Sábado, 16 de Outubro de 2021
Memórias soltas da ponte sobre o "rio''
local de passagem dos homens
 
Pré-visualização da imagem
 
Junto à ponte Eiffel, existia a taberna da Conceição Coimbra, a "Passinhas". Mesmo à entrada da ponte sobre o "rio", o Zêzere. Em bom rigor, a alcunha "Passinhas"  advinha da madrinha da  D. Conceição, ao que parece, de origem da vila de Mação.  Com dez tostões, comprava ali vinte rebuçados.  Retenho na memória aquela velhinha com o boião na mão, a abrir a tampa, despejando ao longo do velho balcão, os meus rebuçados, acastanhados. Eram vinte. Éramos dois a fazer a contagem. A D. Conceição, de poucas palavras, cumpria o ritual,  com o seu andar e gestos vagarosos. 
As crianças tinham o hábito de organizar naquela altura, corridas desde a escola primária até à "Cantina". A memória dos homens guardava o topónimo:" vamos ver quem é o primeiro a chegar à cantina!"
Debaixo do braço eu levava o jornal "O Século" acabado de comprar no "Café da ponte'.
 Chegado a casa, o meu saudoso pai recortava para mim a banda desenhada do "Fantasma".  E era uma alegria esperar pela próxima edição, para poder acompanhar a história. Eram tempos revolucionários. Comprava também os jornais "O "Diário", "Diário Popular", "A Capital" (vespertino).  O meu "ordenado"  eram vinte escudos mensais. Tinha aquela rotina de ir à "cantina", local do "Café da Ponte", da Dona Vergínia Tavares e do Sr Manuel Brás. Depois de lermos os jornais ia oferecê-los  ao velho Paveia, no segundo andar, defronte da farmácia do Sr Vieira e do Godinho.
Pré-visualização da imagem
Em tempos mais recuados tinha existido de facto naquele sítio da ponte, a "Cantina" das velhas Burguetes, tias da Elvira (dos célebres queijinhos do céu) e  da Maria do Carmo Burguete,  onde havia uma espécie de "albergue" para acolher os peregrinos. A ponte foi sempre local de encontro e de cruzamentos, de passagem de forasteiros. Mais tarde, já nos anos 80, passava por ali  quase todos os dias, menos à terça-feira, dia de encerramento. Os proprietários, a Dona Vergínia e o  sr Manuel, organizavam excursões e tinham o negócio de "letras" uma espécie de crédito. O Sr Manuel Brás ajudou muitas famílias de Constância a ultrapassar dificuldades. Foi ele quem ofereceu a primeira ambulância para a Corporação dos  bombeiros. As nossas conversas eram sempre sobre política e assuntos sociais. Com sentido acentuadamente crítico da esquerda irresponsável, portanto, virado à direita... Também falávamos de histórias do contrabando na fronteira com Espanha, pois as conversas são como as cerejas e os segredos de algumas personalidades não eram de todo desconhecidos...
 Naquele local da ponte existiu no início do século XX a ferraria do Alfredo Burguete,  homem temido na vila, de quem se contavam histórias de verdadeiro terror. Alfredo Burguete acabou deportado para África na sequência da tragédia da fonte de São Vicente, crime hediondo e macabro que me foi relatado pelos velhos da vila. As coisas que eu sei do Alfredo...
O "Café da Ponte" servia refeições e tinha uma cliente da vila, a Dona Maria José Falcão, a qual não dispensava um bom bitoque da Dona Vergínia. No mês de Agosto o café era local de encontro dos meus amigos emigrantes em Paris.Os "flipers" faziam a novidade e eram motivo atractivo dos jovens. Mesmo ao lado havia uma arrecadação onde chegou a ser construído um barco.
A ponte é sempre um encontro  inevitável dos viajantes,  caixeiros, peregrinos, ou mesmo clientes de rotina de passagem, os quais  "faziam a casa". Não se pode dizer que a população da vila fosse grande frequentadora do estabelecimento. 
Já mais recentemente, em 2013,  aquando da minha candidatura a presidente da Câmara, escolhi o local deste antigo café, para sede da minha campanha. Por razões sentimentais.
Sei que o edifício era então armazém de canoas.
Quando andávamos a lavar o espaço, para preparar a nossa sede, vinham-me à memória as recordações da minha infância e juventude.
Aquelas conversas com adultos deram-me uma visão do mundo,,  mais avisada. Comentávamos os jornais e o telejornal. Sempre tive uma natural propensão para conversar com pessoas muito mais idosas do que eu. Da Dona Vergínia e do Sr Manuel Brás, retenho a memória de dois amigos, respeitadores, preocupados  com a qualidade de vida dos portugueses mas implacáveis com a esquerda irresponsável que não se coibiam de  criticar. 
Eram pessoas com carácter.
Da velha taberna da Conceição Coimbra sei que era local de petiscos antigamente, na sua varanda. Nos anos 50 a minha mãe comprava ali sopa diária, quando regressava do Batalhão de Caçadores Pára-quedistas onde cosia e dobrava pára-quedas (foi a primeira mulher em Portugal a ser admitida neste batalhão para tal serviço, unidade militar que foi implementada através dos espanhóis...).
A ponte tinha uma certa mística.
Até aos anos 80 havia o costume de irmos receber ali os féretros os quais seguiam depois em cortejo silêncioso para a matriz ou directamente para o cemitério, consoante o veredicto do   prior...
Chegou a haver cadáveres que seguiam em padiola, tal era a miséria humana. Mesmo em criança não deixava de espreitar todos os funerais...
A volta a Portugal em bicicleta era mais uma oportunidade para encontros na ponte. 
No outro extremo da ponte existia a casa da mãe da "Mari  da Ponte" onde se faziam bailes à moda do tempo.
Segundo o cronista Joaquim dos Mártires Neto Coimbra, meu saudoso amigo, aquando da construção da ponte no final do século XIX, ainda existia a fonte do Vigário, então destruída.
Era ponto de encontro de namorados. Na antiga estrada perto do rio, lá estão ainda os bancos acolhedores...
Por volta de 1937/8  quando o meu avô materno passava a ponte a pé mais a sua prole, estava lá por acaso do destino o meu pai, e esse facto foi-me relatado por ele.
A ponte é sinal de união de margens e de homens. A ponte é um repositório imagético.
Hoje... é um local abandonado.
 
José Luz (Constância)
PS- não uso o dito AOLP.


publicado por porabrantes às 20:11 | link do post | comentar

Faleceu ontem o nosso amigo António Manuel  Farinha Pereira de Sousa Falcão.

Oriundo de uma velha família de lavradores abrantinos, tinha estudado Engenharia Agronómica no Instituto Superior de Agronomia de Lisboa e foi durante muitos anos professor na Escola Secundária Dr.Manuel Fernandes cá na cidade e depois na Chamusca. Era ainda lavrador com propriedades em Montargil.

Deixa viúva a nossa amiga Senhora D. Ana Maria de Sousa Cid Neves e Castro de Sousa Falcão e era pai dos engs. Frederico Falcão, Diogo Falcão e de D.Ana Catarina de Sousa Falcão, casada com Mestre António Ribeiro Telles.

Dos vários netos do Tomané, recordamos o jovem e promissor  António de Jesus de Sousa Falcão Ribeiro Telles, que vimos outra dia valentemente enfrentar um touro que deixara prostrado o seu Pai, numa gravíssima colhida.

Pessoa extremamente culta, bibliófilo atento e coleccionador avisado, foi na sua casa abrantina da Ferraria, onde tantas vezes ele e a Ana tiveram a paciência de me aturar, que tive ocasião de folhear as primeiras e raríssimas primeiras-edições da Orpheu, revista  onde Pessoa e Almada enterravam o academismo dos Dantas e abriam caminho à modernidade.

Isto era em meados dos 60, quando os nossos valorosos professores liceais, terminavam as lições de Literatura, em José Maria Eça de Queiroz, ignorando Pessoa.

Tantas e saborosas conversas à lareira e à volta de um copo, recordando velhos episódios e histórias desta cidade ou familiares, porque o António Falcão também era um apaixonado estudioso da memória da velha urbe.

Ou numa esplanada da Figueira da Foz....

Na vida política abrantina, foi eleito do CDS na Assembleia Municipal, quando a democracia se consolidava e autarcas inconscientes começavam a destruir esta velha cidade.

Também foi chefe de redacção do ‘’Jornal de Abrantes’’ lá por 1969 e 70.

Nos últimos anos dedicava-se com afinco ao estudo da genealogia familiar e teve a bondade de me oferecer o resultado dos seus laboriosos estudos, que haveria que editar em volume.

Os nossos sentimentos à família enlutada. RIP    

hfe



publicado por porabrantes às 14:03 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

PSD reclama creches públi...

Trabalhadores do CRIA acu...

Coisas incomparáveis

25 de Novembro de 1975 (1...

CMA sem verba para mudar ...

Capelão contra o proletar...

Alfredo da Silva recebe o...

Arte abrantina a 80 euros...

A cunha que nomeou o Mati...

Se é, mal andamos.....

arquivos

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

central do pego

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

valamatos

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

17

26
27

28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds