Quarta-feira, 27.02.19

53020164_763805047332439_623000854714122240_n

 


tags: ,

publicado por porabrantes às 18:24 | link do post | comentar

Domingo, 24.02.19

Parece que vai haver uma reunião entre a Administração Regional de Saúde e o  PC para tentar resolver o problemado encerramento do posto médico de S.Miguel, que deixou 800 utentes sem médico.

Esperamos que a reunião não decorra assim: (...)

Na última reunião de CLAS foi discutida a situação da falta de médicos no concelho e o CLAS foi informado de uma reunião que se realizou entre a Câmara Municipal e o Director do Agrupamento de Saúde do Zêzere, da qual ficou acordado que haveria um reforço de médicos de família da consulta de Recurso no Centro de Saúde de Abrantes. A Presidente do CLAS informou que a situação não alterou, agravando-se, uma vez que chegou da Junta de Freguesia de Martinchel um ofício onde se constata que nesta extensão de saúde existe apenas médico uma tarde por semana, pedindo a médica desta extensão que os utentes se desloquem a Constância para obterem consulta, dado ela também dar consultas lá. Na freguesia de Vale das Mós não existe médico e esta semana até o serviço de apoio às receitas que era feito por um administrativo que se deslocava uma vez por semana a Vale da Mós deixou de existir. A Presidente do CLAS pediu ao Director do Agrupamento de Centros de Saúde do Zêzere, uma vez que este se encontrava presente, um ponto da situação sobre possíveis alterações havidas. O Director falou de uma forma muito exaltada, dizendo que tudo isto faz parte da campanha eleitoral, referiu a reunião havida com o Sr. Presidente da Câmara e a Vereadora Isilda Jana como uma reunião exaltada, em que o Sr. Presidente apresentou uma série de propostas que não faziam sentido nenhum, pois não respeitavam os actos médicos, como por exemplo a passagem de receitas sem consulta. Diz que, por enquanto, não há alteração que está a tomar providências necessárias para colmatar a situação e logo que possível irá ser dada uma resposta ao problema. Seguiram-se algumas intervenções que terminaram com a presidente do CLAS a afirmar que é ao Sr. Director que cabe procurar soluções para a situação que se vive e pô-las em prática. É só isso que a Câmara Municipal, as Juntas de Freguesia e sobretudo as populações querem (...)

acta da reunião do CLAS de 8 de Julho de 2009

isilda (2)

Recorde-se que se está de  novo em campanha eleitoral..

nb



publicado por porabrantes às 10:45 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.02.19

O Vereador da Esquerda, Armindo Silveira pronuncia-se sobre o encerramento dos postos médicos de São Miguel e de S.Facundo, que deixam os utentes dessas terras ao abandono....:

51286702_10155729966060583_8328223615971491840_n

 

 

Cuidados de Saúde Primários na Zona Sul do Concelho de Abrantes.
Recentemente abriu, em Rossio ao Sul do Tejo, a futura USF à qual foi atribuído o nome de Beira Tejo. Este equipamento vem substituir o anterior posto de saúde que deveria estar encerrado há muitos anos. Profissionais e utentes ficam a ganhar mas alguém fica a perder. Com esta abertura, a 30 de janeiro, foi colocado um aviso no posto de saúde de S. Miguel informando que a partir de 2 de fevereiro os utentes seriam atendidos em Rossio ao Sul do Tejo na futura USF. Os utentes foram "batendo com o nariz na porta" tal a rapidez do encerramento. Considero este processo muito pouco transparente e uma inqualificável falta de respeito para com a população. O encerramento é uma opção que considero errada e altamente discriminatória até porque não teve em conta as excelentes instalações fisicas em S. Miguel. Paralelamente, o facto do executivo municipal de maioria PS não defender o regresso dos profissionais de saúde à União de Freguesias de São Facundo e Vale das Mós é igualmente uma opção inaceitável pois, tal vimo em S. Miguel, aumenta as assimetrias, as desigualdades, os encargos financeiros das familias e diminui a possibilidade de investimento nestes territórios. As duas opções devem ser combatidas com todos os meios ao nosso alcance. Saliento que em Fevereiro de 2018 foi aprovado por unanimidade uma moção, na Assembleia Municipal de Abrantes, recomendando que diversas instituições entre elas o Sr. Pr. da República, o Sr. Ministro da Saúde, ARS LVT, o ACES Médio Tejo...movessem diligências para que os cuidados de saúde primários fossem prestados nas freguesias que não têm esses serviços. Posteriormente foi aprovado, por maioria e sem votos contra, moções do mesmo teor mas de âmbito local na UF de SMRT e RST e na UF de SF e VM. Diversas intervenções foram feitas nas reuniões de Câmara e até saiu, pelo menos, um comunicado de imprensa. Nunca ouvi nenhuma intervenção de algum vereador ou da vereadora da maioria a defender estas iniciativas. Aliás, até ouvi o contrário na penúltima reunião com o argumento que era um compromisso eleitoral. Mas, no programa eleitoral autarquico do PS 2017, não vi lá escrito que iriam defender o encerramento do posto de saúde de S. Miguel, nem que iriam defender a prestação de cuidados de saúde primários na Uf SF e VM. Ora, se o novo Pr. da Câmara afirmou que as politicas iriam ser de continuidade, considero que o renovado executivo continua a ser corresponsável pelo encerramento do Posto de Saúde de S. Miguel e o não regresso dos profissionais de saúde à UF de São Facundo e Vale das Mós.

Armindo Silveira



publicado por porabrantes às 20:28 | link do post | comentar

Terça-feira, 05.02.19

Depois da nossa notícia acerca do encerramento do posto de saúde de S.Miguel (sem que o cacique local se tenha dignado a pronunciar-se), o Sr.Vereador Armindo Silveira publicou esta tomada de posição:

 

EM DEFESA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS NO CONCELHO DE ABRANTES

Está a fazer um ano que, na sessão ordinária da Assembleia Municipal de Abrantes de 23 de Fevereiro de 2017, foi aprovada por unanimidade uma moção apresentada pelo Bloco de Esquerda a recomendar às entidades competentes que movam todas as diligências para que os médicos de família voltem a prestar serviço em todas as freguesias do concelho de Abrantes.

Um ano depois é no mínimo estranho o silêncio das restantes forças politicas e dos Srs/as Presidentes de Junta de Freguesia perante o modelo de organização da saúde de cuidados primários que vai ser implementado, especialmente no Sul do Concelho de Abrantes onde a aldeia de S. Miguel do Rio Torto vai ficar sem médico de família e a UF de São Facundo e Vale das Mós não será contemplada com nenhum médico. Solidariedade?

Transcreve-se a moção:

“Assembleia Municipal-23 de Fevereiro de 2018

Moção
Em defesa dos Cuidados de Saúde Primários do Concelho de Abrantes

O direito à saúde é um bem protegido constitucionalmente. Pese embora tenham sido colocados diversos médicos de família no Concelho de Abrantes, essa colocação não correspondeu a todas as necessidades.

Como exemplo, a União das Freguesias de S. Facundo e Vale das Mós tem cerca de 1500 habitantes e é composta por 5 aldeias. Não tem médico de família, há muitos anos, foi encerrado o posto de GNR e as escolas primárias.

Como pode esta União de Freguesias ser atractiva para fixar população quando já pouco ou nada resta dos serviços públicos?

Acrescentamos que de acordo com o Despacho conjunto do Ministério das Finanças e da Saúde, datado de 21 de fevereiro de 2018, foi determinada a contratação de 110 médicos de família, sendo que serão atribuídos à ARS Lisboa Vale do Tejo 43 vagas.

Atendendo a que, através do Despacho nº 7810/2017, datado de 5 de setembro de 2017, o Centro de Saúde de Abrantes foi considerado um dos três Centros de Saúde do ACES Médio Tejo com maior carência de médicos de família, em que através deste despacho apenas seriam colocados 5 médicos de família, mas só foram colocados 4 no Concelho de Abrantes.

Face ao exposto a Assembleia Municipal de Abrantes, reunida em sessão ordinária no dia 23 de Fevereiro de 2018 delibera recomendar às entidades competentes que movam todas as diligências para que os médicos de família voltem a prestar serviço em todas as freguesias do concelho de Abrantes.

Moção a enviar para:

Presidente da Republica;
Ministro da Saúde;
Grupos Parlamentares;
ARS Lisboa e Vale do Tejo;
ACES Médio Tejo;

Abrantes, 23 de Fevereiro de 2018
Pela Bancada do Bloco de Esquerda de Abrantes
Pedro Grave/Joana Pascoal”



publicado por porabrantes às 09:40 | link do post | comentar

Quarta-feira, 12.12.18

À  atenção da D. Piedade Pinto

 

ENFERMEIROS

Não se sabe se a cacique vai reforçar a Piedade Pinto.....

Entretanto alastram as demissões nas direcções clínicas.....

ver aqui

mn

 


tags: ,

publicado por porabrantes às 16:10 | link do post | comentar

Sábado, 07.07.18

deficit camas

fontehttp://www.arslvt.min-saude.pt/uploads/document/file/3085/PA_2018_-_Homologado.pdf

 

ler o documento, tem dados importantes

 

sabia que a tuberculose está a subir no Médio Tejo?????

 

mn 



publicado por porabrantes às 13:26 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.04.18

MANIFESTO

POR CONDIÇÕES DE TRABALHO DIGNAS E CUIDADOS DE SAÚDE DE QUALIDADE E SEGURANÇA

A equipa de enfermagem do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica do CHMT da unidade de Abrantes vem transmitir a profunda preocupação pela falta de segurança e qualidade dos cuidados prestados, que está naturalmente relacionada com a falta de condições de trabalho.

Este serviço de Urgência ao longo dos últimos 5 anos tem sofrido algumas alterações com a centralização da Urgência Médico-Cirúrgica neste Hospital, entre as quais receber utentes de vários concelhos como (Abrantes, Mação, Sardoal, Vila Rei, Gavião, Ponte de Sor, Tomar, Torres Novas, Entroncamento, Fátima, Ourém), entre outros. Ao longo destes mesmos anos temos vindo a aumentar o número de admissões neste serviço, (diretas e transferências dos Serviços de Urgência Básica de Tomar e Torres Novas), complementado com um maior grau de complexidade nos cuidados a prestar a cada doente, sendo que se tem vindo a verificar a admissão de utentes cada vez mais idosos. Muitas das admissões diárias são transferências da urgência básica de Tomar e Torres Novas. Esta situação verifica-se ao longo de todo o ano, não é só em tempo de gripe.

O cansaço físico e psicológico dos profissionais que trabalham neste ambiente penoso e de risco, leva-nos a relatar o que aqui se passa, pois não poderá a responsabilidade ser atribuída a quem não tem outra alternativa a não ser tentar fazer o melhor que pode a tantos milhares de pessoas que aqui se dirigem, na esperança de encontrar ajuda para o seu problema mais ou menos grave, mais ou menos urgente.

Somos poucos recursos para dar resposta a tantos doentes que se acumulam em macas lado a lado, a ponto de se tocarem, esperando longas horas por um cuidado, uma resposta ou um simples olhar.
Tantos, que por vezes até se torna difícil chegarmos perto.
Desde o dia 1 de Janeiro de 2018 a Urgência de Abrantes tem tido em média 67 doentes internados por dia, chegando a ficar internados na urgência vários dias, por vezes até completar uma semana, ou até mais, quando na verdade, nem deviam de existir “internados” na urgência!

Para minimizar os doentes em corredor foi aberto uma enfermaria (UOM2), com espaço para 14 doentes, assegurado pelos enfermeiros da urgência, recorrendo na maioria das vezes a trabalho para além do horário que temos a cumprir. Esta medida não retirou qualquer doente ao corredor, mantendo-se exactamente como antes.

A equipa já se encontra sobrecarregada com turnos extraordinários de modo a colmatar o absentismo, na maioria dos turnos 1 enfermeiro presta cuidados a 12 doentes, ou mais. Cuidar de um doente implica higienizá-lo, alimentá-lo, administrar-lhes medicação, controlar sinais vitais e avaliar sintomas, verificar que exames têm para realizar, efectuar colheitas de sangue e urina, cuidados especiais e ouvir as suas preocupações, dar-lhes atenção e à sua família. Poucos para controlar e amparar os que sofrem com dor, os que gemem e gritam toda a noite porque não sabem onde estão.

Não esquecendo sempre que é necessário um enfermeiro para efetuar transferência de doentes, enfermeiro este retirado dos cuidados aos doentes sobrecarregando a equipa já exausta.
Para todos os outros que estão lá fora, esta realidade é desconhecida, até que se torna pessoal e de máxima importância no momento em que necessitam.

Pensar em controlar as infeções associadas aos cuidados de saúde, quando o “isolamento” é feito apenas, e só, por escassos centímetros do ar que separa os doentes, é mera ilusão. A inexistência de unidades de isolamento em urgência nos hospitais para manter isolados os doentes infetados com bactérias resistentes, evitando assim o contágio a outros doentes.

Para onde caminhamos quando não conseguimos respeitar a privacidade de cada pessoa, quando não podemos garantir a dignidade de morrer?

Sabemos que:

  • • Não conseguimos prestar mais cuidados, do que aqueles que já prestamos em simultâneo.
    • Não conseguimos cumprir o horário da medicação, e a probabilidade de erro aumenta por estarmos sobrecarregados e exaustos.
    • Quando não há mais macas onde deitar os doentes, já tendo esgotado cadeirões e cadeiras de rodas com todos aqueles que apresentam capacidade para permanecer nelas, comprometemos o socorro pré-hospitalar a outras pessoas porque as ambulâncias ficam retidas à porta do hospital.
    • Não conseguimos mobilizar doentes sozinhos porque não existe o número de auxiliares que era suposto existir e, estes, tal como nós, consomem-se em mil e uma tarefas.
    • O número de enfermeiros/auxiliares do serviço está abaixo do estipulado nas fórmulas de cálculo de pessoal,
    • A precariedade e o pouquíssimo tempo de integração e formação em urgência, independentemente da sua experiência profissional é a realidade.
    • Não temos culpa de existirem pessoas internadas num serviço de urgência confuso, desumano, em que praticamente não dormem e são despojadas dos seus pertences, e em que o contacto com os seus familiares é muito limitado.
    • Constatamos todos os dias a falta de conforto dos doentes acomodados em macas estreitas, pequenas sem almofadas por escassez destas, com elevado risco de queda e feridas.

Ninguém resiste tanto tempo a trabalhar nestas condições, não temos outra hipótese senão, por vezes, colocar baixas médicas, por exaustão, por depressão e por lesões músculo-esqueléticas.

Não aceitamos trabalhar mais nestas condições. Queremos um trabalho digno para poder respeitar o direito à saúde com qualidade e segurança a quem a nós recorre.

Por forma de manifesto, uma grande parte destes profissionais enfermeiros e auxiliares fez pedido de mobilidade de serviço.

PROPOSTAS DE SOLUÇÃO

Exigir o cumprimento da Lei, assim como as orientações e recomendações abaixo identificadas:

Admissão, tendo como referência o Regulamento n.º 533/2014 da Ordem dos Enfermeiros – Norma para o Cálculo de Dotações Seguras dos Cuidados de Enfermagem, dotando a urgência do número de enfermeiros e Assistentes Operacionais para fazer face não só ao número de atendimentos, mas também para cuidar condignamente dos que ficam internados;

Criação de uma escala de transferência de doentes urgentes, em regime de prevenção, à semelhança da que existe em outros hospitais ou repor a equipa de transferências que em tempos existiu nesta urgência (com elementos supra numerários).

Espaços próprios destinados a isolamento de contacto e a construção de quarto(s) de isolamento com pressão positiva e negativa para isolamento respiratório, respeitando a Guideline for Isolation Precautions: Preventing Transmission of Infectious Agents in Healthcare Settings 2007, disponível em http://www.cdc.gov;

Caminhar no sentido do parecer da Ordem dos enfermeiros N.º – 20/2015 “Competências do enfermeiro chefe de equipa dos serviços de urgência”, sendo que deverá ter, dotação de enfermeiros especialistas em pessoa em situação critica; Nas escalas de trabalho deve ser assegurada a distribuição equitativa dos mesmos pelos vários turnos; Dispondo o serviço de urgência de profissionais com estas competências, deverão ser estes a exercerem as funções de chefia de equipa, sendo que deverão ter funções efetivas de gestão de equipa e não assumir as funções que assumem atualmente: sala de emergência, balcão de Medicina (corredor), entre outras…

 devida vénia ao colega : https://abrantesnafrenteblog.wordpress.com

que está a fazer um excelente acompanhamento da luta dos enfermeiros pela nossa saúde.

mn



publicado por porabrantes às 10:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 01.08.17

Falou-se da Bemposta, agora dá-se palavra ao Armindo Silveira, que conta o calvário do povo da Bemposta

armindo.png

 

 

''Os utentes da Extensão de Saúde de Bemposta são atendidos pela ordem de chegada. Ora, com medo de não serem consultados, os utentes chegam a ir às 4 horas da manhã para marcar a sua vez. Hoje foi assim, como já o é desde que deixou de haver médico de família atribuído aquela extensão de saúde. O serviço é assegurado por um médico contratado por um X de horas e vai em regime de médico de recurso.
Como não podia deixar ser, fiz uma exposição no livro amarelo, onde além do acima exposto, questiono o ACES porque é que sendo uma situação recorrente, ainda não encontraram uma solução mais funcional.
Em pleno sec. XXI, “obrigar” os utentes a ficaram na rua sujeitos ao clima vigente, sem qualquer conforto ou condições, até para fazerem sequer as suas necessidades básicas, atenta contra a dignidade da pessoa humana, aumenta a revolta e o descontentamento em torno dos serviços prestados pelo Serviço Nacional de Saúde. Então, muitas vezes, quem sofre as consequências são os funcionários/as que estão ao balcão.
Sei que não existe má fé neste processo mas a incapacidade para resolver uma situação que se arrasta há anos é gritante. Que mais é preciso fazer para cumprir a Constituição da Republica Portuguesa? É rasgá-la? É alterá-la? Porque é que as aldeias são abandonadas à sua sorte obrigando os locais a deslocarem-se e, cada vez mais, a irem embora para outros locais? Continuamos há anos a debater o problema mas os resultados são nulos e, em, alguns casos, um verdadeiro retrocesso. Aguardamos por decisões do ACES e de todas as entidades responsáveis directa ou indirectamente. Vocês sabem quem são!''
São Facundo, 1 de Agosto de 2017
Armindo Silveira
 
devida vénia ao Armindo, título nosso
 
sn


publicado por porabrantes às 16:44 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.04.17

mira zèzere.png

Pergunta do deputado Carlos Matias e Moisés Ferreira, do Bloco, a 20-2-2017.

 

A Geringonça continua sem responder

 

mn 



publicado por porabrantes às 14:19 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.01.17

teriaga.png

Com a devida vénia publica-se o post do Sr.Presidente da CM do Sardoal.

Aplaude-se e pergunta-se, vimos uma responsável dos serviços de saúde dizer que as pessoas faziam bicha a estas horas gélidas e intempestivas por ''hábito cultural''.

Ora não será falta de sensabilidade social e de serviço não terem uma sala aberta e aquecida para receberem os pobres utentes?

Ou e ainda, não será um ''hábito cultural'' da administração pública lusa achar que é o povo que tem de se vergar aos senhores responsáveis que muitas vezes pensam que são tiranetes feudais e que a ''populaça'' lhes tem de beijar a mão?

ma



publicado por porabrantes às 08:58 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Na mouche

Crise na USF Francisco de...

A Concavada, terra de dia...

O assunto não deve ser p...

Não haverá médicos em S.F...

Ordem dos Médicos condena...

O mistério dos médicos pe...

Povo de S.Miguel força re...

Porque é que o raciocínio...

Três vídeos para uma reun...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds