Domingo, 19.08.18

Disse-se aqui que ''salvo'' erro o escultor Pedro de Campos Rosado era bisneto do Dr.Ramiro Guedes.

Afinal era trineto.

Segundo o dr. Graça Pereira, mestre em Genealogias abrantinas, Prémio Eduardo Campos, malgré um seminarista, era:

''Era trineto do Dr. Ramiro Guedes e de D. Esperança da Conceição Guedes e Silva, pela filha D. Maria Adelaide da Silva Guedes que casou com António Augusto Corrêa de Campos. Os últimos foram pais de D. Maria Elisa Guedes Corrêa de Campos que casou com David da Silva Rosado que são os avós paternos de Pedro Campos Rosado.''

Recorde-se que os caciques não editaram o  livro premiado, enquanto desbarataram o dinheiro municipal, comprando 6. mil euros de livros do Carrilho da Graça.

ma

vamos rectificar o post



publicado por porabrantes às 12:22 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.04.18

sao miguel acha.png

O investigador abrantino Graça Pereira deu esta conferência em São Miguel da Acha.

A cacique ficou de editar o livro Genealogias de S.Miguel do Rio Torto e Tramagal há anos.

Estamos à espera.

A ver se o Luís Dias culturiza a senhora

mn.



publicado por porabrantes às 12:33 | link do post | comentar

Quinta-feira, 09.06.16
Quarta-feira, 30 de Abril de 2014

 

 

 

 

 

 

A CMA apresentou nova publicação, para festejar a Abrilada (há outra, que é o Passos do Concelho coordenada pelo historiador municipalizado e conhecido ficcionista Gaspar onde há disparates notórios, omissões aparentemente deliberadas, entrevistas porreiras etc, a que se houver tempo farei alguma alusão) da responsabilidade da drª Teresa Aparício.

 

 

 

Apresentou a publicação o conhecido colaborador do Jornal de Alferrarede Candeias Silva. Nada a obstar à prioridade municipal no campo editorial, se não estivesse pendente a obrigação moral da CMA de editar a obra “Genealogia das Famílias de São Miguel de Rio Torto e Tramagal”,do dr. António Graça Pereira que ganhou o prémio Eduardo Campos contra a vontade do Candeias que só lhe queria dar uma menção honrosa. O dr. Luís Amaral, mais importante genealogista luso arrasou a decisão do júri, deixando-os de rastos. 

 

O dr.Graça Pereira reclamou da decisão e foi convocada nova reunião  do júri onde o Candeias não meteu os pés.

 

Face a isto o Executivo Municipal corrigiu um júri, de que fazia parte o Candeias, com esta decisão:

 

 

 

N° 26 - Proposta de Deliberação da Presidente da Câmara, respeitante a uma informação do Diretor do Departamento de Intervenção Social, datada de 13 de marco de  2012, na sequência de uma reclamação apresentada por António da Graça Pereira, relativa a

2ª edicão do Premio de Investigacao Historica Eduardo Campos. Refere que, face ao parecer dos serviços jurídicos e na impossibilidade de agendamento de reunião do júri a breve prazo, devido a ausência de alguns elementos da área de residência até data incerta, sugere:

1- Que em edições futuras do prémio deve haver uma revisão das normas, no sentido de os critérios de avaliação dos trabalhos estarem pre-definidos;

2- Que a norma que prevê a impossibilidade de recurso das decisões do júri deve ser revogada, por poder contrariar um direito fundamental em relação a qualquer ato da administração;

3- Que no que se refere a situação pendente se decida a favor da atribuição do premio ao reclamante, ''pois apesar de o júri ter fundamentado a sua decisão em critérios de exigência expressos em ata, aceitáveis a luz da interpretação da

expressão qualidade mínima explicada em 1, trata-se de uma expressão subjectiva que permite também a interpretação contrária' '.(...)a qual à luz das normas e da interpretação dos nossos juristas por similitude com o CCP  parece ser a mais consentânea com as razões do reclamante. - 61182  

 

 

Leiam com atenção, diz a deliberação, o Candeias participou numa deliberação onde o regulamento tinha uma norma que podia ''contrariar um direito fundamental em relação a qualquer ato da administração''

 

E ainda o júri decidiu escrevendo um português tão claro que permitia   '' também a interpretação contrária'. É o que se chama clareza.

 

E a deliberação desse júri foi revogada!!!!

 

Mas a CMA, no seu apego histórico à verdade faltou à dita, nos Passos do Concelho publicando isto, que é falso,

 

 

Finalmente, como já se disse, era escusado e ofensivo associar o nome honrado de Eduardo Campos a isto.

 

Quanto à qualidade da obra da Teresa Aparício por bondade omito qualquer adjectivo.

 

Quanto à obrigação moral da CMA de editar a obra do Dr. Graça Pereira é para qualquer pessoa de boa-fé evidente.

 

MA 

 



publicado por porabrantes às 10:31 | link do post | comentar

Sexta-feira, 27.11.15

XIII Jornadas de História Local

 

Biblioteca Municipal António Botto – Abrantes

Organização: Centro de Estudos de História Local (CEHLA) – Palha de Abrantes

 

PROGRAMA

4 de dezembro de 2015 (sexta-feira)

10h00 Abertura dos trabalhos

10h15 Percursos da História Local Portuguesa, por Margarida Sobral Neto, do Centro de Estudos de História Local e Regional Salvador Dias Arnaut e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

11h00 Intervalo

11h15 Projeto de Musealização do antigo lagar dos Paulinos - Sardoal, por Maria Jorge Rocha (Conservadora Restauradora) e Tiago Laranjeira (Arquiteto)

11h45 Instituto Terra e Memória - Uma plataforma de investigação para o século XXI, por Sara Cura, do Instituto Terra e Memória / Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo

12h15 Lançamento do n.º 26 da Revista de História Local Zahara

12h45 Intervalo para almoço

14h30 Arquivo Municipal de Constância: passos de um percurso em (re)construção, por Rui Duarte, do Arquivo Municipal de Constância

14h50 Arquivo Municipal Eduardo Campos - Abrantes: Repositório de Memória e Memórias, por António José Morgado, do Arquivo Municipal Eduardo Campos

15h15 Iniciação à Genealogia, por António da Graça Pereira, investigador na área da genealogia

15h45 O arquivo no paradigma digital (as novas tecnologias e suas possibilidades) e o Museu Aurantes, por Alexandre Carrança e José Bandos, da Cooperativa Persona

16h15 Intervalo

16h30 Uma tese com um tema difícil: a mineração romana, por Carlos Batata, Arqueólogo

17h00 Encerramento

 

É este o programa do CHELA

 

Melhora ......

 

Não está lá o Candeias, é uma boa nova

candeias silva.jpg

Mas o senhor Vereador da Cultura poderá explicar-nos porque é que o Arquivo funciona (aparentemente) sem um técnico superior a mandar nele.....

 

Mas o senhor Vereador da Cultura poderá talvez explicar-nos quando será editado o livro do Dr.Graça Pereira que ganhou o Premio Eduardo Campos

 

E o Dr.Graça Pereira dará uma lição de genealogia aos presentes.

 

ma

créditos: foto do Jornal de Alferrarede onde o Doutor Candeias está muito favorecido

 

 



publicado por porabrantes às 12:23 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.04.14

 

 

 

 

 

 

A CMA apresentou nova publicação, para festejar a Abrilada (há outra, que é o Passos do Concelho coordenada pelo historiador municipalizado e conhecido ficcionista Gaspar onde há disparates notórios, omissões aparentemente deliberadas, entrevistas porreiras etc, a que se houver tempo farei alguma alusão) da responsabilidade da drª Teresa Aparício.

 

 

 

Apresentou a publicação o conhecido colaborador do Jornal de Alferrarede Candeias Silva. Nada a obstar à prioridade municipal no campo editorial, se não estivesse pendente a obrigação moral da CMA de editar a obra “Genealogia das Famílias de São Miguel de Rio Torto e Tramagal”,do dr. António Graça Pereira que ganhou o prémio Eduardo Campos contra a vontade do Candeias que só lhe queria dar uma menção honrosa. O dr. Luís Amaral, mais importante genealogista luso arrasou a decisão do júri, deixando-os de rastos. 

 

O dr.Graça Pereira reclamou da decisão e foi convocada nova reunião  do júri onde o Candeias não meteu os pés.

 

Face a isto o Executivo Municipal corrigiu um júri, de que fazia parte o Candeias, com esta decisão:

 

 

 

N° 26 - Proposta de Deliberação da Presidente da Câmara, respeitante a uma informação do Diretor do Departamento de Intervenção Social, datada de 13 de marco de  2012, na sequência de uma reclamação apresentada por António da Graça Pereira, relativa a

2ª edicão do Premio de Investigacao Historica Eduardo Campos. Refere que, face ao parecer dos serviços jurídicos e na impossibilidade de agendamento de reunião do júri a breve prazo, devido a ausência de alguns elementos da área de residência até data incerta, sugere:

1- Que em edições futuras do prémio deve haver uma revisão das normas, no sentido de os critérios de avaliação dos trabalhos estarem pre-definidos;

2- Que a norma que prevê a impossibilidade de recurso das decisões do júri deve ser revogada, por poder contrariar um direito fundamental em relação a qualquer ato da administração;

3- Que no que se refere a situação pendente se decida a favor da atribuição do premio ao reclamante, ''pois apesar de o júri ter fundamentado a sua decisão em critérios de exigência expressos em ata, aceitáveis a luz da interpretação da

expressão qualidade mínima explicada em 1, trata-se de uma expressão subjectiva que permite também a interpretação contrária' '.(...)a qual à luz das normas e da interpretação dos nossos juristas por similitude com o CCP  parece ser a mais consentânea com as razões do reclamante. - 61182  

 

 

Leiam com atenção, diz a deliberação, o Candeias participou numa deliberação onde o regulamento tinha uma norma que podia ''contrariar um direito fundamental em relação a qualquer ato da administração''

 

E ainda o júri decidiu escrevendo um português tão claro que permitia   '' também a interpretação contrária'. É o que se chama clareza.

 

E a deliberação desse júri foi revogada!!!!

 

Mas a CMA, no seu apego histórico à verdade faltou à dita, nos Passos do Concelho publicando isto, que é falso,

 

 

Finalmente, como já se disse, era escusado e ofensivo associar o nome honrado de Eduardo Campos a isto.

 

Quanto à qualidade da obra da Teresa Aparício por bondade omito qualquer adjectivo.

 

Quanto à obrigação moral da CMA de editar a obra do Dr. Graça Preira é para qualquer pessoa de boa-fé evidente.

 

MA 

 

 



publicado por porabrantes às 11:08 | link do post | comentar

Sexta-feira, 28.03.14

Transcreve-se com a devida vénia o artigo do nosso amigo Dr. António Graça Pereira, publicado no Jornal de Alferrarede, sobre a genealogia do historiador abrantino Eduardo Campos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Dr.Graça Pereira faz uma chamada de atenção extremamente importante para a necessidade de publicação do material inédito saído da investigação do Eduardo sobre História de Abrantes, que se encontra na posse da sua família e cuja publicação é indispensável para a História da cidade. É necessário que alguma instituição local ou mecenas se preocupe com o assunto e  por isso fazemo-nos eco da opinião do Dr.Graça Pereira.

A obra do genealogista abrantino ( e não só, porque o António também investiga muito sobre genealogias beirãs, publicando os seus trabalhos nessa área no jornal albiscastrense ''A Reconquista'') é cada vez mais uma contribuição indispensável e incontornável para traçar uma radiografia do passado da nossa região.

Num dos últimos números do Jornal de Alferrarede publicou uma genealogia do eng. Lopes Raimundo, professor universitário abrantino demitido da função pública pela ditadura fascista,  onde fazia uma amável menção a este blogue, gentileza que se agradece.

Finalmente uma nota de estranheza, ganhou o dr. Graça Pereira o Prémio Eduardo Campos, com as vicissitudes aqui comentadas, e era dever da entidade patrocinadora editar o seu livro, e não há forma de o livro ser dado à estampa.

Como bem sublinhou o dr.Luís Amaral  as '' Genealogia das Famílias de São Miguel de Rio Torto e Tramagal'' são  ''um trabalho (que) pode definir-se em três palavras - inédito, único e irrepetível.

E que infelizmente não está disponível para os abrantinos.

 

MN



publicado por porabrantes às 15:50 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11.04.12

30-abr-09-fotografia-9-2 ephemera

 

 

 

O Sr. Dr. António Graça Pereira, nosso amigo, publicou mais um artigo, este na gazeta do Sr.Martinho sobre genealogia, fruto dum trabalho árduo nos arquivos ou seja fruto daquilo que em gíria dos historiadores sérios se chama '' queimar as pestanas''.

 

Desta vez sobre a genealogia da política abrantina Maria de Lourdes Pintasilgo.

 

 

Entretanto a Câmara (lenta) continua ao que sabemos sem lhe dar resposta à sua reclamação sobre a injusta não atribuição do Prémio Campos.

 

 

Isto é a Câmara continua a desprezar o trabalho sério sobre História de Abrantes, enquanto publica obras de duvidosa qualidade  como a de Andreia Almeida.

 

Com a devida vénia reproduzimos da página do facebook do Dr.Graça Pereira o seu último artigo.

 

 

A Direcção da Tubucci

 

António Da Graça Pereira

Artigo publicado no Jornal de Alferrarede, edição de Abril:

Genealogia da Engª Maria de Lourdes Pintasilgo

Neste número apresentamos um pequeno apontamento sobre a genealogia da Engª Maria de Lourdes Pintasilgo. As fontes primárias da investigação são os registos paroquiais da Igreja Católica. Estes registos, em livros próprios de cada paróquia, englobam os atos de batismo/nascimento, de casamento e de óbito dos despectivos fregueses e existem há mais de 400 anos em Portugal. O Estado tem na sua posse a grande maioria dos registos anteriores a 1911, os quais estão depositados por regra nos Arquivos Distritais da Torre do Tombo onde é possível a sua consulta ou a de cópias microfilmadas ou digitalizadas.
O apelido Pintassilgo, por vezes com a grafia Pintasilgo como no caso da Engª Maria de Lourdes Pintasilgo, é muito frequente na Beira Baixa, mais propriamente na zona da Covilhã. A Covilhã, que diga-se, é uma terra algo difícil para o estudo da genealogia das suas gentes por ter tido outrora muitas freguesias (São João Mártir, Santa Marinha, São Pedro, São João de Malta, São Silvestre, Santa Maria Maior, São Paulo, Santa Maria Madalena, São Vicente, São Martinho, São Bartolomeu, São Tiago, São Salvador e Nossa Senhora da Conceição), o que leva a grande dispersão dos registos.
O apelido deve ter origem em alcunha por se contar que houve um antepassado que assobiava como um pintassilgo. A referência mais antiga que encontrámos foi a de Luís Rodrigues Pintassilgo que deve ter nascido na freguesia de Santa Maria Madalena nos finais do século XVII, mas deve ser possível encontrar referências mais antigas. Este Luís foi pai de um Rodrigo José Pintassilgo, que viveu em São João de Malta, e avô de um João Rodrigues Pintassilgo que viveu em Santa Maria Madalena. Entre a vasta descendência deste João destacamos o bisneto Jerónimo Matos Pintassilgo, "fabricante", isto é, ligado à indústria dos lanifícios. Este Jerónimo é o avô paterno da engenheira Maria de Lourdes Pintassilgo, nascida em Abrantes a 18.1.1930, na rua do Brasil, depois rua da Sardinha, e que hoje tem o seu nome. Como se sabe Maria de Lourdes Pintassilgo foi figura impar da sociedade portuguesa no século XX. Entre outras coisas, foi Secretária de Estado da Segurança Social no I Governo provisório, Ministra dos Assuntos Sociais (II e III Governos Provisórios), representante permanente de Portugal na UNESCO (1975-1981), Primeira-Ministra do V Governo Provisório (1979) e Candidata à Presidência da República. Mas, mais do que isso, como escreveu Fernando de Sá Monteiro, no sítio de genealogia "geneall.net" foi "acima de tudo uma mulher de grande coração, de incontestável valor intelectual, de uma enorme coerência na luta por ideais que considerava estarem contidos no seu caminhar religioso: o Catolicismo". 
Tendo tido o enorme privilégio de conhecer pessoalmente Maria de Lurdes Pintasilgo é, com o maior dos respeitos, e como forma de lembrar a sua memória, que deixo aqui parte dos seus costados. A numeração que surge à esquerda de cada indivíduo corresponde à numeração tradicional pelo método Sosa-Stradonitz, em que o indivíduo que está na base da árvore de costados recebe o número 1, o seu pai o número 2 e a sua mãe o número 3. Daí em diante, para se encontrar o pai de um determinado indivíduo, deve-se multiplicar o seu número por dois. Para a mãe desse mesmo indivíduo soma-se um ao número do pai. Assim, por exemplo, o pai do indivíduo com o número 8 é o indivíduo com o número 16 e a mãe tem o número 17.

Primeira Geração
1. Maria de Lourdes Ruivo da Silva Matos Pintasilgo nasceu a 18.1.1930 em Abrantes. Faleceu a 10.7.2004 em Lisboa.
Segunda Geração
2. Jaime de Matos Pintasilgo, comerciante, nasceu a 9.12.1896 na Covilhã. Faleceu a 10.10.1959 em Lisboa. Casou a 14.3.1929 em Abrantes. 
3. Amélia do Carmo Ruivo da Silva, de Vendas Novas. 
Terceira Geração
4. Jerónimo Matos Pintassilgo, fabricante, nasceu a 21.5.1866 na Covilhã
5. Bárbara Saraiva Tavares Matos nasceu a 1.1.1873 na Covilhã. 
6. José Ruivo da Silva, militar, faleceu em 1918. 
7. Raquel do Carmo.
Quarta Geração
8. Francisco Jerónimo de Matos, tecelão, da Covilhã.
9. Mariana Rosa, da Covilhã.
10. António Joaquim Agostinho, fabricante, de Orjais.
11. Maria Angélica Saraiva, da Covilhã. 
Quinta Geração
16. José Jerónimo de Matos, do Tortosendo. 
17. Maria dos Santos.
18. José Rodrigues Pintassilgo, da Covilhã. 
19. Maria Raquel, da Covilhã. 
20. José Agostinho, da Covilhã.
21. Rosa Tavares.
22. Firmino António Saraiva, da Covilhã.
23. Maria da Piedade.
Sexta Geração
36. João Rodrigues Pintassilgo nasceu a 12.1.1750 na Covilhã.
37. Catarina Joaquina, da Covilhã.
38. Manuel Lopes Catalão, da Covilhã.
39. Josefa Maria, da Soalheira. 
44. Estevão Pereira Saraiva, da Covilhã, Santa Maria. 
45. Rita Maria.
Sétima Geração
72. Rodrigo José Pintassilgo, da Covilhã.
73. Catarina da Silva nasceu, com o pai já falecido, a 23.5.1734 na Covilhã.
74. Cristóvão de Paiva, de Manteigas.
75. Luísa Maria, de Pinhel. 
88. Francisco Saraiva, da Covilhã. Casou em 1774 na Covilhã.
89. Matilde do Rosário, da Covilhã,
90. José António.
91. Maria Fernandes.
Oitava Geração
144. Luís Rodrigues Pintassilgo, da Covilhã.
145. Luísa de Oliveira, do Tortosendo. 
146. Manuel Pereira, de Manteigas.
147. Maria da Silva, da Covilhã. 
176. José Saraiva.
177. Ana Rodrigues.
178. Manuel Pereira.
179. Helena da Cruz.
Nona Geração
292. Manuel Pereira, de Manteigas. 
293. Maria Fernandes, de Manteigas.
294. Domingos da Silva, do Porto.
295. Ana Rodrigues, da Covilhã.



publicado por porabrantes às 13:17 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.03.12

 

 foto tubucci

 

     foto tubucci

 

pode ler aqui a genealogia da família Duarte Ferreira e mais informação. A pesquisa é do ilustre Genealogista abrantino dr. António Graça Pereira a quem continuamos a aguardar que a Presidenta faça justiça (que não seja benta) dando-lhe aquilo que é seu....

 

 

DE DIREITO !!!!

 

o prémio Eduardo Campos

 

Se conseguirem numa gaveta esquecida ou num alfarrabista esta pequena jóia que mostramos não percam.

 

M. de Noronha

 

PS-Como notarão no debate do fórum de genealogia, há uma contribuição de outro apelido abrantino, o do Pedro França, que me soa à família do polémico político local França Machado (anos 30-40 do século XX)



publicado por porabrantes às 17:53 | link do post | comentar

Sexta-feira, 09.03.12
 
 
 
Prezado Professor António Da Graça Pereira já vi pela internet o que aconteceu. Estou solidário consigo. Já quando estagiei no Arquivo Histórico em Abrantes em 2001 o Sr. Professor investigava sobre genealogia, bem me lembro da frequência com que frequentava o Arquivo. Só tenho uma curiosidade: quem eram os membros do juri? Tinham competência para tal? Estranho o facto de segundo vi "nenhum trabalho ser merecedor de obter o prémio". E por aqui fico! Abraço fraternal de solidariedade e se puder publique isso, pois também tenho interesse, já que diz respeito à freguesia de S. Miguel do Rio Torto, de onde sou natural..        
 
 
 na página do Sr. Dr. Graça Pereira no facebook onde se acumulam as condenações contra um júri que desonrou o nome honrado de                                                                                                                                                                                                                                                                                                Marcello de Noronha 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 20:17 | link do post | comentar

Terça-feira, 06.03.12

''Cs confrades

Aqui deixo o meu primeiro contributo para a genealogia da Engª Maria de Lourdes Pintasilgo, primeira primeira-ministra, primeira engenheira química industrial, primeira procuradora à Câmara Corporativa, por quem sentia enorme admiração. 

Consta no registo de nascimento o seguinte:

"As vinte horas do dia dezoito do mês de Janeiro do ano de mil novecentos e trinta, nasceu na rua do Brazil, número trinta e nove, da freguesia de São João Batista desta cidade (Abrantes), um indivíduo do sexo feminino, a quem foi posto o nome de Maria de Lourdes Ruivo da Silva Matos Pintasilgo, filho legítimo de Jaime de Matos Pintasilgo, de trinta e três anos de idade, no estado de casado, de profissão comerciante, natural da freguesia da Conceição do concelho da Covilhã, e de Amália do Carmo Ruivo da Silva Matos Pintasilgo de trinta e um anos de idade, no estado de casada, de profissão doméstica, natural da freguesia de Vendas Novas, Montemor-o-Novo, domiciliados na rua do Brazil, neto paterno de Jerónimo de Matos Pintasilgo e de Bárbara Saraiva Tavares Matos e materno de José Ruivo da Silva e de Raquel do Carmo Ruivo da Silva.
Foram testemunhas e padrinhos Augusto Ruivo da Silva, solteiro, maior, oficial do Exército e Raquel do Carmo Ruivo da Silva, viúva, doméstica, domiciliados em Abrantes.
A declaração de nascimento foi feita pelo pai."

Cumprimentos

 

António Pereira''

 

 

que é o sr. dr. António Graça Pereira aqui  

 

 

onde há mais  contribuições importantes para a biografia da política abrantina, que não é dos meus amores, como é público....

 

mas uma coisa é a 

 

 

História!!!!

 

 

e outra a política,

 

 

 ephemera

 

 

suponho que nosso blogue há coisas interessantes sobre ela,modéstia à parte, mas hoje é dia de mostrar

 

 

 

SOLIDARIEDADE !!!!!

 

 

António Da Graça Pereirafacebook

 

 

com o investigador abrantino António Graça Pereira e de liminarmente, como fez o Marcello de Noronha, de lhe dizer que estou com

 

Ele !!!!!!

 

 

Obrigado amigo pelo seu trabalho pela história de Abrantes!!!!!

 

 

Estamos certos que 

 

 


 

Patriarca da nossa historiografia, e Eduardo Campos estão consigo.

 

 

Miguel Abrantes  

 



publicado por porabrantes às 22:08 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Rectificação: Pedro de Ca...

Culturalização de cacique...

CMA ainda não publicou ob...

História Local

CMA ainda não publicou ob...

A genealogia de Eduardo C...

A barracada do prémio Edu...

bibliografia abrantina (...

CMA ataca História de Abr...

Graça Pereira e a genealo...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds