Terça-feira, 20.02.18
Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Bolas nem na quadra natalícia trégua nos dão!

Os Municipais ,através do douto Vereador da Cultura, querem mandar o Espalha-Fitas, o cine-clube abrantino, do centro da cidade, ou seja do cinéfilo São Pedro (onde cresce o musgo na pala da entrada, é mister do gerente das Iniciativas, dr. Luís  Moura Neves Fernandes ralhar com a CMA) para o cu de judas ou seja para o Vale das Rãs, pró Millenium, um sítio que estava sempre a ser assaltado pela ciganagem e afins, onde o Sr.José de Almeida é agora feliz concessionário, depois de atribulada candidatura, que falhou no concurso público..

 

s.pedro.png

 

 Terminar as sessões de cinema no centro da cidade é dar mais um passo para assassinar o centro histórico, entregue cada vez mais à insegurança e ao vazio.

 

Manifestamos a nossa solidariedade a todo o colectivo de voluntários que mantêm a sétima arte viva no centro de Abrantes.

s.pedro.jpg

E condenamos naturalmente o ajuste directo, como  é nosso timbre e larga tradição.

a redacção

imagem:igogo

 

 

publicado por porabrantes às 21:51 | link do post | comentar


publicado por porabrantes às 12:14 | link do post | comentar

Sábado, 04.02.17

avelino_2.png

 Por volta de 1998, o Dr.Avelino queria construir uma casa nas Mouriscas e a CMA, liderada por Nelson Carvalho não o deixava. O Dr.Manana foi aos tribunais, até ao Supremo e ganhou.

A disposição aprovada pela tropa do PS, comandada pelo tal Carvalho era ilegal

nelson sócrates esquerda.jpg

 Esperemos que o Carvalho tenha pelo menos pedido desculpa ao ilustre Vereador da CDU

 

 

Assunto:

Licença de Construção. PDM de Abrantes. Construção em espaço agro-florestal. Construção para residência.

Doutrina que dimana da decisão:

1 - Tendo sido pedida uma licença de construção de moradia a implantar numa área de 2.600 m2 de terreno situado no espaço agro-florestal definido pelo PDM de Abrantes, não pode o pedido ser indeferido por violação do n.º 4 do artigo 26.º daquele PDM que se refere à possibilidade de construir em terrenos com a área da unidade mínima de cultura (4 hectares na região).

2 - Tal pedido deve ser apreciado com base na disposição do n.º 1 do mesmo artigo 26.º do PDM no âmbito do qual pode ser autorizada a construção se se verificarem os requisitos ali consignados.

Recurso n.º 43 858. Recorrente: Avelino Manuel da Conceição Manana; Recorrida: Câmara Municipal de Abrantes; Relator: Exmo. Cons.º Dr. Adelino Lopes.

Acordam na 1.ª Secção do Supremo Tribunal Administrativo (STA):

Avelino Manuel da Conceição Manana e mulher, Maria Helena Pereira Leonardo, identificados nos autos, interpõem o presente recurso jurisdicional da sentença do Tribunal Administrativo do Círculo de Coimbra que negou provimento ao recurso contencioso que haviam interposto da deliberação da Câmara Municipal de Abrantes que lhes indeferiu o pedido de licenciamento de construção de uma moradia.

Alegam e concluem do seguinte modo (conforme cópia das conclusões da sua alegação que se seguem):

CONCLUINDO:

1.º A douta decisão recorrida parte de dois falsos argumentos;

2º) O primeiro seria o de que seriam diferentes as hipóteses normativas do n.º 1 e do n.º 3 do artigo 26º do PDM, prevendo-se neste último a "construção isolada em edifício único", enquanto que naqueloutro se visaria a construção de outras obras, aliás referidas no n.º 4, tais como empreendimentos turísticos ou um conjunto residencial;

3º) Porém, a simples análise e cotejo dos diversos números em que se desdobra o citado artigo 26º, aliada aos claríssimos termos dos respectivos n.os 1 e 3, reportando-se, de resto, este último às "áreas de que trata o presente artigo" - permitindo demonstrar o infundado desse argumento, revela que o n.º 1 contém uma norma essencialmente programática, em cujo âmbito cabe, necessariamente, todo o tipo de construção a efectuar no dito espaço agro-florestal, constituindo o n.º 3 um desenvolvimento do princípio além plasmado;

4º) O segundo argumento em que se arrima a douta sentença recorrida traduz-se na consideração de que a exigência, posta em geral pelo n.º 3 do artigo 26º, aludido, de uma área de implantação igual ou superior à definida para a unidade de cultura, para as construções a edificar no espaço agro-florestal - de que tal exigência deixaria de se justificar na hipótese da alínea a) do n.º 4 do mesmo artigo 26º, pois que a operação de destaque que, aí contemplada, salvaguardaria os interesses subjacentes à mesma - donde dever excluir-se a lacuna de colisão entre os preceitos do n.º 3 e da al. a) do n.º 4, pelos Recorrentes apontada;

5º) Tal argumento, ressalvado sempre o devido respeito, mostra-se igualmente improcedente, porquanto os interesses subjacentes ao destaque se relacionam com a proibição do fraccionamento de prédios rústicos, em termos de resultar daí uma área inferior à unidade de cultura, por um lado; e, por outro, na vinculação a fim habitacional, no caso de destaque de prédio situado fora do aglomerado urbano - para além dos interesses relacionados com a dotação de infra-estruturas, que estão na base de todo o regime jurídico dos loteamentos urbanos - enquanto que, na hipótese do n.º 3, começando por não haver fraccionamento de prédio, se contemplam e se permitem construções destinadas a fim diverso da habitação, certo que se trata de situação diferente do destaque, justamente por não ter aí lugar o fraccionamento que este último opera.

6º) O destaque está previsto no n.º 4, al. a) do artigo 26º do PDM, que remete para a lei geral, prescindindo-se aí da exigência de uma área de implantação do novo edifício igual ou superior à definida para a unidade mínima de cultura;

7º) O respectivo preceito conflitua, pois, directamente com a regra do n.º 3 do dito artigo 26º, que impõe, em geral, esse exigência de área para a implantação de novas construções no espaço agro-florestal;

8º) O Regulamento do Plano Director Municipal de Abrantes encerra uma lacuna de colisão entre a norma do n.º 3 do artigo 26º e a regra do n.º 4, alínea a) desse mesmo artigo;

9º) Com efeito, enquanto a primeira exige uma área de implantação de novos edifícios, em espaço agro-florestal, igual (ou superior) à definida pela unidade mínima de cultura - esta última dispensa semelhante requisito;

10º) A ratio de tal exigência traduz-se na pura irracionalidade de se permitirem 8 (oito) edificações em 4 hectares de terreno de regadio hortícola, de maior produtividade e rendimento (unidade de cultura: 0,5 ha) - contra apenas 1 (uma) edificação em terreno de sequeiro (unidade de cultura: 4 ha); e 2 (duas) edificações em terreno de cultura arvense de regadio (unidade de cultura: 2 ha);

11º) A área de implantação, igual à unidade de cultura, implica por outro lado, que o terreno agro-florestal sobrante após a construção fique com uma área inferior à da unidade de cultura,

12º) Uma vez que, nesse caso, não tendo lugar o destaque, não tem cabimento a exigência de que a parte sobrante mantenha uma área mínima não inferior à unidade de cultura;

13º) Não sofre dúvida que a aplicação do critério do n.º 3 do artigo 10.º do Cód. Civil conduz à interpretação revogatória do preceito espúrio do n.º 3 do artigo 26º do Regulamento do PDM, pelas consequências aberrantes a que a sua aplicação conduz, bem reveladoras de que o espírito de preservação da utilização agrícola do espaço agro-florestal, que lhe preside, é pura e simplesmente traído pela sua letra, corrompido pela sua aplicação, e subvertido pelos efeitos práticos que inevitavelmente acarreta;

14º) O acto recorrido violou o n.º 1 do artigo 26º do Regulamento do Plano Director Municipal, do mesmo passo infringindo o artigo 17º, n.º 1, do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, e o artigo 3º, n.º 1, do Código do Procedimento Administrativo, sendo anulável nos termos do artigo 135º deste último diploma, posto que se mostra inquinado de vício de violação de lei, regulamento ou contrato administrativo,

15º) Deve, por conseguinte, revogar-se a douta decisão recorrida, substituindo-a por não menos douto acórdão que anule a deliberação impugnada

Termos em que deve conceder-se provimento ao recurso, para se fazer a costumada justiça.

A Autoridade recorrida não contra-alegou.

O Exmo. Magistrado do Ministério Público emitiu douto parecer dizendo que conforme parecer emitido pelo M.ºP.º no TAC (cfr. fls. 64) a sentença recorrida não merece censura, daí que o recurso jurisdicional deva ser improvido.

Colhidos os vistos legais, cumpre decidir

Conforme a sentença recorrida mostram-se provados os seguintes factos que não mereceram contestação:

1. Os recorrentes apresentaram na Câmara Municipal de Abrantes, em 30.07.96, um pedido de licenciamento de construção de uma moradia a implantar num prédio rústico de que são donos, sito em Mouriscas, concelho de Abrantes, com a área de 2.600 m2.

2. Esse pedido foi indeferido, e mantido o indeferimento após reclamação, por a pretensão não cumprir com o disposto no artigo 26º, n.os 1 e 3 do Reg. do PDM.

Dizem os recorrentes que as normas dos n.os 3 e 4 do artigo 26.º do Reg. do PDM de Abrantes conflituam entre si e que os critérios de aplicação daquelas normas deve conduzir a uma interpretação revogatória do n.º 3 do artigo 26.º, mostrando-se violados pelo despacho recorrido as normas do n.º 1 daquele preceito, a par do n.º 1 do artigo 17º do DL 445/91, de 20 de Novembro e o artigo 3.º, n.º 1 do CPA.

Vejamos:

O artigo 26.º do Regulamento do PDM de Abrantes em causa diz o seguinte:

1 - No espaço agro-florestal poderá ser autorizada a alteração do uso do solo para fins não agrícolas, nomeadamente residência, comércio indústria e turismo, em situações pontuais apoiadas em vias existentes, ou concentradas em novos aglomerados, quando tais pretensões não possam ser satisfeitas pela oferta prevista de solo urbano.

2 - (...)

3 - Nas áreas de que trata o presente artigo poderão ser autorizadas construções isoladas, em edifício único, até dois pisos, para habitação, ou comércio e indústria que, pelo seu sistema de produção, esteja dependente da localização da matéria-prima, a edificar em área igual ou superior à definida pela unidade mínima de cultura.

4 - Para além dos casos previstos no número anterior, a construção isolada ou os empreendimentos só podem ser autorizados:

a) Através de operações de destaque, nos termos do disposto na legislação em vigor;

b) ...

Como diz o Município de Abrantes nas suas alegações produzidas no tribunal recorrido, não se vêem quaisquer normas contraditórias entre si no artigo 26º, n.º 1, 3 e 4 do PDM, sendo certo que, em conformidade com o despacho de indeferimento recorrido, a norma do n.º 4 não foi aplicada.

O critério enunciado no n.º 1 daquele artigo estabelece como requisitos para ser autorizada a alteração do uso do solo para fins não agrícolas, nomeadamente residência: que se trate de situações pon-tuais apoiadas em vias existentes ou concentradas em novos aglomerados, e que as pretensões de construção apoiadas naqueles requisitos, não possam ser satisfeitas pela oferta prevista de solo urbano.

O critério estabelecido no n.º 3 dispensa todos os requisitos do n.º 1, apenas exigindo que as construções ali previstas, sejam edificadas em área igual ou superior à definida pela unidade mínima de cultura (no caso de 4 hectares como vem indicado sem contestação).

Como o terreno em que os recorrentes pretendem construir a sua habitação não tem a área da unidade mínima de cultura, não é aplicável o n.º 3 do artigo 26º do Reg. PDM, pelo que não se compreende a deliberação camarária que indefere o pedido por violação daquela norma, que nem sequer fora invocada no pedido de licenciamento formulado pelos recorrentes e que não tem nada a ver com tal pedido.

A norma do n.º 1, contrariamente ao decidido na sentença impugnada, e conforme a entidade recorrida, correctamente, admite na sua alegação apresentada no TAC, permite que os recorrentes construam a sua residência no terreno indicado se estiverem reunidas as condições ali previstas.

A informação de fls. 2 do processo instrutor parece indicar que pelo menos algumas dessas condições estarão reunidas, admitindo, como ali parece dizer-se, que a área de implantação da construção se situa no espaço agro-florestal, fora do P.U.

A deliberação de indeferimento baseando-se na violação do n.º 3 do artigo 26 do Reg. do PDM não tem qualquer relação com o pedido, pois este era para construir em prédio com área indicada muito inferior à que ali se exige.

A conformidade do pedido com a norma do n.º 1 do artigo 26º do Reg. do PDM de Abrantes não parece ter sido apreciada pela Câmara Municipal de Abrantes, pelo que a deliberação de indeferimento não pode manter-se por falta de fundamento legal, e por violação do artigo 17º do DL 445/91 que manda apreciar os pedidos em conformidade com as normas legais e regulamentares em vigor.

À mesma conclusão se tem que chegar se se entender que a Câmara Municipal interpretou as normas dos n.os 1 e 3 do artigo 26º do Reg. do PDM, em conformidade com o parecer de fls. 39 e seg. dos autos, que fundamentou a manutenção do indeferimento após reclamação dos recorridos, e as aplicou ao caso nos termos da interpretação ali consignada, a qual, conforme vem exposto, não é minimamente sufragável, ocorrendo violação dessas normas por errada interpretação delas.

Assim, não tendo a sentença recorrida feito boa interpretação das normas legais aplicáveis ao caso, e não tendo a Câmara Municipal de Abrantes apreciado o pedido de licenciamento à luz de uma correcta interpretação de tais normas e regulamentos conforme manda o artigo 17º do DL 445/91, de 20 de Novembro, procedem, nesta parte, as conclusões do recorrente.

Nos termos expostos, acordam em dar provimento ao recurso jurisdicional e conceder também provimento ao recurso contencioso e, consequentemente, em revogar a sentença recorrida e anular a deliberação impugnada da Câmara Municipal de Abrantes de 30.12.96, que indefere o pedido de licenciamento formulado pelos recorrentes.

Sem custas.

Lisboa, 13 de Outubro de 1998. - Adelino Lopes (Relator) - Rosendo Dias José - Manuel Ferreira Neto. - Fui presente, Cabral Tavares.

 

 

Moral da História; O PDM de Abrantes era uma merda e havia uma deliberada política da autarquia de dificultar a construção em meio rural.

 ma



publicado por porabrantes às 15:32 | link do post | comentar

Segunda-feira, 06.06.16

avelino_2.png

O Sr Dr. Avelino Manana e a Senhora Drª Elza Vitório

elza vitório psd.png

 votaram hoje contra a venda das piscinas velhas ao inquilino do Hotel Turismo, a Star Hotéis ou lá como se chama.

O vereador da CDU sublinhou que anteriores vendas a preços da chuva deram mau resultado.

A vereadora laranja sublinhou que a empresa compradora não era de confiança.

A Presidente disse umas desculpas, que desmontaremos, com o maior gosto.

Naturalmente é de elogiar a postura da Esquerda e da Direita contra a delapidação do património público, por parte do Centrão.

mn



publicado por porabrantes às 22:11 | link do post | comentar

Sexta-feira, 27.05.16

cdu.png

A crítica é  certeira. Mas teria sido mais eficaz que a coligação de esquerda tentasse averiguar quem são os empresários  da construção civil que passam a mandar na Galeria ou seja a  MGRF – Imobiliário e Consultoria de Gestão, LDA, desenvolvesse as razões do fracasso da política cultural encenada nesse recinto, que  pode ser atribuída ao Vereador Luís Dias em especial e à maioria em geral (o mesmo Vereador e a mesma maioria que proibiram o cinema no S.Pedro, para nos obrigar a ver cinema num espaço comercial, a não ser aos resistentes que continuam a ir ao Senhor Chiado) e ainda se a deliberação é legal.

E que se responsabilizasse quem fez umas obras que fazem com que a Galeria não tenha as condições adequadas.

De qualquer forma o voto contra do dr. Manana foi a posição correcta.

ma



publicado por porabrantes às 07:55 | link do post | comentar

Terça-feira, 26.01.16

Segundo apurámos a CMA adiantou umas massas à Junta das Mouriscas (CDU) que coitadinha, devia estar com a corda ao pescoço.

As notícias aparecem sempre onde menos se espera.

Estava-se em busca da crise de relações entre a municipalizada Protejo e a associação ambientalista SOS Tejo, que é na verdade independente e não pactua com travessões...

Ao contrário do sr, dr. Avelino Manana

manana.png

que é muito doce com a Pegop, embora menos que a Julinha o é em relação à ALTRI, a dona da poluente CElTEJO.,

De forma que a Junta das Mouriscas pediu que lhe adiantassem uns tostões

pcp 2.png

O mal que tem é que a política de boas relações, obriga a concessões.

E fazer concessões é o caminho do reformismo, diria Mário Semedo ao Augusto Mateus, antes do Mateus achar mais o Nuno Teotónio Pereira, que cair no putchismo era a via correcta pró 25 de Abril Vermelho.

 

Como sustentava o Mário (e o Jorge Sampaio) não se vendem os princípios em troca de 4 G-3 vindas da sucata de Santa Margarida, para se armarem em Ches Guevaras dos subúrbios.

 

A emancipação dos trabalhadores é obra dos próprios trabalhadores, dizia Marx, e não obra do Senhor Padre Edgar. 

 

Há outras notícias das Mouriscas, estamos atrás delas.

 

Mas amanhã falaremos das escavações em S.Domingos

 

mn

 

o erro nas habilitações do dr. Manana é da CMA, ele é médico

.

 



publicado por porabrantes às 19:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 31.07.15

 

eucaliptos.png

O assunto dos eucaliptos voltou à agenda política local com a maioria PS a viabilizar todas as plantações e a oposição a criticar.

A eucaliptização desenfreada do território abrantino continua, com os impactos negativos conhecidos e só serve os interesses das celuloses.

Transcreve-se parte do diálogo de surdos na sessão municipal, com a Presidente a arranjar pretextos para se eximir a dar a opinião da CMA, exigida por lei, com o argumento falso de que  as autarquias só têm competências florestais no domínio da protecção civil.

 

Remete-se a cacique e os serviços jurídicos, que a aconselham mal, para este decreto

 

A câmara tem de  ter meios técnicos e humanos para fiscalizar essas actividades, porque se trata duma competência própria dos municípios.

eucaliptos 2.png

E se não tiver (no caso abrantino aparentemente por opção política de favorecer a eucaliptização e ainda de abandonar o mundo rural à sua sorte, fomentando a desertificação) pedirá parecer à administração central.

 

Aquilo que é inadmissível é andar a passar sistematicamente licenças para eucaliptizar, sem inspeccionar o terreno in loco.

 

Quem é que nos garante que os terrenos a eucaliptizar não foram antes montado de sobro ou azinho, onde está  proibido plantar eucaliptos??? 

 

''

Quais as restrições à florestação e reflorestação com espécies de rápido crescimento?

As espécies de rápido crescimento, concretamente as do género Eucalyptus, Acacia e Populus, estão sujeitas a restrições de uso e ocupação, devendo cumprir as condições definidas na Portaria n.º 528/89, de 11 de Julho, nomeadamente:
– Não é permitido reconverter povoamentos de sobreiro e azinheira em povoamentos de eucaliptos e choupos;
– Em áreas ardidas, a substituição de povoamentos de outras espécies por povoamentos de eucaliptos ou choupos deve ser autorizada pela Autoridade Florestal Nacional;
– É proibido mobilizar o solo segundo as linhas de maior declive e é proibido mobilizar o solo a menos de 30 metros de linhas de água;

 

devida vénia à Câmara da Batalha

 

 Só duas notas, a CMA está sistematicamente a invadir a competência da administração central (caso da saúde ou da arqueologia) gastando rios de dinheiro, em assuntos que não são da sua conta.

E sistematicamente está a arranjar pretextos para não assumir as suas competências naquilo que é a sua esfera administrativa, como o é a gestão da paisagem rural.

 

E as desculpas são iguais ao caso da Farmácia da Bemposta, não gastar um tostão nas freguesias rurais e no campo e concentrar tudo no cabeço, abandonando incluindo Vilas como o Tramagal onde o plano estratégico não prevê quase investir um cêntimo.

 

Abandonar o território rural é um crime e uma enorme irresponsabilidade.

 

mn 

 

naturalmente Elza Vitório e Avelino Manana têm toda a razão neste assunto  

 

eucaliptos tramagal.jpg

área de eucaliptos à volta do Tramagal, imagem ''roubada'' ao Tó Zé Carvalho



publicado por porabrantes às 20:55 | link do post | comentar

Segunda-feira, 01.06.15

Como é do conhecimento público o Vereador dr. Manana (CDU) votou contra a eucaliptização no Brunheirinho.

Contudo a acta diz que se absteve:

acta 1.png

E no entanto na declaração de voto, o Vereador comunista diz que vota contra

acta 2.png

E a cena volta a repetir-se noutra votação...

 

Outra cena marada com a maioria a apresentar proposta de dar um subsídio de 11.000 à Associação Ar Livre e ficamos a saber que é a CMA que paga tudo e não sabe qual o retorno em termos financeiros que os comerciantes conseguiram receber com as festas maradas

acta 3.png

Bem, os 11.000 € são melhor gastos que..... aquilo  que foi dispendido, por uma municipalidade vizinha, num guia de vinhos e petiscos adjudicado a uma firma abrantina de certo idoso.

 

Abstiveram-se os Vereadores do PSD e CDU.

 

Há mais coisas interessantes que deixo para outro colaborador

ma 

   



publicado por porabrantes às 18:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 24.04.15

Transcreve-se a posição da CDU sobre o massacre no Tejo:

 

''

Declaração da CDU acerca do grave acidente ecológico ocorrido
no açude do Aquapolis

O Tejo é um bem precioso para o equilíbrio do nosso meio ambiente, bem como pelo seu valor económico para a região.

...

O açude, construído no Áqua Polis foi projetado para ser destinado à fruição da população das suas margens e dos nossos visitantes, bem como constituir-se polo importante de turismo e é suposto que, no seu projeto, está salvaguardado que o seu impacto ambiental seja o menor possível.

Nos últimos tempos, têm sido noticiadas alterações importantes do caudal do Tejo, bem como alterações do seu aspeto.

A Câmara Municipal informou que têm sido tomadas posições ao nível da CIMT.

No dia 3 de Abril ocorreu um acidente ecológico grave no açude , que teve como consequência a morte de milhares de peixes.

A CDU é de opinião que a Câmara Municipal deve desenvolver todas as ações que estiverem ao seu alcance – tendo já sido anunciado um pedido de reunião urgente com o Ministro da tutela – mobilizando entidades da tutela , bem como individualidades com saber sobre estas questões, de modo a que se esclareçam rapidamente e em profundidade as razões deste acidente, para assim poderem ser tomadas as medidas necessárias para que tal não volte a acontecer.

A CDU tudo fará para ajudar a esclarecer, o mais rapidamente possível e na sua totalidade, as origens deste acidente, de forma a que sejam tomadas as medidas adequadas para que tal não volte a acontecer.

Abrantes, 21 de Abril de 2015

O vereador da CDU''

 

Face a isto, deixa-se este comentário: a própria Presidente declarou que não está a ser feita a monitorização dos peixes no mata-peixe e que ela nunca foi instalada. A CDU não descobriu isso ou pactua com isso.

Como a CDU de Constância pactua com a poluição da CAIMA e as explosões onde morrem operários.

A CDU de Abrantes caminha para ser uma filial do PS.......

E através desse caminho cava a sua sepultura.

Chegará a hora do Dr.Avelino Manana ser substituído por um Vereador do Bloco e espero que se chame Armindo Silveira.

 

MA 



publicado por porabrantes às 17:21 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.11.14

pcp avante.jpg

 O Avante, boletim do proletariado, ou melhor da vanguarda da classe operária, ou seja do PCP, arrasa PS

 

Haverá o Avante na biblioteca António Botto?

Se não há vamos solicitar ao sr. dr. Avelino Manana que ofereça uma assinatura à biblioteca, As massas devem educar-se

 

As ma$$as sobre que responde o ex-secretário geral do PS, e já agora sócio fundador da JSD da Covilhã são diferentes.

 

Como diria Vladimir Ilitch Ulianov ''amor com amor se paga.''

 

gnr sócrates spare.png

 spare- a gnr tomando medidas preventivas inauguração do açude

ma

 



publicado por porabrantes às 14:12 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.07.14

 

Acta CMA 1 de Julho de 2014

 

Em vez de reflectirem nas críticas fundamentadas do prestigiado médico abrantino sobre a ilegalidade do processo:

 

designadamente  sobre as perguntas feitas sobre matéria privada, pela instrutora, que segundo o Dr.Avelino são proibidas por lei

 

 

designadamente haver no processo afirmações ''pouco correctas'' e haver dúvidas acerca do apelido da D.Teresa

 

face a estas questões é evidente que o processo devia ter sido retirado para ser melhor estudado, dado que não estava presente quem propunha a sanção ou seja a cacique

 

e eventualmente, se o Dr.Avelino tem razão sobre se se fizeram perguntas proibidas por lei, convinha abrir processo disciplinar à instrutora

 

ma    



publicado por porabrantes às 19:00 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A ''prevaricação'' do con...

O Processo do Dr.Avelino ...

Direita e Esquerda unidas...

CDU denuncia privatização...

CMA adianta massas à Junt...

O eucaliptal à abrantina

Associação onde os sócios...

CDU parece o PS de Abrant...

Jornal da classe operária...

Dr. Avelino Manana contes...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds