Quinta-feira, 18.07.19

Em 2010 quando se celebraram os 500 anos da morte do Vice-Rei D.Francisco, os Khoi foram ao Parlamento celebrar a vitória e exigir ao governo do CNA, que os seus direitos fossem respeitados

Francisco_de_Almeida

ma



publicado por porabrantes às 19:33 | link do post | comentar

O povo Khoi celebra a vitória na batalha de  Gorinhaiqua  como uma data gloriosa na resistência contra o colonialismo. Dizem que encontraram os restos do Vice-Rei, em escavações. Que tal os caciques pedirem a trasladação de D.Francisco?????

 

Os Khoi hoje falam africânder (como o falecido Willa Boezak (1)) e estão em certos casos muito mestiçados com os colonos boers.

Reproduzimos um artigo de ZENZILE KHOISAN,    

Invaders received a lesson in warfare

Lifestyle / 27 February 2016, 10:00am / ZENZILE KHOISAN

 

DEATH OF A TYRANT: One of the most feared colonial commanders of his time, Portuguese militarist Viceroy Francisco D 'Almeida found his demise in the battle of Gorinhaiqua on 1 March 1510, when he and 49 of his were killed by local Khoi warriors. This event is captured for posterity in The massacre of Viceroy Francisco d’Almeida, 1510’ by Angus McBride, 1984. Picture: Courtesy of the Castle of Good Hope. Reporter Zenzile Khoisan

morte de d.francisco

DEATH OF A TYRANT: One of the most feared colonial commanders of his time, Portuguese militarist Viceroy Francisco D 'Almeida found his demise in the battle of Gorinhaiqua on 1 March 1510, when he and 49 of his were killed by local Khoi warriors. This event is captured for posterity in The massacre of Viceroy Francisco d’Almeida, 1510’ by Angus McBride, 1984. Picture: Courtesy of the Castle of Good Hope. Reporter Zenzile Khoisan

SEVERAL years ago, in the aftermath of a storm, officials from the South African Museum were summoned to an abandoned section of a railway shunting yard near Woodstock to examine what appeared to be a mass grave that had been discovered by a machinist.

In the process of excavating and investigating the find, experts were able to reconstruct the scene, and subsequently identified the human remains as those of Portuguese soldier, Francisco D’Almeida.

The worker who made the discovery would not have known he had stumbled on a find of immense value, a piece of South African history underplayed in the national narrative. He would not have known the collection of bones offered physical evidence of South Africa’s first major war of resistance, the outcome of which significantly changed the course of its history.

The discovery is particularly pertinent today as the country attempts to come to grips with its past by recognising that the first peoples to rise up in defence of their land were the Khoi and the San.

It is further significant because the simple herders, gatherers and hunters who were the first inhabitants of these shores had defeated a feared European military commander.

 

D’Almeida had achieved repute as a man capable of brutality, with a string of conquests from North to East Africa, to the Indian sub-continent and beyond, leaving brutalised people and burned and pillaged villages in his wake. Seven decades after the general’s demise in at the hands of Khoi warriors, Portuguese poet Luis de Camões wrote of him in Os Lusíads:

“The Stormy Cape which keeps his memory / Along with his bones, will be unashamed / In dispatching from the world such a soul / Neither Egypt nor all India could control.”

Piecing together a cohesive narrative of the battle from colonial accounts and from academic studies, what emerges is the story of a ferocious battle between forces under the command of D’Almeida, who reportedly sailed into Table Bay on February 28, 1510, on his fleet’s return voyage to the Iberian Peninsula from the East.

The invaders, after a skirmish with the locals on their first day in Table Bay, as an act of revenge apparently travelled up the Liesbeeck River and came upon the ancient Gorinhaiqua kraal which was situated at what is now known as Oude Molen.

They are said to have stolen cattle from the kraal and abducted women and children, which gave rise to a confrontation with the local Khoi warriors.

Khoi and slave history authority Patric Tariq Mellet set the backdrop to the conflict when he wrote: “From the outset the Portuguese were obnoxious and aggressive. In 1510, they came ashore and tried to steal cattle and kidnap some Khoe children.

It was supposed to have been a reprisal for a clash the day before, when the Khoena had given a fellow named Gonçalo Homen a severe thrashing after he tried to trick them.

“Almeida and his 150 to 200 insurgents got a severe whipping at the hands of the Khoe, who were far fewer in number – an estimated 100 herders, no more.

“The Portuguese armour and weaponry, as well as their sheer stupidity in terms of tactics, resulted in Almeida losing his life along with 60-odd officers and men. The conflict on the beach illustrates two things: the hostility of the Portuguese and the determined resistance of the local Khoena to anything that smelt of exploitation and aggression.”

Reflecting on the merits and the impact of this military encounter, Mellet went on: “Historians evaluating this battle recognised the application of the Goringhaiqua battle leadership style – what’s now called the principles of war – which included their use of spearmen in infantry style together with oxen in modern-armour style.

“This, together with fighting at a time and place of their choosing, avoiding the beach, maintaining the element of surprise, utilising familiar terrain, attacking with maximum violence and speed and not disengaging but keeping up the momentum of the attack, all combined to bring about Almeida’s defeat. In the words of one military historian, Almeida was ‘out generalled’.”

Dr-Willa-Boezak-300x300

Willa Boezak (1)

Historian Willa Boezak, speaking last year at the annual celebration marking the commemoration of the event known as the Battle of Gorinhaiqua, said this event “proved beyond any doubt the patriotism of the first peoples and the intense love they held for each other and for the land of their ancestors”.

“It is a reminder of a time of victory, national pride, exceptional bravery and patriotism that defined our people more than five hundred years ago,” Dr Boezak said.

“This brilliant moment in the history of our country’s first indigenous inhabitants, is now celebrated most colourfully, with full cultural protocol, by the lifting of the horns, the calling of the names of the heroes in the four winds, and the burning of indigenous herbs by their descendants.”

The annual commemoration of the battle is an emotional experience for many of the indigenous leaders who believe the area where it took place, now incorporated in the proposed Two Rivers Urban Park development plan, should become a heritage precinct, as it was also the site of another major conflict between colonial forces and the local Khoi.

According to Ron Martin, chairman of the First Peoples Museum Foundation and member of the National Reference Group on Khoi and San Land Claims, this site holds not only the key to our country’s past, but is an important part of the collective future we wish to secure.

“One hundred and fifty years after D’Almeida was defeated on the shores of Salt River beach, our people once again had to contend with the injustice of colonial invaders to our shores.

“In 1510 D’Almeida’s men came to our sovereign kraal, desecrated it and as a final insult stole our livestock and abducted our women and children.

“For this he was severely punished by our warriors. Then Van Riebeeck came along and rather than show respect to our leader Gogosoa, he simply parcelled out land to the free burghers, with the approval of the Dutch East India Company, causing great unhappiness to our people.”

Martin said it is this action by the settlers that was the final straw for the Peninsula Khoi Khoi and after Gogosoa’s protest was met with Van Riebeeck’s demand to see the Khoi title deed, the die was cast, leading to war.

“This was the beginning of the first Khoi-Dutch war of 1659 to 1660, in which the local indigenous people once again rose to defend their motherland.

“For this reason Oude Molen needs to be proclaimed a heritage precinct, where the rest of South Africa can come to learn of the heroism of the first defenders of our land,” Martin said

 in https://www.iol.co.za/weekend-argus/lifestyle/invaders-received-a-lesson-in-warfare-1990598 com a devida vénia

 

 

(1)



publicado por porabrantes às 18:13 | link do post | comentar

51RJPmSwJ9L__UX250_

Historiador sul-africano insinua que  D.Francisco de Almeida pode ter sido vítima duma conspiração. Iria ao ar  a tese do Candeias Silva que diz que foram selvagens nus que o mataram. A hipótese é lançada neste notável romance histórico

 

 

 

51pwdYutykL__SX331_BO1,204,203,200_

mn

 



publicado por porabrantes às 17:28 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.04.19

LuísFThomaz.jpg

O Senhor Prof. Doutor Luís Filipe Thomaz tem neste texto

O «TESTAMENTO POLÍTICO»

DE DIOGO PEREIRA, O MALABAR,

E O PROJECTO ORIENTAL DOS GAMAS

 

uma análise fundamental do papel dos Almeidas na oposição à candidatura de Dom Manuel, Duque de Beja ao trono após a morte de D.João II. Os Almeidas conspiravam para elevar ao trono D.Jorge, o bastardo do monarca falecido, aliás natural de Abrantes e criado pelo clã Almeida, por indicação do seu Pai.

A designação de D.Manuel significou o começo do fim dos Almeidas.

E deixa uma nota crítica ao  livro de Candeias Silva sobre D.Francisco de Almeida:

 

Thomaz.png

Luis Fílipe Thomaz pela vastidão dos seus conhecimentos e pela sua obra, é hoje o maior especialista luso na Expansão no Oriente.

Aconselhamos vivamente ler o texto citado, para saberem quem eram os Almeidas e o que realmente fez D.Francisco.

O estudo foi publicado na revista Anais de História de Além-Mar, Volume V , 2004 e está disponível on-line.

 

mn

a foto do Professor Thomaz é da Faculdade de Teologia e publica-se com a devida vénia 

 

  

 



publicado por porabrantes às 08:03 | link do post | comentar

Sábado, 21.04.18

Francisco de Almeida  um post interessante



publicado por porabrantes às 17:25 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.11.17

Não é a falta de assunto que tem feito este blogue viver dos rendimentos (ou seja de posts passados), graças à fidelidade dos leitores. É a falta de paciência. Mas vá lá vamos dar um bitaite.

 

Em 2005 a CMA editou este livro sobre orientação do Candeias Silva.

 

O livro tem a colaboração de vários autores, uns especialistas e outros '''curiosos''.

 

A obra colectiva tem uma introdução  do Presidente da Câmara, que era o Nelson Carvalho.

 

Na página 8, Jaccques Theodor diz assim

theodor

e depois continua a dissertar sobre as façanhas do Almeida.....

 

Na página 7 vem um texto atribuído ao cacique Carvalho (a introdução)

carvalhoalmeida.png

que continua

carvalhoalmeida 2.png

 Os textos são iguais, alguém copiou alguém.

 

Há um ano ou dois a CMA editou uma obra em que uma tipa se apropriou duma obra de Eduardo Campos.

 

A honestidade intelectual é um valor em desuso nesta terra.

 

Passem bem.

 

ma 

 

 



publicado por porabrantes às 12:56 | link do post | comentar

Sábado, 04.03.17

É o que aponta Mestre Sanjay

Sanjay_Subrahmanyam_2014.jpg

 

sanjay 2.png

in The Career and Legend of Vasco Da Gama, Sanjay Subrahmanyam, página 49, com a devida vénia (há tradução lusa)

 

Garcia de Resende diz que o Duque de Viseu foi acusado de querer matar D.João II com ''ferro ou com peçonha''.

 

E se Sanjay sugere que o abrantino estava implicado na conjura aristocrática, haverá que juntar ao curriculum do Vice-Rei, o labéu de regicida frustrado.

ma 



publicado por porabrantes às 18:32 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.02.17

Um leitor pergunta-nos se a crítica (certeira) do Professor Luís Filipe Thomaz à obra de Joaquim Candeias Silva sobre D.Francisco de Almeida, não é excessiva.

Remetemos o leitor para outra crítica, esta da grande investigadora , Doutora Ângela Barreto Xavier, do ICS, que ao traçar as tendências da historiografia da expansão, na revista Pénelope (2000), neste artigo  

tendências.png

diz o seguinte:

folego.png

Nas biografias há que ter um certo distanciamento e não apaixonar-se pelo ''herói''

d.francisco jornadas.jpg

mn

o texto da Autora está disponível na net     



publicado por porabrantes às 13:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.10.16

O nosso querido amigo D.António de  Castel-Branco não lê obras de genealogia e heráldica e essa era a tradicional ocupação dum nobre, para saber quem são os primos e por onde andam os títulos...

Assim, essa falta de leituras heráldicas, nota-se na sua tese de doutoramento ''revolucionária'',onde dispara

dispara 2.png

pagina 45  

pensei que fosse um lapso isolado, mas li mais para a frente...

dispara.png

página 100,

 

acontece que, como devia saber D.António, que Francisco de Almeida não foi Conde de coisa nenhuma, apesar de ter sido 1º Vice-Rei da Índia....

 

quanto às terras se eram da família ou não a coisa fia mais fino, já temos no século XVI tombos de propriedades bastante exactos......e é uma generalização dizer que todo o Norte do Concelho era dos Almeidas, por exemplo a Quinta da Abrançalha, pertencia  ao Coutinhos, antes que houvesse Almeidas nesta terra, embora já cá existissem almeidas, porque sempre fomos uma terra limpinha..e asseada...

 

Portanto vimos pedir a D.António que corrija o erro, antes que isto seja publicado e talvez seja melhor assessorar-se com um historiador, para outras afirmações ousadas que faz......nesta obra académica....

 

Somos amigos de D.António, mas somos mais amigos da Verdade.

Se censurámos um ligeiro erro da Drª Paredes Cardoso, mal ficaria mal não chamar a atenção ao nosso catedrático amigo, não vá ele ser eleito Presidente e enganar-se em matéria de Almeidas.

mn

 

 



publicado por porabrantes às 15:30 | link do post | comentar

Quarta-feira, 08.06.16

sanjay.png

O maior especialista mundial em História da Índia Portuguesa,  Sanjay Subrahmanyam opina sobre uma biografia de D.Francisco de Almeida:

 

'(..)'Folha - Seu livro é permeado de críticas à historiografia portuguesa, nomeadamente ao excessivo nacionalismo que marca as análises da expansão marítima e dos seus heróis. Que prejuízos esse nacionalismo trouxe, se é que trouxe, para a historiografia dos descobrimentos?
Subrahmanyam - Não me parece verdade que o livro seja permeado de críticas desse gênero. Há, sim, algumas críticas, às vezes dirigidas às vacas sagradas dessa historiografia, tal como o Vitorino Magalhães Godinho. O fato é que a historiografia dos Descobrimentos é, quase por natureza e função, nacionalista. Entre os historiadores portugueses que trabalham com o assunto, quem utilizou outros arquivos, outras fontes, tentou ver com outros óculos? Alguns, mas poucos. O curioso é que são pessoas da esquerda que escrevem e raciocinam dessa maneira: tal o caso de Godinho, que contou umas bobagens sobre meu livro a uma revista portuguesa, porque não era capaz de responder sobre o conteúdo científico. Mas, felizmente, há uma nova geração em Portugal que tentou ultrapassar em grande medida esse tipo de visão. Mas ainda se pode ler numa biografia recente de d. Francisco de Almeida que era vergonha nacional que ele fosse assassinado por uns selvagens nus na costa da África ...(...)''

 

Entrevista antiga à Folha, da responsabilidade de Jean Marcel Carvalho França, sobre o seu livro imprescindível, Vasco da Gama, deve-se ler a entrevista toda. 

Já agora ouça o Doutor Sanjay

mn



publicado por porabrantes às 16:59 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A Manif Khoi contra D.Fra...

Povo Khoi celebra vitória...

Quem matou D.Francisco de...

Abrantes é melhor que Alh...

Francisco de Almeida

Quem plagiou quem?

Esteve implicado D. Franc...

O distanciamento

Um nobre lapso

D.Francisco de Almeida as...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds