Terça-feira, 23.11.21

O atabalhoado fecho da Central térmica do Pego tem levado  a manifestações, vasta polémica e a um cortejo de desempregados.

Segundo o Galamba, a Central custava 100 milhões de euros aos consumidores e  ''   deixou de ser viável e só se manteria em funcionamento se fosse fortemente subsidiada pelos consumidores.''

Entretanto na Alemanha continua a haver centrais térmicas e a Endesa mantém uma central galega a funcionar a carvão.

Portanto, continuamos, exemplares, a ser pioneiros e a dar lições ao Mundo. Como na época das Descobertas.

Garantem os responsáveis que os despedidos terão ''protecção social'' e já abriu na Junta pegacha....um gabinete de apoio. Falam em cerca de 120 desempregados.

Entretanto arrasta-se o processo de insolvência da Fundição Soares Mendes, no Rossio, com um cortejo de dezenas de desempregados.

Para estes, não há discursos autárquicos, nem a Junta abriu qualquer gabinete de apoio.

E esta fábrica era das últimas a dar vida ao Rossio.

Ou seja há desempregados de primeira e segunda.

Quanto ao triunfalismo do Galamba e do poder, recorda-se que a Tejo Energia afirma ser dona do ''ponto de injecção na rede'' e contestou nos Tribunais administrativos o concurso governamental.

Um processo destes demora anos.

Portanto, o folhetim está para durar.

mn 

 



publicado por porabrantes às 08:51 | link do post | comentar

Sábado, 13.11.21

Contra o encerramento atalhaboado e neo-liberal da Central do Pego

Contra um governo vergado a Bruxelas....

Há hoje manif contra o fecho da Central do Pego

20211014Central do Pego proj1 arquivo 1024A resolução dos problemas ambientais, em geral, e dos climáticos, em particular, não passa pelo encerramento atabalhoado de importantes unidades industriais, protesta a Fiequimetal, que amanhã vai intervir na acção que o SIESI promove em Abrantes, contra o fim da central termoeléctrica do Pego.
12.11.2021


O fecho da central, decidido para o fim deste mês, representa mais um encerramento precoce de uma importante estrutura da indústria de energia, depois da central da EDP, em Sines, e da refinaria da Petrogal (Grupo Galp Energia), em Matosinhos, afirma a federação, numa nota à comunicação social, emitida hoje, salientando que ainda é possível travar este novo crime social e económico, o qual, a concretizar-se, terá consequências desastrosas a nível regional e nacional.

Uma delegação da Fiequimetal, incluindo o seu coordenador, vai participar na acção que o Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas (SIESI) leva a cabo amanhã, sábado, a partir das 14h30, junto da Câmara Municipal de Abrantes (ver carta-aberta do SIESI).

 

Faz falta outro rumo

A central do Pego é uma unidade tecnologicamente avançada, que tem todo o potencial para continuar a contribuir para o aprovisionamento nacional em electricidade. O Governo, com as suas opções, é responsável pelas consequências de mais este encerramento injustificado!

Exige-se medidas imediatas e eficazes que respondam à grande inquietação em que vivem os trabalhadores da central e as suas famílias, e também muito do comércio local, perante a ameaça de despedimentos a muito curto prazo e umas inconsistentes promessas de empregos num futuro indefinido.

Exige-se a alteração profunda da política que se diz de transição para novas fontes de energia, mas que está a deixar Portugal mais dependente, sem qualquer resultado positivo para o ambiente no Mundo.

Falta ao País uma estratégia energética que acautele o aprovisionamento seguro e a competitividade da economia, e, pior ainda, falta uma política de emprego socialmente responsável e sustentável.

É urgente retirar Portugal de um processo de transição energética neoliberal, decidido pela Comissão Europeia e que enquadra a imposição de uma descarbonização forçada, embora carregada de incertezas e de grandes preocupações.

Com o encerramento da central de Sines, Portugal expôs-se, ainda mais, à instabilidade energética internacional e aos aumentos do preço da electricidade, que todos os dias se fazem sentir. Sem a central do Pego, esta situação irá agravar-se.

Devido ao encerramento da refinaria em Matosinhos, verificou-se já a necessidade de importar 40 mil toneladas de gasóleo, por insuficiência da produção em Sines, face a um acidente lá ocorrido.

Nos últimos três meses, o saldo importador de electricidade situou-se acima dos 22%.

A electricidade que é necessária, mas não se produz em Portugal, é gerada em Espanha (e França), em centrais a carvão que emitem o dióxido de carbono que o Governo diz querer reduzir.


Uma transição que nada tem de justa

Em íntimo cambão com as grandes empresas privadas do sector energético, a agenda política do Governo privilegia um exacerbado combate às alterações climáticas. Dizendo querer colocar o País no pelotão da frente da Europa, a verdade é que a actual estratégia apenas transfere o local de emissão de CO2, ao mesmo tempo que garante volumosas subvenções públicas ao oligopólio privado.

Portugal necessita de energia acessível, segura e barata, para as famílias e para as empresas.

A real resolução dos problemas ambientais impõe a concretização de uma transição energética justa, que seja sustentável, social e economicamente, e equitativa, no plano internacional.

Portugal é apenas responsável por 0,15% das emissões de gases com efeito de estufa a nível mundial. Não faz nenhum sentido empurrar o País para chegar a campeão climático, quando, por exemplo, na Alemanha, foram inaugurados, há pouco mais de um ano, novos grupos numa central em Dortmund e vai continuar a ser produzida electricidade a partir de carvão até 2036!

As fontes renováveis de energia são importantes, mas, por si só, não são suficientes para garantir o aprovisionamento estável da electricidade necessária a Portugal hoje e no futuro.

Note-se ainda que estas fontes são exploradas por empresas privadas que ostentam lucros colossais, à custa da subsidiação suportada pelos consumidores. Em boa verdade, estamos perante um escandaloso esbulho ao povo português.

Milhares de postos de trabalho estão já directa e indirectamente extintos ou ameaçados.

As promessas de futuros empregos «verdes» não resolvem os problemas concretos já existentes. As vidas dos trabalhadores e das suas famílias não podem ficar congeladas à espera de um futuro incerto e sem prazo.


Chantagem sobre a refinaria de Sines

A Galp diz que pretende uma parceria do Estado para a refinaria de Sines. Porém, o que se evidencia é uma chantagem, que resulta também da ameaça velada de esta refinaria ter um final idêntico à outra, caso não haja apoio público.
A refinaria de Sines é a maior e a mais importante instalação industrial do País e em situação alguma deve ser utilizada para jogos palacianos ou como moeda de troca.
Não se pode aceitar que a principal empresa de um grupo que, apenas este ano, já distribuiu aos accionistas 498 milhões de euros, recorra a ameaças para ter acesso a fundos públicos.
A Administração da Galp deve é garantir sem demoras a concretização do seu plano estratégico e deixar-se de manobras que apenas prejudicam o País e os trabalhadores, tal como prejudicam o futuro da Petrogal e do Grupo.''

Fiequimetal- Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas - CGTP-IN

 

Ps entretanto na ''Barca'' o ex-Presidente da CMA, Humberto Lopes, considerava estranho não haver uma Comissão de Acompanhamento do Encerramento da Central.....

Estranho?

Isso dá muito trabalho....

 



publicado por porabrantes às 08:26 | link do post | comentar

Quarta-feira, 20.10.21

André Cabrita Mendes no Jornal Económico



publicado por porabrantes às 14:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 15.10.21

in Portugal Já está a Arder?

Com a devida vénia

Puede ser una imagen de 2 personas, personas de pie y texto que dice "Central do Pego E vendermos ponto de injeção como se fosse nosso? Boa ideia! Abrantes"



publicado por porabrantes às 13:19 | link do post | comentar

Segunda-feira, 04.10.21

O Observador avança que a Tejo Energia, dona da central pegacha, acaba de meter uma acção administrativa no TAF de Leiria para suspender o concurso lançado pelo Governo.

 



publicado por porabrantes às 20:29 | link do post | comentar

Por erros e omissões o Governo é obrigado a adiar concurso do Pego para finais de Janeiro. No Expresso



publicado por porabrantes às 09:35 | link do post | comentar

Terça-feira, 07.09.21

O grupo italiano Endesa processa novamente a Tejo Energia, no Tribunal da Comarca de Santarém.

Autor: Endesa Generación, S.A.
Réu: Tejo Energia – Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S.A.
Juízo de Comércio de Santarém - Juiz 3 2264/21.7T8STR

Valor:
30 000,01 €
Anulação de Deliberações Sociais
Entrega Electrónica - Refª 39754708

Os accionistas da Endesa são:

Accionista significativo: ENEL IBERIA S.R.L. (*) 70,101 %
Free Float 28,888 %
Fidelity International Limited 1,011 %

 

A Enel orinariamente era o Ente nazionale per l'energia elettrica (empresa pública italiana) 

Ainda hoje o Estado italiano tem 25% das acções

Portanto quando o Matos Fernandes anda por aí armado em carapau de corrida, desafiando a Endesa, desafia o Estado italiano.

Se quiserem mais alguma coisinha dos tribunais, por exemplo um candidato oficialista arguido em processo-crime, perguntem....

Quanto à comunicação social medrosa ou incompetente, tadinha

ma   

 



publicado por porabrantes às 16:22 | link do post | comentar

Quarta-feira, 01.09.21

Constituiram-se 2 novas empresas em Abrantes  (Trust Energy VIII, SA e Trust Energy IX, SA,) com sede no Largo Ramiro Guedes e com o objectivo de explorar a biomassa para obter energia eléctrica.

Fazem parte do CA : O eng.José Augusto Alves Coelho Grácio e os japoneses da Tokio Mizuta.

O eng. Grácio é Administrador da Tejo Energia.

Naturalmente se há uma comissão para a reconversão da Central do Pego, deviam ouvir empresários com interesses no sector. Na celebrada comissão camarária estão ausentes. É uma nova originalidade do Valamatos.

Já agora a comissão devia ter representantes dos sectores empresariais e agrícolas abrantinos, dos Vereadores da Oposição, das Juntas,  da Assembleia Municipal, dos sindicatos e não tem.

Esta tropa acha que são os donos desta terra.

Objecto social das novas empresas:

transformação de biomassa, a atividade de torrefação, a produção, armazenamento, distribuição, compra, venda, importação e exportação de bioenergia, biocombustível, outros combustíveis avançados e/ou sintéticos, metano, hidrogénio e outros gases renováveis, através de conceção, estudo e projetos, construção e exploração de instalações próprias ou alheias, empreendimentos, bem como quaisquer outras atividades conexas e necessárias com as anteriores, nomeadamente atividades de investigação e desenvolvimento


publicado por porabrantes às 08:43 | link do post | comentar

Sábado, 28.08.21

Publicamos a parte final das intervenções, na última reunião, do V.Armindo Silveira (antes da Ordem do Dia) :

02.Falta de médicos em Alferrarede

Tive conhecimento que os médicos do Polo de Saúde de Alferrarede está com problemas para assegurar todas as consultas de cuidados primários. E esta situação repete-se em outros locais.

Pergunto se o Sr. Presidente tem conhecimento desta situação e se já está a trabalhar para resolver o problema?

 

03.Central do Pego

A três meses do encerramento da Central do Pego a carvão ainda não foi lançado o concurso público peloa Governo e no presente a trabalhar para elabora um caderno de encargos envolvendo os trabalhadores.

Entretanto muitos trabalhadores forma despedidos e outros saíram para outras empresa com medo de futuro. Sabemos que os acionistas irão ser responsáveis com os trabalhadores pois  sempre tiveram uma intervenção social relevante seja a no apoio às associações seja a integrarem instituições.

Quanto ao futuro da central a carvão, aos acionistas compete desmantelá-la embora lá exista equipamento que é de todos nós num valor acima de 110 milhões de euros.

3.1-Sr. Presidente,é de elementar importância que haja informação concreta sobre qual o tipo de projeto. Uma vez que estão a elaborar o cadernos de encargos, pergunto qual o investimentos que está projetado para ali?

3.2-Pergunto também que projetos na área do fotovoltaico estão previstos para o concelho e qual as áreas?

 

04-Rescisão do contracto de arrendamento de uma casa no Cabrito mas a mesma continua ocupada

 

Senhor Presidente, foi aprovado em reunião de Câmara a rescisão do contrato de arrendamento com uma famila de etnia cigana que foi realojado no Cabrito mas a casa continua ocupada pelo menos por uma família. Esta situação tem gerado algum desconforto na zona.

Na verdade, eu não defendo que as pessoas sejam colocadas na rua ainda mais que existem casas mas, gostaria de saber se existiu algum acordo para a família continuar na casa e se existe também a vontade de fazer novo contrato de arrendamento com a senhora mais idosa?

Armindo Silveira

                 Bloco de Esquerda

 Câmara Municipal de Abrantes-Reunião 24 de Agosto de 2021

 



publicado por porabrantes às 18:50 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.08.21

Em Fevereiro, no relatório anual de crescimento da Comissão Europeia para Portugal dizia-se: ''Em Portugal, existem ainda duas centrais a carvão: nas regiões do Alentejo Litoral (município de Sines) e
do Médio Tejo (Pego, município de Abrantes). Estas centrais são os maiores emissores de gases com efeito de estufa em Portugal, incluindo todos os setores. Estão também localizadas em Sines e Matosinhos indústrias de fabricação de produtos petrolíferos refinados e de plásticos, altamente poluentes. Em conformidade com os objetivos do Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, tidos em conta no projeto de Plano Nacional Energia e Clima apresentado por Portugal, o Governo português comprometeu-se a proceder ao desmantelamento destas duas centrais até setembro de 2023.
As estimativas sugerem que o encerramento das centrais afetaria cerca de 650 postos de trabalho: 350 em Sines, 200 no Pego e 100 no porto de Sines onde o carvão é recebido. Para os dois municípios (Sines e
Abrantes), os postos de trabalho em causa correspondem a quase 8 % e 3 % do número total de pessoas empregadas. Com base nesta avaliação preliminar, afigura-se justificado que o Fundo para uma Transição Justa concentre a sua intervenção nestas regiões''

'Agora o Governo quer estender os apoios a outras regiões '' devem ser canalizadas para a Área Metropolitana de Lisboa, e a faixa composta pelas regiões de Aveiro, Coimbra e Leiria, além da própria Área Metropolitana do Porto, de uma forma mais abrangente do que apenas Matosinhos.'' diz Ana Brito, neste importante artigo no Público 
https://www.publico.pt/2021/08/24/economia/noticia/sines-abrantes-matosinhos-temese-falte-dinheiro-transicao-justa-1974946.

Aí se recolhe o pânico do Valamatos face às intenções governamentais.

Todas estas coisas deviam ser discutidas em sede autárquica e os caciques andaram a ocultá-las e a atirar foguetes injustificados, porque estamos em ciclo eleitoral.

ma



publicado por porabrantes às 10:10 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O folhetim está para dura...

Contra o encerramento ata...

''Endesa já saiu da gestã...

A apreciada fotonovela pe...

Tejo Energia processa Gov...

Concurso do Pego adiado p...

Italianos da Endesa proce...

Uma nova originalidade do...

Despedimentos na Central ...

Apoios para desmontar Cen...

arquivos

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

central do pego

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

valamatos

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

17

26
27

28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds