Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

148625811_1458496937821783_5854806111423748725_o.j

O Adalberto é o Presidente da Unita, tem origem cabo-verdiana e tinha até há pouco passaporte luso.

Ou seja não reúne as características rácicas objectivamente necessárias para ser um preto angolano ''de matriz bantu''.

Esta é a posição oficial do MPLA

Esqueceram-se de acrescentar que foi seminarista.

ma 

ver artigo no Público sobre a deriva racista do partido dos maribondos 

gamado ao site angolano XAA

 


tags: ,

publicado por porabrantes às 19:11 | link do post | comentar

A linguagem implacável, o português excelente ou não fosse José Agostinho de Macedo, um dos grandes prosadores de começos de Oitocentos, os alvos a abater, neste jornal clandestino, ''Navalha de Figaró ou a Palmatória do Padre Mestre Inácio Administrada aos Seus Discípulos'',  são os revolucionários de 1820 e no caso o Coronel Sepúlveda, acusando-se o pai de ter praticado um assassinato em Abrantes

spulveda.png

General_Manuel_Jorge_Gomes_de_Sepúlveda_(1812)_(c

O José Marcelino Jorge de Figueiredo, que uns dizem nobre, outros neto dum sapateiro, foi condenado à morte pelo assassinato de John MacDonel, em Abrantes, um colega de regimento. Graças a protecções, conseguiu arranjar outro nome e fazer proveitosa carreira de armas no Brasil.

O filho fizera também carreira militar brilhante e era um dos caudilhos da Revolução do Porto. 

Com a maldade que o caracteriza, José Agostinho de Macedo recorda ao transmontano, que não passa dum filho dum assassino impune. E a seguir...chama-lhe ladrão.

Passa a tratar do Morgado de Punhete. Em termos parecidos...

ma  

 



publicado por porabrantes às 17:18 | link do post | comentar

manzoni.png

Foi em Abrantes director da Fábrica de Azeites da CUF

Estava ligado a sectores monárquicos legitimistas e foi encarcerado pela República.  Distinguiu-se como gestor do Diário de Lisboa e do órgão miguelista, a ''Nação''.

manzoni arquivo nacional 1937.png

Arquivo Nacional, 1937

ma

primeiro recorte : via Centenário da República



publicado por porabrantes às 10:32 | link do post | comentar

 

Foto de Salazar Diniz_.JPG

 

 

Quem ainda se recorda dos tradicionais candeeiros à moda antiga da Vila de Constância,  substituídos  nos primeiros mandatos da gestão de António Mendes?  Na altura os modelos colocados procuravam imitar os antigos, e ainda aí estão, compondo a paisagem do burgo e  emprestando-lhe uma tonalidade amarelada, romântica. Tal coloração sempre é mais acolhedora e contrasta com as  novas lâmpadas brancas,  directas, vindo de baixo ou de cima, potencialmente agressivas para a vista de quem tem olhos claros. Hoje em dia, parece, recomendam-se lâmpadas LED para projectos de iluminação pública de espaços ajardinados, por razões de economia, duração, e de não aquecimento das plantas e mesmo de segurança. São contextos distintos. Mas o objecto deste artigo é sensivelmente divergente dessa polémica. Aqui, visa-.se apenas um olhar e um registo da paisagem em que sobrevivem elementos do passado ou os seus protótipos modernos. É um olhar de leigo, informal, que procura perceber até onde vai a defesa e a preservação da paisagem urbana, no que tange aos seus elementos característicos. Procura-se ao mesmo tempo lançar uma sinopse sobre a instalação eléctrica em Constância.

Foto Mendes Lopes_.JPG

 

Quem se passeia pelas ruas típicas de Constância pode ainda encontrar – ainda pode -  esses nostálgicos candeeiros, presos nas fachadas e nas esquinas dos edifícios. Há candeeiros de rua  antigos que são considerados verdadeiras peças de arte urbana. Falamos pois de, património.

Mário Mendes Lopes, antigo presidente da edilidade, um apaixonado pelo cinema e cultor desta arte, deixou-nos algumas imagens notáveis da vila de Constância num filme editado em 1938 mas que conterá filmagens desde 1924 a julgar pela descrição recente que a CMC divulgou. Nesta película, legada a Manuela de Azevedo e depois cedida à Associação da Casa Memória de Camões em Constância, surge no final uma imagem da vila nocturna, bucólica, única, com os candeeiros acesos. A serem imagens de 1924, então, os candeeiros ainda eram a petróleo.  Em atalho de foice posso asseverar que a escritora e jornalista Manuela de Azevedo, fundadora  da  então independente Associação da Casa Memória, de Camões (com outra designação) me disse que foi ela que  no tempo ainda do Estado Novo pediu a colaboração do Ministério da Guerra para se recuperar a película original do filme. Assim, esta versão que a CMC recuperou agora. por minha sugestão, é  uma terceira  edição.

Fotos_Ricardo Escada_.JPG

 

Como curiosidade encontrámos no Arquivo Municipal de Constância duas informações: uma, sobre o registo dos contratos celebrados entre a Câmara Municipal e entidades várias, durante o período compreendido entre 22-11-1891 e 13-12-1893, nomeadamente, um auto de fornecimento de 25 candeeiros para iluminação pública, outra, dando-nos notícia de um  auto de arrematação do fornecimento do petróleo para a iluminação pública da vila durante o futuro ano de 1913.

O Concelho de Constância aparece-nos apenas em 1933, a saber, no quadro dos concelhos com rede eléctrica inaugurada (em Abrantes a inauguração ocorreu em 1909) segunda uma tese de doutoramento de João Figueira sobre o Estado na Electrificação Portuguesa (1945-76), publicada há nove anos atrás. Recuando  no tempo alguns anos, sabemos por este mesmo estudo que em 1928 a Hidroeléctrica do Alto-Alentejo (sociedade anónima de responsabilidade limitada) passou a apostar na hidroelectricidade de uma região mais desfavorecida que incluía o concelho de Constância e outros do nosso distrito. De facto, no quadro de electrificação do pais, balanço de Dezembro de 1926 (o mesmo estudo anterior) o concelho de Constância aparece-nos sem rede eléctrica. Em 1939 a Hidroeléctrica do Alto Alentejo explorava já o Concelho de Constância.

É um 1945 que surge finalmente a criação da Hidroeléctrica do Zêzere, cabendo-lhe numa primeira fase a realização do projecto hidroeléctrico mais emblemático deste período, a barragem e central de Castelo de Bode.

Segundo a tese que seguimos de perto, esta empresa viria apenas a realizar três aproveitamentos hidroeléctricos no rio Zêzere, Bouçã, Cabril e Castelo de Bode, que inaugurou entre Janeiro de 1951 e Outubro de 1955. Em Fevereiro de 1954, o outro aproveitamento que também fazia parte da concessão que lhe tinha sido atribuída em Dezembro de 1945, o aproveitamento de Constância, no rio Zêzere, foi suspenso devido ao seu reduzido interesse económico ficando, no entanto, essa decisão para reavaliação posterior, adianta o autor.

Nem as câmaras municipais nem as Juntas de Freguesia dispunham de meios para a produção de energia. Assim,  limitavam-se a  proceder à exploração de minúsculas redes de distribuição com a energia que lhes era fornecida pelas grandes companhias eléctricas.

No caso da Junta de Freguesia de Montalvo,  de acordo com a dissertação de João Figueira, apesar da rede eléctrica ter sido construída a expensas da Câmara Municipal de Constância, esta Junta solicitou que a sua gestão ficasse a seu cargo pedido que, esclarece,  foi aceite, «tendo esta Junta explorado esta concessão desde 1935 até Abril de 1957, altura em que a Câmara Municipal resgatou a concessão», termina.

Na vila de Constância existia uma figura típica o «Zé Alho», pau para toda a obra camarária, que zelava pelos velhinhos candeeiros.  Era uma figura estimada por todos e que ainda não saiu da memória de várias gerações.

Uma outra curiosidade. Em 1968 a tarifa do preço de venda de energia para usos domésticos (escudos/kWh) era de dois escudos, como nos revela João Figueira citando como fonte a estatística das fontes eléctricas em Portugal.

Com a publicação de nova legislação em 1971, a Câmara de Constância veio a integrar a Federação de Municípios do Ribatejo em cuja composição  participavam outras câmaras do distrito de Santarém, como Vila Nova da Barquinha, Golegã  entre outras.

Esta integração nas redes eléctricas não foi feita de imediato no caso das câmaras de Constância, Mação, Sardoal e Vila Nova da Barquinha,  obedecendo a uma plano faseado e gradual de três anos, debaixo da supervisão da Federação  então  constituída. Na opinião de João Figueira não era dada nenhuma explicação para esta situação. Segundo este autor «tal dever-se-ia às debilidades das redes de transporte de energia e de interligação com os restantes». A integração das redes eléctricas destes municípios na Federação foi assim realizada de forma gradual entre finais de 1971 e meados de 1977.  Em Janeiro de 1972 integraram a Federação os municípios de Alpiarça, Cartaxo, Constância e Golegã. A rede eléctrica da vila de Constância era muito inconstante. Sempre que fazia mau tempo a luz faltava, levando os piquetes várias horas para  resolver os problemas. Lá vinha o Mário, o Fernando, o Chico, o José Jorge, sempre prontos e operacionais. A EDP tinha uma oficina no Bairro Novo. Recordo-me bem de na minha infância faltar a luz na rua e em casa, com frequência. Valiam-nos os velhinhos candeeiros a petróleo. A vila tinha várias fases na rede. E ficava mesmo às escuras com frequência. Qualquer coisa, dizia-se logo, «foi na cabine». E não era, claro.

Na edição de 1 de Maio de 1971 do jornal «Nova Aliança, Joaquim dos Mártires Neto Coimbra, cronista de Constância e meu antigo mestre dá-nos a seguinte notícia: «Foi inaugurada no Sábado de Aleluia a luz eléctrica não só na freguesia de Santa Margarida da Coutada, como no Lugar de Santo António, pertencente à freguesia e Vila de Constância».  Na mesma notícia J. Coimbra refere que este melhoramento doi iniciado por Júlio Feijão, anotando que a sua conclusão se deveu, passo a citar, «ao dinamismo do actual presidente da Câmara Municipal,  sr Aurélio Dias Nogueira».

Em virtude da desastrosa participação na Grande Guerra, a partir de 1914 assistiu-se a um relativo abrandamento da instalação das redes eléctricas. O autor do estudo que vimos citando aponta  dificuldades no  acesso aos equipamentos e aos técnicos  os quais, sublinha,  «na maior parte dos casos, eram dos países beligerantes». A título de curiosidade refere ainda  que algumas instalações conseguiram ser concluídas “à justa”,  dando o exemplo do caso de Fafe, rede inaugurada em Outubro de 1914, «por os técnicos alemães envolvidos neste empreendimento terem regressado à Alemanha para serem incorporados nos exércitos». Noutros casos os projectos foram mesmo adiados por vários anos, como em Bragança etc. O que as guerras fazem à humanidade dos homens…

Fazendo a síntese, João Figueira. Conclui: «Passado o período da Guerra e os difíceis anos que se lhe seguiram, assistiu-se a uma forte aceleração deste processo nos anos 1920 atingindo-se no final deste período os 116 municípios com redes eléctricas instaladas», ou seja,  remata, «mais 88 novas redes eléctricas instaladas, a par da ampliação das redes já existentes em alguns concelhos».

José Luz (Constância)

 

PS - não uso o dito AOLP

 


publicado por porabrantes às 08:40 | link do post | comentar

Sábado, 27 de Fevereiro de 2021

to zé tarzan.png

tozé tarzan.png

1 de Maio de 1974 

Extracto dum vídeo da RTP e o segundo repescado pelo Médio Tejo

Saudades do Camarada 

ma 



publicado por porabrantes às 21:28 | link do post | comentar

155434241_3774078092680078_7852883964569785573_o.j

A assistência domiciliária do Anacleto custa 866

Ah leão!

Com estes preços, como é que a Misericórdia está falida?

Divulgada no face pelo sr. António José Mendonça.

ma



publicado por porabrantes às 21:23 | link do post | comentar

No século XVIII, as Santas Casas e outras instituições de caridade estavam aflitas porque se tinham comprometido a dizer milhares de missas pelos beneméritos falecidos que lhes deixavam legados.

ab burro nsa nata casa.jpg

 

Mas os preços que queriam pagar aos padres portugueses, para cantarem missa, era por estes considerado baixo e recusavam-se a tal encargo.

Que podiam fazer as Misericórdias?

Recorrer à mão de obra estrangeira, encomendando em Espanha aos conventos, as missas atrasadas.

Assim fizeram muitas no Norte do País.

 A de Abrantes também contratou muitas missas em Espanha, onde os preços eram mais baratos, segundo contou o estudioso abrantino, Dr.Emílio Salgueiro, in ''Misericórdia de Abrantes: o hospital de Salvador''''», in Boletim da Assistência Social, n.º 17-19, 1994, p. 214. 

Depois conseguiram do Papa um breve que trocou as missas atrasadas por obras caritativas, segundo a obra de Maria Odete Neto Ramos, ''A gestão dos bens dos mortos na Misericórdia dos Arcos de Valdevez:
caridade e espiritualidade (séculos XVII-XVIII). Doutoramento na U.Minho, 2013)

Foi aqui que se encontrou a referência ao estudo do Dr. Salgueiro, bom amigo de Diogo Oleiro, cujo espólio foi doado pela família ao Arquivo Abrantino.

Já agora, o postal foi editado pela sua familiar (seria mãe?) Emília Damas Salgueiro.

ma 



publicado por porabrantes às 18:37 | link do post | comentar

1024px-Francisco_de_Goya_-_Godoy_como_general_-_Go

Godoy é retratado por Goya, como Generalíssimo. A seus pés a bandeira de Portugal, que ia conquistar, começando por Abrantes.

godoy.png

Vida política de D. Manuel Godoy príncipe de la Paz ,  por Manuel Ovilo y Otero

Não conseguiu ultrapassar Olivença (que foi anexada a Espanha) e a coroa desejada, nem-vê-la.

Dizem os críticos que o bastão de marechal, entre as pernas é um símbolo fálico e que representaria que era o favorito de Maria Luísa de Parma, Rainha de Espanha, uma velha  marreca e desdentada, que o tinha escolhido como  gigolô.

Godoy  guardava o quadro, nos seus aposentos reservados, do Palacio de Buena Vista, onde estavam também a Maja Desnuda e Vestida de Goya, que alguns identificam com a Duquesa de Alba.

Há interpretações que dizem que Goya quis satirizar o valido, apresentando-a dormir a sesta e em pose pouco marcial.

Os panfletos clandestinos tratavam a Godoy como ''Manolo Primero, de otro nombre Choricero''

ma

bib Luis Reyes, El Conquistador de Las Naranjas, La Aventura de La Historia,nº110,2007

 

 



publicado por porabrantes às 15:16 | link do post | comentar

milenium.png

Certamente em resultado da insolvência dos amigalhaços da Cacique, vão ser leiloadas várias fracções do edifício Millenium, onde uma tal Celeste Simão instalou a gestora do Bairro Convida.

fala a gaja.png

anúncio no Público 

  


tags:

publicado por porabrantes às 13:26 | link do post | comentar

Puede ser una imagen de una persona y texto


tags: ,

publicado por porabrantes às 09:24 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Visita interessante

D. Maria da Glória ....a...

O único abrantino que foi...

Escolas da Região no sécu...

Restos de António Botto

Um Senador contestado, Au...

Carta do General Avellar ...

Constância, a terra que b...

''Campanha suja de vulgar...

Bibliografia Abrantina: O...

arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

central do pego

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

valamatos

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12


24
25
26
27
28
29
30

31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds