Sexta-feira, 11.12.20

Publica-se um relatório municipal (com as identidades omitidas e parte do palavreado legal) que demonstra o fracasso da Senhora Vereadora Celeste no realojamento de famílias ciganas.

celeste_2.png

E como a forma pouco profissional desse realojamento levou a que os pobres vizinhos do Cabrito vissem a sua vida transformada num inferno.

E ainda como até hoje a CMA e a Celeste não lhes pediram desculpa, não fizeram auto-crítica nem se prontificaram a indemnizá-los.

 DE

Isabel Cartaxo

Chefe Divisão Desenvolvimento Social

PARA

Celeste Simão

Vereadora

DATA

04, 08, 2020

ASSUNTO

Habitação propriedade do Município sita na Rua Tapada da Pedra, n.º 13, em Cabrito – Resolução do contrato de arrendamento apoiado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Relativamente à casa de habitação sita na Rua Tapada da Pedra, n.º 13, em Cabrito, Freguesia de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, propriedade do Município de Abrantes, informamos que a Divisão do Desenvolvimento Social teve conhecimento de factos que indiciam incumprimento ao estipulado no Regulamento de Atribuição e Gestão de Habitações em Regime de Arrendamento Apoiado Propriedade do Município de Abrantes. Assim, expõe-se o seguinte:

Sobre a matéria de facto:

Por despacho do Sr. Vice-Presidente da Câmara Municipal datado de 15-3-2018 foi autorizado o realojamento urgente do agregado familiar de  ......., em regime de arrendamento apoiado, ao abrigo do Artigo 14.º da Lei n.º 81/2014, de 19 de dezembro, na atual redação. A ocupação iniciou-se no dia 19-3-2018. O valor da renda a pagar estipulou-se em 31,84€. A habitação é composta por rés do chão com 3 quartos, sala, cozinha, wc e quintal e por primeiro andar composto por 2 quartos, sala, cozinha e arrecadação, de tipologia adequada à composição do agregado familiar.

Por se tratar de atribuição de habitação em regime de arrendamento apoiado em regime excecional, ao abrigo do Artigo 14.º da citada Lei, não foi celebrado contrato de arrendamento e foi feito registo em suporte informático contendo a identificação dos indivíduos e dos membros do agregado familiar que se encontram em situação de necessidade habitacional urgente e ou temporária, a data da respetiva admissão e o montante da renda, conforme previsto no Artigo 18.º da mesma Lei.

Em 2-7-2018 passou integrar o agregado familiar ......, com 29 anos de idade, companheira do Sr. , cujo conhecimento se teve pela realização de uma visita domiciliária. Posteriormente, este veio à Câmara comunicar a situação e apresentar a documentação pessoal.

Para a integração deste agregado familiar na comunidade, foi elaborado um Plano de Intervenção Social, a ser acompanhado regularmente pelos/as Técnicos/as da Divisão do Desenvolvimento Social em parceria com outras entidades. Este Plano de Intervenção tem como objetivos gerais promover relações positivas entre as famílias de etnia cigana e a comunidade maioritária, adequando e transformando as práticas quotidianas, pessoais e sociais; promover o realojamento em habitação em regime de arrendamento apoiado, desencadeando e potenciando processos de integração social; promover direitos de cidadania, de forma a provocar a consciencialização dos seus deveres. Tem como objetivos específicos educar para a higiene e saúde; educar para o ensino/formação/empregabilidade; promover relações ajustadas entre as famílias ciganas e todas as outras do concelho; incentivar a participação mais ativa do encarregado de educação na formação dos filhos, promovendo a diminuição do absentismo e abandono escolar; alterar comportamentos e atitudes face ao emprego. O referido Plano de Intervenção foi assinado pelo representante do agregado familiar,  e pela sua mãe, , em 18-12-2017, os quais se comprometeram a cumpri-lo e a fazê-lo cumprir pelos elementos do agregado familiar.

 

 

 

 Em julho de 2018, recebeu-se uma carta de , moradora no n.  daquela Rua, denunciando várias situações que indica serem da responsabilidade de elementos do agregado familiar do Sr. nomeadamente a sua viatura grafitada, danos no capô, um furto na habitação n.º , incompatibilidades de alguns vizinhos com aquela família, alteração da ordem pública e ruído excessivo durante a noite, utilização de “arma de pressão de ar” na via pública e invasão de propriedades particulares.

Também em setembro de 2018 recebeu-se comunicação de , residente no nº  daquela Rua, relatando vários factos relacionado com a mesma família, entre os quais, assalto com arrombamento à sua propriedade (com participação à Guarda Nacional Republicana), danos no seu património provocados por arma de fogo e arremesso de lixo para o seu quintal.

Em 5 de setembro de 2018, promoveu-se uma reunião com o agregado familiar na Câmara Municipal em que estiveram presentes a Sra. Vereadora Celeste Simão e Técnicos da Divisão do Desenvolvimento Social. Nesta reunião foram abordados os factos denunciados pelos vizinhos e foi feita sensibilização para o cumprimento das regras de convivência em sociedade.

Também foram efetuadas várias visitas domiciliárias no sentido do acompanhamento do agregado familiar, destacando-se os seguintes factos:

3-4-2019 – Tentativa de visita domiciliária. Ninguém se encontrava em casa. Conversa com a vizinha que relatou que só vivia a D.  com os netos e que o Sr.  e a companheira se tinham ausentado de casa.

4-4-2019 – Feita convocatória à D. e ao Sr. para uma reunião a realizar na Câmara Municipal no dia 11 do mesmo mês. Ninguém compareceu.

10-4-2019 – Visita domiciliária. Encontrava-se em casa um sobrinho da D. , que informou que se tinha ali deslocado que dar comida aos gatos, pois a família não estava e referiu que “não sabe” onde se encontram.

2-7-2019 – Visita domiciliária. Encontrava-se em casa o neto da , que referiu que estava sozinho em casa. A D  tinha ido visitar um filho que mora naquela localidade, as suas irmãs encontravam-se de férias em casa da avó materna, na Marinha Grande. O seu irmão mais velho casou-se e foi viver para Setúbal. Quanto ao seu pai e à companheira não sabia onde se encontram. Mostrou-se bastante evasivo e recusou-se a responder a mais questões.

11-7-2019 – Recebeu-se mensagem dos vizinhos a , comunicando que foram alvo de ameaças por parte de elementos da família.

19-7-2019 – Solicitou-se informação à Guarda Nacional Republicana sobre queixas apresentadas contra aquela família e diligência efetuadas. Obteve-se a seguinte resposta:

Cumpre informar que o senhor que é referido,  tem pendente mandado de captura para cumprimento de pena em estabelecimento prisional, encontrando-se ausente em parte incerta.

Habitam na referida residência a sua mãe () e um (a) criança/ adolescente.

Efetivamente tem-se tido conhecimento de rumores de algum desagrado por parte dos habitantes daquela rua quanto a furtos e danos existentes, não se referindo em concreto quem os comete, mas demarcando a diferença entre o antes e o depois da existência daquelas famílias ali, existindo apenas uma queixa apresentada e deixando denotar fortes receios em faze-lo.

Dentro do possível tem-se aumentado o patrulhamento na zona, sendo que os delitos percecionados carecem de queixa pelo seu titular, o que não tem vindo a acontecer, restando a esta Guarda apenas o reforço de patrulhamento dentro da sua possibilidade, o que tem sido feito.”

29-7-2019 – Visita domiciliária. Estava a D.. Referiu que atualmente ocupa a casa a D. e o neto , com 15 anos de idade. As netas (14 anos) e  (11 anos) estão a passar as férias escolares com a avó materna, na Marinha Grande e não sabe quando regressam. O neto (18 anos) já não faz parte do agregado, pois casou e foi viver para Setúbal. O Sr. e a companheira ausentaram-se para parte incerta (julga que estejam em Espanha) e não frequentam a casa há cerca de 3 meses. Referiu ainda que o Sr.  deixou de contribuir para as despesas com os filhos, sendo ela que suporta todas as despesas, inclusivamente a renda da casa.

21-08-2019 – Realizada visita domiciliária, após conhecimento de alegados desacatos na habitação. Na habitação encontrava-se a D., o neto e a neta. Questionada sobre o sucedido, a mesma referiu que não se encontrava na habitação quando tal aconteceu, por isso não ter conhecimento desses factos

 

 

 

 

Informou ainda, que tem mais dois netos a residir na habitação –, pelo que ficou de comparecer no serviço de ação social para entregar a respetiva documentação, de forma a ser atualizado o seu processo.

23-08-2019 - D. esteve presente no SAS para entregar os documentos de identificação solicitados, no entanto ficou em falta o do neto.

Pelas informações escolares obtidas, os menores ao longo do ano letivo apresentaram um elevado absentismo escolar e não obtiveram aproveitamento escolar. O titular do arrendamento não revelou hábitos de trabalho. Chegaram à Câmara Municipal várias queixas de perturbação da ordem pública, furtos e danos no património de vizinhos efetuado por elementos do agregado familiar. Constata-se, assim, que a família não cumpriu com o Plano de Intervenção Social assinado.

1-06-2020 – enviado ofício convocando o arrendatário para uma reunião na Câmara Municipal. O ofício veio devolvido.

23/7/2020 - Técnicos da Divisão do Desenvolvimento Social deslocaram-se à habitação. Não se encontrava ninguém na habitação. De fora foi visível os vidros partidos das janelas que dão para a via pública e da porta principal, cujos buracos estavam tapados com plástico.

Verificou-se à entrada da porta do quintal nas traseiras algum lixo e plantas hortícolas em vasos e no chão que aparentavam não serem regadas há muito tempo.

De volta à entrada principal, encontrou-se a vizinha, que informou que o Sr.  e a companheira há mais de um ano que não habitam na casa, os seus filhos também não são vistos há meses e a D. a há cerca de um mês que também não vive ali, nem se desloca a casa.

Referiu ainda que, no tempo que os menores habitavam a casa, estes tinham comportamentos desadequados, insultando e ameaçando os vizinhos, roubos, invasão da propriedade alheia e danos no património dos vizinhos e bens públicos.

Encontram-se em dívida as seguintes faturas de renda: ano de 2018 - renda de abril a outubro; ano de 2019 - renda de julho a dezembro; ano de 2020 - renda de janeiro a julho, no valor total de 659,10€.

 

(...)

Nestes termos e tendo em conta o Artigo 53º do Regulamento, verificam-se várias situações que constituem fundamento de resolução do contrato de arrendamento apoiado pelo Município, a saber:

- Alínea b) a violação reiterada e grave das regras de higiene, de sossego, de boa vizinhança ou de normas constantes do regulamento do condomínio ou de disciplina equiparada;

- Alínea c) a utilização da habitação arrendada em termos contrários à lei, aos bons costumes ou à ordem pública;

- Alínea d) a prestação, pelo agregado familiar, de falsas declarações ou omissão dolosa de informação sobre os rendimentos ou sobre factos e requisitos determinantes para a formação do contrato de arrendamento apoiado, ou para a manutenção, sem prejuízo de outras sanções aplicáveis nos termos legais;

- Alínea e) a mora no pagamento da renda por período igual ou superior a três meses ou o incumprimento do plano de pagamentos que tenha sido celebrado;

- Alínea m) a prática, na habitação ou nas áreas comuns, de atos que contribuam para criar risco para a segurança ou salubridade do prédio, a realização de obras não autorizadas ou a colocação de equipamentos ou instalações que alterem as condições das habitações ou sejam comprovadamente perturbadoras da vizinhança e da sua segurança, designadamente, a realização de ligações ilegais à rede elétrica e/ou de água;

- Alínea n) a utilização da habitação arrendada para fins distintos daqueles a que a mesma se destina, designadamente quando em causa esteja a prática ou a suspeita séria e relevante da prática de atividades ilícitas ou de condutas desviantes que, pela sua gravidade, possam colocar em causa a paz ou a segurança do parque habitacional, bem como a ocupação de áreas comuns e espaços de forma indevida, ilícita ou abusiva;

- Alínea o) a adoção de condutas, na habitação arrendada ou nas áreas comuns, que comprovadamente criem um clima de conflitualidade com os vizinhos, a adoção de práticas ou comportamentos violentos e geradores de perturbação da paz, do sossego ou da tranquilidade.

Verificando-se os factos referidos, sugerimos que se determine a resolução do contrato de arrendamento apoiado pelo Município e se desenvolvam os procedimentos previstos para a desocupação e entrega da habitação, nos termos previstos na Lei n.º 81/2014, de 19 de dezembro, na atual redação.

Sendo este o entendimento superior, propõe-se a colaboração dos Serviços Jurídicos para apoio nos procedimentos a executar.

Divisão do Desenvolvimento Social

José Gomes

Isabel Cartaxo

 



publicado por porabrantes às 11:06 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.12.18

Celebrou-se o 25º aniversário da Biblioteca António Botto, obra de Duarte Castel-Branco, construída no mandato de Humberto Lopes.

Enquanto no facebook os caciques celebravam o evento, o edil tramagalense, dr.António José Carvalho fez-lhes o justo reparo que estes 25 anos estão marcados também pelo encerramento da Biblioteca do Tramagal e já agora acrescentamos nós pelo fecho das do Rossio e Alferrarede.

Transcreve-se o reparo de A.J.Carvalho

ajc

Como se vê, a mimosa Celeste não gosta de críticas, mesmo construtivas e enxofrou-se  e veio garantir que o povo podia ir à Escola ver os livrinhos, coisa desmentida pelo edil local, que, como se sabe, conhece muito melhor o terreno que a dama enxofrada.

ajc 2

ma



publicado por porabrantes às 08:15 | link do post | comentar

Quinta-feira, 03.08.17

Criticou-se aqui várias vezes algumas declarações da Tânia Sousa.

tània.jpg

folha gratuita

 

Mas não se colocou nunca em causa a necessidade de fazer algo pela integração da(s) comunidade(s) cigana(s) abrantinas.

A CMA entendeu fazer esse esforço através duma mediadora cigana, paga pelo Governo.

Quando terminaram as circunstâncias contratuais que garantiam o apoio vindo do Alto Comissariado para as Migrações, através do POPH -Programa Operacional de Potencial Humano, era obrigação assumida pela CMA manter a mediadora cultural.

Porque: (..) '' como está explícito no seu regulamento, exigia-se por parte dos municípios uma garantia de sustentabilidade, para permitir a continuidade do mediador municipal e o exercício das suas funções após a conclusão do projeto. Pressupunha-se então o gradual aumento do comprometimento e responsabilidade financeira dos parceiros do Projeto até à sua conclusão.''. (...)- disse o Alto Comissariado.:

Aparentemente a CMA violou o regulamento, enquanto outras autarquias o cumpriram, mantendo os mediadores.

Tinha possibilidade a CMA, através do Programa Operacional para a Inclusão Social e Emprego (POISE),  de se candidatar para receber financiamentos para criar novas equipas de mediação.

Ou concorreu e viu a candidatura chumbada ou não concorreu e deixou o projecto de inclusão a meio.

Ninguém acredita que faltaram ao caciquismo meios financeiros para o projecto, porque delapida fundos a torto e a direito em projectos absurdos.

Portanto faltou vontade política de trabalhar pela inclusão e sobrou irresponsabilidade para deixar pessoas em barracas, vivendo em circunstâncias infra-humanas.

s.macário 5.jpg

Acampamento de S.Macário (foto Cidadão Abt)

 

Isto tem dois rostos, a cacique, chefe da banda...

cacique.jpg

e a Vereadora Celeste Simão

celeste simão.jpg

responsável pelos ''pobrezinhos'', como diz a amigalhaça de certo clérigo....

Para acabar com as dúvidas, reproduz-se o comunicado (2015) do Alto Comissariado:

   

''No seguimento da notícia da Agência Lusa, com o título "Câmara de Abrantes critica fim do projeto de integração da comunidade cigana", o Alto Comissariado para as Migrações (ACM) divulga Comunicado.
 

 

 

mn



publicado por porabrantes às 10:26 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O fracasso do realojament...

Caciques encerraram Bibli...

Como a CMA abandonou a in...

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds