Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

''O espólio documental da casa dos marqueses de Abrantes foi formalmente depositado no Arquivo Municipal Eduardo Campos, após a assinatura de um protocolo entre a Câmara Municipal e o actual marquês de Abrantes, José de Lencastre e Távora.
A assinatura do protocolo realizou-se no dia 26 de Novembro, no encerramento das Jornadas de História Local, na Biblioteca Municipal António Botto.
O espólio contém uma vasta documentação que vai desde o século XV a finais do século XX, tratando de vários assuntos. São documentos referentes a bens da casa de Abrantes; estudos inéditos; genealogias; inéditos literários; atribuições de títulos; documentos referentes a assuntos militares; documentos reais (originais e cópias), com destaque para documentos escritos por D. Miguel I; cópia em Latim do Foral de Abrantes; documentos referentes às igrejas de Abrantes; cópia do contrato celebrado entre a Rainha D. Maria II e a armada Britânica, entre outros. 
A Presidente da Câmara, Maria do Céu Albuquerque, agradeceu à família por disponibilizar este espólio à comunidade abrantina e sublinhou a importância da documentação para os historiadores locais.
José de Lencastre e Távora regozijou-se pelo facto do espólio da família permanecer à guarda do Arquivo Municipal de Abrantes salientando o facto de ficar “preservado” e de estar à disposição dos investigadores e da comunidade. (página web da CMA)''

 

Conforme tínhamos noticiado o Marquês de Abrantes e Fontes (etc. o aristocrata dispõe de mais uma vasta lista  de títulos, uma das maiores de Portugal), Zé Abrantes de seu nome artístico, D.  José de Lencastre e Távora,  de seu nome próprio, assinou com a CMA um protocolo pelo qual parte do Arquivo de Casa de Abrantes foi ''depositado'' no A.H.A., hoje situado no cu de judas ou seja no Vale das Morenas.

 

Lembramos que foi a Chefa mais o empregado do falso (1) Barão que levaram o AHA para o cu de judas apesar duma enorme polémica, dos protestos de Eduardo Campos e de mais intelectuais abrantinos com o sólido argumento do ''quero, posso e mando'' e de que não havia espaço no centro histórico.

 

Hoje a Chefa mais o empregado do falso (1) Barão têm o descaramento de dizer que há espaço para construir a Torre-Preservativo do licenciado de Portalegre.

 

Esperemos que a Presidente tenha lido o que assinou e que saiba que o Marquês pode retirar os documentos quando entender.....

 

A página da CMA dá-nos fotos deste acto de assinalável relevo heráldico. Estamos à espera que a Caras e a Hola as publiquem, mas não resistimos a dar ao povo algumas imagens da cerimónia.

 

Vão naturalmente por ordem de importância das personagens.....

 

O  Marquês de Abrantes e Fontes ou seja Dom José de Lencastre e Távora.

 

foto cma

 

.

 

o glorioso brasão duma família com múltiplos serviços à história de Portugal

 

e a agora a política com o Senhor Marquês

 

foto cma

 

Estranhamos que a sala não esteja adornada com as armas de Albuquerque e com as dos Marqueses de Abrantes

 

E agora o bom povo

foto cma

 

Estranhamos não ver entre os presentes nem a Chefa nem o conhecido defensor dos direitos do Conde da Bahia à primazia entre os Almeidas, Candeias Silva. Supomos que estaria em diálogo com Veríssimo Serrão sobre a contribuição de Marcello Caetano para   o fim de Portugal.

 

Uma amigo nosso dizia que para os documentos assinados pela Presidente tenham validade devia seguir-se o mesmo procedimento que usava Chalana com o Benfica. Assinava o contrato e depois a nossa querida Amiga e peticionária Anabela Mateus escrevia: Autorizo e assinava.

 

É uma sugestão que deixamos ao PS para reforçar o controle partidário sobre a Presidente não vá ela começar a ter ideias.....

 

Obrigado Anabela, por teres assinado a petição. É assim que fazem as pessoas que gostam de Abrantes!!!!!

 

Finalmente em nome dos peticionários agradecemos à família do ilustre titular este gesto de civismo e mais um serviço seu à cidade de Abrantes.

 

Aos camarários não temos nada para agradecer e somente rogamos que sejam mais bem educados e não expropriem ao Marquês de Abrantes o título de Dom que lhe corresponde pela sua categoria social e pelos serviços prestados à pátria pela sua família....

 

Se mandaram afixar uma lápide na Igreja de São João onde figuram a palavras ''D. Augusto César'', para denominar o Prelado que foi um entusiasta da repressão colonial em Moçambique e que teve o beneplácito da Ditadura para ser Bispo, fazem favor de ser tão bem educados com o Marquês de Abrantes, personalidade que pela sua obra ultrapassa de longe o patrocinador da candidatura socialista do Padre Belo à Câmara do Crato.!!!

 

O Marquês possui os mesmos direitos que um Prelado a ser tratado por Dom se a CMA acha que continuam em vigor os títulos nobiliárquicos, coisa polémica em termos de Direito.

 

O Marquês na sua alocução referiu o papel destacado do Dr. Francisco Lopes na vinda desta parte do Arquivo para Abrantes, e este blogue naturalmente elogia o gesto do Director da Biblioteca e estranha que a Chefa que foi Vereadora da Cultura e é formada em História não tenha feito esforços neste sentido.

Teria sido um grande dia para a cultura abrantina se todo o Arquivo tivesse vindo para Abrantes e recordamos que o dr. Jorge Fernandes alertou para essa possibilidade várias vezes no Jornal de Abrantes, perante a passividade dos Vereadores da Cultura da época, dos quais destacamos Humberto Lopes.

Hoje parte relevantissima deste arquivo está na Torre do Tombo, donde se transcreve uma descrição desse fundo:''

 

 

 

Informação não tratada arquivisticamente
Código de referência PT/TT/CABT
Entidade detentora Arquivo Nacional Torre do Tombo
Título Casa de Abrantes
Nível de descrição Fundo
Dimensão 88 caixas
Produtores Almeida, família, Condes de Abrantes, 1476; Sá, família, Condes de Penaguião, 1583; Sá Almeida e Lancastre, famílias, Marqueses de Abrantes, 1718; Lencastre, família, Condes de Vila Nova de Portimão (1504).
História administrativa/biográfica
O título de 1º Conde de Abrantes foi concedido por D. Afonso V, em 1476, a Lopo de Almeida, alcaide-mor de Abrantes, Punhete (actualmente Constância) e Torres Novas, senhor do Sardoal, Mação e Amêndoa e vedor da Fazenda (1471), mordomo-mor, contador-mor e escrivão da puridade da Rainha D. Joana. Casou com D. Brites da Silva, camareira-mor da Rainha D. Isabel, filha de Pedro Gonçalves Malafaia, rico homem, vedor da Fazenda. 
O título não foi renovado nos descendentes do 3º Conde, D. Lopo de Almeida, o fundador do convento de Santo António de Abrançalha (c. 1526), depois transferido para Abrantes. 
António de Almeida, 9º e último alcaide-mor de Abrantes, morreu solteiro e sem geração. Foi aos descendentes de sua irmã, D. Isabel de Mendonça, condessa de Penaguião pelo casamento com D. João Rodrigues de Sá, 1º Conde de Penaguião, que coube a representação da Casa de Abrantes. 
Filipe III dispôs da Casa e do título a favor do Marquês de Porto Seguro, D. Afonso de Lancastre, da Casa dos Duques de Aveiro (1635), que teve o título de Duque de Abrantes, em Espanha, o qual não foi reconhecido em Portugal. 
Após a Restauração o título foi renovado por D. João IV (1645) em D. Miguel de Almeida um dos conjurados de 1640, do seu Conselho e mordomo-mor da rainha D. Luísa de Gusmão, tendo sido o 4º Conde de Abrantes. Morreu sem geração, ficando como única herdeira da Casa D. Isabel de Mendonça, condessa de Penaguião. 
D. João V, em 1718, mudou o título de Marquês de Fontes para o de Marquês de Abrantes ao 7º conde de Penaguião e 3º marquês de Fontes, D. Rodrigo Anes de Sá Almeida e Meneses (1676-1733), terceiro filho do 4º conde de Penaguião e 1º marquês de Fontes, nascido em 1676, sendo assim o 1º Marquês de Abrantes. Recebeu os senhorios da vila de Abrantes, do Sardoal, dos concelhos de Sever, Penaguião, Gondim, Fontes, Gondomar, Vila Nova de Aguiar de Sousa, Bouças, Gaia e honra de Sobrado. Foi capitão, alcaide-mor e governador das armas do Porto, das fortalezas de São João da Foz e de Nossa Senhora das Neves de Leça (Matosinhos), alcaide-mor de Abrantes, Punhete, Amêndoa e Mourão, comendador de Santiago do Cacém e de São Pedro de Faro, da Ordem de Santiago, e de São Pedro de Macedo da Ordem de Cristo. Casou com D. Isabel de Lorena, filha dos 1os Duques de Cadaval.
O 5º marquês de Abrantes e 7º conde de Vila Nova de Portimão, D. Pedro de Lancastre da Silveira Castelo Branco Sá e Meneses, e seu filho, D. José Maria da Piedade de Lancastre Silveira Castelo Branco de Almeida Sá e Meneses, 6º marquês, foram prisioneiros de guerra em França, só tendo sido libertos depois da Guerra Peninsular 
O 7º marquês, D. Pedro Maria da Piedade de Alcântara Xavier de Lancastre, conde de Penaguião e de Vila Nova de Portimão, foi apoiante dos miguelistas. Julgado quando da vitória liberal, foi absolvido pelo Conselho de Guerra. 
Foi 8º Marquês, já durante o regime republicano, o 12º conde de Vila Nova de Portimão, D. João Maria da Piedade de Lancastre e Távora, nascido em 1864, casado com D. Maria Carlota de Sá Pereira de Meneses Pais do Amaral, da Casa dos Condes da Anadia. 
Foi 9º Marquês (1948), representante dos títulos de Vila Nova de Portimão, da Sortelha e de Penaguião, D. José Maria da Piedade de Lancastre e Távora, nascido em 1887. Casou com D. Maria Emília do Casal Ribeiro Ulrich. 
Seu filho e herdeiro, D. Luís Gonzaga de Lancastre e Távora (1937-1993), 10º marquês de Abrantes, foi casado com D. Maria João de Carvalho Gomes de Castro, filha dos 4os Condes de Castro. Publicou numerosos estudos sobre genealogia, sigilografia e heráldica. 
É 11º marquês de Abrantes D. José Maria da Piedade de Lancastre e Távora, filho do anterior. É detentor dos títulos de Conde de Penaguião, Conde de Vila Nova de Portimão, Marquês de Abrantes, Marquês de Fontes.
História custodial
O arquivo da Casa de Abrantes foi classificado pelo IPPC, tendo sido depositado no extinto Arquivo Histórico do Ministério das Finanças. A instâncias do marquês D. Luís de Lancastre e Távora, foi-lhe entregue a custódia do arquivo, que acabaria por ser vendido e disperso.
Modalidades de aquisição
A documentação que constitui o fundo foi adquirida por compra em diversas ocasiões: directamente à família; a J. C. Silva (Livraria Histórica e Ultramarina), em 1975; à Livraria Avelar Machado, em 1976; comprada pela Direcção Geral do Património Cultural, em 1977; à Livraria Histórica e Ultramarina, em 1978 e 1981; a José Manuel Rodrigues, em 1982; no leilão Silva's - Pedro de Azevedo, em 1989; à Biblarte, em 1992; no leilão Silva's - Pedro de Azevedo, em 1994; e ao Professor Gonçalves Rodrigues, em 1995.
Âmbito e conteúdo
Fundo constituído por documentação das famílias Góis, Góis e Lemos, Silveiras (Condes de Sortelha), Castelo Branco (Condes de Vila Nova de Portimão), Valentes de Póvoa, Vasconcelos do Esporão (Condes de Figueiró), Lancastre (comendadores-mores de Avis), relativa à constituição, aquisição e administração de bens e propriedades (mercês, doações, autos de tombo, tombos, demarcações, para além de escrituras de venda, aforamentos, petições, processos, demandas, sentenças, quitações, despesas, recibos, dotes, contratos de casamento, testamentos, inventários de bens, como pratas e móveis, autos de avaliação de quadros e gravuras, partilhas, correspondência, etc). Reporta-se a propriedades, padroados, comendas e capelas, situadas em Lisboa, Rilvas, Mafra, Muge e Vale do Tijolo, Torres Vedras, Montemor e Estremoz, Veiros, Avis, Alcanede, Alandroal e Rio Frio, Abrantes, Quintas de Arruda e Alenquer, Valverde, Góis, Póvoa, Santarém, Ponte de Lima, Oliveira do Conde, Pernes, Beringel, Porto, Gondomar e Bouças, Leiria, Recardães e Segadães, Pedra Alçada, Penalva de São Gião, Quinta da Pipa, Morgadio do Calhariz de Benfica, Morgadio do Esporão, Alentejo. 
Inclui ainda, para além de apontamentos de carácter genealógico, correspondência e produção literária, entre a qual poesia, e documentação de carácter pessoal.
Organização e ordenação
A documentação maioritariamente organizada segundo critérios cronológicos e de numeração sequencial catalográfica.'' -in link citado da Torre do Tombo

 

 

 

(1) Quando o dito ''titular'' dispuser de um alvará a conceder-lhe o título faça favor de nos informar.

 

 

Marcello de Noronha e Ataíde



publicado por porabrantes às 21:33 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Presos políticos abrantin...

Críticas a livros de semi...

Um artista abrantino

Quando a Luz iluminava o ...

Era uma vez uma cacique

Solar Azul quis comprar t...

Presos políticos abrantin...

Presos Políticos Abrantin...

Presos Políticos Abrantin...

Uns acessos da treta à Lo...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds