Quinta-feira, 05.11.20

d.lopo de almeida.png

''D. Lopo de Almeida
Joaquim Vitorino Ribeiro, 1890
Cópia de um exemplar de Francisco Mendes Lima
Óleo sobre tela''

Retrato novecentista do fidalgo de raiz abrantina, D.Lopo de Almeida, que foi um importante benemérito da Santa Casa portuense. 

A Santa Casa homenageia e  biografa um fidalgo com polémico percurso e que foi um dos principais partidários activos da anexação de Portugal à Monarquia Hispânica e da entronização de Filipe II:

Além da Misericórdia local , outro herdeiro de Lopo foi o seu parente, D.Miguel de Almeida, futuro Conde de Abrantes e paladino da Restauração.

ma 



publicado por porabrantes às 11:21 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.10.20

trocos 1939 baluarte.png

O Baluarte, 1929



publicado por porabrantes às 19:13 | link do post | comentar

Domingo, 31.05.20

Pope Sixtus IV.jpg

Justo de Gant 

Francisco della Rovere, em religião, Sixto IV, retira a excomunhão a Lopo de Almeida, conde de Abrantes e à condessa D.Beatriz da Silva, em 28-1-1481. 

Estavam excluídos dos sacramentos porque se tinham introduzido no Convento de Santa Clara de Coimbra, sem respeito pelas proibições canónicas, certamente amparados na confiança do Príncipe D.João, que pela altura era o homem-forte do Reino e que os tinha subcontratado para matérias delicadas, entre as quais cuidar da sua barregã Ana de Mendonça, mãe do bastardo D.Jorge, que nasceu em Abrantes nesse ano. 

Em Santa Clara tinham internado à força, Juana, Rainha de Portugal e Castela. Saíra de Abrantes para lá.Lopo era o chefe da Casa da Rainha. Em 1481, Juana enviúva do velho Afonso V.

Os tratados com Castela obrigavam-na a professar. O seu confessor, Frei António de Abrantes devia insistir. A Rainha recusou sempre. Em 1484, Isabel a ''Católica'' conseguiu uma bula do Della Rovere para forçar Juana a professar.

Nunca professou e viveu muito e enterrou-os a quase todos. Em 1530, quando morreu a ''Excelente Senhora'',  deixou por testamento o trono de Castela a D.João III. O Dicionário Biográfico da Real Academia tem o descaramento de chamar àquela que foi Rainha de Portugal e Castela, apenas princesa.

beltraneja

Juana I, Rainha de Castela e Senhora de Biscaia, Rainha consorte de Portugal

O autor, um medievalista respeitado, Luís Suarez Fernandez, deixou-se levar pelo mais puro  fanatismo castelhanista.

mn      

 PS-Foi numa das mais prestigiadas revistas de História Franciscana que se deu a notícia da excomunhão .

Fica aqui dada ( quem quiser a referência bibliográfica, faça favor de pedir para o blogue, ) para ajudar a pobreza franciscana das biografias camarárias do conde abrantino. Para situar Lopo, o melhor são os estudos de Humberto Baquero Moreno  e Hermínia Vilar. 

 



publicado por porabrantes às 00:02 | link do post | comentar

Domingo, 17.03.19

Leia a história como D.Lopo de Almeida vendeu o cargo de cónego da Sé de Coimbra e terminou acusado de luterano pela Inquisição

luterano 1

Teófilo Braga, História da Literatura Portuguesa-Renascença

 



publicado por porabrantes às 21:43 | link do post | comentar

Quarta-feira, 29.10.14

''Relativamente à administração territorial, Abrantes foi entregue ao domínio senhorial em 1476, com a nomeação de D.Lopo de Almeida como primeiro Conde da Vila. Este novo poder intermédio, concedido à única família nobre existente em Abrantes, foi aumentando durante toda a Idade Moderna'' (...)

 

Ana Paredes Cardoso, p. 14 do livro ''património edificado Centro Histórico de Abrantes''

 

O despautério continua.

O domínio senhorial já existia pelo menos 200 anos antes.

A Hermínia Vilar situou esse momento entre 1281-1287 com a doação do senhorio a Isabel de Aragão. D.Fernando atribuiu o senhorio a Leonor Teles, barregã  do monarca e depois Rainha.

E parece-me que há uma doação a outra rainha antes.

Mas por razões de economia do post vou cingir-me ao período posterior a D.Dinis.

A doação a Santa Isabel foi efectiva?

Foi. Os notários locais, os tabeliães, intitulavam-se ''da Rainha'', diz  Hermínia Vilar .

O primeiro Almeida a ter direitos senhoriais na vila não foi Lopo, mas o seu antepassado Fernão Álvares de Almeida em 1400 (Vilar. p.84).

O poder dos Almeidas não foi aumentando abruptamente ''durante toda a Idade Moderna''  , D.Manuel diminui-o drasticamente ao atribuir o senhorio da vila ao seu filho o Infante D.Fernando, Duque da Guarda, que viveu na vila e foi enterrado em São Domingos.

 

D.Manuel também não renovou o título de Conde de Abrantes, que só voltou a ser atribuído depois de 1640.

Devo parar as críticas a este espantoso  parágrafo  ?

Não.

A Senhora Ana Paredes Cardoso sustenta que os Almeidas eram a ''única família nobre existente em Abrantes''.

Como é que ela sabe?

Encontrou um nobiliário abrantino inédito de 1476?

Um nobiliário que escapou a Diogo Oleiro, Eduardo Campos e à Hermínia Vilar?

E a Alexandre Herculano que também esteve aqui rebuscando papéis velhos?

E a Anselmo Braancamp Freire, o dos Brasões da Sala de Sintra?

E ainda ao Marquês de Abrantes, depois de Braamcamp, o historiador que mais sabia de nobres?  

 

Em 1396 sabemos que Fernão Martins Coutinho tinha casa no Castelo e herdades no termo. A lista do seu pecúlio está na Torre do Tombo.(Vilar, p.36)

Não era nobre o Coutinho?

 

A nobreza também se divide em categorias e dedicava-se às armas, com as chatices que isso traz.

escudeiro.png

 (in Monumenta Henricina,VII volume, Lisboa, organizada por António Joaquim Dias Dinis,OFM, Coimbra, 1965).

 

Ora bolas, não serei eu que retirarei foro de nobreza ao Diogo Delgado, escudeiro, criado de D.João I, que pela Cristandade jazia cativo em terras de mouros.

Nem Afonso V lhe retirava esse foro.

Quem é a Paredes Cardoso para dizer que Diogo Delgado não era nobre?

Saberia ela mais que Afonso V?

MN

Hermínia Vasconcelos Vilar, Abrantes Medieval Séculos XIV-XV, Abrantes 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 12:14 | link do post | comentar

Domingo, 17.11.13

Um magnífico estudo sobre um Almeida de Isabel Guimarães Sá. Da família condal abrantina, educado sob a tutela de D.Jorge de Almeida, Bispo de Coimbra, D.Lopo fez próspera carreira eclesiástica, mas teve problemas com a Santa Inquisição dado que foi acusado de luteranismo. Espião a soldo de Filipe II, para ele trabalhou nas negociações para aclamar o Ogre do Escorial, nas Cortes de Tomar, Rei de Portugal. 

Recebeu a recompensa merecida e continuou, em Castela, próspera carreira eclesiástica. Dado aos negócios dedicou-se à usura, fazendo grossos empréstimos entre eles à única mulher que chegou a ser Jesuíta, a Princesa de Portugal e Infanta de Espanha, Joana de Habsburgo,  ou de Áustria.

Quem era a dama?

A mãe de El-Rei Dom Sebastião.

Joana, por Cristóvão de Morais, Hampton Court, Londres, imagem desviada do blogue http://www.triplov.com/casquilho/diamantes/espelho1.htm.

 

 

 

Quando está  a morrer, Lopo faz testamento e procura perpetuar a sua memória e a da sua estirpe e naturalmente esconder que fora discípulo de Lutero. Doa todos os seus vultuosos bens a uma Santa Casa, a do Porto

 

 

O Hospital da Misericórdia tripeiro será erguido graças aos bens do avisado Lopo e ele ainda hoje é recordado como um dos mais generosos ''benfeitores'' dessa instituição.

 

 

O estudo de Isabel Sá dá-nos a descrição preciosa do que eram os bens móveis de uso quotidiano dum grande fidalgo de finais de quinhentos.

 

E apercebemo-nos doutra vertente dos Almeidas, os negócios e neste caso a usura, prática proibida pela Igreja a um clérigo, como o era Lopo.

 

MN 

 

 

Lopo era um típico exemplar da sociedade civil do seu tempo....



publicado por porabrantes às 17:29 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.03.12

 

 

 

Em 30 de Agosto de 2010 escrevi aqui um post ''O falso Conde'' que me deu algum trabalho.

 

Vinha ilustrado entre outras coisas por esta  artística foto do Doutor Candeias tirada pelo director do Jornal de Alferarrede.  

 

 

 

Dissertava o post sobre D.Lopo de Almeida, de que não se conhecia (nem conhece) nenhuma representação gráfica e que o Doutor Candeias, seguindo Virgínia Rau, achava que se podia ver nesta imagem.  

(vista parcial dum fresco da Biblioteca Piccolomini na Catedral de Siena)

 

 

coisa que sugeriu neste opúsculo

 

 

 

 

Provei eu por a+b+c, citando como obra científica de referência um guia turístico, que as 2 figuras são:

 

a) o que leva a cruz hospitalária (também chamada de Malta) : ''o membro da Fábrica da Catedral Alberto Aringhieri.''

 

b) o vestido de preto sem cruz:   ''Andrea di Nanni Piccolomini, estando a seu lado a sua mulher Agnese di Gabriele Francesco Farnese.'' 

 

Ora em 2008 tinha ganho o Prémio Eduardo Campos uma senhora chamada Andreia de Almeida com uma obra com um título enorme que  para resumir chamo ''D.Lopo de Almeida, Memórias do Primeiro Conde de Abrantes''.

 

É uma obra que me interessa, como me interessa em geral a temática histórica abrantina.

 

Por motivos vários só agora lhe peguei, especialmente devido à polémica acerca do último Prémio E.Campos aqui abordada.

 

 

Acho que vou tratar a obra com a profundidade que merece, se a actualidade deixar.

 

Para começar quero ralhar com a CMA que levou 2 anos a editá-la , prova que as coisas de cultura são para ela o parente pobre a não ser que provenham da Chefa, ou do chefe dela, o Oeesterbeck.

 

Hoje quero elogiar Andreia de Almeida por também ela, como eu, paternalmente no meu caso, maternalmente no seu, corrigir o Senhor Doutor Candeias (da Academia de História e do CHELA)  quando à identificação das personagens que aparecem no fresco.

 

A história é uma construção e um aperfeiçoamento contínuo e as viagens ilustram, como concordará comigo, a Andreia, porque é amiga das viagens e, como eu, adepta da utilização dos guias turísticos como bibliografia científica de referência.

 

 

Eu fui a Siena e  usei o guia

 

 

A Andreia usou a edição italiana, bravo por usar o original, ''La Libreria Picollomini nel Duomo di Siena, Scala, Firenze, 1982.

 

Eu usei a francesa porque é anterior.....

 

A Andreia, como é muito bem educada, não corrigiu liminarmente o Sr. Doutor Candeias como eu e colocou as 2 hipóteses em confronto, mostrando no entanto que no seu subconsciente se inclinava para a hipótese moderna sugerida pelo guia turístico.

 

Ambos, eu e a Andreia, cultivamos enorme admiração pela obra do Doutor Candeias, a quem a Andreia a páginas 11, da obra citada, classifica como eminente investigador, coisa que na introdução de qualquer trabalho concorrente ao Prémio Eduardo Campos deve ser feita, como manda a lógica e a ética!!!!

 

Ambos estamos de acordo que uma obra eminente pode ser contestada por um guia turístico, que no meu caso não me custou 6,5 € porque a a caríssima Mónica mo ofereceu, coisa chata porque me obrigou a gastar 50 € num ramo de rosas vermelhas porque ela, apesar de Marchese é rossa  ...... como  Enrico Berlinguer. 

 

E ambos estamos de acordo que para as ciências históricas os guias turísticos são uma  fonte primária......

 

Comecei a escrever em italiano, porque decerto, cara Andreia, você sabe a língua de Dante, tão bem como o Doutor Oeesterbck.

 

Qualquer português, excepto a Senhora de Tabucchi, ao meter-se no toscano se arrisca a erros e acidentes.

 

Foi o que lhe aconteceu,a si.

 

  academia edu.

 

Mas antes disso deixe-me dizer-lhe que a sua obra é muito popular entre os autarcas abrantinos, tendo cada um dos vereadores um exemplar que foi lhe graciosamente oferecido pela Presidenta.

 

Volto à questão do italiano, você diz no seu livro que Alberto Aringhieri (o homem da Cruz de Malta) era um   

 

 

 

''operário do Duomo''.

 

 

Cara Andreia, o homem está perto do Imperador, vai vestido como um aristocrata, leva a Cruz dos Hospitalários, insígnia que mostra que é Cavaleiro dessa Ordem e a Senhora transforma-o num

 

 

OPERÁRIO!!!!!

 

 

o que diz o texto é  que o  Cavaleiro era ''membro da Fábrica da Catedral'' ou seja é da Comissão Fabriqueira do Duomo

 

 

 

 

este imponente edifício com que os de Siena pretendiam deixar humilhado o Duomo de Florença..... 

 

 

porque para um patrício ou popular de Siena 

 

 

 

não há melhor desporto desde a Idade Média que chatear os de Florença....

Trata-se dum lapso menor ao alcance de qualquer um,que não invalida a sua obra que continuarei a estudar atentamente.

 

Marcello de Noronha 

 Bibliografia: Vita d’uomini illustri de Vespasiano da Bisticci (1421-1498)



publicado por porabrantes às 19:08 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

D.Lopo, o Almeida luteran...

D.Lopo de Almeida só tinh...

Della Rovere retira excom...

Dia do Senhor: Não vale a...

Ana Paredes Cardoso, os A...

O usurário D.Lopo de Alme...

“Vita d’uomini illustri”,...

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds