Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

 

Esquema de implantação do Museu e a sua relação com o Hospital e o Castelo.



publicado por porabrantes às 12:06 | link do post | comentar

4 comentários:
De VI a 16 de Julho de 2009 às 12:21
Aparte da beleza questionavel desta "obra"... Alguém que me explique por favor, afinal onde é que o mamarracho vai ficar implantado. Pelo desenho parece ser no actual edificio da esta/convento?! será isso mesmo?


De Fábio Carvalho a 16 de Julho de 2009 às 14:48
Como estudante daquela cidade que com mt carinho me acolhe, acho aquele projecto monstruoso e vergonho.
Não sou contra a implementação de um Museu Ibérico, acho que seria uma mais valia para toda a cidade, mas sou contra aquela arquitectura completamente monstruosa, que vai denegrir a imagem bonita do nosso centro histório.


De manuelinho a 16 de Julho de 2009 às 17:23
Acordar Abrantes

Blogue da Candidatura CDU ao Município de Abrantes

Museu
08 Julho 2009

O Museu (dito Ibérico) de Arqueologia e de Arte de Abrantes está a provocar um debate aceso na sociedade abrantina havendo abaixo-assinados a favor e contra na Internet. Está, talvez, na altura de CDU informar qual é a sua opinião sobre este assunto.

E, começamos por afirmar que entendemos que a construção de um espaço para a cultura é um benefício para o Concelho.

No entanto, constatamos que há duas questões que têm que ser acauteladas antes da referida construção. A primeira prende-se com a questão da volumetria/localização do Museu. E sobre esta questão entendemos que é necessário um debate público muito alargado no tempo e no espaço para se ter a garantia de que a maioria clara dos munícipes se revê no projecto apresentado.

E a segunda questão, quanto a nós ainda mais importante, prende-se com o problema da sustentabilidade económica do projecto. É necessário termos acesso a um estudo sério de sustentação económica, sob pena deste projecto se constituir um pesadelo económico para as gerações futuras em Abrantes.

Entendemos que se forem asseguradas estas duas condições é possível que Abrantes venha a ter um Museu de Arqueologia e Arte.

publicado por acordar-abrantes às 13:54

3 comentários:

Pois bem Camaradas vamos ao Museu. Os Museus actualmente não são feitos, pelo menos aqueles que são construídos de raiz, ao acaso. Após o Guggenheim de Bilbao nos anos 90 tudo mudou. As práticas e concepções da museologia mudaram e deixaram de se cingir aos aspectos internos do museu e abriram-se, e bem, à comunidade. No caso espanhol resultou em pleno pois a industrial cidade de Bilbao, “moribunda” e devastada socialmente, teve um impulso brutal no que ao desenvolvimento sustentado concerne. Desde então, o Guggenheim de Bilbao tem servido de exemplo para tudo o que é Museu. Constrói-se um edifício de raiz, que por si só tem de ser equiparado a uma obra de arte, e por si só vale a pena visitar. Esta é uma ideia que não me parece de todo má, mas que deve ter em atenção, entre outros, um aspecto primacial: a dinâmica e os fluxos turísticos de cada região. Neste domínio, impõe-se portanto uma análise séria deste aspecto. Anualmente são 1000, 2000(?), no máximo, os visitantes estrangeiros com paragem em Abrantes. Também são estes os mais disponíveis para fazer pagamento de entrada, como é obvio. O público português que viaja muito em família, não tão disponível para efectuar pagamentos (neste aspecto basta ver a afluência que têm os museus nacionais em períodos de entrada gratuita como o domingo de manhã), terá sempre em conta os custos da contribuição. Isto partindo do princípio que é de entrada paga, de resto não acredito no contrário, pois a obra, com as previsíveis derrapagens financeiras, não deve ficar só pelos 12 milhões de euros! E terá de ser paga! Portanto, a sustentabilidade económica do projecto será efectuada, provavelmente pelos mesmos, os contribuintes portugueses…
De resto, em relação a tudo isto, o Município têm sido parco em palavras e ambíguo em ideias, como sabemos. Fizeram a apresentação pública dum “protocolo secreto” em finais de Maio de 2007 e sobressaiu a simpatia condescendente do secretário de estado da cultura. O tal protocolo entre o Município e a Fundação Estrada já existe há muitos anos, se bem que até há 3 anos era de colaboração científica…Um sujeito de Rio-de-Moinhos, funcionário do Município, tira licenças sem vencimento prolongadíssimas e é o colaborador directo com a Fundação…Colabora como? Ora bem ninguém sabe…Durante esses anos foram incorporadas algumas peças por parte do Município nas sua colecção? Não sabemos. E provavelmente não nos responderão. O protocolo vigora há tantos anos secretamente porquê? Talvez o “turista” da esquerda moderna que nos lê possa responder…

Robin Cross a 9 de Julho de 2009 às 16:48



De manuelinho a 16 de Julho de 2009 às 17:28
Mas não é tudo camaradas. O pior é que a colecção Estrada durante todos estes anos engrandeceu-se através de um outro sujeito, este de Alferrarede-Velha, bem conhecido por tentar vender moedas e peças antigas em cafés do centro histórico, que através da utilização ilícita de um detector de metais pilhou todo o concelho de Abrantes, e respectivas estações arqueológicas. Contudo, a ganância desmesurada deste coleccionador apoiada num “autodidacta viciado”, levou este a fazer incursões com o seu detector à vizinha Espanha…O gajo palmilhou tudo o que havia desde a Estremadura e Andaluzia até Sintra e Península de Setúbal.Basta ir ao quarto dele para comprová-lo, pois apesar de tudo é tão parvo que gosta de se orgulhar do que faz! Pena é que as autoridades no nosso país sejam o que são nestes domínios.

Concomitantemente, o coleccionador Estrada também adquiriu licitamente algumas peças, envoltas também em polémica, pois parece que o vendedor sevilhano (cuja casa tinha o nome de Cambalash!!!) também não era flor que se cheire e operava em sintonia com uma rede de oficinas, cerca de 25, que faziam contrafacção de peças de arte pré-histórica! O nome do industrial é citado, bem como um outro senhor de Borba que também coleccionava… O Município conheceu a polémica, até o PSD disponibiliza os links no seu site mas publicamente só fala de volumetria, e garante que há-de decorrer um processo de autentificação feita pelo imparcial (ahahahahahahhahahah!!!!) Luiz Oosterbeek do Politécnico de Tomar! Que grande autoridade científica nos domínios da arqueologia em Portugal… Basta ver o que os colegas de Lisboa, Porto e Coimbra pensam dele…Adiante, basta olhar para aquilo que está no catálogo que me foi oferecido (um grande e provavelmente caro catálogo) quando me desloquei ao Castelo, para ver a exposição de antevisão do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (MIAA). As peças (do território da Lusitânia e arredores) são todas ambiguamente identificadas em relação á sua proveniência…

O problema é que a Lei n.º 47/2004 de 19 de Agosto, que aprova a Lei -Quadro dos Museus Portugueses, é pouco explícita e na sua secção III, no Artigo 14.º diz o seguinte relativamente à Incorporação de bens arqueológicos:
1 - A incorporação de bens arqueológicos provenientes de trabalhos
arqueológicos e de achados fortuitos é efectuada em museus.
2 - A incorporação referida no número anterior é feita preferencialmente em
museus da Rede Portuguesa de Museus. Tudo isto quer dizer que infelizmente, há luz verde para esta gente fazer o que quer, sem nenhum respeito pelos aspectos científicos do trabalho arqueológico!
Porém, o que parece preocupar é a questão da volumetria… um bom assunto para centrar o debate naquilo que não é essencial! Até o PSD que foi o 1º a disponibilizar informação sobre a autenticidade da colecção só fala na volumetria. Se calhar foi porque o processo avançou na assembleia municipal com a conivência do Pedro Marques…Não? E porque será que o arquitecto Albano no dia 11 de Fevereiro de 2006 veio ao Tramagal prometer um Museu do Ferro, alias numa alocução falsamente sentida roçando a perfeição populista, e no debate que houve no dia em que fui buscar o catálogo ao castelo, disse que tinha desde o seu início apoiado o projecto do Museu Ibérico? Aliás tentou fazer-se passar como responsável pela ideia…se calhar acha que em Abrantes pode haver 2 Museus estruturantes…Enfim, e com gente desta temos sido governados… ACORDEM, pois esta gente como não têm vergonha nenhuma agarram-se ao Poder inconscientes dos danos causados às pessoas do nosso concelho que passam dificuldades…Posto de outro modo, vai uma aposta acerca da pessoa que futuramente vai dirigir os destinos do Museu?
Não é difícil, vá lá…Até à próxima e continuação de bom trabalho!


Robin Cross a 9 de Julho de 2009 às 16:51


Comentar post

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A Universidade deles

Para o Estudo da Idade Mé...

Tramagal, 1936

Dia do Senhor: Ciganas sa...

Os desastres do cacique d...

Luta dos enfermeiros alas...

O Efeito Tectânia: chegam...

Bibliografia abrantina : ...

Façam favor de informar o...

Esta mortandade não pode ...

arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Dezembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds