Terça-feira, 19.01.10

Por Paulo Falcão Tavares*

 
Como é sabido a Câmara de Abrantes prepara-se para esbanjar mais umas dezenas de milhões de euros dos contribuintes, logo que venham os últimos fundos comunitários.
Que fique claro que sou a favor de um Museu digno para a minha cidade, mas não concordo com obras (sejam elas quais forem) sem concurso público de ideias.
Para este MIAA não são necessários esbanjar 12 milhões de euros mais os trocos!
Em tempo de contenção, com um País com mais de meio milhão de desempregados, não podemos perder um cêntimo sequer com arquitectos que não são capazes de respeitar a paisagem histórica abrantina.
Que venha um Museu sim, mas que respeite a Cerca Conventual e o centro histórico. Por outras palavras que haja a tal “visão” do ex-vereador Albano e construam um edifício num sitio com espaço e não acanhado, precisando de destruir meio convento e toda a muralha circundante que Carrilho disse ser de  Vauban!?... Eu ouvi este flagrante lapso, numa sessão de esclarecimento na Igreja de Santa Maria do Castelo, da própria boca de Carrilho!
Fico estupefacto como quase todos os partidos locais votaram a favor de tamanho atentado de Lesa-Arte e Património, desrespeitando a lei, a técnica e os bons costumes da transparência, essenciais em democracia.
 A cidade que se diz “notável” ? pode ter o mesmo Museu mas noutro local, com mais espaço e assim ficará também com um Convento completo, não mutilado. Esta obra vai contra todas as regras democráticas e será a continuidade ruinosa da política camarária para o interior do centro histórico. Lá iremos outro dia.
Em Abrantes (e não só) toda a gente se esconde, mente e cala sobre este projecto escandaloso, que se fosse construído seria o corolário máximo da destruição da cidade e da sua identidade cultural.
Para que precisa a CMA de tantos técnicos superiores que tem medo de falar sobre este projecto, e na maior parte dos casos só repetem lugares-comuns....
Mas se uma parte da sociedade civil também tem aparentemente medo, quase mil pessoas ousaram dizer Não !, num levantamento cívico como há muito não se via em Abrantes!
Espera-se que os responsáveis (políticos, religiosos, técnicos, culturais) sejam capazes de respeitar a voz da Razão!
Foto da Direcção Geral dos Monumentos Nacionais  
 
 
* Mestrando em GESTÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO E CULTURAL.pela Universidade de Évora 
 


publicado por porabrantes às 13:45 | link do post | comentar

Sábado, 09.01.10

 

 

Esquecemo-nos de avisar apesar de constar do seu C.V. que o dr. Raul Castro, é do Sporting.

 

Coitado, este ano não tira a barriga de misérias

 

 

 

 

Só esperamos que não proponha a venda de Alvalade à República Popular de Angola

que podia ter o mau gosto de demolir Alvalade, sito em terrenos doados pelo primeiro Director e fundador do Jornal de Abrantes, para mandar construir um estádio ao

 

Carrilho da Graça

 

 

Ora, Alvalade é uma obra-prima do arquitecto Tomás Taveira

 

imagem forum scp

 

 

E deve ser declarado Monumento Nacional

 

E já agora porque é que Tomás Taveira não pode competir com Carrilho da Graça num Concurso Público para o MIIA?

 

Será por ser sportinguista?

 

Por Abrantes  

 



publicado por porabrantes às 16:06 | link do post | comentar

Com a devida vénia inserimos um artigo do prestigiado arquitecto José Manuel Ferrandes: 

SEMINÁRIO ENCOMENDA PÚBLICA E CONCURSOS DE ARQUITECTURA - REFLEXÃO SOBRE OS RESULTADOS
JOSÉ MANUEL FERNANDES, IAC

18-08-2003
 

Desde há quase um quarto de século que venho escrevendo e publicando textos sobre concursos públicos de arquitectura em Portugal - e também passei por jurís de concursos, concorri a alguns, também analisei exposições de trabalhos, participei em polémicas, critiquei e apreciei obras resultantes de concursos. Sem preocupação de sistematizar, aqui deixo alguma reflexão sobre as consequências da prática do concurso público ou para encomenda pública em Portugal.
Sem extremar posições, diria à guisa de conclusão que nem o modelo concurso público e/ou para encomenda pública é um processo ideal de realizar arquitectura e de concretizar espaço urbano positivo - nem tãopouco é método antinatura, coisa a evitar, demónio de fugir. Apenas constituiu, e penso que constitui, desde pouco depois do 25 de Abril até hoje, mais um modo - num quadro democrático, plural e múltiplo da produção do espaço público - de o discutir, de o repensar, de polemizar e de consequentemente "construir saber", sobre a cidade, a arquitectura, a comunidade.
Recordo, por exemplo, o valor polemizante e patrimonialista do modelo Concurso, afirmado na transição dos anos 1970-80 pelo concurso para o Mercado de Leiria, emérita obra local por Ernesto Korrodi, que alguns então queriam destruir. Contribuiu mesmo na altura para a reafirmação do sentido e objectivos da então Associação dos Arquitectos. Hoje, visitando o Mercado recuperado, vemos como foi positiva a luta de conceitos e de visões da cidade então encetada.
Relembro também a importância de concursos como o de Ideias para a Zona Ribeirinha de Lisboa, nos meados da década de 1980 (promovido por Pedro Brandão com a AAP), no sentido de divulgar para o colectivo lisboeta as novas e vivificantes opções que, na relação com o rio Tejo, na "área de mais alma e significação" da capital portuguesa - e num tempo de claro obscurantismo municipal - poderiam surgir através da imaginação dos nossos colegas. Foi génese de debate, de programas de televisão, de posteriores projectos parciais (como o do Aterro da Boavista) - mas sobretudo ajudou a criar uma nova atitude cívica perante o território litoral da cidade, que veio a culminar noutra iniciativa notável (também objecto de um prévio concurso público de ideias) - a Expo 1998.
Evoco finalmente a importância da fórmula Concurso, para a garantia de qualidade de acções com dimensão internacional, como a do concurso para o Centro Cultural de Belém, ou a do Pavilhão Português para a Expo de Sevilha, ambos na transição dos anos 1980-90. Ambos desencadearam polérnica, por diversas razões - mas o resultado de Belém acabou sendo essencial na qualificação de Lisboa, e o de Sevilha afirmou o sentido renovado e de dimensão experimentalista na nossa arquitectura contemporânea.
Outros concursos terão tido resultados em obras públicas de valor e aceitação desigual, do bom ao aceitável, do medíocre ao negativo - ou mesmo, frustradamente, sem resultado em obra. A este propósito, lembro- me aqui de concursos como os da Torre do Tombo, do Martim Moniz em Lisboa, da nova sede da CGD, do Parque Urbano do Porto, da Palácio da Ajuda, da Assembleia da República - que, entre vários outros, povoaram as décadas de 80 a 90 com discussão pública e cívica, sempre útil e contributiva, sobre a cidade e a sua arquitectura. Devo confessar ter a sensação de que, nos últimos anos, se tem visto a "solução Concurso" arredada muitas vezes, preterida pelo convite a arquitectos famosos, a estrelas do "Grande Circo Internacional da Arquitectura". Se tal tem dado igualmente alguns resultados positivos (veja-se o Projecto da Reconstrução do Chiado, onde esta tendência de "Convite em vez de Concurso" parece ter-se iniciado em Portugal), por outro lado também "apagou" as possibilidades de discussão, como sucedeu no Caso Foster, ou no presente caso Ghery, ambos para o Parque Mayer.
Efectivamente, sem projectos em disputa, perde-se um valor primacial para a discussão das ideias - que é o da possibilidade de comparar desenhos, desígnios, desejos, dos diferentes autores. E com os concursos apenas por convite, empobrece-se a potencialidade de revelar desconhecidos, de dar lugar aos não consagrados - base social e cultural de qualquer renovação de linguagens, de saberes, de práticas arquitecturais.
Que o Concurso está, como modo de produção de arquitectura, de provocação de debate, e de renovação de linguagens, vivo e de boa saúde - sempre que o queiram utilizar - prova-o a obra da Casa da Música, da qual todos vamos gostando cada vez mais, e que gradualmente vai sendo filha querida da cidade.
Lisboa, 12 de Julho de 2003
 

in http://www.oasrn.org/obs_temperatura.php?numaut=52">http://www.oasrn.org/obs_temperatura.php?numaut=52

 

 

A reflexão do arquitecto e conhecido articulista é essencial e actual.

 

E deixa-nos clara a pergunta porque não um Concurso Público para o MIIA?

 

Porque há-de ser contra o espírito da Lei contratado por ajuste directo Carrilho da Graça?

 

E qual a opinião do núcleo local da Ordem dos Arquitectos sobre este assunto?

 

Finalmente anote-se que José Manuel Fernandes foi o Autor dum elogioso requien aquando da morte do arquitecto José Santa Rita Fernandes, autor duma das melhores monografias sobre urbanismo e arquitectura duma cidade portuguesa, Abrantes, exactamente. Ou seja esta:

 

Está na hora dos políticos locais a voltarem a ler e a pensarem.

 



publicado por porabrantes às 00:23 | link do post | comentar

Sábado, 05.12.09

Em 3 de Julho a D. Ana, nossa estimadíssima e admirada Musa (que recentemente mudou de visual) veio à Abrantes e escreveu isto: 

 

''O museu é completamente contemporâneo e faz contraponto com o castelo do lado oposto. Inserido num antigo convento dominicano ele vai dialogar com os outros edifícios que fazem parte da linda cidade de Abrantes, dizendo «olhem eu estou aqui, sou do século XXI, tenho uma roupagem contemporânea, mas albergo um vasto espólio milenar». 

 

A D. Ana tem um blogue que é um dos nossos preferidos e tem o nome romântico e intimista de Azul ao Longe .

 

A D.Ana fala dos netinhos, da missa, da cultura, porque é muito culta, das exposições dum tal Baptista Pereira e de coisas que nos encantam.

 

A escrita feminina  tem o seu charme como se sabe pelo menos desde que Florbela Espanca (raio de nome para uma poetisa lírica !!!!) começou a uivar as suas angústias sentimentais.

 

Depois a D. Ana continua ''   Esta colecção feita durante muitos anos por um amante da arte, nascido em Abrantes, faz parte de uma Fundação na qual a Câmara se integra e inclui ela própria objectos provenientes de artistas da própria cidade e da arqueologia local para que se compreenda a ocupação do território e a formação do concelho''.

 

Começamos a perceber que a D.Ana está muito confundida, como se sabe a Fundação Ernesto Lourenço Estrada é privada e a C.M.A não mete lá o nariz e  o seu espólio só está cedido sob certas condições à C.M.A.

 

Depois a D. Ana diz que vai trabalhar aqui.

 

Perguntamos nós: quem a contratou?

 

Porque motivo?

 

Houve concurso público?

 

Não está a D.Ana perto do limite de idade?

 

Ou foi só porque o seu avô materno era de Abrantes, quem sabe se do Souto?

 

Terá sido recomendada pelo Chefe da Direita Rústica?

 

Depois a D.Ana comunga do entusiasmo do Baptista Pereira, do ex-Presidente e do especialista tribal e diz que a colecção é melhor que a do Museu Nacional  de Arqueologia!!!!  

 

A D. Ana que é moderada não diz que Lucília Moita é melhor que Cruzeiro Seixas e nós protestamos.

 

Há-que defender a pintora de Alcanena!!!!

 

Bolas, as mulheres são incapazes de se elogiarem umas às outras!

Antigo visual da D.Ana

 

 

Uns post depois a D.Ana diz que está a escrever um livro para criancinhas sobre o MIIA, não sabemos se do tipo ''Os Cinco no Minarete do Carrilho'' se uma coisa cheia de vampiros como agora está de moda.

 

Não seremos tão mal educados que perguntemos se em Abrantes não havia ninguém capaz de fazer o mesmo.

 

Também não sugerimos que as autoridades tivessem contactado a Isabel Alçada ou a D.Margarida Castel-Branco para escrever o romance.

 

Há que apoiar os inéditos e os desconhecidos!!!!

 

Especialmente porque depois

deste blogue ter começado a

falar na carreira literária da

D. Ana,  ela anunciou que dava uma

borla !!!.

 

Isto é não cobrava nada à C.M.A.!!!!

 

Merece já uma Comenda da Ordem da

Benemerência!!!!

 

Se Nelson Carvalho foi Comendador da Cultura Portuguesa, título outorgado por uma Fundação que ninguém ouviu falar, a D.Ana deve ser encavacada. Ou seja condecorada pelo Prof. Cavaco, Supremo Magistrado da Nação. 

 

Também dará uma borla o Fernando Baptista Pereira?

 

 

 

Estamos esperançados que sim!!!!

 

Bem vamos ao importante. A D. Ana agora está mais jeitosa. Mais elegante e um gosto de ver. Fez uma dieta milagrosa dirigida pela Dr. Isabel da Carmo, aquela senhora bombista do PRP que agora é uma espécie de Dr.Talon das esquerdas.

 

A dieta resultou !!!!

 

Eis o novo visual da nossa querida D.Ana :

 

     

 

 

Vamos recomendar a D. Isabel do Carmo à Infanta Lurian

 

A Lurrian depois de ir à Dr. Isabel ficaria de certeza como a gata de branco....

 

(Não damos o nº de telefone).

 

Antes de terminar esta crónica social, lamentando não inserir uma foto de madame Lili Caneças,  a companheira do Carrilho na cruzada Pro-Gay, vimos dar uma sugestão ao Pico.

 

Porque não encomenda uma biografia politicamente correcta do João Pimenta e mais uma monografia do Souto à D.Ana.?

 

Aproveite, que é à borla*......  

 

Nota: O Pico deve verificar contudo se o Baptista da Dona Ana é parente do Batista do Sr.Traquina. Neste caso aceitamos que não faça a encomenda. Aqui pode haver motivo de objecção de consciência......

 

POR ABRANTES  

 



publicado por porabrantes às 23:27 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.11.09

O Dr. Carlos Batata, residente em Abrantes, merece que lhe tirem o chapéu.

E nós tiramos !!!!!

 

Feita a chapelada, passamos a divulgar a imagem dum arqueólogo imune a vedetismos, incapaz de se passear com filhas gordas de líderes bananeiros tropicais ou de caciques rupestres.....

A foto é do Mirante onde há uns anos inseriram um perfil do Dr.Batata (ler aqui) 

Para além dum vasto conjunto de publicações científicas e muitas escavações no terreno, o Dr.Batata é arqueólogo profissional e com preparação académica coisa essencial para uma actividade cada vez mais necessitada de intervenções de carácter científico e multidisciplinar.

A arqueologia hoje não é para amadores, como dois dos senhores que assinaram a carta arqueológica de Abrantes, um dos quais nem sequer uma licenciatura tem....

Havendo profissionais como o Dr. Batata porque se contratam amadores?

Porque um está ligado ao partido no poder e porque o outro é funcionário público e assim se poupam umas massas?

A ligação dum deles à CMA é suficientemente ténue para que tenha sido cedido pela CMA para trabalhar numa fundação privada na mesma área de actividade e no mesmo concelho.....

E depois tenha reassumido o seu posto sem que ninguém tenha levantado problemas de 

conflito de interesses.

Voltaremos a este assunto outro dia, porque hoje queremos elogiar a posição firme e corajosa do Dr. Batata frente a uma Câmara, neste caso a de Lagos que queria enterrar uns vestígios arqueológicos  a toda a velocidade para apresentar obra pelos costumados motivos eleiçoeiros.

O Dr.Batata que através da sua empresa de prospecções arqueológicas era o responsável pelas escavações opôs-se frontalmente e comunicou as infracções a quem de direito. (Ver aqui)   

O Correio da Manhã de 16 de Março de 2009 dá conta da história:

Algarve: Vestígios romanos

 

em Lagos

 

Achados dão

 

em polémica

''Vestígios arqueológicos romanos encontrados junto às torres da Porta de São Gonçalo, na muralha de Lagos, estão a causar polémica entre a empresa que fez as escavações e a Câmara de Lagos. A Ozecarus foi dispensada pelo empreiteiro (ACA Construções) após a autarquia entender que os achados "não constituíam uma mais-valia".

 

"Acompanhámos a obra de recuperação da frente ribeirinha desde Março de 2008 e até Janeiro. Não vejo a razão para nos terem afastado a não ser por termos insistido, ao longo de meses, na necessidade de aprofundar as investigações depois de detectados vestígios romanos do séc. I d.C.", segundo Carlos Batata, da Ozecarus. "Por motivos eleitorais, há alguma pressão para acabar a obra", acusa ainda o arqueólogo, que acrescenta que a descoberta não foi comunicada à tutela.

O presidente da autarquia argumenta que "a Ozecarus estava a agir para além das obrigações contratuais, alargando a pesquisa a áreas fora da zona de empreitada". Júlio Barroso garante que "os vestígios nunca foram confirmados, até porque a empresa nunca foi conclusiva". Ainda assim, "por duas vezes a Câmara permitiu o alargamento da área de sondagens, o que atrasou os trabalhos".

Por outro lado, Júlio Barroso diz ter alertado a Direcção Regional de Cultura e esta entidade referiu estar "adequadamente informada acerca dos vestígios" e considera como "não pertinentes" os trabalhos complementares propostos. ''''


Querem que a gente acredite que o tal Barroso, um político do mais vulgar do mapa autárquico algarvio, sabe mais de arqueologia que o gerente da Ozecarus, O Dr.Batata ?

 

Querem que  acreditemos que o Barroso é capaz de distinguir uma cerâmica islâmica dum prato comprado numa loja de chineses?

 

Acreditamos, sim senhor.

 

Mas acreditamos mais no Dr. Batata.

 

E agora vem a pergunta, havendo no concelho de Abrantes, uma empresa de arqueologia como a Ozecarus, credível e profissional, era preciso ir contratar um tal Oosterbeck, naturalmente sem concurso público e numa situação

que aparenta   conflito de

interesses.......?

 



publicado por porabrantes às 11:44 | link do post | comentar

Domingo, 15.11.09

 

O Diário de Notícias publica um interessante artigo (ler aqui) sobre o Centro Náutico a construir nas margens do Tejo para valorizar o Aquapólis.
Os arquitectos autores do projecto Telmo Simões e Maximina Almeida, do atelier MXT, explicam as suas intenções, o seu programa e a forma como o edifício se deverá integrar na paisagem numa zona situada entre as centenárias ponteS ferroviária e rodoviária que ligam as duas margens do maior rio da Península.
Falta-nos saber várias coisas, uma das quais é essencial ou seja se já existem as licenças da autoridade estatal que gere o domínio público na zona ribeirinha.
O edifício vai assentar-se em terreno propriedade da CMA ou na zona de domínio público?
Se assim for a qual é a longo prazo a situação jurídica do imóvel?
Porque, por exemplo, o local na margem sul onde se situa o Hipódromo dos Mourões é do domínio público e não da C.M.A.
E desconhecemos qualquer contrato de concessão do domínio público à CMA.
 Mas desde já queremos aqui deixar um rasgado elogio à C.M.A que procedeu a um concurso público e não a um ajuste directo com o atelier MXT e os arquitectos citados.
Elogiar a Câmara porque cumpre a lei pode parecer um pouco absurdo, mas se compararmos a situação com o ante-projecto do Carrilho da Graça para São Domingos,
temos a resposta.
Aí houve ajuste directo sem que estivessem preenchidas as condições legais para que pudesse existir. Apenas houve a  informação dum tal Baptista Pereira sustentando que tinha de ser o Carrilho da Graça a fazer a obra.
E acrescenta-se a isto a ligação profissional existente entre Baptista Pereira e Carrilho da Graça que já tinham sido colaboradores em vários projectos anteriores, designadamente no Museu do Oriente em Lisboa.
Se Baptista Pereira tivesse trabalhado anteriormente com Siza Vieira teria ele sustentado que só Siza Vieira era capaz de construir um Museu em São Domingos?
Portanto  andou bem a C.M.A quando fez um concurso público para o Centro Náutico.
Assim o exigiam a Lei e a Transparência.
Andou mal quando adjudicou o ante-projecto a Carrilho por ajuste directo. Já informámos que nenhum membro da Vereação actual participou nessa adjudicação.  
E quando se fala que já está tudo decidido, pergunta este blogue onde está o Visto do Tribunal de Contas autorizando a obra?
Porque não se fala nisso.
Quando for preciso nós falaremos.
Agora só nos resta dar os parabéns à C.M.A. por ter feito um concurso público para o Centro Náutico.
E pedir que se anule a adjudicação directa ao Carrilho e que se faça como manda a lei um Concurso Público para São Domingos.
      
 POR ABRANTES
 


publicado por porabrantes às 08:21 | link do post | comentar

Domingo, 01.11.09

Continuamos a dar Voz aos subscritores da petição on-line para impedir o vergonhoso ataque à paisagem abrantina corporizado no projecto de Carrilho da Graça!!!

 
 

De facto, à data de hoje, ainda não tinha ouvido falar neste museu, mas bastaram uns minutos na web para compreender que de facto o referido museu não só não se enquadra na estética da cidade, como possivelmente estará a violar o património!

Não pondo em causa a sua hipotética importância, de certo, esta não será a altura para avançar com tal projecto! Pelo contrário, deverá ser repensada, pelo menos, a localização, com a qual não posso estar mais em desacordo!

Ana Jorge, 8 de Julho de 2009

Uma mudança paisagista desta ordem na cidade deveria ser discutida com a população. Sou completamente a favor do museu, o local onde será edificado é que me deixa com algumas reservas.

Liliana Dias, Abrantes, 7-Julho-09

 

A Câmara até pode ter aprovado este projecto mas o que neste momento não se pode descurar, e depois do impacto do caso freeport, é o espaço envolvente do mesmo.Com tanto terreno baldio circundante de Abrantes porquê esta construção no meio da cidade?Ou será que se trata de mais um projecto com luva branca? Desculpem mas não posso deixar de mostrar a minha indignação

Ana Vicente; Tramagal,

Seria saudável uma maior discussão publica!

Augusto Filipe, Abrantes 6-7-09

Arquirectura moderna ... que venha muita, variegada e sonhadora; arquitectura absurda, jamais

António Morgado, 25 de Junho de 2009

 

Por favor escutem a Voz do Povo, que é a voz da sensatez!!!



publicado por porabrantes às 16:09 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 27.10.09

 

Continuamos hoje a fazer o que prometemos. Dar a voz ao Povo. Os comentários inseridos são todos de Amigos de Abrantes e naturalmente não olhamos a ideologias políticas, interesses pessoais,  classes sociais ou coisas no género. Como todos os que assinaram a petição apenas se trata de defender o INTERESSE PÜBLICO e a paisagem e os Monumentos de Abantes. 

 

Por favor não pensem com os pés!
Não olhem para o chão mas para a frente!
Victor Hugo Lalanda, 30 de Junho 2009
 
É realmente um absurdo aquele mamarracho a rasgar o horizonte desta linda cidade. Por muito funcional ou necessário que seja este equipamento, não dá para crer que não haja outra solução ou local para implantar tal paralelipipedo. Mais cego é aquele que não quer ver!!
Luís Sousa,
 
Mais uma obra de santa engrácia só para levar o dinheirinho do contribuinte! Não há quem ponha cobro a isto?
Carlos Sirgado 29-6-09
 
É uma pena que numa cidade com edifícios de traça histórica não se consiga arranjar nenhum que possa albergar o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes, sem desvirtuar a sua paisagem urbana.
Margarida Pereira, Pego, 29-6-09
 
Toda a obra de arquitectura deve ser devidamente posta a concurso público, nunca por convite ou concurso limitado.
Depois deve-se fazer uma exposição pública dos trabalhos selecionados, proceder ao seu debate, recolher opiniões dos seus cidadãos locais.
Antes de tudo e como tudo tem de haver democracia nestes processos.
Eduardo Mascarenhas de Lemos, 2-Julho de 2009
 
O projecto apresentado e contra o qual e pronuncio é abjecto em todos os seus aspectos. Desde uma péssima integração no equilíbrio da cidade até um absoluto desrespeito pelas mais elementares regras de urbanistica.
Dr. Manuel Paulo S.B. Maia Gonçalves, Mouriscas, 26 de Julho


publicado por porabrantes às 19:40 | link do post | comentar

Quinta-feira, 22.10.09

Vamos divulgar uma série de interessantes reflexões do Arq. Pedro Machado Costa em amável troca de ideias com o seu colega Pedro Jordão, no blogue sobre arquitectura http://quando-as-catedrais-eram-brancas.blogspot.com/

 

Juntamos pelo seu interese alguns dos comentários realizados por outros intervenientes no diálogo. O resto desta interessante conversa pode ser seguido aqui .

 

             Pedro Jordão:  

um pormenor que quase sempre falta quando se fala nos atropelamentos constantes dos concursos, muitas vezes com a cumplicidade da nossa Ordem: é que a indecência não está apenas nos projectos atribuídos sem concurso, mas na desproporção gritante entre concursos abertos a todos e concursos por convite (e esses não faltam, só não são publicitados)
(....)
Pedro Machado Costa:

 

(....)Depois porque poucos são os arquitectos verdadeiramente interessados em fazer concursos; sobretudo aqueles cujo garante de trabalho passa exactamente pela sua inexistência: Siza (exemplo recente: Biblioteca de Viana), Souto de Moura (exemplo recente: Museu em Quarteira), Carrilho da Graça (exemplo recente: Museu Ibérico de Arqueologia de Abrantes), só para citar alguns dos autores a quem são habitualmente adjudicados projectos públicos sem que o processo passe pelo crivo de qualquer tipo. Ainda assim não é sem curioso espanto que assisto ao rejubilo, por parte de jovens e menos jovens arquitectos, perante tais adjudicações directas aos seus (e alguns meus também, admito) mestres; sem que percebam que uma dos factos que explica não terem trabalho é exactamente a simples inexistência de justiça social.
(....)
Observatório de Arquitectura disse:

subscrevo... e acrescento;
sobre ajustes directo sem concurso:
. aeroporto de alcochete - joão leal + hok international limited, arup, bmm arquitectos e aviation solutions
. cerca de 400 escolas - vários (gonçalo byrne, bak gordon, ideias do futuro, vitor mestre, serralvarez, bernardo & bernardo, implenitus, pitágoras, carlos santos, mário martins, proengel, arquivisão, ribeiro torres, sérgio sousa, etc etc etc)
. piscinas da amareleja - souto moura
. edifícios da sanidade da APDL - adalberto dias
. estação coimbra-b - joan busquets
. centro de artes e espectáculos - filipe oliveira dias
. biblioteca municipal de guimarães - arqt.of
. centro de emprego e formação profissional - miguel saraiva
. cine-teatro de chaves - andré campos/joana mendes
. biblioteca municipal de vila nova de famalicão - joão eduardo marta
ficam estes a título de exemplo... mas posso-vos adiantar que deste 16.10.2008 contabilizei cerca de 70 deste tipo de processos, + as 400 escolas... impressionante não é ?
e para além destes temos outros, aqueles que até cumprem o requisito de se encontrarem abaixo do 25000€ do ccp; mas que os reprovo e considero eticamente inadmissíveis porque 24000,00€, 24500,00€, 24900,00€, 24915,00€, 24950,00€, 24960,00€, 24986,50€, 24990,00€, 24995,00€, 24998,00€, 24999,00€, etc etc, representam na práctica o mesmo valor que 25000,00€... e o alcino soutinho, a cpu, a proap, o frederico valssassina, o souza oliveira, o gonçalo byrne, o miguel saraiva, o fernando monteiro, a bernardo&bernardo, etc etc etc estão conscirnte disso. em ajuste destes, provincianos e (muito pouco) ingénuos já lá vão cerca de 100 desde 16.09.2008.
e a ordem nada diz, ou comenta... verdadeiros diplomatas diria... será que é porque alguns destes personagens tb eles são membros eleitos do cdn, srs ou srn ? onde já anda o vício... vergonha, profunda vergonha sinto. (...)

 

            E que dizemos nós?

            A mesma coisa que o Observatório de Arquitectura: 

 

CONCURSOS PÚBLICOS DE CONCEPÇÃO / ADJUDICAÇÕES DIRECTAS
Os concursos públicos de concepção deveriam ser o único instrumento que o Estado, as Regiões Autónomas, as Autarquias Locais, os Institutos e Empresas Públicas, e demais instituições públicas e/ou com participação pública têm ao seu dispor para a contratação de serviços de arquitectura e especialidades com vista à elaboração de estudos e projectos de construção, reconstrução, remodelação e planeamento urbano.
Não é concebível que ainda haja recurso a concursos públicos viciados e/ou com condicionantes de quase impossível cumprimento (só entre meados de Dezembro de 2008 e Janeiro de 2009, já tive oportunidade de alertar os serviços de concursos das Secções Regionais Sul e Norte para 11 destes procedimentos suspeitos). Não é concebível que colegas nossos actuando como júri, o façam com displicência e sem o zelo e respeito necessários à função e acto de ajuizar.
Não é concebível que ainda haja recurso a adjudicações directas de duvidosa legalidade e/ou justificação. Não é concebível que se convidem arquitectos nacionais e estrangeiros, ditos de referência e renome nacional e internacional, para servir única e exclusivamente objectivos políticos e operações de marketing político apresentadas como comemorações da república, projectos de interesse nacional, autárquico, etc. Não é concebível que se entreguem projectos a arquitectos com base nos seus compadrios ou meras afinidades de gosto dos responsáveis decisores. Não é concebível que importantes obras do Estado e das Autarquias, como por exemplo a renovação e aumento do parque escolar, os equipamentos de saúde, os museus e equipamentos culturais, a recuperação do nosso mais precioso património edificado ou até mesmo o futuro aeroporto, sejam projectados sem uma consulta pública e apreciação por um júri qualificado. Não é concebível que colegas nossos aceitem estas adjudicações directas tendo consciência absoluta que não o deveriam fazer, pelo óbvio desequilíbrio que provocam na normal regulação e livre concorrência da classe, consagrados aliás no Regulamento de Deontologia. Não é concebível que a Ordem dos Arquitectos apoie alguns destes procedimentos sendo ingenuamente instrumentalizada pelo sistema político. Não é concebível que a Ordem dos Arquitectos não se pronuncie desfavoravelmente sobre este tipo de procedimentos; não se distancie clara, objectiva e publicamente destas manobras de bastidores e não actue disciplinarmente sobre quem prevarica.

 

Mais reflexões  do Observatório podem ser lidas aqui

 

Finalmente esperamos que a nova Presidente tenha tudo isto em conta e abra um concurso público para a instalação do MIIA, que é certamente uma mais-valia para a cidade de Abrantes.

 

Por Abrantes

 



publicado por porabrantes às 21:41 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A vergonha do MIAA

Esquecimento

ELOGIO DO CONCURSO PÚBLIC...

A borla ( e o novo visual...

O Arqueólogo Carlos Batat...

Concurso Público ou Ajust...

VOZ DO POVO (4)

VOZ DO POVO (3)

Concursos Públicos

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds