Sexta-feira, 08.09.17

 

thumbnail_Convite%20Alerta-01[1].jpg

 

 felicidades ao Autor
 
 


publicado por porabrantes às 12:35 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.06.17

 

alvaro baptista.jpg

O dr.Álvaro Baptista, o único arqueólogo abrantino que conhece o território do concelho como a palma da sua mão, desfaz o catálogo da  última exposição do celerado MIAA  num post arrasador

miaa 2017 simao 2.jpg

inauguração da coisa

 

 

O melhor texto de arqueologia e História abrantina em 2017.

 

(...)

COITADA DA ARQUEOLOGIA NO CONCELHO DE ABRANTES, QUE MERECIA MELHOR SORTE QUE A QUE TEM. LEMBREM-SE ARQUEOLOGIA É CIÊNCIA E NÃO FICÇÃO OU SEQUER POLÍTICA.

NUNCA ESPEREI EM 57 ANOS DE MINHA VIDA VER TANTA POBREZA, NEM INDIGNIDADE.

DIZEI-ME: PODEREI ACREDITAR NO QUE ARQUEÓLOGOS DO MIAA ME TRANSMITEM EM ARTIGOS, CATÁLOGOS OU REVISTAS? EU SEI O QUE PENSAR E VÓS O QUE PENSÁIS?(.....)

 

 

Álvaro Baptista

 

 

O Delfino que responda (se é capaz.....)

 

 

ma



publicado por porabrantes às 08:17 | link do post | comentar

Segunda-feira, 20.02.17

alvaro baptista.jpg

O Sr.Dr, Älvaro Baptista dá uma descasca monumental no caciquismo.

 

Vejamos:

 

ab 2.png

Tem toda a razão, e continua

 

ab 3.png

Na mouche, ter criado a proibição de trânsito no centro só veio matar a velha Abrantes

 

ab 5.png

 

O Arquivo Histórico no parque da sucata, graças à Isilda e ao Carvalho.

 

ab 7.png

Intervenção no Aquapólis, sem licença do Igespar (caso dos Mourões) e sem acompanhamento arqueológico, quando no local havia muito material de interesse arqueológico, uma treta com a marca de ....

júlio bento.jpg

ab 9.png

Uma política socialista adversa à arqueologia, diz o dr. Álvaro Baptista e tem razão....

 

Uma política cultural desenhada por irresponsáveis e novos-ricos pimbas dizemos nós

 

Leiam o post todo.

 

As partes destacadas são retiradas do blogue citado. (http://alvarobatistaarqueologiaaltoribatejo.blogs.sapo.pt/um-olhar-actual-sobre-abrantes-e-o-seu-25132)

 

O nosso aplauso ao diagnóstico do arqueólogo municipal dr.Álvaro Batista.

 

mn



publicado por porabrantes às 21:22 | link do post | comentar

Domingo, 22.01.17

Pelo seu interesse e actualidade voltamos a publicar um post de 2014

 

 

 

 
Álvaro Batista disse sobre O sapo da fonte na Segunda-feira, 31 de Março de 2014 às 17:05:

     

 

 

 

 

Boa tarde a todos
Respondendo a MN importa esclarecer antes de mais o seguinte:
-A construção da A23/ IP6 não dispunha de acompanhamento arqueológico. As intervenções em Quinta da Légua - Amoreira, Pedreira - Rio de Moinhos e Fonte do Sapo - Mouriscas deveram-se à então minha intervenção para a Amoreira junto do IPT de Tomar, Rio de Moinhos em relatório enviado ao IPPC e na Fonte do Sapo por minha indicação à Filomena Gaspar. Ora, quaisquer dos trabalhos feitos nas estações mencionadas foram feitas em cima da hora e nenhuma delas revelou extrema importância ao ponto de ser classificada e protegida. Se assim o fosse certamente o IPPC teria tomado medidas na altura. Importa aqui referir que no caso da Pedreira a necrópole ficou debaixo da estrada tapada com geotêxtil. Em qualquer dos casos julgo que não poderia ter feito melhor do que fiz em prol da defesa do património arqueológico concelhio. Se para proteger um local basta por vezes a colaboração de proprietários, musealizar implica primeiramente escavações arqueológicas (excepto algumas mamoas). Importa ter em atenção que não consigo andar em todo o sitio protegendo e escavando. É humanamente impossível andar protegendo mamoas do Bronze e arte rupestre a norte do concelho e simultaneamente a escavar no Olival Comprido ou em Alvega. Eram necessários meios que não existem. Escavações na Qtª de S. João - Casa Branca - Alvega são fundamentais se querermos investigar se ali se situaria A velha Aritium. No caso do Olival Comprido escavações se impõem (PNTA seria obrigatório), dado que este local se encontra no PUA (R3) como zona de expansão urbana. Ali se impõem escavações atempadas e não na hora ou através de alguma empresa de arqueologia (como são favoráveis algumas opiniões). Importa afirmar que qualquer licenciamento para o local por parte do Município é ilegal. Como estas duas estações, no concelho de Abrantes inúmeras outras existem a precisarem de intervenção. Mas, sozinho não o farei e muito menos como responsável, face à categoria que detenho de Assistente de arqueólogo.
Sem dúvida que Abrantes necessita de um novo Museu que dignifique a arqueologia e o concelho. Agora é efetivamente necessário uma estratégia pra o concelho que abranja amplas orientações, intervenções, musealização, classificação...
Por minha parte farei o que estiver ao meu alcance pelo património arqueológico concelhio dentro das minhas limitações como assistente de arqueólogo.
Espero que fique bem claro que quem diz ser arqueólogo do Município é Filomena Gaspar me apenas responsável por acções que impliquem a minha directa intervenção. Por muito boa vontade que se tenha assumir trabalhos de arqueólogo e ser remunerado como assistente não o farei, excepto aqueles que decorrem do protocolo existente com o IPT e PNTA.
Como diz MN tudo isto é Politica. Mas, existem politicas e politicas.

Blogue: Escola do Rossio

 

 


Bem hajam
Álvaro Batista

 

Caro Álvaro:

Desculpe o atraso na edição do seu comentário, mas ele referia-se a um post de 2013 e para lhe responder havia que consultar uma papelada. Aquilo que nos diz suscita-nos estas breves reflexões. 

 

1- Todos sabemos que no terreno a preservação das estações arqueológicas abrantinas tem sido um trabalho quase de carola feito especialmente por si. É um mérito que ninguém lhe pode tirar, um serviço inestimável à Cultura e a Abrantes. E todos sabemos que sendo o Álvaro arqueólogo e sabendo mais que alguns doutorados, o classificam profissionalmente na CMA como ''assistente de arqueólogo'' e não lha reconhecem o seu labor. Acontece ao Álvaro o que aconteceu ao Eduardo Campos...

 que além de ser tratado dessa maneira, foi humilhado publicamente a título póstumo por não ser da ''cor'' e ainda por ter sido capaz de escrever no ''Primeira Linha'' que era um crime lesa-Abrantes instalar o Arquivo Histórico ao lado dum depósito de sucata no cu de judas.

Esta forma de ostracismo profissional roça a perseguição política ( o que é aconteceu àquele rapaz que ganhou o concurso público para Director do Arquivo? Porque é que o Arquivo funciona sem Director? E a Biblioteca?), é mesquinha e digna de inquisidores rupestres.

Enquanto o Álvaro se sacrifica e trabalha a Filomena Gaspar concilia com o trabalho de arqueóloga municipal com interesses empresariais na área da arqueologia. Enquanto o Álvaro tem um salário baixo, a CMA mantém contratos de avença na área da arqueologia pelo menos com três pessoas (o Gustavo, o Oeesterbeck e o Delfino) que são professores do ensino superior e portanto estão na prática pluri-empregados....

 

2-O Olival Comprido, para quem não sabe, fica em Alferrarede e é propriedade  da Casa Agrícola Moura Neves. Fica ao lado do cemitério local. Foi alvo de 3 escavações a última em 2003. As três foram dirigidas por Filomena Gaspar. A base de dados oficial não informa quem patrocinou qualquer escavação. Mas tenho informação oficial por outra via que houve participação de entidades privadas. Que se encontrou na última????

 

 

''Tegulas, "lateres", pregos, tijolos de coluna, mosaicos (do século III d.C.) , cerâmica comum, "dolia", anforas, duas mós, "terra sigillata" hispânica (século I/II), clara D (séculos IV/V), contas de colar (azul, verde), vidro (séculos IV/V), tesselas de várias cores, moedas (século III/IV), lascas, lâminas e núcleos de sílex, ossos (cervídeos, bovídeos e ovicaprídeos) e blocos aparelhados de granito.''

 

 

''A estrutura escavada era aparentemente uma villa romana, a mais espectacular do concelho: ''Foi escavada a "pars urbana" da "villa", com salas forradas a "opus tesselatum". Foram encontradas estruturas de duas fases da "villa", bem como vestígios de uma ocupação anterior (II Idade do Ferro) e de uma posterior a que os autores não atribuiram datação cronológica. Um pouco a Norte, foi aberto outro sector (B) que revelou uma canalização em "opus caementicium" e "opus signinum", um tanque de decantação e um espelho de água de grandes dimensões a pouca profundidade. Uma segunda fase dos trabalhos veio revelar a presença de uma sepultura em caixa.''

 

O estado de conservação era bom...em 2003. O local foi vedado com consentimento da Família Moura Neves e a vedação paga por uma entidade mecenática.

 

De 2003 a 2009 vão seis anos e Isilda Jana como Vereadora da Cultura. De 2010 a 2013 Isilda Jana foi responsável pelo projecto MIAA na CMA. Que se fez no Olival Comprido???

 

Como se conservaram os mosaicos romanos únicos no concelho?

 

Foto : Carta Arqueológica Abrantes

O estado da estação romana em 2014 ainda é bom?   

 

Ou esteve abandonado?

 

Ou está a degradar-se?

 

Com tanto dinheiro gasto no MIAA e em estudos que não foram tornados públicos sobre a viabilidade da coisa, etc, não poderia ter sido comprado este terreno, feita a escavação e musealizada a villa romana?

 

 

 

Foto : Carta Arqueológica Abrantes

 

http://sic.cm-abrantes.pt/carta_arqueologica/carta.html

 

Já vai longo este post e há outros assuntos a tratar, mas vamos à razão pela qual esta estação e outras não estão defendidas e nem sequer classificadas. Diz o amigo Álvaro : ''No caso do Olival Comprido escavações se impõem (PNTA seria obrigatório), dado que este local se encontra no PUA (R3) como zona de expansão urbana. Ali se impõem escavações atempadas e não na hora ou através de alguma empresa de arqueologia (como são favoráveis algumas opiniões). Importa afirmar que qualquer licenciamento para o local por parte do Município é ilegal. Como estas duas estações, no concelho de Abrantes inúmeras outras existem a precisarem de inúmeras outras existem a precisarem de intervenção. Mas, sozinho não o farei e muito menos como responsável, face à categoria que detenho de Assistente de arqueólogo.''

 

Diz a informação da base de dados oficial que a escavação de 2001 pretendia:  Determinar se as estruturas identificadas anteriormente teriam continuação na propriedade contígua que está inserida na área de expansão urbana do PDM. 

 

Qual foi o resultado dessa diligência? Em 2014 o relatório da escavação ainda não está inserido na base de dados oficial, por isso não sabemos.

 

Mas sabemos que em 2009 foi aprovado o PUA -Plano de Urbanização de Abrantes e nele não consta nenhuma estação arqueológica assinalada nem defendida.

 

Oito anos depois!

 

Porquê?

 

Objectivamente só pode haver 2 razões: ou porque são incompetentes ou porque há outros interesses que primam sobre a defesa do património.

 

Falta a referência à situação profissional do Álvaro. É óbvio segundo o meu entendimento que essa situação tem de ser corrigida face  ao seu CV. Como se encontra agora é vítima duma clara injustiça.

 

Cumprimentos amigo

 

MN 

há outro comentário do Álvaro em resposta à Margarida, faremos lá uma nota



publicado por porabrantes às 12:06 | link do post | comentar

Sábado, 21.01.17

Na Coluna Vertical, o dr. Santana-Maia aconselha a que não se deve lutar com um cevado.
No facebook, Elza Vitório apoia a opinião do Advogado. O post tem sido muito compartilhado pelos observadores da vida política abrantina.

Resolvemos publicar a imagem mais antiga que representa um suíno na  história de Abrantes.

javali romano.png

Esta peça foi encontrada pelo maior arqueólogo abrantino, o Álvaro Baptista, nas escavações da Terra Fria-Cidade da Escória (Montalvo) e datada e estudada pela drª Graça Cravinho.

(ver página 83 da Carta arqueológica do Concelho de Constância da autoria do amigo Álvaro, onde está o estudo da peça.)

A imagem foi roubada ao excelente blogue A Lusitânia da prestigiada investigadora Filomena Barata.   



publicado por porabrantes às 16:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 16.07.15

Foram divulgadas num blogue as extraordinárias escavações no Castelo de Abrantes. Sobre o assunto reproduzimos alguma coisinha, com a necessária modéstia, porque se tem mais que fazer.

escavações.png

Isto é o que consta dos relatórios oficiais e ainda isto:

escavações 2.png

 Dizem os responsáveis algumas coisas que me surpreendem. Dizem que não há documentos quase....

 

E isto que é?

 

escavaçoes 3.png

 

 

Túmulos da Capela de Sta. Maria do Castelo de Abrantes, onde estavam sepultados alguns familiares de Luís Keil

 

Parece-me que falta o trabalho de arquivo.....

 

E há falta de organização, a srª drª Filomena Gaspar ainda não entregou à tutela um relatório de 2005, na intervenção feita na Parada Abel Hipólito, agora Praça D.Francisco de Almeida

escavações 4.png

Diz a drª Filomena que fez profusas fotos, ou lá o que isso seja, eu também tenho fotos

Fortaleza_de_Abrantes_10_Junho_2010_006 3.jpg

Pela época a drª Gaspar disse à drª  Isabel Veiga Cabral que comandava o Álvaro Baptista. Não é momento de nomear o Álvaro chefe do Departamento de Arqueologia ? É ele hoje o homem que sabe mais do Castelo......

 

É competente e dialogante, às vezes mete um bocadinho os pés pelas mãos a escrever, mas o Delfino mete mais (coitado é italiano...).

 

Também não há bibliografia? Não brinquem connosco....

 

E por favor leiam o blogue do caro Álvaro Baptista.

 

Já chega? Não, os doutores Delfino e Gustavo têm uma avença com a CMA para catalogar a Colecção Estrada e não para esburacar o castelo

 

delfino.png

 Bebi um copo com uma das melhores arqueólogas lusas e perguntei-lhe ''fenícios'' no Castelo de Abrantes? Ná, disse-me ela, cheira-me a esturro, não devem ter passado de Vila Franca.....

 

É o que se me oferece dizer-lhes, por agora

 

mn

 

há excelente bibliografia académica recente sobre o período islâmico na região



publicado por porabrantes às 11:24 | link do post | comentar

Sábado, 09.08.14

 

Álvaro Baptista

 

Façam favor de visitar o blogue do Álvaro Baptista, para terem outra visão de Rio de Moinhos.

 

Grandes fotos

 

 

MA



publicado por porabrantes às 08:52 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.04.14

<input ... > <input ... > <input ... > <input ... > <input ... >

<input ... > Álvaro Batista   disse sobre Direito de resposta: O espólio da Pedreira  na Quarta-feira, 23 de Abril de 2014 às 18:29:

     

Boa tarde Venho responder a questões aqui levantadas e pedir desde já desculpa pelo facto de não ter mencionado outro espólio para além da tacinha da sepultura 1. Reafirmo de novo que o espólio das escavações efetuadas pela Drª Maria Amélia no interior do Palácio dos Governadores e fora deste, todo ele se encontra na reserva do Museu devidamente acondicionado. Efetivamente nas escavações da Pedreira, particularmente na necrópole Visigótica, o espólio recolhido foi para além da taça, três fivelas de cinturão Visigóticas (sep. 3 e 8) e o anel (talvez pertencente sep. 9). Todo esse espólio foi entregue pelo Carlos Jorge à arqueóloga Maria Ramalho que viria a escavar na Pedreira em 1991 e 1993. Segundo sei todo esse espólio está à guarda da Maria Ramalho e no IGESPAR em Lisboa. Aliás a Drª Maria Ramalho é funcionária do próprio IGESPAR. Quanto à referência a diversos materiais de industria lítica, cerâmica e metálica da Idade do Bronze e romano, deu entrada na reserva do Museu D. Lopo, dado que tinha sido algum do espólio por mim então recolhido na década de 80. Aliás todo o espólio que dispunha doei ao Museu D. Lopo. Assim, Tomar (IPT) não tem nem nunca teve espólio algum da Pedreira e o Anel Visigótico (e o restante) está em Lisboa no IGESPAR à guarda da Drª Maria Ramalho. Segundo creio todo o espólio da Pedreira será para voltar para Abrantes quando dispusermos de um Museu e salas de reservas. Cumprimentos e o meu Bem -haja

 

 

Caro Álvaro:

Obrigado pela sua rápida resposta.

1-Fico contente pelo espólio das escavações no Castelo da Drª.Maria Amélia já estar nas reservas do D.Lopo. Sobre o estatuto jurídico do D.Lopo, do próprio edifício de Santa Maria do Castelo há coisas a comentar mas não são para aqui chamadas. Talvez as levante noutro post e noutro dia ou junto das entidades da tutela.

2-O Jana dizia que esse espólio foi depositado no Quartel. Não confio quase nada nas bocas do homem,  onde as meias-verdades se misturam com absurdos dislates como este, enquanto fala das Mouriscas ''.  ‘’O local onde apareceu a estátua romana que se encontra no Museu nem sequer foi sondado''. Ora uma estátua romana apareceu em Santa Maria e a outra na ''Quinta da Baeta'', Rossio ao Sul do Tejo e há uma publicação sobre isso do Prof.João Manuel Bairrão Oleiro : Uma estátua romana na Quinta da Baeta (Rossio ao Sul do Tejo, Abrantes) / Joäo Manuel Bairräo de Oliveira da Silva Oleiro  e havia aliás fotografias sobre as escavações. Ora desde quando um Quartel é sítio para guardar antiguidades abrantinas????

3-Dado o tempo que a família Alves Jana esteve a mandar no Património nesta terra, através da Vereação de Cultura, e do infeliz consulado da chefa no MIAA, e dados os recursos financeiros vultuosos que tiveram, poderiam ter feito algo decente para proteger o património deste concelho e não o fizeram, pelo contrário patrocinaram uma campanha para arrasar São Domingos.

 

4-A simples diligência de solicitarem ao IGESPAR o envio para Abrantes dos materiais depositados em Lisboa aparentemente não foi feita.

 

5-Diz o Álvaro que não houve espólios depositados no IPT mas as informações oficiais publicadas pela tutela dizem o contrário.O processo é o S - 11649.

 

6-Não vou investigar (por agora) se há mais materiais, mas posso adiantar que o Laboratório de Restauro funciona  deficientemente, pergunte ao Dr.Gustavo ou ao Dr.Delfino.

 

7-Como o que interessa particularmente a esta página é  São Domingos, dá-se se conta dos resultados de certa escavação, processo S - 01228, em São Domingos onde se encontrou isto:

 

'' .Foram descobertas três aberturas na muralha do lado Sul do convento, as quais dão acesso a uma abóboda em pedra e a corredores, tudo parcialmente aterrado.''

 

Não estão datados nesta base de dados os dados. Aparentemente depois disso foi feita uma mini-escavação por Oesterbeck e há exigências de novas escavações nos pareceres da tutela e nada. E há este medíocre texto de Fernando Baptista Pereira, que pago a peso de ouro, para estudar o edifício nem sequer refere estas escavações. Porquê?????

 

Aparentemente porque queriam deixar enterrada a monumental cisterna medieval do edifício, que Duarte Castel-Branco previa recuperar, para obedecerem como um bando de parolos ao projecto  ilegal do Carrilho da Graça.  

 

Tudo para eles se resumia em prestarem vassalagem ao pedregulho, como diz o António Colaço.

 

Caro Álvaro. é tudo, por agora

 

Os nossos agradecimentos pelo seu trabalho em prol da arqueologia abrantina.

 

MA

 

 



publicado por porabrantes às 18:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 16.04.14

Do Sr.Dr. Álvaro Baptista, arqueólogo da CMA recebemos:

 

 

 

 Álvaro Batista, deixou um comentário ao post Júpiter já para Santa Maria do Castelo! às 17:35, 2014-04-01.
 

Comentário:
Boa tarde a todos Não estou a par da cedência do espólio arqueológico da Junta para a ADIMOS. Mas respondendo ao que me foi questionado sou de opinião que essa como as restantes lápides de Mouriscas, não havendo condições de exposição o Museu de Abrantes D . Lopo poderia albergar definitiva ou temporariamente esse acervo, o que iria dignificar o concelho e Mouriscas. Agora cedências daqui para ali sem espaço próprio que salvaguarde esse espólio ou então em caixotes preferível era que entrasse no Museu de Abrantes para evitar sua perca. cumprimentos

Álvaro Batista

 

 

Também é a nossa opinião. Obrigado Álvaro.

 

Que o Dr.Lopes entregue as lápides a quem de direito, o património não é para o Humberto Lopes o ter encaixotado.

 

MN



publicado por porabrantes às 15:13 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 29.05.13

(....Em finais dos anos 90 do século XX e inícios do novo século era difícil garantir a presença de um arqueólogo no âmbito da construção de uma auto-estrada (veja-se o caso do IP6 – Abrantes/Mouriscas), ou, era normal as obras terem início sem acompanhamento arqueológico (veja-se os casos do IP6 – Mouriscas/Gardete e da A15 – Lanço Rio Maior/Santarém). Por vezes, no início deste processo de acompanhamento das grandes vias de construção, foi mesmo necessária uma intervenção mais incisiva por parte da tutela para garantir que os projectos tivessem o devido acompanhamento arqueológico.(....)

 

 

 

 

Vista geral do IP6 - Abrantes/Mouriscas e do sítio arqueológico da Fonte do Sapo.

 

 

Tudo em

 

''O PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO E OS GRANDES PROJECTOS RODOVIÁRIOS: METODOLOGIAS DE TRABALHO
Análise ao acompanhamento e sondagens realizadas em contexto de obra''

 

Sandra Lourenço e Gertrudes Zambujo
Outubro de 2010

Ed Estradas de Portugal

 

Comentários; esta situação teve muito que se lhe diga, com intervenção de  abrantinos, actualmente funcionários municipais. Mas  tenho perguntas a fazer (além  doutras ) e a primeira é: sendo extremamente importante o sítio arqueológico , porque não foi classificado e protegido??????

 

Porque é que não há nenhum sítio arqueológico com protecção e musealizado num concelho extremamente rico em vestígios deste tipo????

 

Porque é que se vai gastar um montão de dinheiro num museu, com peças em grande parte de origem estrangeira e não se começa pela base, que é o essencial, proteger  Aritium ou a estação romana ao lado do Cemitério de Alferrarede????

 

Não estaremos a começar a casa pelo telhado? 

 

Seremos uns perigosos fundamentalistas, talvez????

 

Mas quando as forem proteger, já as plantações de eucaliptos, as estradas, os tipos com detectores de metais terão dado cabo de tudo.

 

A propósito foram a Filomena Gaspar e o Álvaro Baptista segundo o estudo citado, os intervenientes  no caso da Fonte do Sapo. Falaremos disto outro dia.

 

Tudo isto é política? É.

 

Proteger ou abandonar é uma opção política.

 

MN, da Tubucci 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 00:20 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Lançamento de Livro

A catastrófica exposição ...

Uma descasca monumental n...

A situação das estações a...

O porco mais antigo de Ab...

As escavações no Castelo ...

Visite Rio Moinhos

Direito de resposta: O es...

Lápides das Mouriscas, já...

O sapo da fonte

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

baptista pereira

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds