Segunda-feira, 11.07.16
 

'' (...) O número um de A Batalha, o mais importante jornal operário e sindical da Primeira República, apesar da sua natureza anarquista, viu a luz do dia em 23 de Fevereiro de 1919. E o último saiu no dia 26 de Maio de 1927, exactamente um ano após o golpe militar e da implantação da Ditadura, que caminhava aceleradamente para a fascização do regime político em Portugal.

No dia 27 de Maio de manhã (1), uma horda de malfeitores e de polícias à paisana, com o construtor civil Martins Júnior à cabeça, protegidos por cordões de polícia de espingarda em punho, chefiados pessoalmente pelo comandante da PSP, coronel Ferreira do Amaral, destruiu a golpes de picareta as instalações e o equipamento do diário matutino operário, que coabitava na mesma sede com a CGT, a Juventude Sindicalista, a União dos Sindicatos de Lisboa e a Federação dos Sindicatos da Construção Civil, na Calçada do Combro. (1) (...)'' in

A Batalha foi brutalmente encerrada há 80 anos

por Américo Nunes no Militante nº 288

 

 

A carreira do Martins Júnior não terminou com a demissão do Partido Radical, as suas milícias, integradas na ''formiga preta'', juntaram-se  ao embrião da Polícia Política para sob comando de Ferreira do Amaral,  destroçar o movimento sindical anarquista e o grande jornal operário a Batalha

DuartePimentel09.jpg

óleo de Duarte Pimentel  (wikipedia)

 

 

O Militante é uma folha teórica do PCP. Portanto isto deve ser lido com espírito crítico. A opinião dos libertários tem matizes diferentes. E espero encontrar a explicação do abrantino para esta coisa. No programa ''Antes  da Pide'' podem situar-se melhor os acontecimentos, em especial a acção de Ferreira do Amaral na organização das polícias políticas anteriores à PVDE, que aliás já vinham da República democrática.

(1) Aliás a cena descrita no Militante é real, mas deu-se a 2-11-1927. O Autor deve ter confiado no livro de David de Carvalho, Os Sindicatos e a República Burguesa: 1910-1926. O Carvalho que era dirigente da CGT escreveu o livro em 1977. A memória traiu-o.

 

 

 

Vale a pena recordar esta façanha  e enquadrá-la na série de Jacinto Godinho e ilustrá-lo com uma imagem da série

batalha martins júnior.png

Antes da Pide, Episódio nº7, onde se recupera uma imagem do assalto, aqui publicada com a devida vénia
 
  ma


publicado por porabrantes às 22:43 | link do post | comentar

Terça-feira, 19.04.16

Por razões de falta de tempo ainda não terminei o livro do Emídio Santana, que retrata o casamento e já agora umas prisões no Tramagal, feitas pela PIDE, mas encontrámos a foto do bebé da Camarada Miquelina Sardinha

 

conferencia anarquista 1925 1.jpg

Miquelina Sardinha é a anarquista com bebé ao colo, o companheiro, Francisco da Nóbrega Quintal, é o nº 24.

O Camarada Quintal foi professor duma escola libertária em Alferrarede e a mulher também foi professora de escolas dessas, que seguiam o método de Francisco Ferrer. Quintal teve outras profissões, foi até  pescador de bacalhau.

Na foto alguns dos nomes históricos do movimento operário que entre 1910-26 fizeram a vida negra à República burguesa e que foram vítimas duma repressão implacável, respondendo muitas vezes a tiro e à bomba a tipos como o Baptistinha.  

baptistinha no brasil.png

 

''Grupo de militantes participantes na Conferência Anarquista de Lisboa de 1925,[i] [/i]entre os quais estão Francisco Quintal e sua companheira Miquelina Sardinha, além de Manuel Joaquim de Sousa, Manuel da Silva Campos e outros (ver lista identificativa estabelecida por Francisco Quintal). Fotógrafo amador não identificado. Na foto [anotada por Francisco Quintal]:  1. Américo Vilar, morto de explosão em Moncarrapacho, Algarve 2. (…) 3. Fernando Barros, casado com a companheira Margarida Peixoto Barros (Porto) 4. Manuel Joaquim de Sousa 5. António de Sousa (Belém) 6. Constantino de Figueiredo (Lisboa), falecido jornalista do Jornal do Comércio 7. Fernando de Almeida Marques, jovem sindicalista, depois anarquista, depois comunista e depois nada. 8. Miquelina Sardinha, falecida companheira de F.Q, 9. Luís Branco 10. (…) 11. Luís Adão, companheiro da enfermeira e camarada Luísa Adão, viva. Foi enfermeiro e depois advogado no Montijo. 12. Moedas, faleceu como revisor de imprensa 13. Celestino, sapateiro, Comité Confederal da C.G.T. 14. (…) 15. (…) 16: (…) 17. António Teixeira, do jornal ‘A Comuna’, do Porto e de ‘Aurora’ 18. (…) 19. Faustino Bretes, segeiro, de Torres Novas, deu só em anti-clerical, hoje nada. 20. José Agostinho das Neves (Paris) 21. Luís Fernandes Laranjeira, Porto. Hoje em Angola, pasteleiro 22. Camarada delegado de São Tiago do Cacém ou Cercal do Alentejo 23. Arnaldo Simões Januário 24. Francisco Quintal 25. Álvaro Figueiredo Simões, de Setúbal, falecido. 26. Um espanhol sobre quem recaíram suspeitas, não justificadas, que me acompanhou ao Congresso de Valência ou Pleno, onde foi fundada a F.A.I. 27. Camarada espanhol que veio à reunião como delegado da CNT e da organização libertária, [de nome] Magriña. 28. Manuel da Silva Campos, do C.C. da C.G.T. Foi director de ‘A Batalha’ 29. Tip.º Romero, esp.[anh]ol (Brasil). Grande camarada. Estava em Lisboa. Fotografia guardada por Francisco Quintal e entregue por sua viúva Irene Franco Quintal ao Arquivo Histórico-Social, criado pelo Centro de Estudos Libertários, reunido em Lisboa nos anos 1980-1987 e depositado na Biblioteca Nacional, o qual foi depois doado a esta instituição e posteriormente acrescentado de mais alguns espólios e doações.'' texto entre aspas projecto Mosca

 

Créditos:: Universidade de Évora/Projecto Mosca/Biblioteca Nacional

 

mn 



publicado por porabrantes às 22:03 | link do post | comentar

Terça-feira, 21.04.15

O Senhor Tenente-Coronel João José da Costa Pereira pediu-nos há tempos informação sobre o Alferes Lobato Falcão, um destacado militar anti-fascista, relacionado com a nossa região (Alvega). A partir dessa informação reconstruiu a biografia possível deste esquecido herói abrantino e publicou-a na página web da Liga dos Combatentes de Torres Vedras, com uma amável referência a este blogue. Publicamos o seu post, com o nosso agradecimento e a devida vénia. 

 

 

''JOSÉ LOBATO FALCÃO, ALFERES MUTILADO INVÁLIDO DA I GRANDE GUERRA

Um Combatente e um Resistente Inconformado

Aproxima-se do fim aquele que foi o ano do primeiro centenário do inicio da I Grande Guerra (1914-1918), também conhecida pela Grande Guerra Europeia, ou I Guerra Mundial. Muitas foram as evocações desta efeméride, muito se escreveu e muito se discutiu sobre este conflito que marcou o inicio do Século XX e cujas lembranças ainda hoje se mantêm vivas na memória de muitos portugueses.

Por mais que se fale, se evoque e se discuta, muito ficará sempre por dizer e por recordar. Foi um conflito que mobilizou cem mil soldados de Portugal para combaterem em três frentes, Angola, Moçambique e na Flandres. Soldados mal preparados, mal armados e mal equipados. Além de que a entrada no conflito não era consensual na sociedade portuguesa.

Foi assim um conflito que, além dos soldados mobilizados, envolveu uma grande parte da população portuguesa e cujas consequências se iriam fazer sentir, por muitos e longos anos.

Esta guerra provocou aos portugueses milhares de mortos, de feridos e de prisioneiros de guerra, e esteve na génese de uma mudança de regime, com a implantação de uma ditadura repressiva que iria oprimir o povo português por quarenta e oito longos anos.

Quando se fala do conflito e nas suas consequências esquecemo-nos, por vezes, que muitos daqueles que sofreram as agruras da guerra, ficando com marcas no seu corpo, além de serem abandonados pelo novo poder, então instituído por Sidónio Pais, não foram poupados quando, no regresso se fez o ajuste de contas.

É o caso de um combatente desta guerra, republicano convicto e gravemente ferido na frente de combate na Bélgica, em 28 de Outubro de 1918, um mês antes do Armistício. Uma vez regressado a Portugal e por não concordar com a ditadura imposta em 28 de Maio de 1926, acabará por ser preso e deportado para as colónias.

Defensor da instrução pública, mandou construir e ofereceu ao Estado Português a primeira escola primária que existiu no lugar de Casa Branca – Alvega Abrantes.

A vida deste homem, assim como a de muitos outros nas mesmas circunstâncias, a forma como enfrentaram as adversidades da guerra e, mais tarde, viveram os tempos difíceis da deportação e assistiram, á distância, ao sofrimento dos seus familiares, são actos dignos de registo e de não caírem no esquecimento.

José Lobato Facão - Cópia.jpg

 

JOSÉ LOBATO FALCÃO[1]

.José Lobato Falcão nasceu na pequena localidade de Ortiga, Novo Redondo - Alvega, concelho de Abrantes e Distrito de Santarém, a 23 de Abril de 1898, filho de João Lobato e de Luíza Marques.

Com 18 anos oferece-se para prestar serviço militar, sendo alistado como voluntário no Regimento de Artilharia nº 8 (RA 8), em Abrantes, no dia 12 de Janeiro de 1916.

Mobilizado para a frente Ocidental, em França, embarca em Lisboa no dia 17 de Março de 1917, como soldado servente com o nº 447 da 1ª Bataria do 3º Grupo de Busca de Alvos, do RA 8. Chega ao Teatro de Operações da Grande Guerra, em França, no dia 25 de Março de 1917 e é integrado, com a sua Bataria, na 59ª Divisão de Artilharia Britânica.

Combatendo ao lado dos ingleses é promovido a 2º Sargento a 01 de Janeiro de 1918, sendo gravemente ferido em combate, no tórax, no dia  28 de Outubro, deste mesmo ano.

Foi submetido a várias operações no Hospital Britânico nº 1 e em hospitais portugueses de campanha, vindo a ser dado como incapaz para o serviço militar, por razão dos ferimentos. Regressa a Portugal, em 1919, desembarcando em Lisboa no dia 30 de Abril.

Em 1921, a 5 de Abril, casa-se com Joaquina de Matos Miguens que era natural da Aldeia da Mata - Alter do Chão, professora primária com quem tem duas filhas: Lisete, nascida a 23 de Dezembro de 1921 e Armandina de Matos Miguens Falcão, nascida a 31 de Julho de 1924.

Deduz-se que continuou ligado ao serviço militar pois em 3 de Novembro de 1923 é promovido ao posto de Alferes, por força da Lei 1464, de 15 de Agosto de 1923, sendo então 1º Sargento reformado.

Acusado de estar envolvido no levantamento militar reviralhista fracassado, conhecido por revolta do Castelo, e que eclodiu por todo o país na noite de 20/21 de Julho de 1928, com o objectivo de afastar a ditadura militar, foi demitido do Exército e deportado para Angola. Nesta província ultramarina foi-lhe fixada residência na cidade de Sá da Bandeira, onde terá residido durante dois anos. Foi durante este período de deportação que travou amizade com o sindicalista Mário Castelhano[1], igualmente deportado e a quem ofereceu a única fotografia que se conhece dele.

Talvez devido ao levantamento militar que se deu em Angola, em Março de 1930, é transferido para a Madeira, onde continua como deportado. Desconhece-se a data exacta da transferência de Angola para a ilha da Madeira mas sabe-se que, em Setembro de 1930, está com residência fixa no Funchal, onde apresenta um requerimento ao Comandante Militar solicitando-lhe que interceda para não ser, de novo transferido, agora para os Açores.

Em 25 de Fevereiro de 1931 regressa ao continente onde se apresenta na Policia Política e declara ir residir em Casa Branca, freguesia de Alvega e concelho de Abrantes. Em 1947, ainda reside nesta região de Abrantes, pois fez-se sócio da Liga dos Combatentes da Grande Guerra, na Sub-agência existente naquela Vila.

Mais tarde virá residir para Lisboa pois quando faleceu, em 20 de Janeiro de 1973, tinha como morada a rua Pinheiro Chagas nº 27, 3º Esq em Lisboa.

Encontra-se sepultado no cemitério de S. Miguel, em Torres Vedras, em campa com os símbolos da Liga dos Combatentes da Grande Guerra (Talhão nº 9, fila 4, coluna 3 e Coval nº 9).

Também se sabe, por conhecimento da correspondência trocada, entre a Direcção Central da Liga dos Combatentes da Grande Guerra e a Agência de Torres Vedras, na década de 1960, que foi ele quem comprou os mármores para a sua sepultura e que requereu autorização para ser sepultado em Torres Vedras, com os símbolos da Liga dos Combatentes da Grande Guerra.

Desconhece-se, entretanto, a razão porque quis ser sepultado em Torres Vedras se não se lhe conhecem familiares nesta região, nem existem registos da sua passagem pelo Lar de Veteranos Militares de Runa, que acolheu centenas de antigos combatentes da I Grande Guerra.

É nossa intenção continuar a pesquisar dados sobre este combatente e a dá-los a conhecer.

Para isso, pede-se a quem souber de elementos que possam levar ao contacto com algum familiar deste antigo combatente, o favor de entrar em contacto com:

José João da Costa Pereira

Tenente-coronel

Presidente do Núcleo da Liga dos Combatentes de Torres Vedras

Rua 9 de Abril, 8 – 1º

(Apartado 81)

2560-301 Torres Vedras

Telefs 261096496 – 925303511 – 964123931

Mails torres.vedras@ligacombatentes.org.pt ou cpereira.jose@gmail.com

 

[1] “ (…) Mário Castelhano nasceu em Lisboa, em 1896 e faleceu no Tarrafal, Cabo Verde, a 12 de Outubro de 1940. Foi um destacado militante anarco-sindicalista dos anos 20 e 30. De origem modesta, começou a trabalhar aos 14 anos na Companhia Portuguesa dos Caminhos-de-Ferro, tendo participado nas greves de 1911, 1918 e 1920, vindo a ser despedido pela sua participação na organização destas últimas greves.

Passou, então, a ocupar-se em actividades de escrituração no Sindicato de Ferroviários de Lisboa, na Federação Ferroviária e na Confederação Geral do Trabalho. Membro da comissão executiva da Federação Ferroviária, ficou com o pelouro das relações internacionais e a responsabilidade de redactor-principal do jornal “A Federação Ferroviária”. Dirigiu, também, os jornais “O Ferroviário” e “O Rápido”. Participou na reorganização do Conselho Confederal da CGT, após o 28 de Maio de 1926, de onde saiu eleito responsável do novo secretariado e redactor-principal de “A Batalha”. Após a tentativa insurreccional de Fevereiro de 1927, a repressão policial acentuou-se, a CGT é ilegalizada e o jornal “A Batalha” assaltado, vindo Mário Castelhano a ser preso em Outubro do mesmo ano e deportado no mês seguinte para Angola, onde ficou dois anos.

Em Setembro de 1930, foi enviado para os Açores e em Abril de 1931, para a Madeira, participando na insurreição desta ilha contra o Governo. Com a derrota deste movimento, foge da ilha, embarcando clandestinamente no porão do navio Niassa.

Em 1933, estava de novo à frente do secretariado da CGT e faz parte do grupo que organiza o 18 de Janeiro de 1934. Preso a 15 de Janeiro, três dias antes do movimento, é condenado pelo Tribunal Especial Militar a 16 anos de degredo. Embarcou em Setembro de 1934, com destino à Fortaleza de S. João Baptista, em Angra do Heroísmo, e em Outubro de 1936, para o campo de concentração do Tarrafal, onde morreu.

Foi condecorado postumamente com a Ordem da Liberdade (…)” (in in Manuel Loff, Sofia Ferreira - © 2010 CNCCR - Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República).

Fontes Consultadas

AHM, Arquivo Histórico Militar

Blogue Cidadãos por Abrantes (http://porabrantes.blogs.sapo.pt/alferes-lobato-falcao-1755611?mode=reply#reply)

Universidade de Évora, Projecto Mosca (http://www.cidehus.uevora.pt/)

[1] Esta fotografia, a única que se conhece do Alferes José Lobato, encontra-se na Universidade de Évora no arquivo Histórico e Social “A mosca” e foi oferecida pelo Alferes Lobato a Mário Amadeu Duarte Castelhano, seu companheiro de cativeiro em Angola – Sá da Bandeira. Tem, no seu verso, a seguinte dedicatória “ (…) ao amigo e camarada de deportação, Mário Castelhano, o Alferes Mutilado da g. guerra (…)” (Novo Redondo, Abrantes-Alvega, 23/12/1929).''

 



publicado por porabrantes às 19:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26.11.14

Exercer o poder corrompe, submeter-se ao poder degrada

 

Bakunine

 

Relembrar os que em nome da Anarquia lutaram contra qualquer tipo de poder cá na região é um dever. Que pouco a pouco se fará. É o caso da camarada Miquelina Sardinha

miquelina sardinha.png

 

 

 

 

''Fille de l’ ouvrier charpentier Manuel dos Santos Sardinha qui à Ponte de Sor était entré en contact avec l’anarchisme et avait fondé le syndicat de la construction civile, Miquelina Sardinha n’avait pas tardé à se former aux idées émancipatrices et à se former lors des réunions tenues au domicile paternel et à la lecture des journaux A Batalha et A Comuna. Fortement influencée par la pédagogue Vitoria Pais de Andrade et les théories de l’école moderne de Francisco Ferrer, elle devint professeur d’enseignement libre pour enfants et adultes. Puis elle devint la compagne du militant libertaire Francisco Quintal, l’un des animateurs de l’Union anarchiste portugaise (UAP) avec lequel elle allait fonder une famille et dont le militantisme allait lui valoir d’être l’objet de nombreuses persécutions et injustices. Elle fut par la suite enseignante à l’école du Syndicat de la construction civile, située 38 Calçada do Combro à Lisbonne.

Miquelina Sardinha, qui toute sa vie fut une active anticléricale refusant toute intrusion de l’église dans sa famille, est décédée le 27 octobre 1966.''

 

No

dicionário.png

 http://militants-anarchistes.info/spip.php?page=mot com a devida vénia



publicado por porabrantes às 19:21 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

As milícias fascistas de ...

O bebé da Camarada Miquel...

JOSÉ LOBATO FALCÃO, ALFER...

A Camarada Miquelina e a ...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13

22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds