista, donde se retirou a reprodução do recorte, com a devida vénia.

Pode o Poder continuar a jurar a pés juntos que não há tradição taurina cá na região, que certamente se cobre de ridículo.

mn (aficionado)

 



publicado por porabrantes às 15:36 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A salvadora das nabiças ...

A pandemia nos lares de i...

Assim vai o combate ao co...

O escravo do judeu

Coronavirús: A Justiça

MORRER SEM SER AMADA...

America First

Disputa nas obras de S.Do...

Homenagem a Monsieur Uder...

Emigrantes judeus abranti...

arquivos

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds