Sexta-feira, 27.01.12

 

 

pp e busca de Suzy de Noronha


tags:

publicado por porabrantes às 23:53 | link do post | comentar

Quinta-feira, 08.12.11

 

 

Madame d' Abrantés (não confundir com a Abrantejo) e  Monsieur le Duc de Abrantés por Mademoiselle Margueritte Gerard

tratados artisticamente por Suzy de Noronha

 

 

 

 

 

 

 


tags:

publicado por porabrantes às 23:52 | link do post | comentar

Sábado, 25.09.10

Continuamos à espera que o P.Rosa saia à liça ou que o Pico reconheça que usou o nonagenário sacerdote numa sórdida jogada política.

 

Continua metido no confessionário  o Pico ou sai o sacerdote à liça?

 

Entrentanto para entreter o povo durante a espera, divulgamos um interessante texto :

 

Junot na sátira popular de Artur Jorge Almeida in  http://www.prof2000.pt/users/secjeste/ajalmeid/pg010030.htm

 

No dia 22 de Março de 1831, faleceu na então vila de Aradas um mendigo. Pode parecer estranho, ao leitor, que esta efeméride tenha um tal destaque. Aparentemente será mais um pobre diabo, um ser marginalizado, um demente talvez, que deixou o mundo dos vivos.

Curiosamente, apenas sabemos que se chamava Manuel, como muitos outros que vivem ou viveram neste País. Desconhecemos onde nasceu e qual a sua família. No entanto, do assento do óbito que um pároco lavrou, conseguimos fazer um traçado da sua vida.

Era um mendigo, não natural da freguesia, na força da idade, que fora serviçal em conventos e em casa de pessoas de condição. Naquele dia de Março, entre o chilreio dos pássaros e o rumorejar de uma fonte, os seus gemidos cortaram os ares. De repente, um baque surdo do bater de uma cabeça na pedra fria. Depois o silêncio. Um silêncio de morte.

Foi, quem sabe, o único dia de felicidade na vida deste infeliz — o dia da libertação.

No dia vinte, e dois de Março de mil oito centos, e trinta, e hum falleceo de repente, e por conseguinte sem sacramentos, hum forasteiro, mendigo, chamado Manoel, que por sobre nome não perca. Tinha pouco mais, ou menos trinta annos de id.e. Era conhecido dos p.eS de Salgr.º; foi creado dos P.es de St.º Ant.º de Aveiro, e do B.el Rocha, de Ilhavo. Tinha repetidos ataques de gota, e de hum morreo, junto às fontes de Arada; dando com a cabeça em huma pedra. Era conhecido pelo appellido de Junot. Jaz na lgr.8 de S. Pedro, p.a onde foi conduzido no dia seg.e immediato. Fiz, e assignei este assento, para constar; sendo precizo: era, ut supra.

O Cura Joaquim Senos (1).

Deste assento, feito com cuidados mais próprios de historiador dos nossos tempos que de cura de uma igreja da primeira metade do século XIX, ressalta um pormenor, aparentemente insignificante: a alcunha do mendigo — “Junot”.

Nela está um estigma, um ferrete da sociedade, uma marca de escárnio, de sobremaneira injuriosa.

Era, talvez, naquela época, o mais torpe dos insultos que se poderiam dirigir a alguém. A prová-lo está uma determinação de Tomás Inácio de Morais Sarmento, publicada em Moncorvo, que estipulava uma pena de três meses de cadeia e dois mil réis de multa revertíveis para o Hospital daquela vila para aqueles que ousassem admoestar alguém com o epíteto de Junot, ou outro de igual jaez. No caso de reincidência a pena seria duplicada e ocorrendo uma terceira prevaricação o seu autor seria remetido como incorrigível, e indigno da Sociedade Civil à Intendência Geral da Polícia do Distrito para ser remetido ao Estado da Índia, ou ao Reino de Angola... (2).

É nas épocas de crise que as formas de luta contra o inimigo opressor se apuram. Entre elas, uma adquire especial significado — a Sátira. Quanto mais crítica é a situação, quanto mais perigosa a resistência, mais se recorre ao humor. Ele é um misto de raiva e impotência. A sede de vingança, o desejo de subjugar o inimigo, aguçam o sentido de crítica. É do perigo da clandestinidade que saem as críticas mais mordazes.

As Invasões Francesas são um dos momentos mais altos deste tipo de humor, em Portugal. A entrada do exército napoleónico no nosso País atingiu as raias do ridículo. De acordo com as ordens recebidas, atravessaram a Espanha a marchas forçadas, entrando em território português a 19 de Novembro de 1807. No dia 24 do mesmo mês tinham alcançado Abrantes. As tropas vinham exaustas e com os fardamentos esfarrapados, um autêntico exército de maltrapilhos, o que leva a população a comentar:

A entrada destes guerreiros
Foi com grande intrepidez:
Descalços de pé e perna,
Dois aqui, acolá trás (3).

A águia napoleónica tinha perdido o brilho. Os soldados imperiais, outrora modelo de aprumo militar, mais pareciam um exército de opereta:

Um homem com cabeça de donato
Tendo por barretina uma caneca,
Olhos gazeos boca d’Alforreca
O pescoço estendido como gato.

Borjaca suja, e rota por ornato
Calça de brim na perna nua, e seca;
Espada que andou por seca e meca;
Os dedos quasi fora do sapato!

Uma pele de cabra sobre o lombo
Cabacinha panela e caçarola, 
Espingarda que leva muito tombo

Eis um guerreiro da francesa escola
Agudo em manhas em juízo rombo
Que outro deus não tem que a Passarola (4).

Se o País tinha capitulado ante o invasor, não o tinha a população. Assiste-se, em Lisboa, a uma série de assaltos às sentinelas e durante alguns dias as tentativas de hasteamento da bandeira francesa eram neutralizadas devido à acção decidida do povo.

À medida que os franceses se vão instalando e elaborando proclamações ao povo português (rasgadas por mãos anónimas na calada da noite) os pasquins proliferam, ridicularizando cada vez mais o inimigo.

A revolta vai-se alastrando. Não são apenas os populares. Na Universidade de Coimbra, estudantes e lentes formam o Batalhão Académico. Os frades desempenham um papel fundamental no incitamento à revolta popular contra os jacobinos.

Os franceses não conseguem aguentar o clima de tensão. No dia 16 de Junho de 1808, durante a Procissão do Corpo de Deus, alguns populares correm aos gritos atrás de um ladrão. A população desorientada começa também a correr e os soldados tomados de pânico fogem deixando a artilharia abandonada no Rossio (5).

Nas proximidades de Leiria, os franceses, tomando por um bando de insurrectos os fiéis incorporados numa procissão, carregam. Estes dois acontecimentos são causa de chacota:

Valorosos de Austerlitz,
Acabou vosso valor;
Todos à uma fugiram
Do mais pequeno rumor.

Sabe Deus se esse Austerlitz
Esse Marengo, esse Yena,
Que o Gazeteiro nos diz
Será valor só de pena (6).

Deve em memória ficar
Do Corpo de Deus o dia,
Ao Francês abandonar
Toda a sua artilharia.

Forte acção forte batalha,
Em Portugal a primeira!
Bater-se a Tropa Francesa
Com o Círio da Ameixoeira.

E a esta gente de círio
Com a sua devoção,
De repente encontra a Tropa
Do grande Napoleão (7).

Investe com tal valor
Este exército aguerrido,
Que tudo desbaratou
Sem ter um dos seus ferido.

Só de burros mais de mil
Foram mortos n’esta acção;
Duas bandeiras tomaram
Da Virgem da Conceição (8).

 

Os nomes dos franceses são ridicularizados: Thiébault é conhecido pelo “Tio Bolas”, Lagarde por “Monsieur Lagarto” e o Junot o povo chama “Jinó”.

Vi com olhos magoados
N’estas francesas bisarmas,
De Camões um — às armas —
E os Varões assinalados
De França vieram marcados,
Dois d’eles eram manetas (9),
Era calvo o das gazetas (10),
Delaborde, enfermo e pisco,
O Junot trazia um risco,
Faltou vir um com muletas (11).

Este risco de Junot era uma das cicatrizes ocasionadas por duas balas que lhe atingiram a cabeça, uma em 1792, a outra em 1796. Tais ferimentos foram a origem da sua loucura.

Foi um louco que Napoleão nos mandou, aliás tão somente para evitar os assédios que aquele fazia à sua irmã.

Aproveitando a sua loucura megalómana, gravita em torno de Junot uma corte de bajuladores preocupados em enriquecer:

Quem oprime os Portugueses
Quem os rouba sem ter dó?
É esta Tropa Francesa
De quem é chefe Junot (12).

Não lhe chega o título de “duque de Abrantes”,

Duque de Abrantes
Pelo Imperador dos Tratantes (13)
convencem-no que deverá ser rei, Rei de Portugal. Tratam-no por Vossa Alteza. E ele cai no engôdo. Exige que o tratem com reverência, rodeia-se de luxo.

O povo não lhe perdoa, torna-se extremamente popular uma nova dança obscena que recebe o nome de “Jinó” (14).

As ameaças de morte sucedem-se:

... é jurar
De matarmos o Jinó
E antes que ele se vá
Havemos fazê-Io em pó (15)

ou

Junot, come e dança
Que a tua cabeça
Não torna a França (16).

Está próxima a derrocada.

O Ducado de Abrantes
Está a vagar por instantes (17).

Junot nunca mais será o mesmo: com o insucesso da 1ª Invasão cai das nuvens da sua loucura o régio sonho que havia concebido. Ainda volta a Portugal integrado no exército de Massena. Posição subalterna extremamente humilhante para o pretendente ao trono de Portugal.

Afastado por Napoleão, esquecido e abandonado por todos, em 1813, suicidou-se num acesso de loucura, atirando-se de uma janela.

Era o fim de Andoche Junot, nascido em 1771 de uma família burguesa, o “Sargento Tempestade”, general que nunca deixou de ser sargento, “duque de Abrantes” e aprendiz de rei.

A sátira popular é por vezes uma arma demasiado poderosa. Ela foi um forte contributo para a concretização dos acontecimentos que deram origem a esta morte trágica, ocorrida em S. Pedro de Aradas, em 1831.

ARTUR JORGE ALMEIDA

___________________________

NOTAS:

(1) - Livro de óbitos da freguesia de S. Pedro de Aradas (1815-1860), fI. 65v.

(2) - MARIA ERMELINDA DE AVELAR SOARES FERNANDES MARTINS, “Coimbra e a Guerra Peninsular”, Atlântida, Coimbra, 1944, p. 80.

(3) - Idem, ibidem, p. 59.

(4) - Idem, ibid, p. 59. A “Passarola” designa a Águia Imperial.

(5) - Quando Junot, já ao corrente dos acontecimentos, pretendendo mostrar-se valoroso, perguntou a um cadete da Legião Portuguesa qual a causa da desordem, teve por resposta, segundo um autor da época, que eram os soldados franceses que fugiam e metiam medo ao povo.

Vd. MARIA ERMELINDA MARTINS; lbidem, p. 78.

(6) - Ataca-se aqui a propaganda de Lagarde na “Gazeta de Lisboa”. Lagarde não hesitava em divulgar falsas notícias sobre as acções militares imperiais. As gazetas clandestinas, por sua vez, encarregavam-se de as meter a ridículo.

(7) - Além destes versos surgiu um folheto intitulado “Esta famosa batalha foi travada nos campos d’Otta entre o general francez Margaron e Thereza Maria da Silva, juíza do Cyrio da Ameixoeira. O exercito d’este era forte de 25 paisanos camponezes d’infantaria, armados de cajados, 12 dragões armados de varinhas de marmeleiro; de 6 velhas muito gordas que serviam de obuses e que lançavam por invento novo 10 bombas por minuto, etc.”

Vd. RAUL BRANDÃO, “El-Rei Junot” INCM, col. Biblioteca de Autores Portugueses, 1982, pp. 167-168.

(8) - Idem, lbidem,pp. 169-170.

(9) - Um era o sinistro Loison, de má memória, cujas atrocidades deram origem à expressão “ir para o maneta”.

(10) - O Intendente Lagarde, chefe de uma complicada rede de espionagem.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .careca
Que Intendente se fez sem vara ou beca!

Vd. MARIA ERMELINDA MARTINS, ob. cit., p. 68.

(11) - ldem, Ibidem, p. 87.

(12) - ldem, Ibid., p.80.

(13) - ldem, lbid., p. 68.

(14) - RAUL BRANDÃO, ob. cit., p. 161.

(15) - ldem, lbidem, p. 269.

(16) - ldem, lbid., p. 174.

(17) - MARIA ERMELINDA MARTINS, ob. cit., p. 85.


 


Junot na sátira popular

 




publicado por porabrantes às 12:36 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.04.10

Depois de lermos ontem o impacto da chegada dos franceses ao pinhal e os problemas que isso trouxe ao Padre Batista, segundo o manuscrito da professora Alice B, ficámos curiosos e fomos ver se há por lá ainda descendentes dos invasores ( que não foram só franceses, porque as hordas napoleónicas eram multinacionais havia polacos, alemães, italianos e até egípcios...).

 

Nas tropas inglesas também havia soldados de outras origens, sobretudo alemães mas também franceses anti-napoleónicos.

A falta de tempo só nos permitiu encontrar num portal de genealogia um francês que ficou no Pinhal, quem sabe se seduzido pela beleza rural lusitana:

Boa tarde

Alguém me sabe informar sobre a origem da família Jana (da Carregueira - Mação)?

É o apelido do meu avô paterno e não consigo de facto encontrar dados relativos à sua origem.

Cumps

Carla Margarida Afonseca de Matos Alves

E a resposta que a Carla dá a si própria:

Entretanto descobri que o nome Jana parece ter origem num militar das tropas de Junot com ascendência na Europa de leste e que por ali ficou depois das invasões. (...)


Portanto segundo a Carla ficou um francês no pinhal e teve descendência.....

A Professora Alice B no seu livro inédito' Franceses no Pinhal' não o refere....

 

Entretanto a Carla lançou uma polémica entre os genealogistas do Mação que pode ser seguida no link referido....

 

Finalmente resta acrescentar que não só a soldadesca francesa fez das suas, são conhecidas as relações adulterinas de Junot com a Condessa da Ega.....

 

E há um livro sobre a descendência portuguesa de Junot  :*DGJ - Descendência Portuguesa do General Napoleónico Junot. Américo Brasil.Instituto Português de Heráldica, 1ª Edição.Lisboa, 1984

 

Desafiamos o maior historiador do Souto, Snr. Traquina a escrever '' A descendência dos franceses no Pinhal''.....

 

Marcello de Ataíde

 

Nota: Outro dia voltamos a falar no assunto porque não queremos que o Pico tenha uma apoplexia. Só um pormenor: não lemos ainda o livro do Rui Lopes  sobre o fadista brasileiro Lucas Junot e por isso não sabemos nada da sua ascendência. Perguntem ao Rui




publicado por porabrantes às 16:30 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Duque de Abrantes leva pe...

Juiz de Fora avisa da Inv...

O Castelo dos duques de A...

A homenagem a Junot

Paço Almada recebe dr. F...

Celebrar o centenário com...

O batalhão que conquistou...

Junot d'Abrantés

Amante ou amásia????

Portugal e Abrantes a saq...

arquivos

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



27
28
29
30

31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds