Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2021

créditos Sonhos Maus

Puede ser una imagen de 3 personas



publicado por porabrantes às 21:01 | link do post | comentar

Parecer nº 107/2007
Data: 2007.05.16
Processo nº 146/2007
Requerente: Centro Hospitalar Médio Tejo, EPE
I - O pedido
1. Mário Semedo, jornalista, em exercício de funções no jornal «Primeira Linha», de Abrantes - tendo tido conhecimento de que, por decisão do Ministro da Saúde, fora negado provimento ao recurso interposto por um médico “da punição imposta pelo Inspector-Geral da Saúde” -, solicitou ao Centro Hospitalar Médio Tejo, EPE (doravante CHMT) que o informasse do seguinte:
a) “A partir de que dia do mês de Dezembro de 2006 (...) se encontra suspenso” o  aludido médico?1
b) Se o mesmo profissional “tem as quartas-feiras de cada semana livres para descanso no Hospital Dr. Manuel Constâncio”;
c) Horário de trabalho desse médico;
d) Se o mesmo “tem autorização ministerial para acumulação”.
2. Vem, assim, o CHMT pedir à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA) “a avaliação da legitimidade do pedido do requerente, para que ao mesmo possa ser dada resposta adequada

 

(O clínico teria sido punido com a pena de suspensão por 90 dias.
2
Esta informação é pedida porque, segundo o requerente, o médico exerce a sua actividade em regime de não exclusividade no Hospital de Abrantes, “onde terá uma carga horária semanal de 35 horas”, sendo que “consta (...) que (...) exerce funções médicas no Hospital de Santo André [Leiria] durante 24 horas, com início às 9 horas de quarta-feira e término às 9 horas de quinta-feira”.
Apreciando, agora, a situação concreta, dir-se-á que, se a informação pedida por
Mário Semedo ao CHMT constar de documentos, deverá ser facultado o acesso aos mesmos.
As questões a que se reportam as alíneas b) a d) do ponto I.1 não oferecem qualquer melindre, já que os documentos que se prendem com os horários de um funcionário e com a eventual autorização ministerial para a acumulação de funções não são susceptíveis de colidir com a reserva da intimidade da vida privada.
O problema poder-se-ia colocar com a documentação relativa à alínea a) do ponto
I.1. Todavia, mesmo essa, não tem de ser preservada do conhecimento alheio. Com efeito, o jornalista Mário Semedo não pede o acesso ao processo disciplinar que, certamente, contem dados pessoais; pede, sim, que seja informado da data em que se iniciou o cumprimento da pena - e essa será de conhecimento generalizado; tanto mais que, sendo as penas expulsivas divulgadas no Diário da República, não haverá não haverá razão para que este elemento (data do início do cumprimento de pena não expulsiva) não possa ser também conhecido.
III - Conclusão
Em razão de tudo quanto ficou dito, conclui-se que a entidade consulente (Centro Hospitalar Médio Tejo, EPE) deverá facultar ao requerente (Mário Semedo, jornalista) o acesso aos documentos contendo a informação por este pretendida.  

mário semedo.jpg

(extractos do parecer Processo nº 146/2007  da CDA)

E saudades do Mário e parece-me que nenhum jornalista abrantino desde 2007 recorreu à CADA!

É obra 



publicado por porabrantes às 19:25 | link do post | comentar

No hay ninguna descripción de la foto disponible.

Puede ser una imagen de texto


tags:

publicado por porabrantes às 17:43 | link do post | comentar

cigano.jpg

'' vêm os pretos, os chineses, os coreanos, seja lá quem for, dão-lhes todas as condições, aos ciganos ninguém dá nada”.''

José Eurico Ventura, Patriarca cigano de Borba à Rádio Campanário

Foto da Rádio 


tags:

publicado por porabrantes às 10:22 | link do post | comentar

ALTERNATIVAcom
Comunicado | 22 de fevereiro de 2021
POR UMA POLÍTICA INOVADORA DE LAZER E ENTRETENIMENTO
O movimento ALTERNATIVAcom defende e compromete-se a trabalhar, tanto no plano da cidadania participativa como no dos órgãos autárquicos, por um concelho mais humanizado e vivenciado que articule, com sabedoria, o progresso e a modernidade com a tradição e a identidade. E que equilibre bem as diversas dimensões da vida em sociedade, designadamente as da família e amizade, cultura e lazer, atividade física e espiritual, trabalho e empreendedorismo, produção e consumo, estudo e aprendizagens.
Estas dimensões devem, em nosso entender, estar presentes em todas as políticas autárquicas, das económicas e urbanísticas, às sociais, culturais e ambientais. Não é isso, contudo, que se tem observado em Abrantes, designadamente a nível urbanístico e cultural, comprometendo a procura e a exigência da população por mais e melhor oferta cultural. O diagnóstico que fazemos leva-nos a considerar que existem incoerências e desequilíbrios significativos, e que algumas das referidas dimensões (ou parte delas) não são valorizadas de forma suficiente ou adequada.
É o caso do lazer e entretenimento, assim como de uma parte significativa da atividade cultural na cidade e nas freguesias rurais. Não por acaso, o site do município contém, na secção “Lazer e Desporto”, apenas atividades desportivas, o que revela bem o fraco entendimento que esta autarquia tem do conceito de lazer. Sendo certo que, numa ótica de “mente sã em corpo são”, o desporto constitui também para o movimento ALTERNATIVAcom uma prioridade, entendemos que a política de lazer deve ser alargada e reforçada, abrangendo outros públicos-alvo, nomeadamente as famílias e as pequenas comunidades (residências, escolas, clubes, etc.).
Na nossa perspetiva, Abrantes carece de uma oferta atrativa de atividades de lazer e entretenimento, tanto diurnas como noturnas, que estimulem a fruição do domínio público – que se quer mais cuidado e com mais qualidade – e o acesso aos espaços de cultura erudita e popular, artes e espetáculos, restauração e bebidas, comércio e artesanato. Um concelho produtivo que estuda, trabalha e empreende, tem de ser também um concelho animado que se diverte, vive e convive, promovendo intercâmbios sociais e culturais, internos e externos. Porque o convívio e a animação contribuem para um espírito mais positivo, otimista e confiante.
Esta lacuna faz-se notar tanto nos dias úteis como aos fins-de semana, em todas as épocas do ano. Se, nalguns casos, isso se deve à carência de espaços e equipamentos lúdicos com tal vocação ou finalidade, em muitos outros deve-se à falta de conservação, reabilitação, valorização e aproveitamento dos existentes, incluindo adequada iniciativa e programação. O Aquapolis, onde tanto foi prometido e investido, é um exemplo gritante desta triste realidade, marcada pela falta de atratividade e abandono. Infelizmente, muitos outros exemplos – grandes e pequenos – poderiam ser dados.
Recorde-se a requalificação efetuada no Largo do Cruzeiro, no Pego, onde foi decidida uma solução que não agrada à maioria da população, tendo sido criados mais problemas do que aqueles que foram resolvidos. Ou o estado de degradação em que se encontra o Ecomuseu em Martinchel, prejudicando o potencial de exploração e o cumprimento das funções para que foi criado. E, claro, a cruel decisão de demolir o edifício histórico do Mercado e confinar o mercado diário a um imóvel impróprio, sem condições de funcionamento e de atração de consumidores.
É preciso compreender que a falta de uma política efetiva de lazer e entretenimento tem consequências económicas e sociais extremamente importantes. Desde logo, para o bem-estar e a qualidade de vida das populações que habitam os nossos bairros e aldeias, da mais tenra à mais proveta idade, sendo especialmente impactante nos jovens – que se sentem impelidos a procurar fora do concelho o que cá não encontram ou não os satisfaz – e nos idosos – obrigados pela limitação da mobilidade a permanecerem próximo das suas residências.
Depois, para a atração de turistas, profissionais, habitantes da região e novos residentes, sobretudo de segmentos mais jovens, em busca de novas ou distintas experiências recreativas e culturais. Finalmente, para a promoção das indústrias criativas e tecnológicas, arrastando consigo a regeneração urbana e a reabilitação habitacional (com destaque para os degradados e desertificados centros históricos), a sustentabilidade do pequeno comércio e o surgimento de novos serviços de proximidade.
Também no domínio estritamente cultural se verifica um manifesto desequilíbrio entre a cultura física e a cultura intelectiva, assim como entre a cultura popular e a cultura erudita. Não por acaso, muitas das iniciativas erísticas, literárias e de cinema promovidas por associações abrantinas têm de ser realizadas no vizinho Sardoal, por falta de condições ou de bom acolhimento em Abrantes. E, as que se realizam em Abrantes, ou não merecem da parte do município a mesma prioridade e investimento em programação, divulgação e promoção, ou têm uma duração efémera, mesmo quando são bem-sucedidas.
Deste modo, o movimento ALTERNATIVAcom assume o compromisso de trabalhar com todas as instituições artísticas e culturais no sentido de promover uma “cultura de cultura” e otimizar a utilização dos recursos humanos e materiais existentes, utilizando-os e valorizando-os numa ótica de reforço da democracia e do desenvolvimento. No caso específico da rede museológica de Abrantes, que conhecerá brevemente uma ampliação expressiva sem que se conheça o respetivo estudo de viabilidade económica, tudo faremos para que tenha uma gestão parcimoniosa e alcance um nível de visitação que justifique os elevados investimentos efetuados.
Comprometemo-nos, igualmente, a trabalhar com todas as freguesias e suas populações num programa de criação ou requalificação de espaços, equipamentos e serviços de fruição lúdica, incluindo espaços verdes e amenidades projetados para diferentes públicos, em especial os mais jovens e os mais idosos. Tudo faremos para que estes espaços sejam valorizados e adquiram um elevado grau de agradabilidade e atratividade, desde os grandes parques e jardins da cidade às pequenas pérgulas e fontanários dos bairros e das aldeias.
Daremos uma especial atenção à mobilidade urbana e entre a cidade e as freguesias, e procuraremos facilitar e incentivar investimentos na área do lazer e entretenimento – contando com as associações e coletividades, bem como com os empresários e empreendedores interessados – em bons equipamentos de esplanada e cafetaria, na promoção dos petiscos e da doçaria local, e em jogos e atividades que atraiam todo o tipo de públicos, tanto em espaços abertos (ou ao ar livre) como fechados (ou de salão).
Contem connosco, nós contaremos sempre convosco.
Movimento ALTERNATIVAcom

largo cruzeiro 2 (2).jpg

largo cruzeiro 2.jpg

largo cruzeiro.jpg

Fotos metidas pelo blogue



publicado por porabrantes às 09:43 | link do post | comentar

marcelino o banco.JPG

De como Marcelino ia ficando sem casa, porque era o banco de todos os guinéus que chegavam a Lisboa.

E de como os ia ajudando e os calotes dos patrícios se acumulavam.

Correio da Manhã/Porta da Loja com o nosso obrigado



publicado por porabrantes às 09:32 | link do post | comentar

porcos.png

ler mais

A cacique diz no Parlamento que contruir Etares para tratar os dejectos das suiniculturas não é prioritário. Já sabíamos, a tipa foi conivente com suiniculturas que espalham descargas nos terrenos alheios, inquinando terras e culturas e ameaçando a saúde pública.

porcos 2.png

ler mais (Mirante 2018)

Conseguiu fazer estar uma agricultora, a D.Ana Maria Alves, 8 meses à espera de ser recebida, para tratar de descargas ilegais duma suinicultura.  

amàndio.png

Face a isto, a obediente Associação de Agricultores nem tugiu, nem mugiu

ass agricultores.png

 

 

A prioridade da cacique foi dar medalhas ao dono deste porco, o Cónego, que por acaso era um burlão,

porco do cónego.jpg

e a dos amigos é promover um Operador de Resíduos, na falida Cerâmica do mandatário da cacique.

ma  

  



publicado por porabrantes às 08:45 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Os diamantes dos Almeidas...

Saldos de terrenos na Bem...

As forças de Abril no red...

Uma saudosa bica abrantin...

O pseudo-opocisionista

Ah Valentes

A defesa do Director da P...

O primeiro desertor que p...

Rodrigo Alvarez e o Bapti...

A efígie do maior revoluc...

arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds