Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

A necessidade de afirmação dos políticos pela “obra” esconderá a capacidade de afirmação pela prática politica e pela boa governação? Nuns casos sim, noutros talvez não mas todos governam para ganhar a eleição seguinte. E assim se encheu o País de rotundas esplendorosas e agora de museus e centros culturais de coisa nenhuma com custos astronómicos de construção e de manutenção que vamos todos alegremente pagando sem nos queixarmos. A culpa é portanto nossa, de quem apoia esta política e de quem não apresenta alternativas.

 

Não quero discutir a necessidade do Museu Ibérico (qual Guggenheim Abrantino) nem a bondade da decisão.

 

Também não quero discutir a estética e a qualidade da arquitectura pois, nessa arte maior, como em quase tudo, pode-se defender com argumentos validos uma coisa e o seu oposto. É por isso uma discussão infértil saber se o edifício do Museu Ibérico se encontra desenquadrado em termos urbanísticos “afirmando-se” por contraste! Com isto não se pretende dizer que não seja por demais evidente a aberração e a escala desajustada do objecto. Infelizmente, há gostos para tudo... quando o “gosto” não é educado.

 

O problema que está aqui em causa é um problema de que o País enferma há muitos anos: o novo-riquismo. Fazem-se obras faraónicas ao lado de património arquitectónico em ruína. Construiu-se o Centro Cultural de Belém e pretende-se agora um Novo Museu dos Coches numa Cidade onde existem inúmeros Conventos e edifícios de elevado valor patrimonial em ruína. Basta viajar por este País fora para se ver, por todo o lado, o património em desgraça e ruína ao lado de obras sumptuosas, Centros Culturais, Museus, Casas da Cultura (de inegável valor arquitectónico em muitos casos) mas cheias de nada e de ninguém.

 

Quando eu era pequeno costumava brincar no castelo de Abrantes. Ficava fascinado com as escavações arqueológicas inacabadas e com os mistérios que tudo aquilo encerrava. Subia à torre de menagem de onde se vislumbrava todo o horizonte que os nossos olhos conseguiam com o Tejo a serpentear entre os vales. Ficava ofuscado com a grandiosidade de tudo aquilo. É ainda, para mim, um dos lugares mais maravilhosos deste pequeno País, tem uma dimensão inigualável pela grandeza do que se alcança.

 

Por outro lado inquietou-me sempre o estado de abandono e de ruína de tudo aquilo. Achava sempre que um dia iam terminar as escavações e então seria tudo arranjado e recuperado. Sempre se falou da sua recuperação, e da instalação de uma pousada, ou de um hotel, ou de um restaurante, enfim qualquer coisa que trouxesse vida. Os anos foram passando e a esperança foi-se perdendo e o estado de ruína e abandono foi-se agravando.

 

Quando pela primeira vez “vi” o Museu Ibérico não liguei à bestialidade da dimensão mas lembrei-me logo do Castelo. Onde melhor do que ali poderia estar um museu? ainda para mais de arqueologia! A oportunidade é única pensei eu, pois, ao que parece, agora há o dinheiro que nunca houve.

 

Infelizmente percebi rapidamente que ainda não era desta. É mais importante mostrar que se fez um obra nova do que, ao fazê-la, preservar o que de melhor temos.

 

É assim este País e a culpa é toda nossa.

 

Gil Serras Pereira



publicado por porabrantes às 00:34 | link do post | comentar

1 comentário:
De tramagalense a 18 de Julho de 2009 às 00:17
Pois eu já assinei a petição e pedi aos meus amigos para fazerem o mesmo.
Estou por Abrantes e pela sua beleza arquitectónica.

tramagalense.blogspot.com


Comentar post

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Eduardo Jorge volta ao bo...

IPT : O Mirante confirma-...

RTP investiga negócios do...

Carta do Padre de Nova Ab...

Oliveira do Mouchão em 7º...

A escarreta

O cheque prás Virgens Ofe...

A capela de Frei Sebastiã...

Um caso raríssimo

Renovação do pessoal do C...

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

petição

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

links
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds