Quarta-feira, 29.06.16

morgadio

O livro aborda a história deste histórico Morgadio, agora ligado a Abrantes, através da preclara Directora da Nova Aliança.

 

Da autoria de José Luís Cabral P. Caldeira, foi editado pela Colibri há anos.

 

Parece-nos que deve ser posto à venda na Casa de Santa Maria.

 

Deve realçar-se o papel da Colibri na publicação de obras de referência

 

ma   



publicado por porabrantes às 22:37 | link do post | comentar

Segunda-feira, 25.01.16

14534901106515.jpg

Monsenhor Vallejo Balda, da Opus, da Casa de Sua Santidade, actualmente preso político no Vaticano ,sem culpa formada,ex-Professor do Seminário de Bragança.

O Anacleto é contra as prisões sem culpa formada, vai excomungar o Papa?

Vai pedir a dissolução da Guarda Suíça, que prendeu o patife?

A razagazzina que manipulou o cura, diz que o tipo era homoxessual.

Não está proibida a ordenação de homossexuais, que diz a isto a Ana Soares Mendes?

Vai dizer à Prelatura dos fanáticos que declarem nula da ordenação do celerado?

zagazina.png

 Sua Santidade não manda   meter grilhetas ao pescoço de padres, mas o cura do Opus Dei era um exibicionista e fez uma selfie numa enxovia. 

A palhaçada clerical segue dentro de momentos.

ma

fotos: Corriere della Sera 

 



publicado por porabrantes às 16:39 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.09.15

ana cabral.jpg

 http://www.ccdr-lvt.pt/pt/incentivos-a-comunicacao-social/8548.htm

 

Não foi atribuído subsídio à Barca nem ao Jornal de Alferrarede

 

O Mirante e o Ribatejo também receberam.

 

O subsídio da Nova Aliança é maior que o do Ribatejo, Jornal de Letras e Mirante.

(50% dos custos de expedição postal para a NA, 40% para os outros)

 

A maior fatia dos subsídios vai para a Imprensa Clerical.

 

 

E a Audácia que disse que o

augusto césar 2.png

Augusto César era o que o me disse Monsenhor Carvalheira, também recebe. Saúda-se o governo (neste caso) por premiar a Imprensa pia anti-fascista-

mn

 



publicado por porabrantes às 11:51 | link do post | comentar

Sexta-feira, 11.09.15

ana cabral.jpg

 

A fortuna da nobre Fidalga, pio florão da imprensa canónica abrantina, foi feita pelo

 

soares mendes 1.jpg

soares mendes 2.jpg

esforço dum industrial ousado e tenaz.

 

Uma das grandes obras da Fundição foi o

 

blindado 2.png

da legião portuguesa, organização anti-comunista e anti-judia.....e sólidamente católica,

 

blindado fundição.png

equipado com vasta artilharia para conter os insurrectos comunistóides como Duarte Castel-Branco

Sendo a generosidade da fidalga, épica e evangélica e supondo nós que sabe donde está o blindado, que sugira ao Bispo de Portalegre que benza o veículo e que o blindado seja enviado para a Síria para deter o fanatismo islâmico, equipado com gajos da Caritas.

 

mn  



publicado por porabrantes às 11:43 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.07.15

augusto césar.jpg

 

 

O futuro arcebispo, as divisões e os massacres

 

Um relatório da PIDE elaborado 10 meses antes antes do 25 de Abril propunha que se prescindisse do trabalho missionário de vários institutos religiosos. Feitas as contas, a decisão levaria à expulsão de 155 padres. As autoridades não seguiram a sugestão mas, em Fevereiro de 1974, o regime acabou por mandar embora de Moçambique mais 11 missionários e um bispo. Por causa de um "imperativo de consciência".

O actual bispo de Portalegre e Castelo Branco, D. Augusto César, apontado como o futuro arcebispo de Braga, foi um dos prelados moçambicanos que, em 28 de Fevereiro de 1974, enviou ao cardeal Jean Villot, então secretário de Estado do Vaticano, uma carta manifestando-se contra a actuação do seu colega de Nampula, Manuel Vieira Pinto, por causa da elaboração do texto "Imperativo de Consciência" - onde se condenava a guerra colonial e a atitude silenciosa dos bispos. Havia "no referido documento graves acusações dirigidas à Igreja e à hierarquia de Moçambique", em "ressonância clara da propaganda que a imprensa, mesmo católica" fazia à posição do episcopado moçambicano. Essas acusações, eram "injustas e falsas", escreviam os bispos, que se manifestavam profundamente magoados e ofendidos com "as decisões tomadas por um bispo com um instituto missionário" - os Missionários Combonianos - à margem dos restantes membros" da Conferência Episcopal. "Esta atitude, em vez de constribuir para a unidade, só poderá provocar a divisão e a confusão, tornando o nosso trabalho cada vez mais difícil. Porém, se a linha a seguir é a que vem no documento e se nós estamos a ser infiéis ao nosso ministério episcopal, como se insinua, (...) estamos dispostos conjuntamente a deixar as nossas dioceses e a entregá-las."A carta revelava as divisões que progressivamente se vinham a acentuar no interior do episcopado moçambicano. O primeiro bispo da Beira, Sebastião Soares de Resende, tinha sido o primeiro a contestar a política colonial e a falar da autodeterminação dos moçambicanos, nas décadas de 50 e 60. Soares de Resende, que morreu em meados da década de 60, tomava posições públicas e não se coibia de divulgar o que pensava. Depois, com a chegada de Vieira Pinto, em 1967, essa linha continuou assegurada com o novo bispo de Nampula. Mas a maioria dos seus pares considerava que deveria agir discretamente, falando ou escrevendo à autoridades. Em 1971 vários padres denunciaram massacres cometidos pelo Exército português. Em consequência disso, o regime expulsou elementos do Instituto de São Francisco Xavier de Burgos, dos Padres Brancos e dos Missionários Combonianos. Luís Afonso da Costa, um dos combonianos que trabalhava na altura em Marara (diocese de Tete) foi um dos primeiros a denunciar o que estava a acontecer. Entre 4 de Maio de 1971 e 30 de Março de 1972, o padre Luís Afonso - que entretanto abandonou os combonianos e foi residir para Itália - contabilizou 83 pessoas mortas pela tropa portuguesa, 21 das quais em Mucumbura, em 4 de Novembro de 1971. "Os comandos queimaram vivas 16 pessoas na povoação do António (Mucumbura). (...) Junto à loja do senhor Gabriel havia os cadáveres queimados de mais cinco pessoas, impossíveis de reconhecer", entre os quais uma criança, lê-se no documento "Mais um ano de agonia... sem esperança de ressurreição", escrito pelo então padre Costa em Maio de 1972. "Em reunião do conselho de pastoral, ficou decidido que eu iria levar ao conhecimento de toda a gente - missionários, leigos - o que se passava em Moçambique. Estive em Quelimane, Nampula e outros sítios", contou ontem ao PÚBLICO Luís Afonso da Costa, a partir de Itália. "Pedi à Conferência Episcopal uma declaração, disseram-me que iam ver a documentação e falar com o governador."Essas eram as duas linhas que subsistiam: "Devido aos privilégios que a Igreja tinha, muitos preferiam manter o 'status quo', os missionários queriam que a Igreja não estivesse ao lado do Governo português", analisa Luís Afonso da Costa. O mesmo conflito esteve presente nas outras antigas colónias. Fernando Santos Neves, que foi padre dos Missionários do Espírito Santo e é hoje reitor da Universidade Lusófona, em Lisboa, foi mandado para Angola pelo então superior-geral da congregação, Marcel Lefèbvre - o bispo que, nos anos 80, se rebelaria contra o Vaticano, com o seu catolicismo integrista. Santos Neves organizou, em Lisboa e em Angola, semanas missiológicas, criou um instituto teológico em Angola e, aqui, a PIDE não o deixou sossegado. Santos Neves foi exilado para Paris e, no início de 1974, escreveu e publicou "Negritude e Revolução em Angola". "É evidência histórica (...) que todas as 'religiões' e 'igrejas estabelecidas' fizeram sempre o jogo das (des)ordens 'estabelecidas' e foram portanto, sempre 'contra-revolucionárias'". A mudança só poderia ser feita, escrevia Santos Neves, com uma presença da Igreja que se traduza na liberdade, no serviço e na pobreza.''

 
 

 in Público

AM corresponde, acho eu, a António Marujo

sublinhados nossos

 

Naturalmente nunca a Ana Cabral Soares Mendes, piedosa fidalga, certamente muito esmoler, o Graça das seringas e o Anacleto, solicitador-jurista, isto é a notabilíssima equipa directorial do reverendíssimo quinzenário apostólico, foram capazes de desmentir uma linha sequer, do afirmado por  António Marujo.

Foi graças a artigos como este que o Augusto César não foi Arcebispo-Primaz, que era o destino que almejava, para finalizar a carreira eclesiástica.

O António Marujo escreve no blogue Religionline e é provavelmente um dos melhores jornalistas sobre assuntos da Igreja. Nesse blogue escreve também a deputada do CDS e abrantina: Isabel Galriça Neto.

ma



publicado por porabrantes às 21:51 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.07.15

 

 

A edilidade de Estremoz é do MIE (Mov.Independente por Estremoz) e proibiu os ciganos (do bairro das Quintinhas)  de tomarem banho na piscina, por o fazerem vestidos e ainda por fazerem necessidades na água.

xixxi.png

O Sr.Falcão do SOS Racismo criticou o dr. Mourinha, digno Presidente local e grande alentejano.

mourinha.jpg

e este denunciou as críticas demagógicas ''como uma forma de racismo contra o Presidente da Câmara''.

Que fazer face a esta situação de ciganos poluentes?

Enviar para Estremoz o Regulamento maoista que o Vereador Valamatos implementou na piscina de Abrantes, in illo tempore?

Enviar a Tânia?

Ela já andou em excursão pelo Alto Alentejo explicando, se calhar, aos ciganos que não devem urinar nas piscinas.

tània.png

(Julho de 2014, CM de Monforte, CDU)

 

Que lhes terá dito a Tânia, além de que as ciganas se devem casar virgens?

tània 2.jpg

Bem, isso é uma teoria que também defende a Ana Cabral Soares Mendes, que da profundidade do saber litúrgico católico,  defende, ortodoxa, que as quecas pré-matrimoniais são pecado mortal

ana cabral.jpg

Mas como é uma fidalga caritativa e civilizada, não defende, como qualquer sedentário civilizado, a brutalidade das provas pré matrimoniais ciganas para ver se as nubentes são virgens,coisa que defende a Tânia, como essência da ''cultura'' caló.

Um jornal de Estremoz garantia que os ciganos alentejanos estavam a integrar-se (coisa que significaria que as jovens ciganas já davam quecas antes do casamento, perdendo assim a sua ''essência cultural'', segundo a Tânia, e caindo em ''pecado mortal''  e ''perigosa concupiscência'' segundo a fogosa directora da Nova Aliança).

Jornal E - Número 5 - CAPA.jpg

Porém se o Senhor Presidente diz que fazem porcarias na piscina, pelo menos uma fracção deles continua incivilizada.

É portanto mister enviar a doutora Tânia em nova missão de soberania ao Alto Alentejo para explicar que a piscina de Estremoz não é um urinol público e que as velhas da tribo devem comprar bikinis para entrarem na piscina.

Mas a Tânia deve-lhes explicar que não devem fazer top-less, não comecem os maridos aos tiros, coisa pior que mijarem na água.

Finalmente a Tânia deve fazer-se acompanhar do regulamento Valamatos, que um jornal local resumiu assim: ''

Calções de banho proibidos na piscina municipal

Na piscina de Abrantes vigora uma norma extraordinária: é proibido usar calções de banho com bolsos. Parece que estes são suspeitos de poder transportar cotão capaz de contaminar os 600 metros cúbicos de água da piscina.

Consta agora que o vereador Valamatos (V.V.), responsável por esta original medida sanitária, também não gosta de calções de banho sem bolsos e está tentado a proibir o seu uso, impondo a utilização colectiva de cuecas balneares. Antes que V.V. concretize esta ameaça tardo-maoísta, e como as pessoas que não gostam de se exibir em cuecas em público merecem respeito, sugerimos-lhe que seja mais democrático, proibindo o uso de qualquer invólucro corporal. Até porque essa medida discriminatória poderia ser um perigoso precedente que conduzisse, de hoje para amanhã, à obrigatoriedade de os cidadãos abrantinos terem que transitar nas ruas da cidade com indumentárias ao gosto do presidente da Câmara''

 

(Primeira Linha, 23-5-2005)

 

Deve-se  acrescentar-se uma adenda ao regulamento Valamatos para aplicar em Estremoz:

 

''Qualquer cigano das Quintinhas que queira entrar na piscina, deve fazer-se acompanhar por penico''.

AECIO PEDIU PENICO.jpg

Este não é cigano, é o Aécio.

 

mn   

     

 



publicado por porabrantes às 12:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 01.07.15

barrocas fala.png

 O conhecido benfeitor, cujas empresas ofereceram uma Virgem de Fátima à Igreja de S,Vicente, onde oficia o cónego das seringas, acolitado pelo diácono Anacleto, começou a cantar.

O canto dum benemérito da estatura moral do pato-bravo de Leiria é sempre mavioso.

O Correio da Manhã, certamente pouco ético, aos olhos da drª Ana Soares Mendes, flor de virtudes, ornamento da Igreja, florão do pensamento eclesial alentejano, faz  do benemérito, manchete.

É virtude católica ir visitar os presos, que enjaulados padecem angústias e sofrem muito, coitadinhos...

Reside o 44 na penitenciária de Évora, terra da fidalga.

Já terá a fidalga ido à cadeia, por exemplo acompanhada pelo Arcebispo Sanches Alves, levar consolo cristão e uma hóstia consagrada, transportada numa tupperwere de plástico, modéstia agora de moda, graças ao pensamento de Francisco, pontífice romano, que diz que o ouro dos cálices é ofensivo para os pobrezinhos, para que o 44 tenha consolo cristão e possa comungar?

Ou está a fidalga, que nos dizem agora residir em Lisboa, ocupada na conversão da

D.Adelaide Pinto de Sousa, órfã espiritual, porque foi expulsa das testemunhas de Jeová, dado ter sido apanhada a votar (suponho que no filho) e a doutrina da seita proíbe que elas....votem

mae_jose_socrates.png

 foto Flash, com a devida vénia

 

ma

     



publicado por porabrantes às 09:04 | link do post | comentar

Terça-feira, 30.06.15

Se a Senhora Dr Ana Soares Mendes, que é eborense, fosse directora dum jornal católico em Évora, publicava isto na primeira página ou não? 

 

évora.png

E já agora (pergunta complementar) identificava que os factos se passaram sobre a gestão do ex-presidente José António de Oliveira?

 

Ou ia perguntar a um diácono se transcrever informação oficial da magistratura é fazer linchamentos na praça pública?????

 

a redacção  

 



publicado por porabrantes às 22:26 | link do post | comentar

Domingo, 28.06.15

 

apariçao.jpg

 Diz algum remoto texto bíblico que não se invoca a Palavra de Deus em vão.

 

 

 Diz o Código Deontológico dos Jornalistas e o código ético da Nova Aliança que há normas (simples) para fazer títulos.

 

E a prática jornalística diz que um director que se preze é que faz as manchetes.

 

Francisco Pinto Balsemão passou largas madrugadas para que  saíssem as páginas do Expresso devididamente paginadas e com os títulos no seu lugar.

 

Marcelo Rebelo de Sousa também trabalhou assim.

 

Estou certo que o director/a da Nova Aliança só se deitou às 9 da manhã para conceber este título.

 

Um jornal não deve mentir, a não ser que seja dirigido por Goebbels ou Monsenhor Moreira das Neves que fazia as Novidades.

goebelds.jpg

 

Ou como José Saramago quando mandou Luís de Barros fazer uma capa no Diário de Notícias de 1975, que dizia '' Amanhã há um golpe de estado fascista''.

 

Azar dele, os fascistas atacaram  noutra data.

 

Mas o Cónego Graça viu Deus

 

Graça oficial.png

e falou com ele e ele mandou-o construir a grande obra.

 

Deus não tinha mais nada que fazer que falar com este cónego e dar-lhe ordens.

 

Como quando falou com Moisés antes de atravessar o Mar Vermelho ou quando o Grande Manitu disse ao feiticeiro dos apaches que era hora de desenterrar o machado de guerra.

manitou.png

 

Como o/a Director/a da Nova Aliança é fiel à ética, transmitiu a mensagem divina.

 

Tal e qual!

 

Quando o Juiz lhe perguntar: porque é que os psicólogos passaram a drogados?

o Reverendo responderá: Foi Jeová que mandou.

 

E a actual Directora

 

ana cabral.jpg

da folha clerical escreverá devota e ética:

 

 

DEUS O QUIS!!!!!!

 

ma               



publicado por porabrantes às 22:06 | link do post | comentar

pérsia.png

À atenção da canalha clerical abrantina.

mn



publicado por porabrantes às 01:39 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

À atenção da Casa de Sant...

Professor do seminário de...

Governo subsidia folha pi...

Blindado Soares Mendes va...

Augusto César faz queixa ...

Ciganos poluem água da pi...

Barroca canta

Somos muito curiosos

Foi Deus que pediu

Como se diz António Rotto...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pico

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

república

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

são domingos

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10


25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds