Sábado, 31.07.21

Depois dos vândalos destruirem a estátua do bandeirante Borba Gato, chegou a resposta dos bolsonaristas, imagem Folha de S.Paulo.

E se deixassem as estátuas em paz?

 

Puede ser una imagen de 2 personas y texto que dice "RIo RIoTo ESCADÃO MARIELL FRANCI Mu eigente mulke filkes pra Sobre a imagem da vereadora assassinada foi escrito "Viva Borba Gato"" 


tags:

publicado por porabrantes às 20:04 | link do post | comentar

Domingo, 28.03.21

O judeu abrantino, Miguel Francês (apelido duma prestigiada família marrana local) deve ter sido o mais prodigioso delator premiado, cá do burgo.

Residia em Pernambuco, em pleno século XVII, quando a cidade brasileira estava nas mãos dos holandeses e em geral a comunidade judia se aliou aos invasores calvinistas.

Colocando ao seu serviço as redes comerciais que dominavam, como o tráfico de escravos de Angola para as costas brasileiras.

Miguel Francês, comerciante afamado, permaneceu fiel aos interesses lusos e ao mesmo tempo delatou à Inquisição, os seus irmãos de fé.

Delatou 130, 33 residentes em Amsterdão,  57 em Hamburgo e 33 na colónia americana. (1)

Caçado num processo inquisitorial, foi bem tratado, transportado para Lisboa, e depois de se penitenciar, posto em liberdade e regressou a Pernambuco.

Ao contrário do habitual, os seus bens ficaram incólumes ao confisco inquisitorial.

Morreu como o homem mais rico lá da terra, no Recife.

Saíra de Portugal, rumo a Amesterdão, onde judaizara, fora baptizado como católico em Abrantes. 

O Poder tratou sempre bem os delatores......

ma

(1) Bibliografia citada 

(Bibliografia :Regina de Carvalho Ribeiro da Costa, ''Disjuntivas judaicas no contexto do Brasil Holandês, entre a Fé e o Interesse'' ,Revista Contraponto, Janeiro/Junho, 2020)



publicado por porabrantes às 19:39 | link do post | comentar

Sexta-feira, 19.03.21

bolsonaro folha de s.paulo.jpg

A riqueza dum idioma na pena duma jornalista brasuca para classificar o caudilho. Na Folha de S.Paulo. Gamado ao Emb. Seixas da Costa.

Broxável:  Quando alguém apresenta corpo-mole, desânimo para realizar ou fazer algo;

Parecido, só um artigo de António Barreto injuriando um Ministro da Cultura.

Quem quiser estudar a língua tem pano para mangas e quem desejar qualificar políticos/as locais e nacionais tem aqui injúrias aos pontapés para aplicar.

ma


tags:

publicado por porabrantes às 08:35 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 17.03.21

A expulsão de Abrantes dum professor primário (1849)

É uma honra para mim que tenha chegado à cidade de Abrantes a minha tese, tendo sido lida por cidadãos desse município, tão bonito e tão interessante de Portugal. Escrevi essa tese com carinho e meu sonho era o de que ela fosse lida para além dos muros da universidade. E foi assim em Abrantes! Fiquei feliz. Carlota Boto

De  a 17 de Março de 2021 às 18:29
Cara Carlota:
Muito obrigado pelo seu simpático comentário. Nós é que agradecemos a sua atenção à história de Portugal e a sua brilhante tese.
Cumprimentos
MN

tags:

publicado por porabrantes às 18:30 | link do post | comentar

Domingo, 07.03.21

Gilberto Freyre, Diário de Pernambuco, 17 de junho de 1938

 

Um repórter me perguntou anteontem o que eu achava das “admiráveis performances brasileiras nos campos de Strasburgo e Bordeaux.”

Respondi ao repórter – que depois inventou ter conversado comigo em plena praça pública, entre solavancos da multidão patriótica na própria tarde da vitória dos brasileiros contra os tchecoslovacos – que uma das condições dos nossos triunfos, este ano, me parecia a coragem, que afinal tiveramos completa, de mandar à Europa um team fortemente afro-brasileiro. Brancos, alguns, é certo; mas um grande número de pretalhões bem brasileiros e mulatos ainda mais brasileiros.

Porque a escolha de jogadores brasileiros para os encontros internacionais andou por algum tempo obedecendo ao mesmo critério do Barão de Rio Branco quando senhor-todo-poderoso do Itamaraty: nada de pretos nem de mulatos chapados; só brancos ou então mulatos tão claros que parecessem brancos ou, quando muito caboclos, deviam ser enviados ao estrangeiro. Mulatos do tipo do ilustre Domício da Gama a quem o Eça de Queiroz costumava chamar, na intimidade, de “mulato cor-de-rosa”.

Morto Rio Branco, desaparecia o critério anti-brasileiro do Brasil se fingir de República de arianos perante os estrangeiros distantes que só nos conhecessem através de ministros ruivos ou de secretários de legação de olhos azuis. E de tal modo desaparecia o falso e injusto critério da seleção de louros que o próprio Barão seria substituído por mulatos ilustres – um deles o grande brasileiro que foi Nilo Peçanha.

Nilo Peçanha… Assistindo também anteontem à fita que reproduz o jogo dos brasileiros contra os poloneses, foi de quem me lembrei – de Nilo Peçanha. Porque o nosso estilo de foot-ball lembra seu estilo político.

O nosso estilo de jogar foot-ball me parece contrastar com o dos europeus por um conjunto de qualidades de surpresa, de manha, de astúcia, de ligeireza e ao mesmo tempo de espontaneidade individual em que se exprime o mesmo mulatismo de que Nilo Peçanha foi até hoje a melhor afirmação na arte política.

Os nossos passes, os nossos pitu’s, os nossos despistamentos, os nossos floreios com a bola, o alguma coisa de dança e de capoeiragem que marca o estilo brasileiro de jogar foot-ball, que arredonda e adoça o jogo inventado pelos ingleses e por eles e por outros europeus jogado tão angulosamente, tudo isso parece exprimir de modo interessantíssimo para os psicólogos e os sociólogos o mulatismo flamboyant e ao mesmo tempo malandro que está hoje em tudo que é afirmação verdadeira do Brasil.

Acaba de se definir de maneira inconfundível um estilo brasileiro de foot-ball; e esse estilo é mais uma expressão do nosso mulatismo ágil em assimilar, dominar, amolecer em dança, em curvas ou em músicas técnicas européias ou norte-americanas mais angulosas para o nosso gosto: sejam alas de jogo ou de arquitetura. Porque é um mulatismo, o nosso – psicologicamente, ser brasileiro é ser mulato – inimigo do formalismo apolíneo – para usarmos com alguma pedanteria a classificação de Spengler – e dionisíaco a seu jeito – o grande jeitão mulato. Inimigo do formalismo apolíneo e amigo das variações; deliciando-se em manhas moleironas, mineiras a que se sucedem surpresas de agilidade. A arte do songa-monga.

Uma arte que não se abandona nunca à disciplina do método científico mas procura reunir ao suficiente de combinação de esforços e de efeitos em massa a liberdade para a variação, para o floreio, para o improviso. Até mesmo a liberdade para a ostentação ou para a exibição do talento individual num jogo de que os europeus têm procurado eliminar quase todo o floreio artístico, quase toda a variação individual, quase toda a espontaneidade pessoal para acentuar a beleza dos efeitos geométricos e a pureza de técnica científica. Sente-se nesse contraste o choque do mulatismo brasileiro com o arianismo europeu. É claro que mulatismo e arianismo são considerados não como expressões étnicas mas como expressões psico-sociais condicionadas por influências de tempo e de espaço sociais.

O contraste pode ser alongado: o nosso foot-ball mulato, com seus floreios artísticos, cuja eficiência – menos na defesa do que no ataque – ficou demonstrada brilhantemente nos encontros deste ano com os poloneses e os tchecoslovacos é uma expressão de nossa formação social democrática como nenhuma.

Rebelde a excessos de ordenação interna e externa; a excessos de uniformização, de standartização; a totalitarismos que façam desaparecer a variação individual ou espontaneidade pessoal.

No foot-ball, como na política, o mulatismo brasileiro se faz marcar por um gosto de flexão, de surpresa, de floreio que lembra passos de dança e de capoeiragem. Mas sobretudo de dança. Dança dionisíaca. Dança que permita o improviso, a diversidade, a espontaneidade individual. Dança lírica.

Enquanto o foot-ball europeu é uma expressão apolínea – no sentido spengleriano – de método científico e de esporte socialista em que a pessoa humana resulta mecanizada e subordinada ao todo – o brasileiro é uma forma de dança, em que a pessoa humana se destaca e brilha.

O mulato brasileiro deseuropeisou o foot-ball dando-lhe curvas, arredondados e graças de dança. Foi precisamente o que sentiu o cronista europeu que chamou aos jogadores brasileiros de “bailarinos da bola”. Nós dançamos com a bola.

Havelock Ellis – que o meu amigo Agrippino Grieco não sei porque supõe um simples Mantegazza inglês, quando Ellis é, na verdade, um dos pensadores mais lúcidos e um dos humanistas mais completos do nosso tempo – se visse o team brasileiro jogar foot-ball acrescentaria talvez um capítulo ao seu ensaio magnífico sobre a dança e a vida.

O estilo mulato, afro-brasileiro, de foot-ball é uma forma de dança dionisíaca.”

título cá da casa, é um gozo ler um grande prosador como Gilberto Freire


tags:

publicado por porabrantes às 15:33 | link do post | comentar

Domingo, 31.01.21

urna-de-sebastiao-xavier.jpg

Na catedral de São Pedro,  em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, está o túmulo de Sebastião Xavier da Veiga Cabral da Câmara que foi Governador de Abrantes e um homem muito importante na Governação do Sul do Brasil e no estudo e  defesa das fronteiras.

De Abrantes dedicou a D.Pedro II a '' Representação estudiosa e util para as Magestades, grandeza e vassallos de Portugal'' em 20 de Novembro de 1711 onde dá conselhos à Coroa como defender  e povoar a colónia de Sacramento, no actual Uruguai contra espanhóis, guaranis e jesuítas.

Luis Ferrand de Almeida neste texto e na sua tese de doutoramento estudou o assunto com sabedoria, salientando a importância do documento datado da vila abrantina.

A única edição parece ser esta

sebastiao da veiga cabral.png

Aquilo que Veiga Cabral recomendava, ''tratar dos jesuítas'' e da sua ''má'' influência sobre os indíos guaranis, que tinham aldeado na célebres ''reducciones'' foi posto em prática por Pombal e pelos espanhóis, que numa operação militar conjunta massacram os índios e os padres da Companhia.

Como é sabido um célebre filme retratou esta miserável operação colonial ibérica.

bib: A Colónia do Sacramento nos princípios do século XVIII: (uma fonte importante para o seu estudo), Almeida, Luís Ferrand de, Publicado por: Imprensa da Universidade de Coimbra
URL
persistente: http://hdl.handle.net/10316.2/46644
DOI: https://doi.org/10.14195/0870-4147_16_22

ver aqui mapas traçados por Veiga Cabral  

 



publicado por porabrantes às 21:14 | link do post | comentar

Terça-feira, 18.08.20

Uma miúda de 10 anos foi estrupada pelo tio e engravidou. Um tribunal ordenou que abortasse para proteger a criança. O Governo pela voz do Vice, General Mourão defende a justiça e bem. Os fanáticos católicos tentaram impedir a intervenção médica. 

E a pia Comissão Episcopal queria que a menina de 10 anos desse à luz.

Estes fanáticos Bispos deixam Bolsonaro como um moderado. 

ma


tags: ,

publicado por porabrantes às 21:52 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.08.20

VÍDEO: Prefeito de Itajaí anuncia aplicação de ozônio pelo ânus para tratamento da Covid-19 | Revista Fórum

 

Este cara é o prefeito de Itajaí que anunciou o tratamento do Covide, introduzindo ozónio no anús.

Foi no Vale do Itajaí(   capital do nazismo brasileiro)  onde morou a Lurian, que a cacique  e o IPT trouxeram a Abrantes, e fizeram passar como Secretária de Estado do Brasil, quando era mera secretária dum prefeito rural desse Estado.

Os laços tecidos com esta ignara tropa trouxeram a banda municipal local a Abrantes em 2015.

O genro do ''doutor'' Lula foi lá caçado num abjecto caso de corrupção. 

Para completar o quadro só falta o baptizado do netinho da Lurian

E a pergunta vai o cacique do PMDB introduzir ''ozónio'' na bunda da Lurian?

ma



publicado por porabrantes às 08:22 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.06.20

Os vereadores da Várzea Grande pediram a restauração da estátua do Padre Vieira, ex-político federal, conhecido por ser o apóstolo dos burros

 

 

 

Na entrada da cidade
Construíram um monumento
Padre Vieira e um Jegue
Feito de barro e cimento
De modo extraordinário
Para provar que o vigário
É mesmo irmão do jumento

O monumento estar feito
Na entrada da cidade
No gancho das duas pistas
Como prova de amizade
Ao Padre e o jumento
Prestando nesse momento
Merecedora homenagem

O jumento é muito alto
O padre da é mesma altura
Foi Zé Helder quem mandou
Fazer aquela escultura
Formando um documentário
Em homenagem ao vigário
Divulgador da cultura

É na praça do triangulo
Lá no alto do tenente
Padre Vieira e o jegue
Virados para o poente
Tá bonito de se ver
É o tempo de crescer
Da várzea Alegre da gente

O Padre Antonio Vieira
Fez grande divulgação
Dizendo em todo Brasil
Que o jumento é nosso irmão
Não achem ruim se eu negue
Pois não sou irmão de Jegue
Do jeito que vocês são

Eu não sou filho de jega
Pra ser irmão de lopeu
O Padre Vieira era
Pois ele mesmo escreveu
Irmão do jegue eu não sou
Padre Vieira adotou
O jegue como irmão seu

Mas relativo a estátua
Ficou belo o monumento
Não é de carne e de osso
É ferro pedra e cimento
Fizeram com perfeição
O padre passando a mão
Na sarmelha do jumento

Por essa obra tão bela
Queremos agradecer
Ao gestor municipal
Desse tempo de crescer
Por tudo quanto ele fez
Várzea Alegre cada vez
Tá bonita de se ver

Zé Helder está trabalhando
Honrando nossa poeira
Tibúrcio como seu vice
Também ergueu a bandeira
Fazendo aquela homenagem
Perpetuando a imagem
Do Padre Antonio Vieira

Peço desculpas ao povo
Do comentário que fiz
Desculpa ao Jegue porque
Ser seu irmão eu não quis
Quem for irmão do ganjão
Diga Jegue meu irmão
Eu estou muito feliz

Zé Helder muito obrigado
Pelo trabalho que fez
Pois fez um jegue tão grande
Que se dividir dar três
Com o padre forçando o braço
Alisando o espinhaço
Do jegue irmão de vocês

   Poeta Antonio de Freitas


tags:

publicado por porabrantes às 15:57 | link do post | comentar

Estátua a Pedro Álvares Cabral em S.Paulo.

Palavras do Presidente brasuca, Tancredo Neves

 


tags:

publicado por porabrantes às 15:44 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

E se deixassem as estátua...

O mais prodigioso delator...

Manual de insultos para p...

Carta do Brasil

A bola brasileira e os pr...

Veiga Cabral aconselha tr...

Os fanáticos Bispos brasi...

Os amigos da Câmara de Ab...

A estátua do P.António V...

Ensinando indígenas

arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

central do pego

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

valamatos

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12


24
25
26
27
28
29
30

31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds