Segunda-feira, 13.05.19

diogo oleiro 6-11-19191

Diário das Sessoes de 6-11-1919

 



publicado por porabrantes às 19:39 | link do post | comentar

Sábado, 09.03.19

código

 

Escreve assim o Prof Doutor Meneses Cordeiro, num brilhante estudo,

''O Divórcio e o Casamento na 1º República''

 

meneses

Quem conseguiu o  lugar em Abrantes?

Diogo Oleiro

 

Quem mandava em Santarém?

O Tio dele, Ramiro Guedes...., Governador Civil

a leitura está feita, Oleiro era um radical republicano em 1911.....

Tudo isto aparece por acaso e ainda falta ver qual foi a alteração feita à pressa à Lei do Divórcio de 1910 para que a excelentíssima Senhora D.Clemência Dupin se pudesse divorciar ......

 

O que foi mudado foi o art 7º :

''7º A loucura incurável quando decorridos, pelo menos, três anos sobre a sua verificação por sentença passada em julgado, nos termos dos artigos 419º e seguintes do Código do Processo Civil; (redacção de Diário do Governo, nº26, 4/11/1910)''

 

divórcio dupin

 

mn

 

 



publicado por porabrantes às 20:06 | link do post | comentar

Domingo, 30.12.18

vcondesantaremp

Manuel Francisco de Barros e Sousa de Mesquita de Macedo Leitão e Carvalhosa, 2º Visconde de Santarém, foi um político, diplomata e historiador importante do sec XIX.

Desempenhou cargos de governo no consulado miguelista e quando da derrocada do regime absoluto, na sequência da guerra civil, refugiou-se em Abrantes, acompanhando as Infantas e outras personalidades que fugiam de Santarém.

Deixou copiosa obra, especialmente importante sobre os Descobrimentos, boa parte feita no exílio  ( seguiu esse caminho , porque coitado não teve a flexibilidade para se tornar num bom liberal, era burro, o nobre Visconde) e uma ingente correspondência, publicada pelo seu neto, o 3º Visconde, com muitas personalidades  do seu tempo, incluindo algumas que eram suas adversárias políticas, mas que o respeitavam como um prestigioso homem de Cultura e  cultivado diplomata. 

Santarém, em Setembro de 1833, ficou alojado na casa de Brás Consolado ,  o mais rico dos negociantes e proprietários locais e homem flexível.

De miguelista passaria a ser bom liberal.

A casa era na rua Manuel Constâncio.

Em 1853, o dono do Convento de Cristo,  que o comprara por 5 contos, Costa Cabral, Conde de Tomar à época,    

costa cabral

escreve ao exilado miguelista, pedindo-lhe informações sobre os Templários e o Convento de Cristo.

Por carta de 29 de Março de 1853, o Visconde informa Costa Cabral que só lhe pode dar informações parciais sobre a questão da Ordem Militar, porque os apontamentos que tinha sobre Tomar, e sobre o Convento e Igrejas, aí coligidos durante uma larga estadia, lhe tinham sido roubados  durante o transporte dos seus bens de Abrantes para Lisboa, juntamente ''com a sua prata'', quando ele tivera de acompanhar as Infantas e o Tesouro Real, que estivera depositado, cá na terra, em busca de segurança  na raia alentejana,  em Outubro de 1833. 

Tendo em conta a sua obra de Historiador.....podemos dizer que se perdeu um tesouro ......para a História templária....graças ao saque dos liberais aos bens de Manuel Francisco de Barros e Sousa de Mesquita de Macedo Leitão e Carvalhosa.

mn

 

Diogo Oleiro, Abrantes, Cidade Florida

 

Correspondência Científica e Literária do Visconde de Santarém

Coisas sérias sobre o Templo :

Alain Demurger, Les Templiers, une chevalerie chrétienne au Moyen Âge, Paris, Seuil, coll. « Points Histoire », (1re éd. 2005), 664 p., poche (ISBN 978-2-7578-1122-1)

 

ver aqui donde se retirou

 

 

 



publicado por porabrantes às 12:18 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.12.18

Fez-se aqui um post sobre a venda na Cabral de Moncada, duma peça proveniente do Convento da Graça.

mendonça

Em 2016, o Doutor Mário Varela Gomes identificou e estudou outra peça que considera singular, também proveniente do dito Convento e comprada em leilão na Soares & Mendonça,  pelo Dr.Fernando Moncada Costa, que a ofereceu ao Museu de Olaria de Barcelos.

A peça tinha atestada a sua origem, por uma inscrição a tinta da china onde se lia '' Sec XVII- (...) Encontrei-a numa cisterna entulhada do Convento da Graça, do desaterro para a estação de camionagem ''.

Trata-se das obras que foram feitas, sacrificando acefalamente a cerca do Convento, para construir a garagem dos Claras.

claras 61 joao paulo matos

E outra cerca (agora a de S.Domingos) voltou a ser anexada para fazer a USF dos dois  desgraçados mortos em acidente de trabalho.

Mestre Diogo Oleiro anotou o achado de várias cerâmicas do Convento. 

E é provável que esta peça e mais algumas que foram vendidas provenham da sua colecção.

O artigo do eminente arqueólogo saiu na revista ''Arqueologia & História'', nº 68, 2016.

Leva o título acima enunciado e o Autor considera que a peça que só teria  paralelo, pela sua forma rara, com outra barroquizante, proveniente da fossa-lixeira do antigo Convento de Santana em Lisboa.

A peça é de barro fino, e MVC  anota que um dos centros produtores destas peças era o Sardoal.

Deixo para os interessados em cerâmicas a leitura do artigo.

E volto a escrever o que já se  tinha dito no post anterior   

  ''

Como é que coisas do espólio histórico dos nossos conventos  se encontram à venda?

(...)

O que é que anda a fazer o Luís Dias?

 

O que é que andou a fazer a Isilda?

Os pratos das nossas freirinhas de setecentos deviam estar num Museu abrantino, já basta que as peças nambam e os brincos  de ouro estejam no MNAA.

 

Calculo donde isto veio e sei que a perseguição e a falta de educação duns irresponsáveis  levaram a isto.''

(..)

Já agora também comprámos umas coisas, que deviam estar no AHA ou noutro sítio abrantino, mas que não devem ser entregues a irresponsáveis.

mn 

bibliografia: Diogo Oleiro, O convento da Graça, Jornal de Abrantes

Mário Varela Gomes, estudo citado

 

ps- a única bibliografia abrantina que cita o autor, é o sr. José Vieira, no Jornal de Alferrarede. que pelos vistos é fonte mais credível que a Zahara .... 

    



publicado por porabrantes às 20:22 | link do post | comentar

Terça-feira, 10.07.18

O Dr.Álvaro Batista, arqueólogo da CMA, faz algumas observações sobre a criminosa destruição das ruínas de S.Amaro, imóvel classificado, e um dos poucos restos da Abrantes quinhentista.

E faz algumas perguntas e considerandos, que urge tratar.

Pergunta o arqueólogo se houve resposta pública à carta aberta do historiador dr. Paulo Falcão Tavares.

Não houve essa resposta.

Foi contactado por este blogue um Vereador da Oposição e mesmo assim o assunto não foi tratado em sessão camarária, como devia ser.

Mas a CMA respondeu à Tubucci e tivemos acesso a essa resposta.

Mas antes disso convém esclarecer que foi a CMA que destruiu a capela e só lá deixou o cunhal.

Isso foi no século XIX, para alargamento da rua, agora baptizada Marquês de Pombal, tendo mais tarde Diogo Oleiro (cuja família era a dona dos imóveis) oferecido a imagem do Santo à Igreja de São Vicente.

santo amaro 8

 

Graças ao Dr.João Nuno Alçada, neto de Diogo Oleiro, sabemos que a sua família comprou em 1871, por 30.000 réis, a D.Maria Cândida Oliveira Falcão e a João Tavares Oliveira Graco, um casarão que tinha sido capela de Santo Amaro, sito na Rua da Corredoura.

Regresso à resposta da autarquia, sobre as perguntas concretas disse isto:

resposta 1

Ou seja não informaram quem era o representante legal da empreiteira

Sobre a alínea c) deram uma resposta evasiva

Sobre a alínea d)

resposta 2

resposta 3

 

 Aos considerandos da Tubucci pelas pinturas criminosas dos vândalos do Creativ Camp não foi dada resposta.

Aos considerandos da Tubucci sobre a destruição da muralha no Largo da Feira, não foi dada resposta.

Sobre o caso concreto de Santo Amaro, foram publicadas a 4/9/17 fotos da destruição  e a CMA ficou muda.

A CMA sabia da intenção dos empreiteiros e não tomou as providências cautelares necessárias.

Diz o Álvaro que a CMA enviou o assunto para tribunal.

Basta isso?

Não basta, a CMA tinha o dever de embargar a obra licenciada e não o fez.

Como  não embargou as obras ilegais com que o Graça das seringas   deu  cabo da Quinta do Vale de Roubão.

Como não o meteu num tribunal.

A política patrimonial desta gente caracteriza-se por pagar a tipos para pintarem imóveis classificados sem licença da tutela.

Por demolir muralhas históricas.

Por tentar construir torres de 40 metros em edifícios do século XVI.

Pode isto mudar?

Pode, se a sociedade civil protestar.

Se os media denunciaram a situação.

Se os partidos e agentes políticos actuarem.

Mas sei por informação da Tubucci que algum media subsidiado se recusa a publicar denúncias.

 

MA  

  



publicado por porabrantes às 18:04 | link do post | comentar

Terça-feira, 18.07.17

Bairrão Oleiro arq. port.png

A família do Prof. Bairrão Oleiro manifestou por carta à cacique o seu agradecimento pela homenagem a Diogo Oleiro

O dr.Manuel Bairrão Oleiro exprime na carta ;

mbo.png

Ou seja lembra que autarcas como José Bioucas, Humberto Lopes e Nelson Carvalho e esta cacique desprezaram o contributo histórico de Diogo Oleiro para o património da Cidade.

HUMBERTO LOPES BARCA.jpg

 

Deve incluir-se nesta lista os Vereadores da Cultura como Alves Jana, o Lopes das Mouriscas, a Isilda que de esposa do ex-Vereador  passou a Vereadora e depois a girl do MIAA.....a marçalista  Anabela Matias, etc que tinham de assessorar os caciques e não o fizeram....

 

E resta acrescentar que o desprezo ao trabalho histórico de Diogo Oleiro

Diogo oleiro.jpeg

veio na sequência de publicações de Eduardo Campos e de Candeias Silva...

 

É politicamente incorrecto escrever isto?

 

Pode acontecer que sim, mas é pia verdade.

 

E lamentável foi, que Lucília Moita, que como Directora do D.Lopo, tinha obrigação de saber do papel de Mestre Oleiro na preservação da nossa memória, não tivesse alçado a sua voz publicamente para condenar a actuação desta gente.

lucilia (2).png

 

 

 

O nosso obrigado ao Dr.Manuel Bairrão Oleiro por chamar as coisas pelo seu nome.

ma 

      



publicado por porabrantes às 13:09 | link do post | comentar

Sexta-feira, 09.06.17

casa de diogo oleiro.jpg

A homenagem a Diogo Oleiro devia (além de mais coisas) ter incluído o descerramento duma lápide na casa onde o Mestre viveu e escreveu tantos dos seus estudos abrantinos. Mas não houve lápide.

Não nos digam que é porque querem demolir esta notável peça de arquitectura novecentista abrantina...

mn



publicado por porabrantes às 10:05 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.05.17

Postal do Dr.Emílio Salgueiro para Diogo Oleiro

 

diogo 4.jpg

onde o jurista abrantino lhe dá pressa para terminar o artigo sobre Abrantes....para o 2º volume do Guia de Portugal  de que Raul Proença estava a organizar a edição

diogo 6.jpg

 

raul proença.png

 

O artigo foi aqui reproduzido, com continuação neste post

 

Diogo oleiro.jpeg

O dr. Emílio Salgueiro  foi um apaixonado estudioso de História abrantina, um magistrado de dilatada carreira (não encontro agora a foto) e autor de obras inéditas como ''“Famílias Nobres de Abrantes e seu termo” e de muitos artigos dispersos sobre temática abrantina

 

Parece que vão homenagear Mestre Diogo Oleiro. Só peca por tardia a homenagem. Mas este postal e a sua correspondência com o Emílio Salgueiro devia estar no AHA e não está por culpa duma pegacha.

ma 



publicado por porabrantes às 21:54 | link do post | comentar

Domingo, 16.04.17

                

 

Publica-se novo texto de Diogo Oleiro, originalmente dado à estampa no semanário ''Jornal de Abrantes'', onde o Autor evoca como era a Semana Santa e a Páscoa em Abrantes no início do século XX.

 

mn



publicado por porabrantes às 13:07 | link do post | comentar

Sexta-feira, 24.03.17

Publica-se parte dumas de muitas fichas de Mestre Diogo Oleiro

 

Diogo oleiro.jpeg

dedicadas a preparar uma obra sobre História Militar de Abrantes, que nunca viu e luz, entre outras coisas devido à morte repentina do Autor,se bem nos lembramos por volta dum Dia de Natal

história militar abrantes.jpg

Este trabalho beneditino encontra-se na posse dum coleccionador abrantino que nos cedeu a imagem e a quem se agradece.

Devia escrever mais sobre isto, mas se as fichas se salvaram, foi porque houve gente preocupada em defender a memória de Abrantes e de Diogo Oleiro.

Sem ele não haveria quase História de Abrantes e História Militar de Abrantes.

ma .

Seria bom que a tropa se tivesse interessado por isto, mas andava a desfilar ao lado do caciquismo

 

foto:in Abrantes Cidade Florida



publicado por porabrantes às 16:57 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Protesto dos oficiais da ...

O Registo Civil como arma...

A perda do Tesouro templá...

Bibliografia abrantina: ...

Porque não embargou a CMA...

Diogo Oleiro e a nossa m...

A lápide

Diogo Oleiro e o Guia de ...

Aleluia e Páscoa por Diog...

História Militar de Abran...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds