Sábado, 09.12.17

pd_juromenha2vJoão António de Lemos Pereira de Lacerda, 2.º visconde de Juromenha, foi um grande camoniano. Organizou 7 tomos das Obras Completas de Luís Vaz, precedidas de '' Um ensaio biográfico no qual se relatam alguns factos desconhecidos da sua vida''. O 1º tomo, donde se retira o extracto, saiu na Imprensa Nacional, em 1860. O 7º não chegou a ver o prelo.

Era ele quem mais sabia de Camões no século XIX e quem apurou dados biográficos essenciais do épico.

Para isso não escreveu de cór e foi aos locais.

Adepto da tese que relaciona Punhete com o lugar de exílio do autor dos Lusíadas,visitou Alvega e foi hóspede de D. João de Azevedo Coutinho. 

Deixa-se a saborosa nota da visita

jerumenha

A gravura é do Portugal Dicionário Histórico e no link pode-se ver a biografia deste eminente estudioso das nossas letras.

devida vénia a www.arqnet.pt/

  



publicado por porabrantes às 17:21 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.08.17

Casa Memória de Camões - Projecto de Vitor Consi

 

 

 

 

Roteiro de Camões para Constância

e o turismo de proximidade por discutir

 

O turismo cultural é um dos potenciais eixos do desenvolvimento económico da vila de Constância. Camões (e a sua obra) é, por conseguinte, um nome incontornável!

Nos anos 90 afluíam a Constância participantes nos fóruns camonianos promovidos pelo Centro internacional de Estudos Camonianos, presidido então pelo saudoso amigo Prof Doutor Justino Mendes de Almeida. As iniciativas eram da presidente da Associação da Casa Memória de Camões, a saudosa jornalista e escritora Manuela de Azevedo. À vila ocorriam ciclicamente dezenas de formandos por uma semana.

Não é de hoje que defendo a institucionalização formal do Centro internacional de Estudos Camonianos . O segundo passo deverá ser a criação do roteiro internacional de Camões. Em todas as áreas que requeiram uma organização devem estar presentes os conceitos. O mundo actual já não funciona só com «boas vontades» nem anda ao sabor de iniciativas filantrópicas dispersas que só funcionam porque existe um amigo influente numa determinada área do Estado. Herdámos essa cultura do salazarismo e mantêmo-la, não raro. É o telefonema para o «amigo» ou «amiga» é a cunha. O português funciona com «cunhas».

O turismo tem sido classificado pela organização mundial do trabalho como uma actividade em que existe um deslocamento superior a 24 horas, não motivado por questões laborais. Para o caso de Constância a visão que proponho deve abarcar o turismo de proximidade não restrito: questões económicas e comerciais, mas também as questões motivacionais, culturais e das inter-relações humanas.

É impossível e inviável ser compreendido se expusermos muitas ideias e conceitos de uma só vez. Daí ter seleccionado o roteiro de Camões. Nesta fase inicial de debate de ideias não posso ir mais além. Vou passar aos objectivos gerais que preconizei como essenciais para a criação do roteiro:

- criação de equipas de investigação, a partir de instituições existentes, repartidas por linhas de acção, da responsabilidade de académicos qualificados. Uma dessas linhas deverá passar pela edição crítica de textos camonianos em particular da lírica de Camões que os camonistas reputam para a nossa região. Continuando-se desta feita o trabalho do anterior CIEC.

- A constituição do centro internacional de estudos camonianos em «meeting place», forum permanente, para todos os académicos, formandos que tenham como objectivo o estudo da obra camoniana e da presença contínua do poeta na cultura lusófona. Nem toda a gente passa as férias de barriga para o ar a apanhar sol e a comer e a beber.

- A difusão/divulgação das iniciativas do trabalho do futuro CIEC juntos dos mercados de público-alvo.

A CRIAÇÃO E LANÇAMENTO DO FILME «CAMÕES NO RIBATEJO» ENVOLVENDO OS CONCELHOS DE CONSTÂNCIA E VILA NOVA DA BARQUINHA QUE FORAM OS CENÁRIOS DA OBRA «LUSITÂNIA TRANSFORMADA» EDITADA EM 1608 QUE TEM COMO PERSONAGEM «URBANO» O QUAL ESTÁ IDENTIFICADO COMO CAMÕES PELOS ERUDITOS.

- O apoio protocolado da missão da Associação da Casa Memória de Camões de zelar pelo aprofundamento da relação de Camões com Constância e a região em particular. Uma parceria com o município de Constância, a Associação da Casa Memória de Camões em Constância, os municípios de Vila Nova da Barquinha e de Pedrogão Grande (atenta a relação do poeta com esta última localidade) e com a Universidade de Macau por forma à criaçáo de um «cluster» organizativo. Vivemos numa aldeia global. Investimos hoje para colher frutos amanhã. Não podemos adiar mais o futuro. Temos de nos organizar em rede.

Quem pretende gerir os destinos de um concelho só pode projectar de forma organizada e mediante conceitos. Mas tem de ter ideias e opções que respeitem o património material e imaterial. Ter projectos válidos não é ter um monte de listas e uns textos com generalidades que se podem copiar da internet ou do programa anterior feito pelas comissões políticas. Também defendo que não podemos, de quatro em quatro anos, andar a saltar de lista em lista. E nada discutir profundamente. Só se vive uma vez. Não há muitas oportunidades para recuperar atrasos de monta.

Há um obstáculo sério à realização de qualquer projecto que vise o desenvolvimento do turismo de proximidade. As questões ideológicas. São fatais quando têm na génese a ortodoxia. Posições moderadas, mais democráticas terão de partir sempre da sociedade organizada e de maior abertura.

Post scriptum – Em vez de investir no provimento de dois juristas o município de Constância deveria apostar no provimento de técnicos superiores de turismo, continuando a apostar na figura da avença com um advogado de prestígio e carreira firmada. Sendo uma polémica que está a agitar o debate não político local não quero pronunciar-me sobre a inserção de um jurista recentemente provido em lista camarária elegível. Uma coisa eu sei: o desenvolvimento de Constância não passa pela criação de um pelotão de novéis juristas. A não ser que haja insegurança em tudo o que se faz. Não vou por aí. Não discuto pessoas mas sim ideias e acções.

 

José Luz (Constância)



publicado por porabrantes às 15:47 | link do post | comentar

Terça-feira, 31.01.17

No Malomil, o Sr. António Cirurgião evoca Mário Soares e a cena em que a escritora Manuela de Azevedo lhe pediu ma$$as para a Casa de Camões, em Constância :

 

'' Quando a principal fundadora da Associação, Dona Manuela de Azevedo, aproveitou do seu brinde para pedir ao Presidente da República apoio financeiro para levar a bom termo a reconstrução da Casa-Memória de Camões em Constância, Mário Soares, batendo levemente no ombro de Carlos Melancia, governador de Macau, sentado a seu lado, respondeu prazenteiramente, mais ou menos nestes termos, à digna senhora: - Dinheiro? Precisa de dinheiro? Ó minha senhora, peça-o aqui ao meu amigo Melancia, que ele é Governador de Macau e é muito rico''

 

no Malomil, com a devida vénia

 

ma



publicado por porabrantes às 21:08 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.08.16

mentir.png

Com o maior gosto e a devida vénia reproduz-se este post sobre a quinta da Omnia, hoja ao que nos dizem propriedade da pintora Catarina Castel-Branco e da encenadora de teatro Ana Castel-Branco, filhas do Prof. Duarte Castel-Branco.

a redacção

 

talvez se volte ao assunto



publicado por porabrantes às 20:21 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.06.15

"Luís de Camões"

Tinha uma flauta....
Não tinha mais nada mas tinha uma flauta
Tinha um órgão no sangue uma fonte de música
Tinha uma flauta.

Os outros armavam-se mas ele não:
Tinha uma flauta.
Os outros jogavam perdiam ganhavam
Tinham Madrid e tinham Lisboa
Tinham escravos na índia mas ele não:
Tinha uma flauta.

Tinham navios tinham soldados
Tinham palácios e tinham forcas
Tinham igrejas e tribunais
Mas ele não:
Tinha uma flauta.

Só ele Príncipe.
Dormiam rainhas na cama do rei
Princesas esperavam no Belvedere
Ele tinha uma escrava que morreu no mar.

Morreram escravas as rainhas
Morreram escravas as princesas
Nenhuma teve o seu rei
Para nenhum chegou o Príncipe.
Por isso a única rainha
Foi aquela escrava que morreu no mar:
Só ela teve
O que tinha uma flauta.

Morreram os reis que tinham impérios
Morreram os príncipes que tinham castelos
Mas ele não:
Tinha uma flauta.

De fora vieram reis
Vieram armas de fora
Os príncipes entregaram armas
Ficou sem armas o povo.
As armas de fora venceram
Todas as armas de dentro.
Só não venceram o que não tinha armas:
Tinha uma flauta.

E as vozes de fora mandaram
Calar as vozes de dentro.
Só não puderam calar aquela flauta.
Vieram juízes e cadeias.
Mas a flauta cantava.

Passaram por todas as fronteiras.
Só não puderam passar
Pela fronteira
Daquela flauta.

E quando tudo se perdeu
Ficou a arma do que não tinha armas:
Tinha uma flauta.

Ficou uma flauta que cantava.
E era uma Pátria.

Manuel Alegre

 

ao contrário do que diz, épico, o Manuel, a tradição narra que Luís Vaz tinha um javanês escravizado. Chamava-se Jau e pedia esmola para sustentar o poeta épico. A partir dos 50 devido à falta de testerona os poetas líricos passam a épicos ou a directores de um centro médico, mesmo que estejam reformados e  crivados de dívidas.

mariz.png

 

Luís Vaz pôs o amarelo a render, o poeta reformado meteu o cartão partidário (só solicitado depois de 25 de Novembro de 1975, não fossem os bolcheviques cortarem-lhe as rimas) a render.... 

viveu em tanta pobreza, que se não tivera um jau,
chamado António, que da Índia trouxe, que de noite pedia
esmola para o ajudar a sustentar, não pudera aturar a vida.
Como se viu, tanto que o jau morreu, não durará ele muitos
meses.
                                                           Pedro de Mariz

Luís Vaz escusava de ter metido o  chinoca a pedir esmola, afinal D.Sebastião tinha-lhe dado uma pensão equivalente a um soldo de capitão.

Está visto que a tença não dava para dois.

 

mn


tags: ,

publicado por porabrantes às 11:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 09.08.12

A retrete municipal de Constância à beira rio fica virada para Luís de Camões.

 

 

É um acto notabilíssimo do Presidente e Camarada de Constância que demonstra a sensibilidade da autarquia para o Património, para a Estética,  a Paisagem e para Luís de Camões.

 

foto O Mirante

 

 

Suponho que o Presidente dadas as suas inclinações política terá ido a Moscovo visitar a múmia de Lenine que Putin quer deitar para o lixo, quem sabe para arranjar lugar para meter lá a sua no dia funesto que um nacionalista Tchecheno o crive de metralha em paga por ter arrasado a ferro e fogo Grozny.

 

Há uma retrete monumental em frente disto

 

 

 ????

 

 

 

Também pode acontecer que o Presidente seja católico progressista e devoto mariano. Em Fátima há uma retrete monumental em frente da Capelinha das Aparições????

 

 

 

 

 

 

Mas Luís Vaz, poeta sem dono nem amo, nem sequer em estátua, porque a  escultura parece que não tem proprietário (maravilhas da administração máxima, ò homem, ainda o verei a fazer uma escritura de justificação notarial a dizer que a estátua é do PCP), merece um bunker em frente para que os apertados da tripa possam aliviar-se.

 

 

 

Recorro ao Abade de Jazente, clérigo procaz e de rima fácil, que escreveu isto que outros  dizem ser da pena de Manuel Maria Barbosa du Bocage, igualmente pródigo em destemperos:

 

 

 

Soneto da Dama Cagando 


Cagando estava a dama mais formosa,

E nunca se viu cu de tanta alvura;
Porém o ver cagar a formosura
Mete nojo à vontade mais gulosa!
 
Ela a massa expulsou fedentinosa
Com algum custo, porque estava dura;
Uma carta d'amores de alimpadura
Serviu àquela parte malcheirosa:
 
Ora mandem à moça mais bonita
Um escrito d'amor que lisonjeiro
Afetos move, corações incita:
 
Para o ir ver servir de reposteiro
À porta, onde o fedor, e a trampa habita,
Do sombrio palácio do alcatreiro!

 

 

 

É o que me ocorre, Excelência Autárquica face à obra que a CMC encomendou ao  genro do cavaquista jubilado António Mendes, segundo o Mirante.

 

Numa terra onde a paisagem foi cuidada por Gonçalo Ribeiro Telles, há agora o genro do ex-cacique cavaquista para dar cabo dela.

 

 

Rogo a V.Exa que convide o algarvio para cortar a fita da retrete.

 

E depois dar um abraço ao Mendes.

 

Estão bem um para outro.

 

Marcello de Noronha

 

 



publicado por porabrantes às 09:34 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Visconde de Juromenha vis...

Roteiro de Camões para Co...

Massas para a Casa de Cam...

Camões foi ao Rocio de Ab...

Luís Vaz pôs o indonésio ...

o genro e a retrete

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds