Quinta-feira, 05.04.18
 
 
Independentes por Tomar
· 2 horas ·

''No telejornal o Sr. Ministro da Saúde considerou que o Hospital de Abrantes não reúne condições para o funcionamento das urgências.
Ora, isso tem sido afirmado e reafirmado há anos, desde que nesse Hospital passou a funcionar a urgência médico-cirúrgica que o lobby da saúde de Abrantes conseguiu ao arrepio de toda a realidade.
É tempo de afirmar convictamente ao Sr. Ministro da Saúde que a solução passa por retomar o serviço de urgências nos três hospitais de CHMT de forma a ...contemplar os interesses dos doentes e a cumprir a verdadeira missão do Serviço Nacional de Saúde.
Mas tal não passa por derramar mais milhões de euros na unidade de Abrantes, pois já se gastou lá demasiado dinheiro sem quaisquer benefícios.''

 
Devida vénia a este grupo político
ler as explicações tímidas do Direcção do Hospital na Hertz


publicado por porabrantes às 21:51 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.04.18

ver aqui



publicado por porabrantes às 10:16 | link do post | comentar

MANIFESTO

POR CONDIÇÕES DE TRABALHO DIGNAS E CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE E SEGURANÇA

A equipa de enfermagem do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica do CHMT da unidade de Abrantes vem transmitir a profunda preocupação pela falta de segurança e qualidade dos cuidados prestados, que está naturalmente relacionada com a falta de condições de trabalho.

Este serviço de Urgência ao longo dos últimos 5 anos tem sofrido algumas alterações com a centralização da Urgência Médico-Cirúrgica neste Hospital, entre as quais receber utentes de vários concelhos como (Abrantes, Mação, Sardoal, Vila Rei, Gavião, Ponte de Sor, Tomar, Torres Novas, Entroncamento, Fátima, Ourém), entre outros. Ao longo destes mesmos anos temos vindo a aumentar o número de admissões neste serviço, (diretas e transferências dos Serviços de Urgência Básica de Tomar e Torres Novas), complementado com um maior grau de complexidade nos cuidados a prestar a cada doente, sendo que se tem vindo a verificar a admissão de utentes cada vez mais idosos. Muitas das admissões diárias são transferências da urgência básica de Tomar e Torres Novas. Esta situação verifica-se ao longo de todo o ano, não é só em tempo de gripe.

O cansaço físico e psicológico dos profissionais que trabalham neste ambiente penoso e de risco, leva-nos a relatar o que aqui se passa, pois não poderá a responsabilidade ser atribuída a quem não tem outra alternativa a não ser tentar fazer o melhor que pode a tantos milhares de pessoas que aqui se dirigem, na esperança de encontrar ajuda para o seu problema mais ou menos grave, mais ou menos urgente.

Somos poucos recursos para dar resposta a tantos doentes que se acumulam em macas lado a lado, a ponto de se tocarem, esperando longas horas por um cuidado, uma resposta ou um simples olhar.
Tantos, que por vezes até se torna difícil chegarmos perto.
Desde o dia 1 de Janeiro de 2018 a Urgência de Abrantes tem tido em média 67 doentes internados por dia, chegando a ficar internados na urgência vários dias, por vezes até completar uma semana, ou até mais, quando na verdade, nem deviam de existir “internados” na urgência!

Para minimizar os doentes em corredor foi aberto uma enfermaria (UOM2), com espaço para 14 doentes, assegurado pelos enfermeiros da urgência, recorrendo na maioria das vezes a trabalho para além do horário que temos a cumprir. Esta medida não retirou qualquer doente ao corredor, mantendo-se exactamente como antes.

A equipa já se encontra sobrecarregada com turnos extraordinários de modo a colmatar o absentismo, na maioria dos turnos 1 enfermeiro presta cuidados a 12 doentes, ou mais. Cuidar de um doente implica higienizá-lo, alimentá-lo, administrar-lhes medicação, controlar sinais vitais e avaliar sintomas, verificar que exames têm para realizar, efectuar colheitas de sangue e urina, cuidados especiais e ouvir as suas preocupações, dar-lhes atenção e à sua família. Poucos para controlar e amparar os que sofrem com dor, os que gemem e gritam toda a noite porque não sabem onde estão.

Não esquecendo sempre que é necessário um enfermeiro para efetuar transferência de doentes, enfermeiro este retirado dos cuidados aos doentes sobrecarregando a equipa já exausta.
Para todos os outros que estão lá fora, esta realidade é desconhecida, até que se torna pessoal e de máxima importância no momento em que necessitam.

Pensar em controlar as infeções associadas aos cuidados de saúde, quando o “isolamento” é feito apenas, e só, por escassos centímetros do ar que separa os doentes, é mera ilusão. A inexistência de unidades de isolamento em urgência nos hospitais para manter isolados os doentes infetados com bactérias resistentes, evitando assim o contágio a outros doentes.

Para onde caminhamos quando não conseguimos respeitar a privacidade de cada pessoa, quando não podemos garantir a dignidade de morrer?

Sabemos que:

  • • Não conseguimos prestar mais cuidados, do que aqueles que já prestamos em simultâneo.
    • Não conseguimos cumprir o horário da medicação, e a probabilidade de erro aumenta por estarmos sobrecarregados e exaustos.
    • Quando não há mais macas onde deitar os doentes, já tendo esgotado cadeirões e cadeiras de rodas com todos aqueles que apresentam capacidade para permanecer nelas, comprometemos o socorro pré-hospitalar a outras pessoas porque as ambulâncias ficam retidas à porta do hospital.
    • Não conseguimos mobilizar doentes sozinhos porque não existe o número de auxiliares que era suposto existir e, estes, tal como nós, consomem-se em mil e uma tarefas.
    • O número de enfermeiros/auxiliares do serviço está abaixo do estipulado nas fórmulas de cálculo de pessoal,
    • A precariedade e o pouquíssimo tempo de integração e formação em urgência, independentemente da sua experiência profissional é a realidade.
    • Não temos culpa de existirem pessoas internadas num serviço de urgência confuso, desumano, em que praticamente não dormem e são despojadas dos seus pertences, e em que o contacto com os seus familiares é muito limitado.
    • Constatamos todos os dias a falta de conforto dos doentes acomodados em macas estreitas, pequenas sem almofadas por escassez destas, com elevado risco de queda e feridas.

Ninguém resiste tanto tempo a trabalhar nestas condições, não temos outra hipótese senão, por vezes, colocar baixas médicas, por exaustão, por depressão e por lesões músculo-esqueléticas.

Não aceitamos trabalhar mais nestas condições. Queremos um trabalho digno para poder respeitar o direito à saúde com qualidade e segurança a quem a nós recorre.

Por forma de manifesto, uma grande parte destes profissionais enfermeiros e auxiliares fez pedido de mobilidade de serviço.

PROPOSTAS DE SOLUÇÃO

Exigir o cumprimento da Lei, assim como as orientações e recomendações abaixo identificadas:

Admissão, tendo como referência o Regulamento n.º 533/2014 da Ordem dos Enfermeiros – Norma para o Cálculo de Dotações Seguras dos Cuidados de Enfermagem, dotando a urgência do número de enfermeiros e Assistentes Operacionais para fazer face não só ao número de atendimentos, mas também para cuidar condignamente dos que ficam internados;

Criação de uma escala de transferência de doentes urgentes, em regime de prevenção, à semelhança da que existe em outros hospitais ou repor a equipa de transferências que em tempos existiu nesta urgência (com elementos supra numerários).

Espaços próprios destinados a isolamento de contacto e a construção de quarto(s) de isolamento com pressão positiva e negativa para isolamento respiratório, respeitando a Guideline for Isolation Precautions: Preventing Transmission of Infectious Agents in Healthcare Settings 2007, disponível em http://www.cdc.gov;

Caminhar no sentido do parecer da Ordem dos enfermeiros N.º – 20/2015 “Competências do enfermeiro chefe de equipa dos serviços de urgência”, sendo que deverá ter, dotação de enfermeiros especialistas em pessoa em situação critica; Nas escalas de trabalho deve ser assegurada a distribuição equitativa dos mesmos pelos vários turnos; Dispondo o serviço de urgência de profissionais com estas competências, deverão ser estes a exercerem as funções de chefia de equipa, sendo que deverão ter funções efetivas de gestão de equipa e não assumir as funções que assumem atualmente: sala de emergência, balcão de Medicina (corredor), entre outras…

 devida vénia ao colega : https://abrantesnafrenteblog.wordpress.com

que está a fazer um excelente acompanhamento da luta dos enfermeiros pela nossa saúde.

mn



publicado por porabrantes às 10:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 03.04.18

rtp enfermeiros.png

As declarações dos enfermeiros abrantinos sobre as condições de atendimento e trabalho nas urgências do Hospital Manuel Constâncio são arrasadoras e preocupantes porque todos nós ou já lá fomos atendidos ou  temos pacientes na família que já passaram por lá ou podem vir a passar.

Face a isto e ao pedido aparentemente justificado de transferência feito pelos enfermeiros, a resposta da direcção do CHMT é parca.

Face a isto os partidos locais estão calados, excepto o Bloco, que tem tratado do tema ''Saúde'' com rigor e seriedade.

Face a isto a Liga dos Amigos do Hospital está calada.

E ainda há tótós neo-liberais dedicando-se a futilidades.

ma

devida vénia à RTP



publicado por porabrantes às 15:22 | link do post | comentar

Sábado, 06.01.18
Início REGIONAL ABRANTES – Urgência do Hospital está num caos. Reportagem da RTP fala...


ABRANTES – Urgência do Hospital


está num caos.


Reportagem da RTP


fala em «corredor da morte»










publicado por porabrantes às 16:31 | link do post | comentar

Domingo, 10.12.17

as chmy

Gostaríamos de ver respondida a pergunta do Vereador. As pessoas interessadas podem contactar o Vereador para o tel e mail assinalados.

E a nossa pergunta é terá visto o Secretário de Estado isto?

P6-F1-800x630

Foto Almonda com a devida vénia

Os corredores são sítios para armazenar doentes?

mn



publicado por porabrantes às 16:10 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19.07.17

portal da queixa.png

O nosso conselho: em caso dum pé partido vá a um Hospital privado..-

 

ma

 

ver aqui



publicado por porabrantes às 07:33 | link do post | comentar

Terça-feira, 04.07.17

'''(...)

Os hospitais de Guimarães, Gaia, Aveiro, Abrantes, Amadora-Sintra, Setúbal e Évora estão atualmente a funcionar com menos enfermeiros especialistas do que o recomendado, o que provoca uma "situação caótica” nestes serviços de saúde. “Já existem grávidas com receio de serem internadas. Apesar de os administradores hospitalares afirmarem que está tudo a funcionar normalmente e que tudo está controlado, internamente a situação é caótica”, referiu Bruno Reis.

Desde esta segunda-feira que estes enfermeiros estão a assegurar apenas cuidados indiferenciados de enfermagem, em protesto contra o não pagamento dos seus serviços especializados - que conta com o apoio da Ordem dos Enfermeiros. "No primeiro dia de protesto dos enfermeiros especialistas, os hospitais nada fizeram para garantir a segurança dos cuidados de saúde. Está em causa a vida e a saúde das pessoas, em particular das que recorrem aos serviços de saúde materna e de obstetrícia(...)   no I com a devida vénia

 

hospital.jpg

mn



publicado por porabrantes às 14:05 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.06.17

teresa 1.jpg

A deputada Teresa Leal Coelho, líder da lista laranja scalabitana e os outros deputados do PSD denunciam ....

teresa 7.png

Entretanto a concelhia abrantina guarda de Conrardo, o prudente silêncio e dedicam-se a atacar ....o dr. Rui André.....grande autarca laranja de Rio de Moinhos

teresa 3.jpg

ma



publicado por porabrantes às 15:36 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.04.17

engano.png

 Esperar que abram um processo de averiguações para saber o que aconteceu seá certamente pedir demais.

mn



publicado por porabrantes às 06:59 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Falta de equipamentos no ...

Nova bronca nas urgências...

Fecham 25 camas no Hospit...

CHMT responde a Ana Cavac...

Um ''ignóbil silêncio''.

Os queixinhas

Redução de camas no Manue...

''Um espaço sem dignidade...

Agrava-se crise no Manuel...

O caos no Hospital de Abr...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10


25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds