Domingo, 5 de Janeiro de 2020

luz punhete

povo da vila no último quartel do século XIX
 
Punhete: de um TE DEUM na Matriz

à citação da «República» em.... 1820

No dia 16 de Janeiro de 1868, segundo as actas, ao receber-se em Constância (então Punhete), passo a citar, «a notícia da revogação da ominosa lei", todos os habitantes desta vila, "sem distinção de classes ou de política", diz o escrivão, "levantaram um grito de alegria, que manifestava pura e sinceramente o estado de uma alma. Nesse dia, o povo percorreu as ruas da vila, dando calorosas vivas a Sua Majestade, El Rei D. Luís Primeiro, e à Ilustre Casa de Bragança». Motivo?
Trata-se aqui da restituição do arquivo municipal o qual, em execução da lei de administração civil, fora removido para a então vila de Abrantes.
O Concelho de Constância tinha sido suprimido pela primeira vez (a segunda supressão viria a acontecer em 1895) e anexado ao de Abrantes, pelo decreto de divisão territorial.

«Na manhã daquele dia o povo da vila e da freguesias rurais enchia a praça pública, que se achava cercada de bandeiras. Eram dez horas, achando-se
o presidente e vereadores na sala das sessões da câmara (…) todos na suas respectivas repartições, quando deram entrada nesta vila, acompanhados por uma banda filarmónica marcial, e seguidos por um grande número de homens do povo, os arquivos do município.
À sua chegada subiram ao ar inúmeros foguetes, e o povo rompeu em calorosas vivas e aclamações de entusiasmo pela independência deste concelho.»




Recebidos que foram os arquivos, ficou também exarado que «todas as autoridades eclesiásticas, administrativas e judiciais, os empregados públicos e o povo, dirigiram-se logo à igreja matriz
desta freguesia, onde se cantou um solene Te Deum em acção de graças pela reintegração do Concelho de Constância.»

Na acta, em plena descrição eufórica, fala-se dum «estado de uma alma», a do povo de Constância. Porém, cerca de trinta anos mais tarde aquando da segunda supressão do concelho, face à apatia da população, seria graças à intervenção poética de um funcionário das finanças que o povo acordaria para a necessidade de restaurar o concelho e, diga-se em abono da verdade, foi o Conde de Arnoso que terá metido uma cunha ao Rei Dom Carlos. O pedido escrito da população entregue ao monarca foi a formalidade. Estes factos ouvi-os ao cronista Joaquim dos Mártires Neto Coimbra de saudosa memória o qual os registou na sua monografia da vila.
 
Citação da «República»

Na acta  o escrivão interino, como que em post-scriuptim (?) pôs ainda a população a dar «vivas à carta constitucional». Em artigo anterior já publicado por este jornal, de minha autoria, dei conta de uma série de factos que entendo, abonam em favor da tese de que a população de Constância foi partidária do Rei Dom Miguel  aquando das lutas liberais. A posição da então câmara de Punhete em 1836 (pedido para adquirir o título de «Notável» em razão de alegados factos ocorridos em Tomar em 1833)  - anote-se que estamos a falar de uma vereação prendada por uma rainha imposta em parte pela força das armas estrangeiras - só se poderia entender ao arrepio da factualidade descrita em registos militares aos quais se acrescenta  a própria memória de Dom Manuel Martinini o «Hespanhol» publicada pela edilidade tomarense p qual, embora residindo na vila de Punhete,  arregimentou milícias fora dela para aclamar a filha do regente que nunca foi aclamado efectivamente rei de Portugal. A Crónica Constitucional do Porto, insuspeita na matéria, coloca a milícia que suspeitamos ser braço armado dos jacobinos, mormente, nos arredores de Punhete; e nós sabemos por outras fontes já reveladas que foi no... Seival,actual concelho de Barquinha que tudo se terá organizado à pressa... com pessoas aliciadas de várias partes.
Sabemos que há actas de Punhete do tempo da chamada «revolução liberal» com citaçóes a Dom João VI e à «carta constitucional», textos completamente riscados. A nossa pesquisa isso constatou. Constatámos, outrossim que num auto de eleição de dois vereadores de 2 de Janeiro de 1820 , por um despacho de um ministro que fica no cartório (cujo nome não se cita ali) «foi mandado «deitar-se pregão por toda a vila, para que todas as pessoas que têm servido na República viessem às Casas da Câmara para votarem em dois vereadores(...)». Pela contagem de votos que ficou exarada estiverem presentes 34 pessoas na votação. Sobre a referência à «República» em 1820, Caetano Beirão na sua História do Estado diz-nos que há provas da projecção de uma constituição duma República Ibérica e adianta que delegados da maçonaria do pais vizinho vieram a Portugal antes de estalar no Porto a dita revolução liberal. Mas há outros autores que dissertam sobre a ideia do iberismo e da república nesta época concreta.  Adiante...
 
Em 7 de Abril de 1821 a câmara de Punhete dirigia.-se ao «Soberano Congresso» nomeadamente da dita sessão  extraordinária resultante da revolução dando «felicidades ao soberano augusto congresso nacional» (ler diário).Havia na época em Portugal o governo militar de Beresford pois a corte estava no Brasil. Aconteceu que no ofício atrás mencionado da câmara de Punhete há uma crítica implícita a esse governo inglês quando se alude ao «monstro da anarquia», adita-se, «por não ter asilo neste harmonioso país».
 
Regressemos atrás....  à data de Janeiro de 1820 da tal eleição de vereadores de Punhete em que se refere em acta a palavra «República» parece que os revolucionários por aqui em terras lusas adoptaram uma constituição provisória espanhola originária do Triénio Constitucional de Espanha. Fracassado o liberalismo nos nossos vizinhos pessoas como Manuel Martinini fugiram de Espanha e vieram para cá prosseguir a sua senda jacobina. Este assentou em Punhete e casou com uma mulher da família Falcão. 
 
Muito está por esclarecer mas, para mim, há uma conclusão óbvia: uma ala radical dos revolucionários, jacobina, acaso partidaria do «Sinédrio» teria adeptos em Punhete ainda que não fossem  todos dali necessariamente originários. Um deles, de Santarém,  teve cargos importantes no Reino e herança de um Conde...
Essa ala jogava nos dois tabuleiros consoante os ventos. É vê-los a participar voluntariamente na chamada «Guarda Nacional» a qual mais tarde não inspiraria grande confiança a Dona Maria II como se vê pela Gazeta de Madrid, excepto alguns casos como o de... Punhete. Algumas elites lutavam pela sua sobrevivência política o que é dizer-se... pela sua sobrevivência económica propriamente dita.
A mim não me interessa tanto a «razão » mas os factos que vão emergindo... Todos os jogos partidários só provam que o ser humano é fraco de convicções e forte em afirmações e que a maçonaria internacional conseguiu o seu objectivo ao afastar com coacção militar o Rei Dom Miguel. Para esta rede não interessava a questão jurídica da sucessão (Dom João VI, que morreu envenenado segundo pesquisa recente científica, não cita o nome do herdeiro no seu testamento), interessava-lhes sim, destruir a Igreja católica. É o Poder. E isto conclui-se, sem tomar partido de causas. Não é necessário chegar a tanto neste escrito.
 
José Luz (Constância)

Nota 1 - In Acta dos acontecimentos dos dias 16 e 21 de Janeiro de 1868, do arquivo da cmc.

Nota 2 – Actualizei a escrita.




tags:

publicado por porabrantes às 23:29 | link do post | comentar

sao joão dgpc

e não fez nada a não ser medalhar o responsável da ruína

ma 

foto DGPC


tags:

publicado por porabrantes às 22:45 | link do post | comentar

O Mirante destaca e bem a ruína de S.João desta cidade, a Igreja mais antiga de Abrantes.

  

ruina s.j

A Igreja é propriedade da paróquia e o pároco é um tal José da Graça, afastado agora pelo Bispo.

O Estado mesmo assim gastou balúrdios em S.João.  

s.joao 67 obras

Obras em S.João, graças ao P.Luís Ribeiro Catarino, 1967, pagas pela DGMN

O Graça conseguiu que o Estado metesse lá mais ma$$a

s.joao empreitada

Mas a Paróquia que possuía dinheiro e bens (alguns afectos pelo Graça à indústria dos drogados) não fez as obras de conservação necessárias para manter o que o Estado reparara (caiar, mudar telhas, etc)

O adro (que é da paróquia) apresenta este lastimável aspecto

s.joao muro - copia

Entretanto o Graça falsificava documentos para acumular dinheiro que não sabemos onde era usado e queria construir uma basílica e não reparava a Igreja.

s.joao interior

Entretanto o interior estava assim (agora está pior).....

Entretanto Armindo Silveira tem chamado a atenção para a perda dum património único.

O neo-liberal fica calado e o Vereador da Kultura também, embora vão à bola juntos.

A CMA anunciou que ia vender um barracão na cerca, entretanto dizem-nos que o comprador desistiu.

Toda esta vergonha, todo este desmazelo, ameaça um património único na cidade.

O Senhor Bispo chamou a atenção para esta lastimável história, criticando o Graça.

Salvar S.João deve ser um imperativo de todos os abrantinos.

Voltaremos ao assunto.

ma     

 

   

  



publicado por porabrantes às 21:40 | link do post | comentar

((....)En o de la sal, en Abrantes compran, á dos reales el hanega, que son dos hanegas una carga, y llevadas por tierra á Alcántara hacen dos ducados de porte, los cuales ha de pagar el extremeño si la quiere comer, y el ganadero para su ganado. Llevándose por la navegación del río, una barca lleva sesenta y setenta cargas, y á dos, reales cada carga, se ahorran en  cada barcada mil y doscientos ó mil y cuatrocientos reales, que en muchas barcadas que gastan allí y mas lejos, es de consideracion por otros provechos que desto salen. (....)

Giovanni  Baptista Antonelli,  carta a Filipe II 



publicado por porabrantes às 17:01 | link do post | comentar

soleimani 3

saoleimani 2

 


tags:

publicado por porabrantes às 11:18 | link do post | comentar

Sanchez resolveu agradecer aos separatistas galegos o seu apoio político, usando o dialecto que D.Miguel de Unamuno dizia que só servia para falar com as vacas.

No dialecto  diz-se ''grazas'', o estadista agradeceu na língua de Camões e não no dialecto das vacas.

Os galegos riem-se à gargalhada da gaffe

mn


tags:

publicado por porabrantes às 10:16 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Palma Carlos: Adriano Mo...

Sindicato denuncia Hospit...

A origem do virús

Os profissionais da saúde...

A Tifóide mata o Rei depo...

A salvadora das nabiças ...

A pandemia nos lares de i...

Assim vai o combate ao co...

O escravo do judeu

Coronavirús: A Justiça

arquivos

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds