Quarta-feira, 11 de Novembro de 2020

coruche.png

Um excelente livro para compreeender Gonçalo e a leitura que faz do Ribatejo, sobretudo da Charneca, que vai desde Abrantes a Coruche. Como se viveu nela, que economia tinha, que possibilidades de desenvolvimento harmonioso tem.

Que barbaridades urbanísticas se fizeram em Coruche e como as corrigir. Os projectos de Gonçalo para a terra dos seus maiores. O seu percurso político. Os autarcas deviam ser obrigados a ler isto.

Entrevista de Domingos Francisco. Ed do Museu de Coruche.   



publicado por porabrantes às 20:50 | link do post | comentar

10.png

Dia 11, 10 da manhã -vídeo do Armindo Silveira. Algum curioso diz que esta espuma não significa nada. Significará que durante a noite terá havido uma descarga poluente a montante.  E que deve ter havido muito mais espuma acumulada. E que as autoridades devem estar atentas. Sabemos que a Protejo já avisou a APA.

mn

 



publicado por porabrantes às 18:28 | link do post | comentar

Gonçalo Ribeiro Telles, lavrador de Coruche, professor universitário, pai do paisagismo português com Caldeira Cabral, monárquico de toda a vida, vindo da 3ª geração do Integralismo, resistente anti-fascista, candidato pela CEUD, em 1969, com Mário Soares, fundador e Presidente do PPM com Barrilaro Ruas, Rolão Preto, Luís Coimbra, João Camossa de Saldanha, etc, Secretário de Estado do Ambiente nos 4 Governos Provisórios (1974-75), inspirador da recusa do PPM em assinar o pacto MFA-Partidos, Fundador da AD, Ministro do Ambiente com Sá Carneiro, o homem que lançou a ecologia portuguesa, crítico implacável do betão que destroça este país, deputado independente do PS, um homem do campo e dos cafés, um telúrico defensor da humanização da cidade, alfacinha de gema, ribatejano da borda do Sorraia, açoite implacável das políticas pró-betão de Krus Abecassis,   fundador do MPT, vereador independente da CM de Lisboa em sucessivos mandatos.

O Pai da Utopia que que tornou a ecologia na bandeira de republicanos e monárquicos

 

   

 

 

o génio que se define como um ''Jardineiro de Deus'', o amigo de Mário Soares, o confidente de Sá Carneiro, acaba de morrer.

Vergamo-nos à sua memória.

mn

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 17:42 | link do post | comentar

Já se viu aqui que o abrantino Pires Cardoso durou pouco como Ministro do Interior.

E porquê?

Voilá! Não tinha suficiente brutalidade para aguentar  a responsabilidade dum Ministério onde se torturava nas cadeias (o homem, alma cândida de democrata cristão,'' desconhecia'' estas coisas quando foi para chefe dos torcionários.).

pires cardoso.png

(1)

Ou seja depois duma violenta discussão com Salazar, o Cardoso apanhou um AV e teve de ser hospitalizado....

Tudo porque Salazar mandara prender o António  Sérgio, o eminente historiador Jaime  Zuzarte Cortesão, o monárquico Vieira da Almeida ou seja o estado-maior intelectual da candidatura Delgado. 

E isso era demais, para a filantrópica candura do católico Cardoso. Ah sim, disse o Botas, já chega de copinhos de leite, metam esse brutamontes do Schultz....

ma 

 

(1) Luis Bigotte Chorão, Asilo político em Tempos de Salazar, Os casos de Humberto Delgado e Henrique Galvão, Edições 70, Lisboa 2019

 



publicado por porabrantes às 16:21 | link do post | comentar

F era cozinheira e trabalhava nos CTT em Alferrarede.

Que salário ganhava?

588 € líquidos. 

M é toxicómano e está a aguardar julgamento. Recebe RSI, administrado pelo CRIA 

Quanto ganha no RSI?

113€ , mais 539 € de salário através duma ETT (empresa de trabalho temporário)

Ou seja a senhora que não tem problemas judiciais nem de toxicodependência, ganha menos que o do RSI

Aqui algo estará mal....

E enquanto as coisas estiverem assim, haverá votantes no Chega.... porque este partido pede cortes radicais no RSI......

mn


tags:

publicado por porabrantes às 16:13 | link do post | comentar

O Valamatos não gosta que o sr. dr. Armindo Silveira ''poste'' nas redes sociais. Divulgamos extracto do último post do Vereador, que prova que a espuma assassina volta ao Tejo, que o PC garantia ontem que tinha águas idílicas, enquanto a APA e os célebres 5 guarda-rios, dependentes duma administração PS olham para o lado.

tejo.png

Dia 11, Vídeo do Vereador Silveira

  



publicado por porabrantes às 10:46 | link do post | comentar

''Ao Dr. Augusto de Castro. Começo por felicitar vivamente V.Exa pelo seu artigo de hoje e por agradecer-lhe a preciosa colaboração nesta campanha em que estamos empenhados (...)

O Dr.Ribeiro Lopes escreveu-me de África, e também de Lisboa, algumas cartas recheadas de interessantes considerações  acerca de vários aspectos da questão de Goa. Incitei-o a publicar um ou dois artigos que pudessem ser publicados em jornal de grande tiragem, e lembrei-me do ''Diário de Notícias'' Ainda não vi os artigos, que espero que sejam bons. No caso de o ''Diário de Notícias'' querer ter a amabilidade de prestar um mais patrótico serviço publicando-os, não sei, V.Exª verá-como devem ser apresentados. Assinados? Como sendo da casa? Dando-se a impressão de serem de origem oficial?  (.....)''

António de Oliveira Salazar

artur ribeiro lopes.png

Nova carta do Ditador: 

''Ao Dr. Augusto de Castro. Muito obrigado pela publicação em fundo do artigo do Dr.Ribeiro Lopes (...)''

Salazar recomenda (ou ordena) que o oficioso matutino, dirigido pelo mundano diplomata e razoável escritor, Augusto de Castro, publique os artigos do abrantino e ex-republicano Ribeiro Lopes, por certo uma das únicas pessoas da terra, que foi amigo de Pessoa, o outro foi Botto, a quem Salazar também protegeu.

Ribeiro Lopes tinha sido republicano e aderira à ditadura e foi um incansável propagandista do Presidente do Conselho e o dinheiro do SNI pagava essas obras. (1)

.

statesman 2.png

A forma cortês e civilizada como Salazar manda publicar os artigos, a maneira de combinar com Augusto de Castro a forma de vender o peixe governamental e lusitano (era 1957 e Nehru começava a acossar Goa),  é a tradução de  como o Poder controla jornalistas venais.

Só que nas terriolas, os caciques fazem isto muitas vezes duma forma mais rústica e boçal.

Pode-se dizer mal de Salazar, mas era um homem extremamente bem-educado. E cultíssimo. Bem, o seu amigo Cerejeira era muito mais culto que ele.....

ma

Os trechos das cartas de Salazar são retirados da obra de Franco Nogueira, Salazar IV O Ataque (1945-1958)      

(1) Ribeiro Lopes passou à Oposição em 1958, tendo papel influente na candidatura Delgado



publicado por porabrantes às 10:30 | link do post | comentar

Um cacique?

Dois caciques?

O Tesoureiro do CSIA?

Um cónego burlão?

O insucesso escolar?

A tropa que quer manter o bunker?

Donald, que barricado na White House, se resiste ao voto popular?

Ou manteremos confinada a despositivação?

ma



publicado por porabrantes às 10:28 | link do post | comentar

A trágica senda da Covid prossegue: 3 mortos no Lar do Pego (ler na Hertz)


tags: ,

publicado por porabrantes às 08:26 | link do post | comentar

Morreu Artur Portela Filho, no Hospital de Abrantes, de covid. O escritor e jornalista incarnou durante os tempos negros do gonçalvismo a resistência jornalística ao controle da imprensa, por parte do do totalitarismo comunista e da tropa ignara. Naturalmente não foi só ele. Vera Lagoa, Balsemão, Raul Rego e uma plêiade de homens da imprensa souberam dizer não. E aqui na região, o ''Templário'', com Fernanda Leitão, foi outro baluarte de luta contra a censura.

duas ou três coisas: Artur Portela

Mas Portela era o que escrevia melhor. As suas crónicas, assumidamente ecianas, reunidas em sucessivos volumes da ''Funda'', deveriam obrigatoriamente ser relidas, quando a falta de referências literárias povoa hoje muitas páginas da Imprensa.

Quando Correia Jesuíno, Ministro da Censura,

 

jesuíno.png

(Vilhena satiriza o Jesuíno)-gamado ao Casal das Letras  

ousou ameaçar os jornais, com o regresso da tesoura, o director do ''Jornal Novo'', respondeu assim ao marujo-censor:

''À abordagem''      

DGI - Notícia 4 282, de 3/9/75 - Gabinete do Chefe do Estado Maior da Armada:

A Assembleia da Armada verificou que mais uma vez a Marinha foi tratada, nas páginas do Jornal Novo, de uma forma que se considera ofensiva do prestígio e dignidade da Armada.

Constatando que o facto apresenta características de difamação sistemática, constituindo um abuso da liberdade de Imprensa, a Assembleia avisa solenemente o Jornal Novo que a Armada se reserva o direito de actuar revolucionariamente, em justa defesa do seu prestígio, se casos de idêntica natureza se voltarem a repetir.


Marinha:

Porque é que os Gabinetes têm, do ridículo, esta decidida vocação?

E porque é que o Gabinete do Chefe do Estado Maior da Armada, que tem mais mar, e mais mundo, que tocou, do perfil da civilização, todos os portos, se sujeita a escrever esta coisa de que gerações inteiras rirão?

Dizer que uma fotomontagem que faz pedalar, na primeira página deste jornal, um comandante político, "ofende o prestígio e a dignidade da Armada ", dizer que uma fotomontagem, que coloca, sobre a obra-prima de humor, de sensibilidade, de garra portuguesa, que é um desenho de Rafael Bordalo Pinheiro, a cabeça de um Primeiro-Ministro, " apresenta características de difamação sistemática " - é a demonstração de que o Gabinete do Estado-maior da Armada tem capacidade de não ser, por vezes, excessivamente inteligente.

É a demonstração de que este Gabinete não compreende nada do que tem de ser essa qualidade, essa cultura, essa plasticidade, essa largueza, essa força da razão, essa intensidade humana, que é a política, que é a responsabilidade, não apenas de um convés, de um quartel, de um mar chão, mas de uma complexidade, de uma heterogeneidade, de uma dialéctica, que é - um País.

Se um Gabinete de Chefe do Estado-maior da Armada não entende que nem a fotomontagem onde pedalava um político responsável pela lei de Imprensa que nos queria amordaçar a todos, nem a fotomontagem em que Pinheiro de Azevedo tinha a honra de apor o seu rosto, que a História mal conhece, a um desenho, que a História de Arte e a História tout court consideram inesquecível, são ofensivas do prestígio da Armada, da dignidade da Armada, esse Gabinete, não somente não tem nenhum sentido de humor, como não tem robustez psicológica, endurance cultural, para assumir, deste País, deste País que sempre soube rir, desde o escárnio medieval ao Eça constitucional, os destinos.

É grave, Gabinete.

É grave, Armada.

Porque, dois pontos: nem nós temos, contra a Armada, nada de irredutivelmente sério, nem nenhuma revolução é incompatível com a alegria.

A Armada, Gabinete, sempre foi, das janelas deste jornal, que escancaram sobre o Tejo, a alegria.

Este jornal, Gabinete, tem, da História, a noção de que deve à Armada a costa de África, o Cabo, a ilha de Moçambique, a Taprobana, Calecut e Dili.

O mais jovem dos nossos repórteres vê na Armada o "Adamastor", Machado dos Santos, o "Augusto de Castilho" e o almirante Rosa Coutinho.

Não há, neste jornal, contra a Armada, o mais leve rebuço.

A revolução, Gabinete, porque há-de ela assumir, da seriedade, o espírito, da opacidade, a espessura, da mediocridade, a teima?

É velha a questão.

Tão velha como a Marinha.

Que nem a crítica nem os ataques são ofensa e que uma e outra coisas são, também, a fecundidade e a dialéctica da democracia.

Reabrir, hoje, nesta revolução, perante este jornal, numa fase tão grave da vida desta revolução, e deste País, esta polémica, tão fácil para nós, tão lamentável para o Gabinete, inaugurar, contra a inteligência, contra a liberdade, contra a crítica, contra a alegria, esta frente de batalha - que significa isto?, que quer isto ocultar?, que insuficiência projecta?, que sanha compensa?, que derrota camufla?

Há, depois, e finalmente, uma coisa grave, Gabinete, que é - a ameaça.

Que é, sic, " o aviso solene de que a Armada se reserva o direito de actuar revolucionariamente, em justa defesa do seu prestígio, se casos de idêntica natureza se voltarem a repetir ".

Isto é - A ABORDAGEM!

Está, pois, este País, habilitado ao espectáculo único na Europa que é haver, entre a Armada e um jornal, uma batalha - naval.

Poderá ser assim.

O "Jornal Novo" deita, no largo de Santa Catarina, o ferro.

A Armada passa ao largo.

O "Jornal Novo" arreganha, num mastro, duas tíbias cruzadas, e uma caveira.

A Armada abre, rotundo, nutrido, o fogo.

O "Jornal Novo" lança, em torpedo, uma fotomontagem.

A Armada sulca, na direcção pirata, o Tejo.

O "Jornal Novo" arremessa, em torpedo, a segunda fotomontagem.

A Armada encurrala, entre os seus costados de aço, o "Jornal Novo".

No convés do "Jornal Novo", agitam-se, facas nos dentes, papagaios nos ombros, lenços atados ao crânio, os redactores.

O comandante Correia Jesuíno varre, de um só golpe de escopeta, o convés, e abre, entre Antilhas morais, entre pernas de pau, entre barris de rum, caminho, na direcção de um homem enorme, de barba preta, de nariz adunco, que está escrevendo, no seu camarote - um editorial.

Talvez o último.

Talvez este.

E é no mastro mais alto, na ponta do cabo mais áspero, entre hurras viris dos fuzileiros, entre tripulações inteiras que agitam as boinas, entre flâmulas, entre tiros secos, e brancos, entre o buzinar de festa, que é, finalmente, justiceiramente, enforcado - o director do "Jornal Novo".

 

Outro dia, Gabinete, esteve aqui, neste jornal, discutindo uma qualquer miudeza, isso!, a revolução cultural, um escritor que é marinheiro, um Pierre Loti feroz, - o meu amigo Ramiro Correia.

Pergunta este jornal, directamente, - estava ele nesta Assembleia, levantou, ele, nesta Assembleia, contra o "Jornal Novo", contra as fotomontagens, contra Rafael Bordalo Pinheiro, contra o sorriso da pequena História, contra a memória visual de um futuro implacável, contra o direito à alegria, à crítica, contra o dever da inteligência, da abertura, o seu braço, a sua voz, os seus galões?

Esta votação, Ramiro, é, ela, a revolução, a cultura, ambas, ou nenhuma? Que erro é este, político, seu, de passar, a um jornal incómodo, um atestado de força? Que erro é este, cultural, e político, revolucionário portanto, seu, de passar, a si próprio, a uma sala branca, um atestado de incapacidade?

Por quanto tempo nos lembraremos todos, todos os jornalistas, todos os escritores, todos os poetas, todos os cronistas, todos os historiadores, com um sorriso terrivelmente português, dilacerantemente lisboeta, e não só, deste comunicado que declara guerra a um jornal, deste comunicado que proíbe a caricatura, deste comunicado que confunde humor com ofensa, deste comunicado que invoca a revolução para vir escavacar talvez meia dúzia de secretárias, e arremessar, talvez, pelas janelas, meia dúzia de máquinas de escrever?

Com esta grandiloquência de quem faz História às pazadas, de quem traz o nome, a seis colunas, no cabeçalho de qualquer jornal, não estarão alguns protagonistas desta revolução a deixar que, amanhã, fique deles, não o Rádio Clube Português, não o "Diário de Notícias", não o "Diário de Lisboa", mas estes indícios, feitos de trágico e feitos de cómico, que são estes comunicados, estas ameaças, estas batalhas navais?

É para esta opacidade que se fez, Ramiro, esta revolução?

 

Este Gabinete sabe de quem é o retrato que o traço de Rafael Bordalo Pinheiro faz?

Pois é do senhor Dom Luís, que foi, deste País, não ministro da Comunicação Social, não Primeiro-Ministro indigitado, não director de um jornal da manhã - mas rei.

Rei e tradutor de Shakespeare.

Este Gabinete sabe onde está, entre outros retratos, este retrato?

Pois está no "Álbum das Glórias", painel do Constitucionalismo.

E julga este Gabinete, tão revolucionário, tão culto, tão comunicável, tão ameaçador, que o Constitucionalismo e o Senhor Dom Luís, que toda a gente sabe muito moderadamente subtis, protestaram, eles, mandaram, eles, pôr uma fragata em frente da casa do sr. Rafael Bordalo Pinheiro, ameaçaram, eles, o "António Maria" de mandar dois marinheiros destroçar a tipografia, empastelar os tipos, partir os lápis?

Não, hélas, Gabinete.

Eles não fizeram nada disso. Só porque eles, apesar de obesamente monárquicos, de vagamente liberais, de cautamente letrados, sabiam duas coisas muito simples.

Uma coisa é que o jornalismo tem o direito, e o dever, da crítica, da alegria, da invenção.

Outra coisa é que mandar um comunicado, uma fragata, ou dois marinheiros, destroçar um atelier, uma tipografia, um lápis que seja, é - um suicídio cultural, um suicídio moral, um suicídio político.

 

Excelente é que este Gabinete defenda, ele, não a liberdade de navegação, mas a liberdade de Imprensa.

E aí, não sabendo nós, de barcos, coisa nenhuma, sabemos nós alguma coisa.

Sabemos, por exemplo, coincidência!, que foi exactamente uma das nossas fotomontagens, chamada Correia Jesuíno, que fez chegar ao Conselho da Revolução, nas mãos de outra das nossas fotomontagens, chamada Rosa Coutinho, o projecto de lei que a maioria esmagadora dos trabalhadores da Imprensa considerou uma tentativa de restabelecimento da censura.

Aparentemente, há políticos portugueses que dão fotomontagens. Mas há políticos portugueses que são fotomontagens.

Interessante seria, histórico seria, revolucionário seria, que este Gabinete, tão leitor das primeiras páginas deste jornal, tivesse feito, ele, semanas atrás, outra nota que seria, essa, assim:

"A ASSEMBLEIA DA ARMADA VERIFICOU QUE, MAIS UMA VEZ, A IMPRENSA FOI TRATADA PELO MINISTRO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL, DE UMA FORMA OFENSIVA DO PRESTÍGIO E DIGNIDADE DO JORNALISMO.

CONSTATANDO QUE A APRESENTAÇÃO PELO COMANDANTE CORREIA JESUÍNO DE UM PROJECTO DE LEI QUE AMEAÇA A LIBERDADE DE IMPRENSA, AO CRIAR UMA COMISSÃO DE ANÁLISE E AO INSTITUIR MULTAS ATÉ 500 CONTOS E PENAS DE SUSPENSÃO ATÉ 180 DIAS, A ASSEMBLEIA SAÚDA O JORNAL NOVO PELA SUA FRONTALIDADE AO DENUNCIAR ESTA INIQUIDADE E AVISA SOLENEMENTE OS INIMIGOS DA LIBERDADE DE IMPRENSA QUE SE RESERVA O DIREITO DE ACTUAR REVOLUCIONARIAMENTE, EM JUSTA DEFESA DO PRESTÍGIO DA REVOLUÇÃO, SE CASOS DE IDÊNTICA NATUREZA SE VOLTAREM A REPETIR."

Embora este comunicado não tenha, ao que parece, sido publicado, talvez fosse este um pouco o sentido das palavras do indigitado Primeiro-Ministro quando, perguntado sobre o destino do sr. comandante Correia Jesuíno, respondeu:

- Está dentro dos meus planos pedir-lhe para descansar.

 

Admirável Gabinete, este jornal regista o teu aviso solene.

Até porque, Gabinete, este jornal há uma coisa que não tem - é medo.

Este jornal avisa, ele, solenemente o Gabinete do Chefe do Estado-maior da Armada de que se reserva o direito de actuar revolucionariamente, em justa defesa, não apenas do prestígio do jornalismo, mas do próprio prestígio da Armada, se casos de idêntica natureza se voltarem a repetir.

É que, entendamo-nos, Gabinete, não é principalmente o prestígio da Imprensa que está em causa. Nem o prestígio de Rafael Bordalo Pinheiro.

Com esta nota deliciosa, com esta nota que já entrou na História, que, obrigado, Gabinete, nos ajuda a ocupar, lá dentro, um lugar confortável, e vistoso, com esta nota que é um teste psicológico, cultural, político, o que está em causa é o prestígio - do Gabinete.

Portanto, Gabinete, este jornal reserva-se o direito de actuar revolucionariamente pela inteligência, pela alegria, pela crítica.

Este jornal reserva-se o direito de esperar que a Armada responda à inteligência com a inteligência, à alegria com a alegria, à crítica com a crítica.

Este jornal reserva-se o direito de esperar que a Armada mantenha, da largueza, do horizonte rasgado, a sua tradição.

Este jornal espera que a Armada não deite ferro na pequenez, e no ridículo, desta nota, e se faça ao alto mar da grandeza que esta revolução tem de ser. ''

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 07:43 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

CMA não ganhou ainda caso...

O aumento ilegal das tari...

O mercado

Quem dorme com quem?

Escavações abrantinas de ...

Para calarem os gajos

Tejo não é candidatável a...

Outro arqueólogo ''abrant...

A representação democráti...

CMA cede loja a associaçã...

arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Janeiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds