Sábado, 27 de Setembro de 2014

 

A Emílio Santana!

 

 

 

''LIBELO ACUSATÓRIO

EM LIBELO ACUSATÓRIO contra os indivíduos cujas responsabilidades vão a seguir descriminadas, diz o agente do Ministério Público escolhido para desempenhar neste processo as suas funções junto do 1.° Tribunal Militar Territorial desta cidade:

1. °

No dia 20 de Janeiro de 1937, das 22 para as 23 horas, os arguidos José ou João Ferreira da Costa e Silva, o «Silva da Madeira», empregado no comércio, de 30 anos, de Lisboa, José Vaz Rodrigues, solteiro, serralheiro mecânico, de 31 anos, de Mértola, Raul dos Santos Pimenta, casado, serralheiro, de 29 anos, de Lisboa, e António Marques Granja, casado, motorista, de 43 anos, de Abrantes, saíram desta capital, num automóvel guiado pelo último, em direcção a Barcarena, onde, na Fábrica de Pólvora do Estado e junto à parede do lado oeste da oficina de prensagem, colocaram uma bomba explosiva, de grande potência, que rebentou, devido ao seu dispositivo mecânico, cerca das 23 horas e 40 minutos, causando prejuízos no valor de 7885$75;

2. °

A seguir, dirigiram-se aos Armazéns de Caxias, pertencentes à mesma Fábrica, tendo colocado outra bomba, semelhante ã anterior, junto à parede leste do paiol, a qual, explodindo, causou danos no valor de 3050$85;

3. °

De regresso a Lisboa, passaram na Avenida da Índia, a fim de ser colocada terceira bomba, próximo ao tanque n.° 3 dos depósitos da Vacuum, tanque este cheio de liquido inflamável. O engenho destruidor, rebentando passado tempo, provocou estragos computados em três mil escudos;

4. °

Aqueles quatro arguidos foram portadores, durante essa criminosa digressão, de armas proibidas (pistolas-metralhadoras);

5. °

Pela forma indicada, incorreram esses quatro acusados nas sanções dos art. 472.°, n.° 1, do Código Penal (danos), 1.°, n.°s 1 e 2, do Decreto 19 143, de 19-11-1930 (uso e porte de bombas explosivas), e 1°, com preferência ao 2.°, do Decreto n.° 18 754, de 16-8-1930, e 8.° do Decreto 11 990, de 23-12-1926 (armas proibidas);

6. °

Em Fevereiro do mesmo ano de 1937, os arguidos Costa e Silva, Vaz Rodrigues, Carlos Costa Seco, o «À Brava», casado, motorista, de 33 anos, de Antuzede, Coimbra, António Pinto da Cruz, viúvo, de 36 anos, segundo-sargento enfermeiro da Armada, de Santo André de Marecos, Virgílio Ribeiro, o «Arrinca», casado, motorista, de 34 anos, de Pinhal de Óbidos, Jaime Antunes Duarte, o «Porta-Aviões», casado, motorista, de 25 anos, de Lisboa, António Pinto Júnior, o «Falta de Alimento», casado, motorista, de

33 anos, de Vila Pouca, Oliveira do Hospital, António Marques Granja, Raul Pimenta, Francisco Damião, o «Chico Saloio», casado, motorista, de

34 anos, natural de Lisboa, e José Lopes, pintor da construção civil, casado, de 32 anos, de Lisboa, planearam e resolveram levar a cabo um atentado contra a vida de Sua Excelência o Senhor Doutor Oliveira Salazar;

7. °

Por virtude dessa conjura sinistra, no dia 28 de Fevereiro desse ano, quando aquele eminente homem de Estado se dirigisse, a fim de ouvir missa, à casa do Sr. Dr. Josué Trocado, deveria ser atacado, na Avenida da República, por alguns criminosos, de dentro dum automóvel que, para esse efeito, havia de ser furtado, enquanto, dum outro carro, igualmente subtraído, outros réus atacariam o automóvel da polícia, que devia seguir o do Excelentíssimo Presidente do Ministério;

8. °

Depois de várias diligências efectuadas com o fim de sequestrar os motoristas dos veículos escolhidos para o atentado, o sargento Pinto da Cruz, acompanhado pelo Virgílio Ribeiro, pelo Vaz Rodrigues e pelo «Porta-Aviões» em automóvel guiado pelo segundo réu, foi indicar um sítio ermo, na estrada Lisboa-Porto, próximo da serra da Freixofeira, a pouca distância da Malveira, onde aqueles motoristas deviam ser desapossados dos automóveis que, até ali, haviam de conduzir, enganados, como se verá;

 

(...)

 

24. °

Do exposto se vê que os arguidos referidos no art. 6.°, depois de conluiados para matarem Sua Ex.a o Senhor Doutor Oliveira Salazar, praticaram, com intenção, vários actos de execução do crime projectado, que não lograram consumar por circunstâncias independentes da sua vontade, pelo que incorreram na sanção do art. 351.°, com referência aos arts. 11.°, 105.° e 104.°, regra l.a, do Código Penal (tentativa de homicídio, com premeditação)

 

(...)

 

29. °

Mais se vê dos autos que, no dia 4 de Julho do ano passado, pelas 10 horas e meia, no momento em que Sua Ex.ª o Presidente do Ministério se apeava, do seu automóvel, à porta do prédio n.° 96, da Avenida Barbosa du Bocage, residência do Dr. Josué Trocado, uma fortíssima explosão se deu, a 5 metros de Sua Excelência, sem que, contudo, fosse atingido;

30. °

A explosão teve lugar no colector dos esgotos, por baixo da placa central da citada avenida, junto às manilhas de serventia da referida casa n.° 96, onde tinham sido colocadas duas potentíssimas bombas, ligadas a um aparelho eléctrico, por sua vez ligado por um extenso cordel e fio de arame a uma pega que vinha sair junto ao tampão do mesmo colector, existente na Avenida 5 de Outubro, em frente do prédio n.° 162;

31. º

A máquina explosiva, constituída por dois invólucros de ferro, de um metro e dez centímetros de comprido, carregados de dinamite Goma 1, possuía um tão elevado poder de destruição que a força provocada pela sua deflagração, quando total e devidamente aproveitada, seria suficiente para elevar a um quilómetro de altura um peso de 26 toneladas!.

 

 

(...)

 

 

''

5) Emídio Santana e Manuel Augusto Serzedelo da Costa Tassara, por igual crime, foram condenados em 8 anos de prisão maior celular, seguidos de 12 anos de degredo, ou na alternativa de 28 anos de degredo. Santana cumpriu a sentença na penitenciária de Coimbra, e Tassara na de Lisboa.

6) António Marques Granja, Francisco Damião, José Lopes, Raul dos Santos Pimenta e Virgílio Ribeiro, por igual crime, foram condenados a 10 anos de prisão maior celular, seguidos de 12 anos de degredo, ou na alternativa de 28 anos de degredo. Granja cumpriu a pena em Lisboa, Damião em Coimbra, Pimenta e Virgílio cumpriram parte em Coimbra e foram transferidos para Lisboa. O Lopes morreu na Penitenciária de Coimbra e o Pimenta em Lisboa.''

 

 

 

 

João Soares fez justiça a Emídio Santana. Editou-lhe os livros, foi seu amigo e participou em homenagens múltiplas.

 

O Miguel Serras Pereira prefaciou-lhe as Memórias.

 

Há uma Rua Emídio Santana em Lisboa  

 

Mas o camarada comunista abrantino António Marques Granja,  essencial na planificação do atentado e que apanhou 10 anos de cadeia, seguido de 12 anos de degredo, por participar na acção revolucionária  está esquecido.

 

Que estamos à espera para homenagear o herói comunista abrantino?

 

Uma Rua António Marques Granja, já !!!!!! 

 

 

Ou vamos fazer como o PCP que mandou militantes valentes como António Marques Granja ajudar a dinamitar o Botas e depois quando o atentado falhou, dedicou-se a condenar o ''terrorismo'' e o atentado, como conta o Pacheco Pereira, que também evoca o Granja, no 1 º volume da sua biografia canónica de Álvaro Cunhal ??????

 

 

MA

 

texto entre aspas : Emídio Santana, História de um Atentado, o Atentado a Salazar

 

O vídeo conta que a  bófia  forçou, sob tortura, uns falsos ''terroristas'' a declarar que tinham sido eles. Para desmascarar a palhaçada e  caçar o Granja e o Emídio, foi essencial o faro do abrantino Rosa Casaco 



publicado por porabrantes às 18:43 | link do post | comentar

1 comentário:
De joana a 28 de Setembro de 2014 às 20:04
não passa de um terrorista !aos terroristas mão curta !


Comentar post

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O Imperador no Lazareto d...

Novos processos contra Ge...

O Dr.Anacleto do Sardoal

A pandemia dos lares ileg...

O fascismo sanitário

A barraca abrantina da Cr...

Nuno Cruz

Guerra bombeiral

La Vanguardia destaca o p...

Gina Esteves, a aluna da ...

arquivos

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds