Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009

Superioridade face ao erro por

 Pedro Marques

in http://abrantespsd.blogspot.com/   2-3-2005

 

A notícia chega-me pelo blog do António Colaço - Alves Jana tem um blog.
Dei-me ao trabalho de ir ver.
A primeira palavra é: seja benvindo.
+++
Depois, vem a negação daquilo que não inventei, mas que me chegou por fonte que considero segura e fidedigna, de alguém cuja vida é fazer e passar informação.
No meu post de 19.03.2005, não citei o nome de ninguém. Podem lê-lo aqui mais em baixo. Mas Alves Jana sentiu-se acusado... e negou estar envolvido. Como sempre, acredito na palavra dada.
Nada disso retira o mínimo de sentido à notícia que recebi.
Ninguém iria adquirir um título, à descarada, para o conotar de imediato com um partido político. Há modos mais subtis e mais discretos de fazer essas coisas.
A fonte garantiu-me que a iniciativa voluntarista reuniu, pelo menos, quatro pessoas.
Claro que antevejo que, habilmente, alguns dos homens que se têm movimentado nos bastidores para adquirir o tal produto de comunicação social. Era só o que faltava! Irão acompanhar e procurar ganhar espaço para depois poderem intervir a tempo de fazer notícia e opinião dirigida. Dar a cara seria retirar credibilidade e respeitabilidade ao produto que acabam de adquirir.
Sim, porque o produto jornalístico já mudou de mãos. Depois de ler o escrito de Alves Jana, obtive essa confirmação: O jornal em questão está mesmo vendido.
+++
Depois, Alves Jana entra por caminhos ínvios e nebulosos, particularmente sinuosos: a insinuação de que um projecto editorial, ao qual estive ligado desde a sua génese e do qual estou a tentar desligar-me desde há cerca de um ano e que, aparentemente, se encaminha para o desfecho que pretendo, está "laranja demais" para seu gosto.
Pela minha parte, desconheço o que Alves Jana quer dizer. Se perguntarem aos militantes do PSD, estes dirão que está "rosa demais". Creio que está como sempre esteve, embora cada líder molde o produto à sua maneira de ser.
Quero que fique bem claro o seguinte: não faço parte da redacção, nem do conselho editorial, não acompanho os fechos de edição, não interfiro no alinhamento das notícias, raramente passo por lá (só quando me pedem expressamente para ir solucionar algum problema) e até já nem a composição gráfica da publicidade - que desde 2002 era a minha principal tarefa - tem sido assumida por mim.
Estou cada vez mais distante e sinto já uma certa saudade.
O jornal a que tenho estado ligado tem um director que, para o bem e para o mal, define o alinhamento de cada edição, distribui tarefas, concebe a manchete, escreve o editorial e dá o destaque que entende aos temas. Ainda há duas semanas fiquei desagradado por ver que um cavalheiro que diz mal de mim sempre que pode, em vários jornais, teve tido direito a mais uma coluna de opinião no jornal, no exacto dia em que o mesmo escrito era tratado como carta dos leitores no Diário de Notícias. Mas a tal coluna de opinião lá saiu, mesmo que isso me tenha causado desagrado. A minha susceptibilidade não importa.
Um jornal, depois de circular, não é propriedade de ninguém, pelo menos na parte editorial. Para mim têm sobrado as "chatices", os problemas. Um jornal local é um produto democrático, do mais democrático que pode haver. Todos podem - em regra e com regras - participar.
Se a situação de Alves Jana se tinha tornado insustentável (como refere, de modo claro) e se, como diz, saíu com "alguma pressão interior", tem o dever e a obrigação moral de se explicar melhor. Não podem subsistir equívocos nesse domínio. Não podemos ficar por insinuações ínvias e insinuosas, a pender para o coitadinho que foi corrido e se sente injustiçado por pensar diferente. Essa não pega... Sobretudo se me pretender envolver a mim. Deveria ter sido igualmente claro nesse ponto. Não foi. Porquê?
+++
Nunca me apercebi nem tive conhecimento de qualquer tentativa de inibir, diminuir ou reduzir o papel de nenhum dos colunista de "Primeira Linha".
Acho mesmo que Alves Jana fazia falta e fará sempre falta em qualquer projecto editorial em que queira escrever o que pensa, defender as suas causas, bater-se pela defesa das suas convicções, apesar de nem sempre - tantas vezes - concordar com as suas posições e com as suas ideias.
O projecto a que estive ligado deve-lhe muito. O seu contributo voluntário, o calor das discussões que travou com a comunidade, o pensamento que estruturou de modo corajoso, a energia que irradiava sempre dos seus textos tem de ser evidenciada. Era, pelo menos, o seu modo de ver o mundo. O modo como Alves Jana vê o mundo. Concordando ou discordando, tem mérito pela constância, regularidade e qualidade dos textos.
Também estivémos muitas vezes de acordo. Foi ele quem me convidou para a primeira direcção da "Palha de Abrantes", da qual o próprio pediu que me afastasse por volta de 1998/1999, alegando que, sendo eu na altura era dirigente distrital e nacional da JSD, talvez fosse melhor sair da direcção para que esta não fosse conotada com ideais político-partidários.
Sem ruído, saí para uma discreta função no Conselho Fiscal, onde Alves Jana entendeu que eu fazia falta.
No mandato seguinte fui Presidente do Conselho Fiscal, igualmente a pedido de Alves Jana.
A minha saída da direcção, a pedido de Alves Jana, foi na altura interpretada por mim como um acto de pressão empreendido pelo próprio. Nunca o disse, até hoje. Contudo, nesta altura em que ele invoca a pressão que alega ter sentido, achei que deveria dar conhecimento do meu episódio. Para ser absolutamente claro.
A minha opinião nunca foi relevante para escolher ou recusar um colunista. Era só o que faltava.
Nem tampouco direi que, por Alves Jana ser casado com a dirigente concelhia do PS e vereadora em funções Isilda Jana, usou do espaço que foi seu durante todo o tempo que quis para colorir de cor-de-rosa a sua coluna de opinião e tentar forçar quem o lia a sintonizar-se com os ideais socialistas. Isso não seria sério da minha parte.
Às vezes, de modo cirúrgico, ficava expressa a mensagem que queria fazer passar, pelo menos na minha interpretação. Mas é mesmo isso que se espera de quem "faz" ou "pretende fazer" opinião. E isso faz parte da democracia. É essencial que as pessoas se exprimam.
Jamais, enquanto sócio-gerente da empresa editora do jornal e no uso dessas funções ousei sequer exprimir o que pensava sobre os seus escritos. O que afirmo é verdade e ninguém poderá dizer o contrário. Ninguém!
Dizer que "Primeira Linha" é um boletim pró-PSD é uma ofensa para todos aqueles que, semana após semana, com notícias, textos de opinião, nas funções administrativas e comerciais, se esforçam para que, com dificuldades, o jornal continue a ser editado. Considero isso como um infeliz desabafo, um estado de alma ou a "espuma dos dias". Nada mais. Infeliz, contudo, porque infundado.
Mesmo quando os cortes de publicidade - e disso sei! - que antes era sistemática e contínua se começaram a evidenciar, curiosamente no ano de 2001, me queixei. E um jornal vive, sobretudo, de receitas de publicidade. Provenientes de particulares, empresas e instituições, privadas e públicas. Sei bem o que é viver à míngua de publicidade por razões de "superior interesse".
+++
Depois, Alves Jana diz que saiu de colunista, "não por ali se estar a criticar a Câmara". Afinal, não foi por isso.
Fiquei mais esclarecido quando li a frase, afinal insinuosa e insultuosa, onde afirma que saíu, afinal, "por se estar a fazer «outra coisa» e eu, ao mesmo tempo, não poder responder e não poder ficar calado".
Esta parte é particularmente acintosa e grave. A que «outra coisa» se refere? Não explica? Não! Prefere ficar pela insinuação, truque useiro e veseiro usando sempre que se pretender criar uma cortina de fumo e deixar aos leitores a interpretação e a continuação do que ficou por dizer.
O que ainda conseguiu dizer, no mesmo tom de insinuação de quem não foi capaz de dizer o que, afinal, pensava, foi que "eu pensava, e continuo a pensar, que não podia nem devia entrar nessa matéria". Mas, afinal, qual é a matéria?
O que quer fazer percebe-se: insinuar. O que quer dizer fica na leitura subliminar de cada um. Nunca se sabe quando é que um, mais incauto, cai na armadilha que pretende armar...
+++
Alves Jana é um homem que considero - sempre considerei - inteligente.
Só isso explica que, por exemplo, o jantar com empresários do PSD e, mais do que isso, a questão da sedução em que a sua mulher teve papel activo (enquanto líder concelhia do PS), feita ao Presidente da Junta de Freguesia de Fontes tenham passado sem referência nenhuma no programa em que participa aos Domingos (mesmo que gravado ao Sábado) numa rádio.
Um autêntico "branqueamento", mesmo que a grelha de assuntos lhe tenha sido proposta. Não sei se foi ou não porque não sei quem escolhe os assuntos a discutir. É irrelevante para mim.
Para mim, Alves Jana deveria ter dito, em qualquer dos cenários, que esses temas, principalmente o da abjecta coacção psicológica sobre um autarca em funções eleito por outro partido e seduzido à custa da aplicação de dinheiro público por especial favor (não obstante ser um dever de quem governa) era por demais importante para não ser, de modo sério e isento, discutida.
+++
Isso conduz-me a outra reflexão, em nome dos valores da isenção e da igualdade.
Não ficava mal que, nesta altura, em ano de eleições, suspendesse a sua participação nesse tipo de programas onde tem de opinar. Aproveite o "corte" que fez num produto específico e fala uma pausa, pelo menos até às eleições.
"À mulher de César não basta ser séria; é preciso parecê-lo". Ao marido de uma política em funções, recandidata (será!) deve aplicar-se a mesmo norma popular.
Claro que isso não tem de acontecer. É apenas uma leitura que considero poder ser feita.


publicado por porabrantes às 19:50 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A Universidade deles

Para o Estudo da Idade Mé...

Tramagal, 1936

Dia do Senhor: Ciganas sa...

Os desastres do cacique d...

Luta dos enfermeiros alas...

O Efeito Tectânia: chegam...

Bibliografia abrantina : ...

Façam favor de informar o...

Esta mortandade não pode ...

arquivos

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

política

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Dezembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds