Sábado, 19 de Junho de 2021

Foi ali mesmo, à direita, na Rua da ilustre benemérita Dona Maria Balbino Franco, defronte da igreja da velhinha Irmandade da Misericórdia, quando se espreita vindo da praça. Aquele muro conta uma história, a história do dia em que o anão, o filho da regente, saltou, sem mais nem menos, lá de cima. 

la.jpg

Rua D.Maria Balbino Franco, paralela à Igreja da Irmandade, onde se situa à direita o muro desta história…

O caso foi badalado: “Que teria passado pela cabeça do rapaz? “Ouvi esta história a várias pessoas e desde sempre. O anão (cujo nome fica resguardado na ficção) um dia resolveu pedir em namoro por carta, a filha duma personalidade local. Recebida a dita, a missiva deixou logo intrigada a destinatária, pela ousadia (pois era pessoa comprometida). Ora, dado o desconhecimento da identidade do remetente, logo foi abordado e indagado o carteiro. Disse o mesmo sem pestanejar: “Então a prima não sabe? Olhe, é o anão”. A carta, essa, foi devolvida pelo mesmo caminho, decisão que já estava tomada antes  da mesma ter sido escrita. Mas o anão, teimoso, deu em ir fixar-se na fonte da praça, e olhava para a velha varanda da sua idealizada… Não havia trovas nem nada nesta sua incompletude. Ali estava, qual estátua, onde há muito se ia abeirar sem ter dado nas vistas. Décadas mais tarde, vi-o muitas vezes e nunca lhe ouvi a voz. Cruzávamo-nos quase sempre na rua de São Pedro (onde cumprimentei amiúde o O’Neill, este, talvez vindo da taberna do primo Mário Barbisco ou, quiçá, da pesqueira, dos seus banhos de Adão…). Em pequeno tinha algum receio quando passava pelo anão. As pessoas que não falam, nada dizem e nunca verbalizam o que pensam são para mim fonte dos maiores cuidados. E isto nada diz quanto à nossa personagem.  São impressões. Dele tivemos notícia um dia, já idoso, no “Correio da Manhã” ou na “Capital”? Carlos, de seu nome, digamos que, fictício, estendia a mão na rua do Carmo, na capital. De oficio, palhaço. Reformado e sem pensão. Eis que finalizei o retrato. O país não poupa os seus artistas e os seus órfãos espirituais.

fonte1.jpgFonte da praça onde a personagem se ia fixar…

Numa ocasião passou por ali a destinatária da sua carta de amor enviada 40 anos antes. Ia acompanhada pelo marido. Carlos escondeu-se e escondeu o rosto. Como se tivessem vindo à tona velhos fantasmas… daqueles, freudianos, que povoam os pensamentos humanos.

Quanto ao namorado que Carlos  um dia queria substituir, posso testemunhar que  o mesmo se ria do assunto, com bonomia. Só soube do sucedido anos mais tarde.

88248384_690078461730672_5092235959123050496_n.jpg

Procissão do Sagrado Coração de Jesus. O homem da Cruz…

Naquela fonte da praça também tinha sido visto por “aqueles dias” de 1948, de noite, um ilustre constanciense, o qual andava a arrancar a propaganda do Norton de Matos. Pormenores do regime e da Legião…

O caso aqui relatado e ficcionado, parece ter posto de prevenção o carteiro, o qual todos os dias passava por força do ofício em sítio ermo junto à ponte. Uma sombra, anunciando uma silhueta de baixa estatura, parecia representar-se-lhe munida de uma faca em riste… O pobre do António viu-se assim em grandes apuros durante muito tempo. Talvez até em sonhos. Por causa da cegueira do anão e do seu amor platónico não correspondido. Será caso que o desgraçado do carteiro tenha sido o “bode expiatório” do anão, por ter devolvido uma carta como era de lei? Nunca o saberemos. Só sabemos que o anão se estatelou em queda livre, mesmo juntinho à igreja da Irmandade. O povo falava desta queda e falava também do escândalo do carameleiro que ficava logo, logo na esquina. O dono da pequena fábrica terá saído (outros dizem que fugiu) de noite mais a companheira: “filha (!) vamo-nos daqui” teria exclamado este vizinho do anão descoberto o “segredo”, não dos caramelos, claro.

44687745_364500010955187_3094263361102151680_n.jpg

 

Vista parcial da praça sobre a qual versa esta história.

Um outro “caramelo” habitou nesta singela rua na casa do anão, passo a ironia, pois foi Presidente da República, Craveiro Lopes de seu nome. O povo guardou mais na memória a queda do anão e o escândalo do pai carameleiro. Má língua, fracas virtudes? Falaram as pedras da calçada onde existiu em épocas passadas – conta-se- um passadiço para freiras, com ligação à igreja, então sede da Irmandade.

Nesta zona, desde a praça até à igreja era tudo casas antes das invasões. Essa memória perdeu-se embora haja gente dada à arqueologia que já mo reportou.

O homem da Cruz que anunciava a passagem da procissão do Sagrado Coração de Jesus, tradição do mês de Junho que deixámos cair, terá pensado na sua queda sempre que pisava aquelas pedras e seguia ladeado das tochas vivas. Havia um dia no ano, pelo menos,  em que ele se destacava, carregando o escândalo da Cruz – no dizer de Paulo. Todos já caímos do muro com Adão.

José Luz

(Constância)


PS- não uso o dito AOLP. Qualquer semelhança da personagem com a realidade é pura ficção.



publicado por porabrantes às 17:50 | link do post | comentar

Puede ser una imagen de texto



publicado por porabrantes às 13:19 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Chegou a Direita Nacional...

Teologia Conciliar Abran...

Vacas sagradas

Jogos Olímpicos

Otelo : manda à merda o p...

Quando se demite o Gameir...

Manuel Fernandes evoca mo...

O Fundador do La Salle de...

Burrocracia

O falo caído imagem de um...

arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
16




mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds