Domingo, 24.03.19

afonso baptista coelho

 

O então major Alfredo Baptista Coelho comandava interinamente, no Castelo, a Artilharia. Teve de se enfrentar ao golpe de Machado Santos (1916). Oficial de dilatada carreira colonial, distinguiu-se em campanhas em Moçambique no início do século XX e finais do dezanove . Foi um dos companheiros de armas do lendário Mouzinho de Albuquerque e seu amigo.  Desempenhara o cargo de Governador Geral dessa colónia. Foi ainda Ministro das Colónias (1919) , já coronel, depois da queda de Sidónio. 

O site Santo Tirso com História, que o biografa, relata a acção em Abrantes:''(...) Quando regressou de vez do Ultramar, e antes de partir para França, foi colocado no regimento de Artilharia aquartelado em Abrantes. Dirigiu-se para ali. Não estando o comandante, e como não havia oficial de patente superior (era major), teve de assumir o comando do regimento.
Atravessava-se uma época de agitação política, com graves reflexos na disciplina militar.
No próprio dia da chegada, foi chamado ao telefone pelo comandante do regimento de Infantaria aquartelado na mesma povoação. Esse oficial queria sondá-lo sobre a atitude que tomaria na hipótese de se dar certo movimento de que se falava. Baptista Coelho, mostrando estranheza pela pergunta, respondeu que em qualquer circunstância, a sua atitude, como certamente a do seu interlocutor, seria o cumprimento dos regulamentos militares. E desligou o telefone. Mas ficou apreensivo, receando alguma surpresa. Caiu a noite. Não se deitou, e manteve-se de ouvido à escuta. Em certa altura, ouviu um estranho ruído, que era o do arrastar de peças de artilharia. Desceu, de pistola em punho. Ordenou que as peças voltassem ao seu lugar. E foi obedecido. Deu voz de prisão aos sargentos que dirigiam o movimento. E foi obedecido também. A sua voz e a sua atitude mais uma vez fascinavam os seus subordinados.
De madrugada, soube que o almirante Machado Santos chegara de noite a Abrantes, à frente dum regimento que sublevara, e se acolhera ao quartel de Infantaria, cujo regimento aderira também ao movimento.
Apareceu pouco depois o coronel comandante do regimento de Artilharia, a quem relatou o acontecido.
Esse oficial, que conhecia o valor de Baptista Coelho, procurou convencê-lo a ir prender Machado Santos!
A ideia parecia de louco. Mas o coronel insistia e converteu o pedido em ordem. Baptista Coelho, embora julgasse ser esse o último dia da sua vida, não hesitou.
Dirigiu-se ao quartel de Infantaria e fez-se anunciar ao almirante, que pouco depois o recebia.
As primeiras palavras travadas deviam ter sido verdadeiramente dramáticas. Baptista Coelho nem tinha força material, nem autoridade legal para prender um oficial que era de patente mais elevada. O almirante, estupefacto, ao ouvir-lhe que vinha ali, em obediência a ordem superior, para o prender, sentiu o impulso, como logo anunciou, de lhe dar um tiro na cabeça. Mas, em face da heróica serenidade de Baptista Coelho, conteve-se e convidou-o a entrar numa sala. Conversaram demoradamente, a sós. E, por mais inverosímil que o facto pareça, daí a pouco Machado Santos acatava a ordem de prisão e entravam os dois no quartel de Artilharia.
O movimento revolucionário estava gorado e o Almirante mostrava-se agradecido pela maneira correctíssima e nobre como tinha sido tratado por Baptista Coelho.
Apesar das instâncias deste, a atitude do coronel para com o almirante foi diferente. Telegrafou comunicando a grande nova (sem falar de Baptista Coelho!), de que tinha sob prisão Machado Santos e de que partia com ele para Lisboa. Ali tiveram os dois a recepção que era de esperar: o coronel, pouco depois general, foi recebido como herói; e o fundador da República, exposto à fúria da populaça, que fora prevenida da sua chegada, sofreu os maiores vexames e enxovalhos.(...)''

 

 

 

publicado originalmente:

Prof Dr.António Augusto Pires de Lima in O Concelho de Santo Tirso – Boletim Cultural - Vol. II - N.º 1 - 1952
Edição da Câmara Municipal de Santo Tirso

Ou seja o coronel Abel Hipólito puxou para si os galões da vitória que eram de Baptista Coelho.........

 

alfredo bapptista coelho 2

devida vénia Arquivo Histórico Ultramarino

 

 

 

'' No Parlamento: coronel Baptista Coelho o é na pasta das Colónias - the rigth man in the rigiht place - porque, magistrado íntegro, conhecendo há longo tempo toda a engrenagem do sou Ministério, superior às tricas da baixa política, o seu culto fervoroso pela obra de Sidónio País, a sua identificação com a República nova, só são excedidos pelo seu culto pela. lei, pela sua identificação com a idea da justiça.''' (1919)

 

mn

ver Memórias de Gonçalo Pimenta de Castro

 



publicado por porabrantes às 13:43 | link do post | comentar

Domingo, 10.03.19

Em 1902, Paiva Couceiro aproxima-se de João Franco Castel-Branco, que mais tarde viria a ser o homem-forte de D.Carlos.

conselheiro_João_Franco,_último_presidente_do_Conselho_de_Dom_Carlos

Paiva Couceiro é um herói de África e depois do suicídio de Mouzinho, é visto como o militar mais prestigiado.

Os partidos disputam-no. Entre eles o PRP. Couceiro manda várias exposições às Cortes, protestando contra contratos que entregam interesses portugueses a estrangeiros (como o Caminho de Ferro de Benguela) ou contra que sejam financeiros internacionais a fiscalizar as contas nacionais.

Dos vários convites partidários, escolhe o do PRL-Partido Regenerador Liberal, recém- formado por João Franco.

O poder incomodado pelo activismo do capitão Couceiro, transfere-o para Évora.

Há uma chuva de cartas a solidarizar-se como o Herói de África e uma delas sai de Abrantes,  a 9-12-1902 , assinada por  Abel Hipólito, oficial de artilharia da guarnição do Castelo  que diz '' Associo-me do coração ao teu modo de pensar e lamento que o teu alevantado proceder tenha tido o desfecho que teve'' (...). (1)

E manifesta a sua solidariedade com Paiva Couceiro, que será eleito deputado franquista em 1906 e depois nomeado Alto-Comissário em Angola.

Vários oficiais africanistas apoiam João Franco e em Abrantes, o futuro ''Herói da República''  entra na órbita do franquismo.

19246150_6zVU0

Há mais correspondência entre Hipólito e o ''Paladino'', que não consta deste livro.  Talvez se volte a ela, mas convém saber que os republicanos abrantinos temiam no 5 de Outubro a reacção das tropas do Castelo, onde estava Hipólito, conhecido por ser um ''franquista''.

Para abreviar em 1919, na Monarquia do Norte, Paiva Couceiro comanda as tropas monárquicas e Abel Hipólito, as republicanas que jugulam o levantamento.

mn 

 

Ver (1) Ribeiro de Meneses, ''Paiva Couceiro, diários, correspondência e escritos diversos'', Dom Quixote, Lisboa, 2011''.

Usou-se a informação disponibilizada por Ribeiro de Meneses para contextualizar a carta. 

 



publicado por porabrantes às 23:19 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.08.17

a lanterna.png

lanterna 2.png

 

lanterna 3.png

 

 

O Golpe Machado Santos em 1916 visto pelo jornal brasileiro ''A Lanterna''. Importante a descrição de Abrantes.

 



publicado por porabrantes às 20:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 06.06.17

Recomenda-se a visita a este programa da RTP que evoca o golpe Machado Santos (1916) que partindo de Tomar terminou no Convento de S.Domingos, com a rendição dos sublevados a Abel Hipólito, que chegou a ameaçar bombardear Abrantes com ''aeroplanos''.

No site está disponível imprensa da época, em parte censurada (havia censura prévia) e a lista dos presos. Entre eles vários militares e civis abrantinos....sendo à primeira vista o mais conhecido Abel Malhou Zúniga.

zúniga.jpg

devida vénia ao Coisas de Abrantes

zúniga 2.png

(Arquivo Histórico Militar-pub pela RTP)

 

Zúniga tinha estado na Rotunda em 5 de Outubro de 1910, sob comando de Machado Santos.

 

O programa é da responsabilidade da jornalista Sílvia Alves, que fez um trabalho excelente.

mn



publicado por porabrantes às 20:17 | link do post | comentar

Quarta-feira, 21.12.16

A RTP evocou o golpe Machado Santos, durante o qual Abel Hipólito ameaçou bombardear o Convento de S.Domingos.

Veja o programa

 

'' Chegados a Abrantes sem energia, dirigiram-se ao quartel de infantaria 22 esperando encontrar aí o batalhão de infantaria 21. Mas tal não aconteceu. Pouco depois o comandante de artilharia 8, coronel Abel Hipólito, notificou Machado Santos de que queria parlamentar com ele . Sob a ameaça de o quartel ser bombardeado até à sua derrota caso não houvesse uma rendição completa, sua e de toda a sua gente, Machado Soares, fardado de capitão-de-mar-e-guerra e de grêvas, rendeu-se, sob condição de garantia da sua vida e da dos revoltosos. ''

 

Texto RTP

  


publicado por porabrantes às 11:11 | link do post | comentar

Domingo, 16.10.16

 

 

água rossio.png

água rossio 2.png

 

água rossio 3.png

Diário Ilustrado, um dia 13 de 1905

Em 1905 havia problemas de abastecimento de água às Barreiras do Tejo e ao Rocio....e começaram os protestos....

 

Vindos do movimento anti-oligárquico

 

casa a água abt.jpg

A  Oposição pôs-se a bradar contra a oligarquia local e nacional, fuzilando o ''avellarismo'' que tinha no Visconde da Abrancalha, o seu principal vulto local. 

 

Quem era a ''oligarquia'' em 1905?

 

Presidente: Dr. António Bairrão, Vice- Guilherme Henrique Moura Neves,

Vereadores: Guilherme Motta Ferraz, João José Soares Mendes, José dos Santos Ruivo....etc

 

 

 

Era Administrador do Concelho: outro ''oligarca'' Luis Falcão Pacheco Mena (que de oligarca tinha pouco, porque o encontro tesoureiro da Fazenda Pública em Elvas, em 1911), ....

Quem foram os responsáveis destas furiosas críticas????

A esquerda local, que seriam os progressistas do Solano e Severino Santana-Marques mais o PRP do Ramiro Guedes & Farinha Pereira, porque em 1905, o Valente das Mouriscas ainda era um simples moço de recados....???

 

valente júnior.jpeg

Não a crítica contra os ''oligarcas'' veio da extrema-direita, porque o Diário Ilustrado tinha passado de ser regenerador a regenerador-liberal, ou seja era o órgão dos amigos políticos do João Franco.

 

O autor da notícia deve ter sido o Frazão

frazão 2.png

 

 

Quem eram os franquistas locais anti-oligárquicos?

 

O eng e militar Jacinto Carneiro e Silva,  dr. Campos Mello (Coriscada de título familiar e de raízes marranas), o militar Abel Hipólito e o solicitador Almeida Frazão...

abel hipólito régua.png

 Eram estes os regeneradores-liberais abrantinos (faltarão alguns)  

 

Os três primeiros deram excelentes ''adesivos''. O Frazão não sei. Mas a troika anti-oligárquica (Carneiro, Hipólito e o Campos Mello) não teve vergonha na cara para se tornar republicana ''histórica'' de primeira apanha.

 

Só que a sua história republicana começou a 6 de Outubro de 1910.

 

Os anti-oligárquicos costumam dar mau resultado.

     

 

Ouvi a dr Isilda Jana garantir, pela Rádio, que o Monteiro de Lima tinha uma estátua em Abrantes. Aonde fica? 

 

ma

 

créditos: Eduardo Campos para os cargos políticos de 1905, na Cronologia

Fábrica de Água, demolida pelo Carvalho do Cria, Cidadão Abt



publicado por porabrantes às 21:03 | link do post | comentar

Sexta-feira, 08.01.16

A Solano de Abreu

 

palco 5.png

 

o palco 3.png

 

 

o palco 1.png

palco 2.png

 O Palco, 5 de Abril de 1912

 

ma 



publicado por porabrantes às 23:36 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16.12.15

Abel Hipólito começou a trair a 5 de Outubro de 1910, quando adesivou em Abrantes

 

Trai Machado Santos em Abrantes, que revoltara S.Domingos, em 13 de Dezembro de 1916

abel hipólito.jpg

vasco.png

9789896222710.jpg

 Pode ler aqui um esboço deste livro

 

João Chagas, o representante diplomático luso em Paris, chama assim ao Hipólito,

abel.png

Os Diários do João Chagas estão on-line. Pode lê-los aqui

www.portugal1914.org/portal/.../78_c21c9b0b4ecc99863c217fad94f1818...

DIÁRIO. DE. JOÃO. CHAGAS igi5 1916. 1917. % 3 1. PARCERIA ANTONIO MARIA PEREIRA ...... lhes hão de ficar atraz! disse o coronel Abel Hipolito. E todos ...O homem era de dias, algumas vezes dizia bem do Hipólito. O que não pode conter é o ódio a Bernardino Machado, esse é reiterado.

bernardino.png

 

ma

 



publicado por porabrantes às 23:20 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Major Baptista Coelho der...

Um franquista chamado Abe...

O golpe Machado Santos em...

Preso Abel Malhou Zúniga ...

O Golpe Machado Santos

O combate aos oligarcas '...

O Centenário no Teatro (1...

Abel Hipócrita

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12

18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds