Sábado, 23.06.18

porca miseria

 com a devida vénia


tags:

publicado por porabrantes às 22:38 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.08.17

Na sequência dos fogos que atacaram Rio de Moinhos e outras localidades, várias povoacões continuam sem comunicações.

Como é o caso da Amoreira, como denuncia a Senhora Dona Madalena Moura Neves.

O Paul estava na mesma há dias. A cacique disse que se ia ocupar deste assunto. 

paul.png

Pois bem a Amoreira continua sem telefone

amoreira.png

ma



publicado por porabrantes às 15:12 | link do post | comentar

Terça-feira, 21.03.17

fernando alberto moura neves.png

 Tem toda a razão a Madalena Moura Neves. Quem terá parido esta ''espécie de monumento'' ao homem bom que foi Fernando Moura Neves?

ma 



publicado por porabrantes às 21:17 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.12.13

 

historiadesalvaterra disse sobre O escritor da Amoreira ou as memórias dum marítimo no Sábado, 30 de Novembro de 2013 às 16:05:

 

     

Viva,

Obrigado por ter visitado o meu blog e identificado o texto original.

Um abraço, sempre ao seu dispor,

José Gameiro.

 

 

O Senhor Dr. José Gameiro teve a bondade de fazer este comentário e ainda outro sobre o post acima referido.

 

 

historiadesalvaterra disse sobre O escritor da Amoreira ou as memórias dum marítimo na Segunda-feira, 2 de Dezembro de 2013 às 12:12:

     

Obrigado pelo interesse - Do Arrais Francisco ainda existe um outro livro "Recordações da Navegação, também editado pela Câmara de Salvaterra * Ao s/ dispor * Cumprimentos
josergameiro@sapo.pt

 

 

Pedimos desculpa pelo atraso na edição dos comentários e recordamos que o Arrais Francisco, natural da Amoreira, Rio de Moinhos, foi um dos muitos marítimos que sulcaram o nosso Tejo e que as suas memórias são um testemunho importante da nossa História. Que tal comprá-los para presente de Natal? O nosso obrigado ao Dr.Gameiro pela sua atenção.

 

Miguel Abrantes

 

 

 



publicado por porabrantes às 22:58 | link do post | comentar

Terça-feira, 08.10.13

Transcreve-se com a devida vénia parte dum post sobre o livro dum marítimo da Amoreira (R. de Moinhos) que os fados e as correntes do Tejo levaram a aportar a Salvaterra. Não  conhecíamos nenhum livro que em primeira pessoa retratasse a vida dum marítimo abrantino, quando ao longo de gerações foram eles um componente importantíssimo da vida económica e social local. Agora já conhecemos.

Toca a comprar o livro! Ou a pedir que as bibliotecas locais o comprem !!!!

 

 

(...)

1 - ESCRITORES DO TEMPO QUE PASSA!....

VICENTE FRANCISCO

Arrais de navegação no Rio Tejo, nasceu no lugar de Amoreira, freguesia de Rio de Moinhos, concelho de Abrantes. Filho de Manuel Rodrigues Francisco. Ia fazer 10 anos de idade, quando em Março de 1922 teve o primeiro contacto com a vida de maritímo, nas águas do Tejo. Em 21 de Julho de 1932, fez exame para Arrais de embarcações de tonelagem superior a 20 toneladas, que navegavam no rio. 
Muito jovem, em 1943, veio viver com a família para Salvaterra de Magos, onde o trabalho abundava no seu cais da Vala Real, onde o Porto Fluvial tinha registados grande quantidade de embarcações que eram conhecidas por Fragateiros. O seu barco, fez muitas viagem rio acima, para além de Santarém e Lisboa, Setubal e Barreio, também eram locais de descarga. Pouco literato, no entanto ao longo dos anos, registava em pequenos cadernos toda a sua vida de maritimo navegante no Tejo. Grandes acontecimentos, ali tiveram lugar, como cheias e outras calamidades onde o Ciclone teve lugar de destaque, visto as embarcações disponíveis terem dado apoio em várias situações de apuros nas populações ribeirinhas.



(...)
texto entre aspas de JOSÉ GAMEIRO

blogue que vai para os nossos links

MN


publicado por porabrantes às 11:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.09.12

 

 

Envia-nos um leitor foto dum especialista de vinhos e petiscos no seu passeio quotidiano na Amoreira. Como a temperatura desceu, abandonou as cuecas balneares por calças compridas. É caso para dizer: já é um homenzinho. O chapéu é para ocultar a careca.

 

Luxo I era passear em cuecas balneares.

 

Luxo II é vestir como um homenzinho

 

 

Obrigado ao leitor

 

a redacção

 

 


tags:

publicado por porabrantes às 16:52 | link do post | comentar

Sexta-feira, 17.08.12

O redactor de serviço na página do facebook da Tubucci escreveu isto:

 

 

Fomos a um arquivo público procurar fotos de cheias abrantinas, mas estava avariado o ar condicionado. Em casa, agora em frente da ventoinha desviámos este bonito azulejo de Rio de Moinhos do blogue do Dr.Rui André, estudioso da cultura daquela freguesia e ex-autarca. Este fragmento da arte popular é o testemunho da nossa ligação secular ao Tejo.



E publicou isto (obrigado caro Rui André)





Um leitor da dita página mandou-nos este comentário:


Nuno Lopes Este painel de azulejos de homenagem aos Marítimos está colocado perto da Fonte do Largo da Bandeira, na localidade de Amoreira, freguesia de Rio de Moinhos, o qual infelizmente está em risco de se perder, visto a casa onde está o painel estar em risco de derrocada. Aviso vem sendo feito às entidades competentes há diversos anos, no entanto o risco mantém-se, pois infelizmente nada foi feito até agora.



Tubucci no facebook


A Tubucci vai lá para Setembro mandar uma carta à CMA. Recordando que a nossa memória recente se está ali a perder, como já se perdeu o arquivo de Diogo Oleiro que foi oferecido à CMA (diz o Álvaro Baptista) e hoje está disperso.



Em vez de bandas de música a inaugurar coisas inúteis, pode-se com pouco dinheiro fazer mais e melhor. Salvar esta memória dos marítimos do Tejo, que fizeram deste rio a maior via comercial portuguesa e que em Punhete, Rio de Moinhos, Rossio e outras terras constituíam parte significativa da população é defender a nossa cultura.



Há 115 anos nascia na Concavada, nesta data, um filho de marítimo, António Botto, lembrava hoje o dr. Graça Pereira.


Obrigado António.


M. de Noronha  



publicado por porabrantes às 23:30 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Família Moura Neves denun...

Amoreira sem telefones

Espécie de monumento

as memórias dum marítimo

O escritor da Amoreira ou...

Luxo II na Amoreira

Barco afunda-se na Amorei...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds