Terça-feira, 07.08.18

Uma sonora canalhada dos anti-clericais foi esta lista ignominiosa exposta no Museu do assassino Buíça, também conhecido pelo Museu do Regicídio, inaugurado solenemente em 1910, pelo Bernardino Machado, etc. 

É o catálogo das ''Jesuítas'' ou melhor das Doroteias, caçadas pela República e muitas delas enviadas para o exílio, depois de humilhadas e enxovalhadas pela ralé, com o apoio das polícias e o aplauso de gente como Ramiro Guedes.

catálogo

É provável que alguma  destas freiras tenha passado depois pelo Colégio de Fátima, nesta cidade.

emília villas boas

Parte desta história de perseguição conta-se nesta biografia de D. Eugénia de Jesus Maria José de Sousa e Holstein 

memórias madre monfalim

 

Um regime que obriga ao exílio gente honrada, é um regime condenado a acabar mal.

Recentemente Manuela Mendonça, Presidente da Academia Portuguesa de História e discípula dilecta de Veríssimo Serrão, dedicou este estudo à diáspora das Doroteias

mendonça

ler aqui e há uma referência ao Colégio desta terra, que a estupidez da cacique levou a fechar

na europa

 Só convém recordar que um dos poucos católicos que levantou (pouco) a voz contra a estupidez foi o actual Bispo de Portalegre e Castelo Branco.

mn



publicado por porabrantes às 08:57 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.10.16

Já li uns artigos e ouvi bocas na rádio, sobre a história deste Colégio. Mas o melhor é lê-la escrita pelas Doroteias (também há umas páginas de memórias escritas por Manuel Fernandes.)

colégio de fátima - copia.png

 

 

''No dia 30 de Setembro de 1940, as primeiras Irmãs de Santa Doroteia pisaram terras de Abrantes. Eis os nomes das primeiras fundadoras: Madre Mª José Martins, Madre Amália Bastos e Irmã Castro. Vieram em seguida Madre Mª dos Prazeres Almeida, Sr. Madalena Casaleiro, Sr. Mª Eduarda Fernandes, Madre Mª Luísa Galt, Madre Attracta Halpin, Irmã Maria Marques, Irmã Júlia Coelho e, no dia 11 de Outubro, a Rev.da Madre Mª José Oliveira Monteiro que foi a primeira Superiora desta Casa».

Quem pode dizer «Eu estava lá...»?

I''r. Maria Eduarda Fernandes,

90 anos, Comunidade de Coimbra''

 

Fiz parte do grupo das primeiras Irmãs que foram para Abrantes.

No dia em que partíamos para a nova missão, fomos à Missa todas juntas na Igreja de Nª Sª de Fátima, nos Jesuítas do Porto, e fomos de comboio até ao Entroncamento. Ali nos esperava o Dr. Manuel Fernandes e uma pessoa da Família Moura Neves, com dois carros, para nos levarem para Abrantes.

Era em meados de Setembro. As obras estavam atrasadas, e a Comissão pediu que viessem as Irmãs para ver se os operários adiantavam os trabalhos.

Dormíamos todas no sótão, sem cortinas, sem nada. Não havia fogão. O Dr. Manuel Fernandes e a Família Moura Neves iam buscar-nos para almoçar e jantar. O pequeno-almoço e a merenda eram preparadas por nós.

Como era tudo muito cerimonioso nestas famílias, não comíamos o suficiente, por não estar à vontade. Eles perceberam isso e passaram a mandar-nos as refeições ao Colégio.

Vivíamos com dificuldades monetárias, não porque não houvesse dinheiro, mas porque a Ir. Mª Amália Bastos não gostava de o gastar, como se pode ver pelo episódio seguinte: Vinha para Abrantes mais uma Irmã, a Ir. Mª dos Prazeres Almeida. Fui encarregada de ir buscá-la ao comboio. A Ir Mª Amália deu-me uma moeda de vinte e cinco tostões e disse: "Veja lá, não os gaste"! Eu tomei aquilo à letra e fui a pé até à estação que era no Rossio ao Sul do Tejo. Ali encontrei umas pessoas que também tinham ido esperar alguém, pedi uma boleia para ela e vim outra vez a pé com o dinheiro na mão… Cheguei a casa e entreguei-lho.

Entretanto, foram chegando outras Irmãs, e por fim veio a Superiora, Ir. Mª José Oliveira Monteiro.

As obras da casa prosseguiam, e nós íamos confeccionando algumas alfaias litúrgicas

As alunas iam chegando. O Colégio abriu no dia 13 de Outubro de 1940. A Missa de abertura foi muito solenizada: a Ir. Galt, que tinha vindo de Inglaterra, foi a organista, e todas as Irmãs cantaram. Passámos a ter Missa todos os dias, celebrada pelo Sr. Cónego Martins, que foi nosso Capelão durante algum tempo. E à tarde tínhamos o Terço presidido por ele, com a Bênção Eucarística.

Semanalmente ia o Sr. Padre João Maia, jesuíta, dar catecismo às mais crescidas. O P. Agostinho Veloso era o confessor extraordinário da Comunidade; era um grande amigo dos Moura Neves.

população de Abrantes era muito nossa amiga, em particular as famílias das primeiras alunas; todos acolheram muito bem as Irmãs.

Havia um grupinho de internas, umas da Covilhã, outras dos arredores de Abrantes e Santarém. Eram todas muito dedicadas às Irmãs. Gostavam tanto de estar no Colégio que nas férias queriam vir uma vez por semana para estarem com as Irmãs e brincarem. Então as três juniores (Mª de Lurdes Belo, Madalena Casaleiro e eu) revezávamo-nos para estar com elas.

O Dr. Manuel Fernandes tinha imenso brio no Colégio, e para que as Irmãs tivessem gosto por aquela região do Ribatejo, todos os fins de semana ia buscar um grupinho para lhes mostrar os arredores: Vila Nova da Barquinha, Castelo de Almourol, Rossio, Barragem de Castelo de Bode…

Os resultados do primeiro ano lectivo satisfizeram muito as famílias. Duas alunas minhas foram apresentadas a exame no Conservatório, e tiveram muito boas notas. Realizaram-se exames no Liceu de Santarém com óptimos resultados.

As Irmãs iam dar catequese a S. João e depois também a S. Vicente.

No ano seguinte a Comunidade foi aumentada com algumas transferências: em substituição da Ir Mª Amália Bastos, a Ir Júlia Manzi Valente; a júnior Mª Emília Villasboas e mais alguma vinda da Inglaterra.

O espírito das alunas continuava muito bom; o internato foi aumentando… Mas em Fevereiro, com muita satisfação minha, fui escolhida para ir para Angola onde fiquei 22 anos.

Depois de ter vindo de Angola, em 1963, estive um ano em Viseu, e depois a Ir. Furtado

A população de Abrantes era muito nossa amiga, em particular as famílias das primeiras alunas; todos acolheram muito bem as Irmãs.

Havia um grupinho de internas, umas da Covilhã, outras dos arredores de Abrantes e Santarém. Eram todas muito dedicadas às Irmãs. Gostavam tanto de estar no Colégio que nas férias queriam vir uma vez por semana para estarem com as Irmãs e brincarem. Então as três juniores (Mª de Lurdes Belo, Madalena Casaleiro e eu) revezávamo-nos para estar com elas.

O Dr. Manuel Fernandes tinha imenso brio no Colégio, e para que as Irmãs tivessem gosto por aquela região do Ribatejo, todos os fins de semana ia buscar um grupinho para lhes mostrar os arredores: Vila Nova da Barquinha, Castelo de Almourol, Rossio, Barragem de Castelo de Bode…

Os resultados do primeiro ano lectivo satisfizeram muito as famílias. Duas alunas minhas foram apresentadas a exame no Conservatório, e tiveram muito boas notas. Realizaram-se exames no Liceu de Santarém com óptimos resultados.

As Irmãs iam dar catequese a S. João e depois também a S. Vicente.

No ano seguinte a Comunidade foi aumentada com algumas transferências: em substituição da Ir Mª Amália Bastos, a Ir Júlia Manzi Valente; a júnior Mª Emília Villasboas e mais alguma vinda da Inglaterra.

O espírito das alunas continuava muito bom; o internato foi

foi aumentando… Mas em Fevereiro, com muita satisfação minha, fui escolhida para ir para Angola onde fiquei 22 anos.

Depois de ter vindo de Angola, em 1963, estive um ano em Viseu, e depois a Ir. Furtado Martins chamou-me para Coordenadora de Abrantes. Vim encontrar muitas pessoas ainda conhecidas, mas algumas tinham já falecido.

Encontrei o mesmo ambiente bom entre as alunas e as Irmãs. Tinha aumentado o número de professores, alunas e Irmãs. Era vice-superiora a Ir. Laura Azevedo, que veio a falecer em 1966.

Em 1966 celebraram-se as Bodas de Prata do Colégio. Toda a população se uniu para celebrar essa data. Foram convocadas antigas alunas e Irmãs. Houve Missa de grande festa, uma Sessão Solene no Teatro, uma festa no Colégio: no ‘quadrado’ devidamente engalanado, ao redor de uma chama, apresentou-se um recital composto pela Ir. Laura Soares, que nessa altura já estava nas Calvanas.

Pela morte da Ir. Laura Azevedo, veio temporariamente a Ir. Hermínia Bacelar, substituída depois pela Ir. Alice Burguete, que tinha vindo para descanso e tratamento, e assumiu o cargo, uma vez restabelecida. Por essa altura, a Comissão propôs à Congregação a compra do edifício do Colégio por um preço simbólico. Fez-se a aquisição do olival contíguo ao terreno do Colégio e do Quartel ao lado, uma vez que o Ministério do Exército construíra outro edifício um pouco afastado da cidade. Este antigo quartel tinha sido em tempos Convento da Esperança, por isso lhe demos o nome de Casa da Esperança. Para esta aquisição muito contribuiu o pai da nossa Irmã Maria de Lurdes Dias Ferreira, que era major do Exército.

Estes contratos foram ultimados pela Ir. Mª José Lencart que me substituiu, quando em 1968 fui transferida para Fátima.

Estive 15 anos em Abrantes, a partir de 1951.

Ir. Alice Burguete,

86 anos, Com. Escolar Calvanas

Era roupeira da ‘casa’. Apanhei uma época de mudança de hábitos das Irmãs, mas também trabalhei nos uniformes das ....meninas, que acompanhava ao alfaiate. Renovei os dormitórios (colchas, cortinados...), as toalhas do refeitório, fiz paramentos de todas as épocas litúrgicas, numa altura em que a capela se modificou (era Superiora a Irmã Maria Emília Villasboas).

Estava em Abrantes por ocasião das Bodas de Ouro da Madre Corte-Real; foi uma grande festa, com muitos presentes, e dentre eles um paramento que foi lindamente bordado pela casa de Vilar. Tinha também o ofício das Visitas; iam lá muitos padres...

Gostei muito, muito de lá estar, e custou-me muito sair. Era uma casa que tinha alguma coisa de especial, desde a Superiora às Irmãs e Meninas, que eram especialíssimas. Houve muitas vocações no Colégio.

Recordo as festas litúrgicas, especialmente a procissão do Corpo de Deus, em que a primeira bênção era na nossa casa. As meninas metiam vista na procissão. Mas isso dava trabalho: as túnicas dos anjos, as asas... Havia também o sagrado lausperene todos os meses.

Recordo também algumas coisas engraçadas:

No andar da capela não dormia ninguém, o que começou a preocupar as Irmãs. Como eu tinha fama de não ter medo (mas tinha...), fui escolhida para passar a dormir no gabinete da Mestra Geral. Uma noite o alarme da capela tocou... Era rebate falso, mas foi um grande susto!

A casa dos soldados ficava mesmo diante do meu quarto. No tempo do calor não podia abrir a janela. Uma vez vieram comer fruta, sentados no muro mesmo diante da janela do meu quarto; acordei com as vozes dos homens, e ia ficando gaga...

''

 

Um testemunho importante. Publicado com a devida vénia à Província Portuguesa de S.Paula Francinetti

 

a redacção

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 15:28 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22.01.16

 

 

 

O Abrantes Cidade divulgou isto. O médico dr. José Falcão Tavares dispara confundindo um poético cisne com um ganso.

ganso.png

 

 

Os cisnes são muito poéticos

Luís Vaz de Camões
O cisne, quando sente ser chegada
A hora que põe termo a sua vida,
Música com voz alta e mui subida
Levanta pela praia inabitada.

Deseja ter a vida prolongada
Chorando do viver a despedida;
Com grande saudade da partida,
Celebra o triste fim desta jornada.

Assim, Senhora minha, quando via
O triste fim que davam meus amores,
Estando posto já no extremo fio,

Com mais suave canto e harmonia
Descantei pelos vossos desfavores
La vuestra falsa fé y el amor mio.

 

Mas como poeta, o Tavares deve preferir trovar a gansos. Sendo de ciências, terá estudado Zoologia, onde se distingue gansos de cisnes.

E também terá tido uma capoeira de gansos e galinhas e frangos, em Alferrarede.

Mas não de cisnes, que só vogavam no lago do Pais do Amaral.

Bem ao menos não disse que o ''ganso'' era um frango, isso lembrar-lhe-ia o melhor guarda-redes benfiquista, o roberto

 

Um cisne desses foi roubado nos inícios dos 70 por certos finalistas do Liceu (a primeira fornada). Estava bom, disse-me um colega do dr.Tavares, o falecido médico Miguel Robalo. O Mário Semedo enviou umas penas do cisne ao dr.Agostinho Baptista.

Para o homem se disfarçar de índio, quando inaugurasse a azinhaga do Baptista, ou seja a R. de Angola

tribunal-de-trabalho-de-abrantes-1.jpg

Tribunal, na Azinhaga do Dentista,  pago pelas Doroteias que em compensação receberam o ex-Distrito da Reserva do Ministério do Exército.

mn 

 

o médico Agostinho Baptista era dentista, mas médico, não como o dentista Dinis das Bibliotecas-Panzer

 



publicado por porabrantes às 11:20 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.08.15

As obras ilegais levadas a cabo pelo Cónego das Seringas

estrela.jpg

em 1990, no Convento da Esperança, propriedade das Doroteias,

convento esperança interior.jpg

 também provocaram um morto, o Senhor Estronca, que era o empreiteiro ....

Graça actualmente.JPG

a Nova Aliança nunca publicou a notícia, que eu me lembre, publicou-a o Jornal de Abrantes, dirigido por Jorge Moura Neves Fernandes que o tonsurado insultara uns dias antes do desenlace fatal.

Naturalmente o grande lavrador e Advogado Jorge Fernandes espancou, sem piedade, o Abade made in Nisa. Uma resposta sarcástica que ficou nos anais do jornalismo abrantino.   

Dias depois uma parede desabou, na Igreja da Esperança,  e matou o Senhor Estronca.....

De novo uma obra ilegal....

Por não licenciada pelo IGESPAR 

A paróquia nunca publicou o relatório acerca das causas do acidente

Espera-se que ao menos o melhor amigo do multimilionário angolano da Cabeça Gorda (depois do Ricardo Salgado) celebre cada ano uma missa à borla por alma do digno sr. Estronca, sem pedir uma esmola à família para comprar seringas, financiar  obras ilegais ou ajudar a drª Ana Soares Mendes a comprar tesouras para continuar a censurar na folha clerical.

Amen, quem ler o post tem

oraçao.jpg

tem 100 dias de indulgência 

 

mn



publicado por porabrantes às 16:48 | link do post | comentar

Domingo, 16.08.15

freiras 2.png

As Reverendas Madres actualizam-se pelo nosso blogue.....

 

colégio de fátima.jpg

 Agora falta emitirem um comunicado anunciando que desfizerem o negócio com a CMA, nem que seja para honrar a memória do Dr.Manuel Fernandes

manuel fernandes.jpg

ma



publicado por porabrantes às 14:40 | link do post | comentar

Sábado, 15.08.15

 

Paola_frassinetti.jpg

 No Público:

 

Andreia Sanches e Lusa

14/08/2015 - 14:00

''

Ministério da Educação e Ciência diz que vai ser proposto o cancelamento do alvará da escola privada.

Nesta quinta-feira começaram a ser contactados pelo Agrupamento de Escolas Luís de Camões, em Lisboa. Em pleno mês de Agosto – período de férias – ficaram a saber que os filhos ficaram sem escola. E que têm de arranjar alternativa até Setembro. Os pais dos alunos do Colégio Paula Frassinetti, um estabelecimento de ensino privado que fechou as portas, sem aviso, estão indignados e há mesmo quem admita vir a processar a directora do colégio.

Em causa estão 32 alunos, do pré-escolar ao 4.º ano do ensino básico, que frequentavam o colégio, disse ao PÚBLICO Luís Domingues, da direcção do Agrupamento de Escolas Luís de Camões – um agrupamento de escolas públicas que tem a tutela administrativa daquele colégio privado.(...)

 

“Na quarta-feira, a directora do colégio Ana Paula Fernandes disse-nos que o estabelecimento ia fechar e começámos a contactar os pais”, continua o professor. “Os pais não estão a reagir bem porque foram apanhados de surpresa e alguns até já tinham pago o ano todo.” (...)

 

Entretanto as Doroteias divulgaram este comunicado:

doroteias.png

Ficamos contentes e ficaremos mais quando as piedosas irmãs desfizerem o negócio com a CMA e decidirem manter o colégio abrantino aberto. 

 

mn



publicado por porabrantes às 17:27 | link do post | comentar

Quinta-feira, 25.09.14

 

 

 

A benção papal foi dada, era Papa Pio X, fresco era o Pontífice para modernices, era o da Syllabus

 

As freiras queixam-se com toda a razão da série de ofensas, roubos e injustas prisões que sofreram depois do 5 de Outubro. Venha o Candeias da Silva explicar à Madre Monfalim que não houve perseguição religiosa

 

Quem apoiou as freiras foi a nobreza e o povo, a Irmã Eugénia chamava-se Eugénia de Souza e Holstein-Beck, era uma Palmela e usa Monfalim porque é um título de nobreza desta casa.

 

Conseguiram fechar todos os colégios que depois abriram na Galiza, onde se encheram de meninas portuguesas, cujos pais recusavam a educação ''laica''. Naturalmente prá Galiza foram várias filhas de dirigentes republicanos, que queriam as meninas bem educadas.

 

Quando ouço alguma dama falar na Assembleia Municipal sobre as Doroteias e não sabe quem foi a Madre Monfalim, a única coisa que me apetece é mandá-la instruir-se.

 

Pode instruir-se lendo esta tese :

 

AS DOROTEIAS EM PORTUGAL (1866-1910):

UMA DIFÍCIL IMPLANTAÇÃO *

MARIA LÚCIA DE BRITO MOURA

 

é bastante boa e foi donde tirei a carta de Madre Monfalim ao Papa que disse que o ''liberalismo era pecado''.

 

Seria comunista?

 

MN

 

como notarão fala-se dum homem cá da zona, Lino Neto, que fez o que um homem de honra devia fazer, ajudar as freiras  

      



publicado por porabrantes às 19:42 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.09.14

 

A cacique, acolitada pelos péssimos serviços jurídicos da autarquia, queria apresentar e apresentou na última sessão camarária de que há acta publicada (12/8) a renovação do protocolo que mantinha com o militar na reserva Norberto Bernardes para o cargo de Provedor do Munícipe.

 

Segundo a actazinha o protocolo a celebrar com o pára-quedista (brilhante oficial da guerra colonial) seria para todo o mandato em curso.

 

Acontece que a cacique se esqueceu que há uma Lei recente que proíbe expressamente os reformados de desempenharem graciosa ou remuneradamente funções públicas.

Exceptuam-se cargos políticos caso do reformado Aníbal do Vale da Coelha.   E por exemplo médicos a trabalhar no SNS como o poeta reformado Falcão Tavares.

 

Algum constitucionalista, caso do Jorge Miranda, colocou em causa a constitucionalidade da Lei, que o reformado Aníbal do Vale da Coelha não teve problemas a promulgar.

 

Agora é um absurdo típico dos caóticos serviços jurídicos municipais, comandados por quem a malta sabe, mandarem prá sessão outra proposta ilegal e não terem descoberto que a Lei está em vigor desde 25-2-2014!!!!!

 

Entretanto  meteram de novo o pé na poça e já há novo contrato-promessa com as Doroteias. Subiram as madres o preço do Colégio ou houve nova argolada?

 

Finalmente quantos reformados há nesta situação?

 

O Cónego Graça, reformado dos hospitais, é segundo uma acta Capelão dos Bombeiros. Se alguém comunica à Inspecção terá de devolver as pensões desde Janeiro.

 

Bonito serviço!

 

Da CMA e do Governo

 

a redacção



publicado por porabrantes às 14:38 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.02.14

A empresa Diorama — Gestão & Participação, S.A é parceira da  CMA e da Junta tramagalense naquele Museu fantasmagórico do Tramagal mas agora a nossa responsável edilidade entrou em polémica com ela, porque a empresa pediu a 15 de Novembro de 2013 que fosse sustida a  declaração de caducidade de licença  e concedida nova prorrogação do prazo, por mais um ano, para requerer a emissão do alvará de licença relativo a obra de remodelação e ampliação de edifício existente, destinado a Pousada — Centro de Apoio Social-Lar de Idosos, em Coelheira, Tramagal, Abrantes.

 

 

A Câmara só tomou uma decisão interna na Secção de Urbanismo a 17 de Dezembro!

 

E só levou o assunto a deliberação a 27 de Janeiro, ou seja dois meses para tomar uma decisão que foi negativa!!!!!

 

 

Dois meses para dar uma nega...... prazo que um jurista me diz que ultrapassa o previsto no Código de Procedimento Administrativo.

 

 

Como dizia o dr. Consciência, trata-se de uma Câmara lenta, no caso dele, porque aquando de um diferendo que andou pelas gazetas com o teórico marxista Pina da Costa demorou nove meses a parir uma resposta a um requerimento do Advogado.

 

 

 

Como é que a Diorama, que cedeu um edifício da antiga MDF, pró Museu, através de protocolo, vai reagir, não sei.

 

E se dissesse, assim?

 

Já que querem o nosso edifício grátis para Museu e nos levam 2 meses a responder, pois bem comprem os velhos escritórios da MDF em sonoros euros...

 

 

Queremos ser tão bem tratados como o Instituto de Santa Doroteia....

 

MN 

 

PS 1-Vai aqui a nossa solidariedade para a Rádio Tágide em risco de encerramento, entre outras coisas porque tentou ser independente e a independência paga-se....

 

PS 2 -Diz-me um camarário: é pá não sabes que os Códigos não se aplicam em Férias de NataL???



publicado por porabrantes às 21:40 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12.08.11
(...)No desejo de fomentar a vida cristã em Portugal, o 
Padre Francisco Xavier Fulconis, Superior da Missão Portuguesa
da Companhia de Jesus, tinha escrito para Roma à Irmã Paula
Frassinetti, solicitando-lhe algumas das suas religiosas para a
abertura de um Colégio em Lisboa.
Em carta à Irmã Giuseppina Bozano, datada de
28/1/1865, Paula Frassinetti escrevia: “Está-se a tratar com
 o Padre Fulconis de uma fundação em Portugal, reze e peça que 
rezem para que, se for obra de Deus, se realize; e, se o não
for, que Ele a impeça”. E em carta a 6 de Abril do mesmo ano:
“Coloquei esta fundação nas mãos de Deus, e pelo decorrer dos
E os acontecimentos vieram provar ser a Vontade de 
Deus...
“A 4 de Junho de 1866, como o fermento da parábola,
um pequeno grupo de três Irmãs tomava o comboio em Génova,
com destino a Portugal. Eram as fundadoras da Província 
Portuguesa de  Santa Doroteia: Madre Giuseppina Bozano, 
nomeada  Superiora, Madre Luigia Guelfi, também genovesa, e 
Sor Maria Puliti , romana.”1
“Ao anoitecer do dia 5 de Julho de 1866, numa quintafeira 
simples,  sem título que a recomendasse, as três fundadoras, 
discretamente, entraram na sua casa. No mistério da noite, 
nascia pobremente  o  Colégio do Quelhas (COLÉGIO JESUS 
MARIA JOSÉ), e com ele a Província Portuguesa das Irmãs de
Santa Doroteia. No silêncio, como a semente que germina e será
árvore, no segredo, como dormem as fontes ignoradas que um
dia acordarão em torrentes”.
2
O edifício do Colégio, sito na Rua do Quelhas, nº 6 A,
era vulgarmente chamado “Convento das Inglesinhas”, por ter
sido convento das Agostinhas de Santa Brígida (Irlandesas).
Ficara desabitado desde 1834, ano em que as monjas o
 abandonaram, já que, embora súbditas de Inglaterra, temiam 
qualquer violência, em virtude do Decreto que extinguia em
 Portugal as Ordens Religiosas. 
O enorme casarão, já meio arruinado, bem como a Igreja pública 
anexa,  dedicada a Santa Brígida, foram comprados em 
1866 por D. Maria da Assunção de Saldanha e Castro, filha dos 
Condes de Penamacor. A igreja e parte do Convento doou-as
aos Jesuítas, na pessoa do P. Francisco Xavier Fulconis, Superior;
a parte restante foi, pela mesma, doada às Irmãs de Santa
Doroteia, para fundação de um colégio.
A semente germinou e transformou-se em árvore frondosa que
 ia multiplicando e repartindo os seus frutos: novos colé-
gios, escolas, obra das catequeses, visita a prisões...
Em 1910, o velho vendaval da perseguição religiosa
soprou rijo sobre o florescente Colégio do Quelhas.
Na noite de 7 para 8 de Outubro, “durante longas quatro horas, 
foi medonho o crepitar de balas que nos  entraram 
pelas janelas”. Ao som de tiros, a Superiora do Colégio- Eugé-
nia Monfalim- distribuiu a Sagrada Comunhão a todas as Irmãs,
tendo antes dirigido às mesmas, “palavras de conforto para o
martírio”. A tais horas da noite, estas cenas eram bem dignas
das catacumbas...
Na madrugada de 8 de Outubro, invadido o Colégio do
Quelhas, as irmãs viram-se obrigadas a abandonar a casa,
 sendo conduzidas, em grupos, ao Arsenal da Marinha. 
Ao fim de 44 anos de existência, terminava assim o Colé-
gio Jesus Maria José, mais vulgarmente conhecido por Colégio
do Quelhas...
Como o grão de trigo que morre para dar muito fruto,
este vendaval levou semente para terras de exílio: Espanha,
Brasil, Estados Unidos, Suíça, Inglaterra, Bélgica, Malta...
A restauração da província Portuguesa iniciou-se em
1918, mas somente em 1930, das cinzas, renascia na capital o
COLÉGIO DO QUELHAS, agora com a designação de COLÉGIO
D. ESTEFÂNIA, pela sua localização na R. D. Estefânia, 126,
 Lisboa. Era o dia 25 de Março, festa litúrgica da Anunciação do 
Senhor.
A exiguidade das instalações, face à afluência de alunas, obrigou,
 no ano seguinte, a uma mudança para o Palacete Amaral, 
sito na Alameda das Linhas de Torres, ao Campo Grande,
rodeado de jardins e terrenos de cultura, designados por Quinta 
das Calvanas.
Também aqui a existência do Colégio seria efémera: os seus 
espaços iam-se tornando insuficientes para a população 
estudantil, 
sempre em aumento. 
Finalmente, em 20 de Abril de 1935, o Colégio D. Estefânia
é transferido para um espaçoso edifício- PALÁCIO DO VISCONDE
DE ABRANÇALHA- sito na Rua Artilharia Um, nas proximidades do
Parque Eduardo VII, razão pela qual se tornou conhecido por
COLÉGIO DO PARQUE. Mais tarde, em 1943, retomaria a designa-
ção de COLÉGIO JESUS MARIA JOSÉ, num regresso às suas raízes:
o Colégio do Quelhas.
“Situado na esquina da Rua Artilharia Um com a Avenida
Duarte Pacheco, foi construído nos finais do século passado pelo
Visconde de Abrançalha. No início deste século, esteve lá instalado
o Consulado do Japão, tendo sido adquirido, nos anos trinta, pelas
Irmãs Doroteias, para ali instalarem um Colégio, anteriormente
 localizado no Campo Grande.(..)”
 
in http://www.externatodoparque.com
 
O externato do Parque é um Colégio das Doroteias em Lisboa
 que funciona no antigo palácio do Visconde de Abrançalha.

 

foto da mesma página web.

 
 
 
 
em Lisboa. 
 

A petição agradece que não venha nenhum idiota dizer

que isto era a Casa lisboeta de Solano de Abreu, não vá

apresentar-se  lá um cónego ignaro e cúpido e tentar

despejar as nossas amigas Irmãs Doroteias,para

vender o Palacete a um sócio de negociatas da

construção civil para construir um mamarracho,

com projecto do especialista em cubos

 

 

 

O texto vai dedicado ao licenciado Gaspar

para que aprofunde os seus conhecimentos

e não nos venha explicar que não houve

perseguição religiosa em Portugal.

 

 

O licenciado poderá

 

 

 em caso de dúvida ir à página do

Colégio de Fátima ou dirigir-se

pessoalmente à Madre Superior

Santos Costa que o poderá elucidar

na Rua Actor Taborda sobre a História

duma Ordem a quem Abrantes tanto

deve.

 

Marcello de Noronha, da facção reaccionária e

tridentina da Obra   



publicado por porabrantes às 17:55 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Um ignominioso catálogo...

História do Colégio de Fá...

O ganso do centenário e...

Obra do Cónego matou empr...

Doroteias actualizam-se a...

Doroteias não fecharam co...

Doroteias escrevem ao Pap...

Lei chumba Bernardes

CMA abre crise na Coelhei...

A liberdade religiosa e a...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds