Segunda-feira, 19 de Abril de 2021

ALTERNATIVAcom

Comunicado | 19 de abril de 2021



POR UMA GESTÃO AUTÁRQUICA DEMOCRÁTICA E COMPETENTE



Vindo a merecer a confiança dos abrantinos nas próximas eleições autárquicas, o movimento ALTERNATIVAcom compromete-se a gerir a autarquia e a governar o município de acordo com os mais exigentes princípios democráticos e padrões de desenvolvimento, auscultando continuamente os cidadãos. A nossa Missão Possível é libertar Abrantes do “pântano” autárquico em que mergulhou, recuperando o seu legítimo estatuto regional e o seu mais do que merecido prestígio nacional.



Isto não significa que não valorizemos o que de bem ou de bom foi feito. Saberemos humildemente reconhecê-lo e, mais do que criticar ou justificarmo-nos com o passado – que, todavia, não poderá ser ignorado – olharemos sobretudo para o futuro a que os abrantinos aspiram e em cuja realização convictamente acreditamos. Unidos e determinados, seremos absolutamente capazes de alcançar o respeito cívico e a qualidade de vida que merecemos.



Entre outras ações estruturantes da democracia e do desenvolvimento de Abrantes, o movimento ALTERNATIVAcom compromete-se a:



1. Respeitar a natureza estatal e pública do município, não o confundindo com a força política vencedora das eleições, seja na gestão dos recursos camarários, seja na relação dos autarcas com os serviços – um município não pode ser, nem parecer, uma sede ou armazém partidário, e as funções político-autárquicas não devem substituir-se às dos serviços do município;



2. Respeitar os vereadores e demais autarcas representantes de outras forças políticas, estimulando e valorizando as suas contribuições, sejam estas favoráveis ou desfavoráveis às posições da maioria – jamais deslustraremos os cargos que exercermos com atitudes autoritárias, agressivas e desrespeitosas, democraticamente indignas e causadoras de vergonha alheia;



3. Respeitar as normas legais e regulamentares (na sua letra e no seu espírito), designadamente em matéria de compras e contratação de pessoas e serviços – não se abusará dos ajustes diretos e as leis e os regulamentos não serão desprezados, nem usados como desculpa para não se concretizar as ações necessárias;



4. Reconhecer e valorizar as competências e o mérito dos funcionários, não condicionando ninguém a fidelidades políticas, pessoais ou outras, tanto nos processos de admissão como em qualquer momento posterior das suas carreiras – todos os cidadãos devem ter os mesmos direitos, deveres e oportunidades, salvo aqueles que a lei expressamente favorecer, como é o caso das pessoas com deficiência;



5. Promover uma cultura organizacional de serviço e de rigor, seja nas relações internas entre funcionários e divisões, seja nas relações externas com os cidadãos – os prazos e as normas de qualidade serão para cumprir com exigência, passando a avaliar-se regularmente a satisfação dos munícipes, numa perspetiva de melhoria contínua;



6. Promover a formação e atualização permanente dos funcionários, bem como a sua participação e contributo ativo para a atividade específica e geral da autarquia – a motivação e o espírito de equipa serão incentivados, numa ótica de realização profissional e de serviço aos cidadãos e à comunidade;



7. Valorizar os estudos e projetos realizados interna e externamente, partilhando-os de forma apropriada com os funcionários e os cidadãos, em processos de debate interno e consulta pública que as boas práticas democráticas e de gestão ou governação recomendem – os estudos e projetos custam muito dinheiro e não devem ser deixados esquecidos nas gavetas, por vezes no “segredo dos deuses”;



8. Planear e orçamentar atempadamente as iniciativas autárquicas, evitando o improviso e valorizando os instrumentos de gestão existentes – cada uma das freguesias da cidade e do concelho deverá possuir um plano estratégico e operacional credível que preveja o que será feito em cada ano, sem ser condicionado por conveniências ou oportunismos políticos associados a atos eleitorais ou outros interesses particulares;



9. Empoderar as juntas de freguesia e proporcionar-lhes capacidade de realização, em todas as matérias previstas no processo de descentralização de competências e reforço da autonomia local, encarando os contratos interadministrativos, desde há muito celebrados com as juntas de freguesia, como instrumentos normais de gestão autárquica – e não como paternalísticos “favores”, aproveitados para lamentáveis espetáculos de autogratificação e autopromoção política, confundindo-se até descentralização com “democratização”;



10. Repor a periodicidade anual do Orçamento Participativo (OP) como instrumento democrático fundamental da cidadania ativa, reforçando a capacidade de execução dos projetos aprovados – suspender o OP é suspender a democracia e baralhá-lo com o FinAbrantes demonstra bem a fraca noção de democracia e de competência de quem governa o município;



11. Comunicar interna e externamente com sentido de responsabilidade e credibilidade, não confundindo informação com propaganda, nem interesse público ou estatal com interesse partidário – de que são exemplo (de promiscuidade e manipulação) as dezenas e dezenas de cartazes azuis plantados pelo município nas freguesias ou o abuso da imagem pessoal para promoção do culto da personalidade;



12. Atualizar e tornar efetivo o Plano Municipal de Gestão de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, reforçando a transparência dos processos e decisões do município – que, vergonhosamente, caiu 89 posições no Ranking da Transparência Municipal (ITM) entre 2013 e 2017 (últimos dados disponíveis), passando do 4º para o 93º lugar.



Longe de serem exaustivos, estes compromissos refletem o nosso posicionamento político e autárquico, permitindo aos cidadãos conhecer a ideologia democrática, abrangente e progressista que nos orienta e com a qual nos empenharemos em retirar Abrantes do grave torpor político – indolente, vicioso e estafado – a que autocraticamente tem estado submetido e que ninguém poderá continuar a ignorar.



Contem connosco, nós contaremos sempre convosco.



Movimento ALTERNATIVAcom



 



publicado por porabrantes às 09:42 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Nada melhor que umas bofe...

'Não apagarão o passado. ...

SOBRE A INSTRUMENTALIZAÇÃ...

Gaspar Castanho, Capitão ...

D.Pedro perdoa dívidas da...

Quando Júlio Dinis não ve...

Bibliografia abrantina: G...

Cada abrantino paga mais ...

CMA no banco dos réus

Um poeta que nunca estará...

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds