Sexta-feira, 8 de Outubro de 2021

Em 23-4-2010, o Ribatejo noticiava que a cacique e a Vereação (de que fazia parte o Valamatos) iam abrir uma Escola de Hotelaria, na Praça da Palha de Cima, vulgo Largo Dr.Ramiro Guedes.

Como se sabe, era mais uma das inumeráveis fake-news da cacique.

23-4-2010.png

Disse hoje na sessão, o PC que não gostava de anunciar iniciativas, para não fazer promessas vãs.

Ora melhor seria que o distinto autarca tivesse escrito uma carta ao director da folha, logo em 2010, dizendo que a cacique devia ter ficado de boca fechada, em vez de propiciar fake-news.

Porque fazia promessas falsas.

Isso é que era transparência, maldita palavra.

ma

PS- Um seminarista escreveu uma homilia sobre os sacrifícios dos caciques. Já Monsenhor Moreira das Neves costumava, nas ''Novidades'', escrever sobre os sacrifícios de Salazar e as calúnias da Rádio Moscovo e as celeradas anedotas que se contavam nos  barbeiros sobre o seminarista-mor . E sobre a ingratidão da Pátria. 


tags:

publicado por porabrantes às 17:45 | link do post | comentar

 
 
Nesta maré de festividades locais republicanas de fraca expressão na história local de Constância, recordemos a origem da actual Rua João Chagas da vila de Constância, outrora chamada Rua de São Julião.
 

rsj2.png

Rua João Chagas ( antiga Rua de São Julião).
 
 
Era assim denominada porque dava acesso à antiga paroquial de São Julião. Já escrevi sobre a importância desta antiquíssima igreja, a qual tinha uma centralidade inequívoca na nossa terra. Escrevi também sobre a lenda de um São Julião e acerca da presumível ligação desse Santo com este local. 

rsj.png Actual Rua de São Julião, longe do Centro histórico

 
Parece-me  perfeitamente justo que a nossa toponímia respeite a nossa história e as nossas tradições. Para fazer jus à  etimologia e aos valores identitários da população natural.
A seguir à implantação da república houve por aí uma febre que mudou os nomes de diversas ruas. Temos até uma rua que tinha o nome de um  Santo, São Pedro, e passou a ter o nome de um terrorista da Carbonária, Machado Santos. O povo, cristão, teima e resiste e continua a chamar a rua pelo nome do Santo.
A nossa rua de São Julião, à semelhança de outros casos passou a denominar-se de "João Chagas", um brasileiro que era maçon e que nada tem a ver com a nossa vila. Ou tem? O quê, em concreto???
Mais recentemente resolveu a câmara atirar com o antigo nome da Rua de São Julião...  para o Chão da feira.  É obra!... A toponímia, segundo os dicionários, é a memória  viva, a herança, a tradição do nosso passado.  O nome de São Julião é característico da zona da praça, do Centro histórico, nada devendo à antiga Charneca onde, sabemos, existia outro topónimo: Campo dos Mártires.
É tempo de devolver à nossa vila a sua toponimia cristã, expurgando os carbonários e os maçons, relegando-os  para  outra freguesia. Constância  não era uma vila de tradições republicanas. É certo que havia por aqui alguns adeptos da república. como era o caso do administrador do concelho, José Eugénio de Nunes Godinho. No Outeiro, ainda lá está a antiga casa da Carbonária, agora recuperada, o braço armado... Reza a tradição oral e os registos da imprensa da época que a vila, poucos anos antes da implantação da república em Lisboa (e sua expansão ao resto do país e império)   anote-se, recebia com grande pompa, a El Rei Dom Carlos I e a seu séquito. Nessa ocasião o republicano José Eugénio enfeitava as suas varandas com crepes pretos, em sinal de protesto contra a visita real. Por sinal, foi nessa oportunidade política que o povo dirigiu a S.A R uma petição que levou à restauração do nosso concelho. 
Basta de poluição cultural!
É verdade que a residencial  fez nome com o dito maçon. Mas isso não impede a restauração do nome da rua.
Continua pendente na câmara a proposta da população para atribuir o nome do poeta Tomaz Vieira da Cruz a uma rua ( pode bem ser a rua onde nasceu!).
Sobre isto a comissão nomeada pela assembleia municipal disse... nada. 
Apesar dum ofício do presidente da câmara 
de então, prometer tratar do assunto.
 Enquanto a esquerda tiver a hegemonia no município, nada mudará nesta matéria.
E enquanto tivermos na Vila autarcas que não são de cá nem se interessam pelo valor da nossa toponimia, nada mudará na prática.
Eles querem lá saber dos nomes cristãos da nossa toponímia.
Diferente será o caso se lhes fizermos frente, com a força do povo e da cidadania activa, desperta e em permanente alvorada...
Aí, sim, veremos se nos vão continuar a ignorar e a desprezar.
 
José Luz (Constância)
 
PS- Não uso o dito AOLP. Nas últimas décadas temos assistido à publicação de uma série de escritos, sob o beneplácito camarário, que nos procuram impor uma visão distorcida da história da nossa terra,  donde, marcadamente ideológica. É dever de cidadania fazermos o contraponto a essa marcha...
 
Legenda da foto- Rua João Chagas ( antiga Rua de São Julião).
 
Legenda da foto- Actual Rua de São Julião, longe do Centro histórico


publicado por porabrantes às 17:23 | link do post | comentar

A CAP recusa reunir-se com a cacique, no I o eng.Luís Mira, dirigente da poderosa estrutura associativa dos lavradores, arrasa a mulher

''

(...)Só queremos que o relacionamento e o funcionamento se realize dentro dos parâmetros normais. O que não pode acontecer é a ministra da Agricultura gerir o Ministério como geria a câmara municipal onde estava, porque há determinados princípios técnicos e regras que têm de ser cumpridas(...) ”.''

mira.png

ler o artigo de Sónia Peres Pinto

 


publicado por porabrantes às 09:18 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

PSD reclama creches públi...

Trabalhadores do CRIA acu...

Coisas incomparáveis

25 de Novembro de 1975 (1...

CMA sem verba para mudar ...

Capelão contra o proletar...

Alfredo da Silva recebe o...

Arte abrantina a 80 euros...

A cunha que nomeou o Mati...

Se é, mal andamos.....

arquivos

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

central do pego

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

valamatos

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

17

26
27

28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds