Segunda-feira, 24.12.18

48418181_375342456572068_1286127591714979840_n

 

O filho de Catalina Pestana declara que não se admira que o Governo esteja silencioso, afinal   foi o raríssimo Vieira da Silva que demitiu Catalina Pestana, da Casa Pia, pelas razões que se sabem.

O PR fez-se representar . 

mn



publicado por porabrantes às 19:10 | link do post | comentar

Terça-feira, 07.10.14

A Escola Dr.Manuel Fernandes convidou D.Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, para falar em Abrantes.

 

Pois bem o Cardeal que explique a notícia do ''Expresso'' que se anexa.

 

E que explique mais, que nos diga porque a Hierarquia, infamou de forma indigna, Catalina Pestana

 

Público

que denunciou a situação e lhe saiu à liça o famoso padre progressista Morujão intimando-a a provar que havia padres e religiosos pedófilos em Portugal

As provas apresentou-as o MP na Golegã e na Relação de Coimbra e suponho que o Morujão,  já se confessou pela evidente afirmação caluniosa que cometeu contra D.Catalina Pestana.

Se não se confessou o Morujão que vá dar voltas de joelhos à Capelinha das Aparições, para se penitenciar.

Na notícia também se refere que havia um caso de suspeita de pedofilia em Portalegre e o Bispo local disse desconhecer casos destes.

Ou seja a Polícia sabe mais do que se passa na diocese portalegrense, que o Bispo.

 

  ma

 



publicado por porabrantes às 15:06 | link do post | comentar

Quarta-feira, 12.01.11

Muita gente sabe que não gosto de bispos, que se deixam tratar por Dom e se vestem de marquesas - como disse no Concílio do Vaticano II o arcebispo de Paris.

 

Catalina Pestana in Sol

 

Eu sei e a Igreja não sabe?
3 de Janeiro, 2011Por Catalina Pestana

 

O Cardeal Patriarca não tem conhecimento de casos de pedofilia na Igreja portuguesa?

Escrevo, como sempre, em meu nome pessoal. E hoje, excepcionalmente, também na qualidade de vice-presidente da associação Rede de Cuidadores.

Tal decorre do facto de ter lido, com preocupação ou mesmo estupefacção, parte da entrevista que Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa deu ao Diário de Notícias de 26 de Dezembro de 2010.

Passo a citar: «O actual Papa foi quem pagou pelos casos [de pedofilia] que aconteceram no pontificado de João Paulo II. Escapará a essa marca?

Reagiu com muita firmeza e, em certos casos, até nos surpreendeu, chamando as coisas pelos nomes, propondo regras muito rígidas e revendo, como está a acontecer, a própria legislação canónica das penas canónicas em relação a certos casos. O Papa tinha um velho conhecimento dos problemas e dos dossiês que passavam pela sua mão, e alertava os episcopados. Esta questão é muito delicada e tão fora da nossa experiência imediata que demorou algum tempo até os episcopados tomarem consciência dessa realidade.

- Porquê?

- Primeiro, pela delicadeza do assunto, que não é para remexer em público. Segundo, porque a única maneira de se ter conhecimento é pela denúncia das vítimas, o que por ser tão humilhante muitas vezes não queriam ser conhecidas. Foi a brutalidade das revelações, feitas sobretudo nos Estados Unidos, que levou o resto do mundo a alertar-se para isso e ainda bem! Se esta mazela existe na Igreja, temos que a curar.

- Como é que Portugal passou tão ao lado?

- Não há casos que eu conheça - não quer dizer que não haja um ou outro - . eu temo é que esta publicidade suscite casos, porque, espontaneamente, não está na maneira de ser do nosso povo esta atitude. Qualquer português fica derretido diante do olhar de uma criança!...».

Conheci D. José Policarpo quando era ainda bispo coadjutor de Lisboa, aquando da resolução do problema do falecido padre Felicidade Alves - suspenso a divinis em 1968 pelo cardeal Cerejeira às ordens do Estado Novo (ver Cartas a Marcello Caetano, de Franco Nogueira).

Logo que foi nomeado cardeal, conforme me prometera, D. José Policarpo resolveu o problema com eficácia, subtileza, diligência, bom senso, respeito e humildade. Fiquei-lhe grata por isso para toda a vida. Pensei algumas vezes: «Deus queira que isto de ser bispo e cardeal não o estrague».

Algumas das suas últimas declarações públicas têm-me, porém, surpreendido, nomeadamente a ameaça velada ao Presidente da República da necessidade de uma segunda volta, por ter promulgado os casamentos civis de pessoas do mesmo sexo. Como nem tudo o que eu não entendo está errado, esperei para ver.

Esta entrevista, no que respeita à pedofilia praticada por membros do clero, ultrapassou o equilíbrio mínimo necessário para, em consciência, eu manter silêncio.

Não conhece o senhor cardeal nenhum caso de abusos sexuais de crianças na Igreja portuguesa?

A associação a que pertenço já lhe escreveu, bem como ao senhor presidente da Conferência Episcopal, a pedir para ser recebida - e, discretamente, bem ao gosto da hierarquia da Igreja Católica, podermos falar das denúncias recebidas por nós e de estratégias de prevenção.

Nenhuma das duas entidades respondeu até hoje.

Não saber (ou fingir que não se sabe) é mais fácil do que defrontar problemas desta gravidade.

Ou estão Suas Excelências Reverendíssimas muito ocupadas e não têm tempo para ler jornais? Ou as vítimas não confiam neles e não lhes contam?

A nós, humildes leigos, católicos, agnósticos e ateus, que trabalhamos no terreno e na Rede de Cuidadores, as queixas chegam.

Em Portugal, embora com uma lei iníqua, a pedofilia é um crime. Nos países civilizados, a lei é igual para todos e o clero já não tem direito a justiça privada.

Sei que nem todos os bispos portugueses têm a mesma leitura sobre este fenómeno, justiça seja feita.

Quanto a nós, continuamos disponíveis para colaborar com a hierarquia eclesiástica em qualquer sentido, desde que não seja o de aumentar a espessura do manto de silêncio.

Na Casa Pia de Lisboa tive conhecimento de abusos perpetrados por sacerdotes sobre alunas e alunos em dois dos colégios. Felizmente, os abusadores já tinham morrido.

Paz às suas e às nossas almas.

 

in Sol

 

Nota: O autismo dos nossos hierarcas neste caso é igual ao do Bispo de Portalegre nos casos específicos da carrilhada e da acção nefasta no plano político, social e pastoral (dizem-me muitos católicos)  do presbítero Graça em Abrantes.

Estão cegos, surdos e mudos.

Se eu fosse católico diria que são ''sepulcros vestidos de marquesas''.

 

Miguel Abrantes



publicado por porabrantes às 11:50 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Morreu Catalina Pestana

Que preste contas aos abr...

Há abusadores sexuais de ...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds