Quarta-feira, 29.06.16

ordem dos advogados.png

O Conselho Distrital de Évora, pela pena do Dr.José Amaral, faz uma justa homenagem ao falecido Dr.Orlando Pereira

 

(...)

Dos actuais Advogados de Abrantes só um o conheceu: o Dr. José Amaral, que foi seu estagiário.

Post-scriptum: Não era suposto mencionar-se o autor da nota biográfica, que não se teria arrogado o modesto título de Dr., se soubesse que ia ser descoberto...

Isto, a propósito da correcção de um erro: além do autor destas linhas, também o Dr. Vítor Santos Carvalho o conheceu, e com ele privou, desde muito tempo antes. Só que quando o Dr. Vítor Santos Carvalho chegou à Advocacia, o Dr. Orlando Pereira há muito que tinha deixado de exercer.

*texto elaborado pelo Dr. José Amaral, Advogado em Abrantes.

 Percurso na Ordem dos Advogados:

01/05/52 - INSCRIÇÃO NA ORDEM 02/01/63 - ELEITO DELEGADO ASSEMBLEIAS GERAIS NO TRIENIO 1963/1965 02/01/66 - ELEITO DELEGADO ASSEMBLEIAS GERAIS NO TRIENIO DE 1966/ 1968 10/05/68 - ELEITO DELEGADO DA COMARCA DE ABRANTES 02/01/69 - ELEITO DELEGADO ASSEMBLEIAS GERAIS NO TRIENIO DE 1969/ 1971 02/01/69 - ELEITO DELEGADO DA COMARCA DE ABRANTES NO TRIENIO 1969/1971 02/01/72 - ELEITO VOGAL DO CONSELHO DISTRITAL DE COIMBRA NO TRIENIO 1972/1974 05/02/77 - SUSPENSÃO VOLUNTÁRIA POR DESPACHO DE 02/02/77(...)

 

Bem-haja a Ordem por fazer justiça!

 

a redacção

 



publicado por porabrantes às 17:38 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.06.11

Dedicado ao peticionário dr. José Amaral (a pessoa com melhor gosto urbanístico no ICA), ao dr. Velez, que fulminou a carrilhada no Jornal de Alferrarede, ao dr. Eurico que uma vez se ofereceu para defender à borla Mário Semedo e em geral a todos os causídicos, abrantinos, com excepção da avençada municipal drª Paulo Milho .....e naturalmente ao Vereador e Advogado dr. Santana-Maia Leonardo

 

A excepção é só porque não lhe queremos criar problemas com a maioria isildista e por mais nada.....

 

 

 
 
 

Honestidade dos juízes

2011-06-20

O «caso do copianço» no Centro de Estudos Judiciários (CEJ) ilustra, como poucos, uma das principais causas da degenerescência da Justiça portuguesa. Em vez de ser um verdadeiro centro de formação, o CEJ transformou-se numa espécie de universidade em que os formandos foram reduzidos ao estatuto de alunos e os formadores elevados à categoria de catedráticos. E, assim, em vez de efectiva preparação profissional, o CEJ ministra um ensino essencialmente teorético e laboratorial assente no paradigma professor/aluno, em que a cabeça dos formandos é atulhada com tecnicidade jurídica pelos seus omniscientes mestres. Não admira que, assim tratados, os chamados auditores de Justiça se comportem como alunos, para quem copiar nos exames sempre foi uma espécie de direito natural.

Só que esses alunos com 26, 27, 28 anos de idade serão, dentro de meses, magistrados que exercerão uma função soberana de forma totalmente irresponsável e independente. Sem qualquer experiência profissional, bom senso e capacidade de compreensão dos problemas concretos da vida, eles passam de alunos a titulares de poderes soberanos vitalícios, em cujo exercício vão continuar a reproduzir os mesmos métodos do CEJ, ou seja, a copiar uns pelos outros sentenças e despachos, às vezes com tal displicência que nem os nomes das partes corrigem. E, assim, com essa «mentalidade de copianço», eles vão, como magistrados, dedicar-se com inusitado zelo à cultura das «chocas» (cópias de decisões de outros casos, próprias ou de colegas) que diligentemente armazenam nos seus computadores. E depois, através da laboriosa actividade do copy/paste, «proferem» longuíssimos despachos, sentenças e acórdãos, sempre com a mesma prolixa fundamentação que, mecanicisticamente, vão transpondo de uns processos para os outros com soberana displicência. E, em vez de se esforçarem por resolver com sensatez e prudência os litígios da vida, eles continuarão a preocupar-se apenas com o «professor», que agora é o todo-poderoso inspector do Conselho Superior da Magistratura que os virá avaliar. E, assim, as suas decisões soberanas estarão mais voltadas para agradar ao inspector que temem do que para a questão concreta que deveriam resolver com justiça.

Infelizmente, o CEJ não forma magistrados, mas sim majestades. Os «alunos», em vez de serem preparados para prestar um serviço público à comunidade, são formatados para aceder a uma casta e defenderem à outrance um poder ilimitado e irresponsável, sem qualquer escrutínio democrático. O resultado está à vista!

Mas há um segundo aspecto que não é menos importante e que tem a ver com a honestidade. Quem utiliza métodos fraudulentos para chegar a magistrado não deixará de utilizar métodos fraudulentos no exercício dessas funções. Por isso devia haver um especial rigor na selecção das pessoas que pretendem aceder à magistratura, até porque, uma vez atingido esse estatuto, eles ficam totalmente fora de qualquer escrutínio.

Nunca vi um magistrado ser punido por desonestidade nas suas decisões e, no entanto, eles são tão (des)honestos como outros profissionais. Em todas as profissões e funções (advogados, médicos, engenheiros, professores, funcionários públicos, polícias, autarcas, deputados, governantes, etc.) há pessoas desonestas, mas quando chegamos aos magistrados eles são todos honestos. É falso. Eles não são feitos de uma massa diferente da do comum dos mortais. O problema é que eles julgam-se uns aos outros, protegem-se uns aos outros, exculpam-se uns outros, muitas vezes sem qualquer pudor. Algumas das piores desonestidades a que assisti em toda a minha vida foram praticadas em tribunal por magistrados, sobretudo juízes, sem quaisquer consequências porque a desonestidade deles é absorvida pelas sua independência e irresponsabilidade funcionais.

Existe na sociedade portuguesa uma ideia antiga, segundo a qual «se é juiz é honesto». Ora, isso não é verdadeiro. O princípio correcto devia ser: «se é honesto, então que seja juiz». Mas, como se vê com o «caso do copianço», a honestidade pessoal não é critério para a selecção dos magistrados.

 

 

in Jornal de Notícias

 

Texto introdutório de Miguel Abrantes 



publicado por porabrantes às 11:47 | link do post | comentar

Domingo, 21.11.10

Acabamos de ver na página da petição no Facebook uma rasgado elogio a este blogue que agradecemos e transcrevemos:

 

Salvem da demolição o Real Convento S. Domingos de AbrantesSoubemos hoje pelo excelente blogue "Cidadãos por Abrantes" que a Olívia Palito pediu ao Dr. Carlos Arêz, simpático gavionense, para interceder publicamente pelo ruinoso projecto da Torre que irá demolir o nosso único Convento da cidade. Aproveitamos para aconselhar o advogado que o Monstro pode ser erguido noutro local mais apropriado, já que será admirado como "Cancro arquitectónico Luso". A Olívia está a usar todos os meios ao seu alcance para ilustrar o seu tenebroso mandato.

 

 

O que não percebemos é a menção misteriosa à Olívia Palito.... Quem será?

 

Dá-se o Notário Arês com figuras da banda desenhada?

 

Se assim é o ICA precisa urgentemente de fazer como o Popeye

 

 

de ingerir uma dose super-vitaminada de espinafres para ver se concentra energias e descobre que é oposição e não situação.

 

Embora no ICA  como em todas as forças políticas haja gente que se movimenta por ideais, como era o caso do nosso amigo dr. José Amaral e outra que se movimenta por motivos mais básicos como este papa-açorda

 

 

Queremos políticos idealistas como o marinheiro dos espinafres

 

e não selvagens que querem usar dinamite para fazer ir pelos ares o nosso património

 

Finalmente não conseguimos descortinar o que é o Popeye vê de encantos na

 

 

mas não é problema nosso, também nunca descobri o que é que o Pateta

seja em versão normal ou de super-herói, vê nesta criatura,

 

E recordo que há um velho princípio que diz que na política tudo é possível em questão de amores.

 

Suzy de Noronha



publicado por porabrantes às 20:52 | link do post | comentar

Sexta-feira, 05.11.10

Sustentou outro dia o Sr.Dr. Santana Maia, líder da oposição  que não se pode confiar em certos blogues, naturalmente não se referia a este dado que é signatário da petição e alarmava-se com a influência dos blogues na formação da opinião pública abrantina.

 

O Sr.Dr. Santana-Maia é colaborador regular de dois jornais que leio, a Nova Aliança e o Ribatejo e não o vi preocupado com a falta de influência dos jornais locais (ressalvo o Mirante, que não tem papas na língua) na formação da opinião pública.

 

Porque é que esses jornais não influem?

Porque não dão notícias.

É ou não uma notícia relevante, que um ex-Vereador da CMA foi acusado no  âmbito  do ''Inquérito n.º 31/08.2TAEVR do Departamento de Investigação e Acção Penal de Évora''   como autor material, de um crime de tráfico de influência, p. e p. pelo artigo 335.º, n.º 1, alínea a) do Código Penal ?

É ou não uma notícia, que um dos arguidos se chamava Júlio?

É ou não uma notícia, que os factos debatidos em Tribunal podiam ter efeitos políticos em ano eleitoral ????

 

Não me lembro de nenhum jornal (nem sequer o Mirante), ter abordado o assunto que levou inclusive ao estabelecimento  de escutas telefónicas pelo DIAP durante as investigações!!!!

 

Não me lembro de nenhum partido oposicionista ter pedido um esclarecimento sobre o assunto durante a passada campanha eleitoral e isto havendo nas candidaturas do ICA e do PSD distintos juristas, designadamente o dr. Santana-Maia, o dr. José Amaral, o notário dr. Arês, etc ...

 

Não me lembro de nenhum membro da Oposição com assento na CMA ter levantado alguma questão sobre o assunto e digo isto porque que leio normalmente todas as actas do Executivo para escrever este blogue.

 

Não leio as actas da Assembleia Municipal porque não estão on-line.

 

Portanto  em 2008-2009 um ex-Vereador foi acusado pelo DIAP, a coisa chegou até à Relação, que pronunciou um acordão em 27-4-2010 e ninguém nem nos partidos nem nos jornais, nem sequer nos blogues falou no assunto.

 

Por isso pergunto: quem é que tem culpa da falta de informação e formação da opinião pública.?

 

Desde já digo, que eu e este, blogue, e os meus companheiros que o fazem não assumem culpa nenhuma.

 

Nem assumem a culpa de dizerem que havia um arguido chamado Júlio porque foi a Veneranda Relação que o disse no acórdão que passamos a transcrever nos posts seguintes..

 

Está naturalmente cheio de tecnicismos legais, não compreensíveis para leigos, mas vamos transcrevê-lo na íntegra  para os desconfiados confirmarem.

 

E como temos direito a ter opinião, desde já afirmamos que subscrevemos a opinião legal assumida pelo MP.

 

É um direito nosso.

 

Além disso estranhamos que não se divulgue o nome dos magistrados abrantinos e se diga quem foi a magistrada que foi relatora no processo.

 

Se as sentenças são públicas temos o direito de lê-las, comentá-las, saber que foram os seus autores, etc

 

Miguel Abrantes

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 18:48 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14.01.10

 

Os Partidos e o MIIA- I
 
Antes das autárquicas fizemos aqui uma série de posts sobre os programas eleitorais das forças políticas locais sobre o património e o MIIA.
Começamos a analisar qual tem sido a postura dos eleitos dessas forças face ao património e ao MIIA.

 

 

O ICA ou o albanismo

 

E começamos pelo ICA ou seja pelos albanistas actualmente aparentemente em auto-gestão.
 
Dizemos que são albanistas isto é defensores da albanização do Concelho, sem pretensão de ofender, porque até se chatear com o Albano, Nelson Carvalho também foi albanista até que se desalbanizou por razões que ainda hoje desconhecemos.
 
Lembramo-nos que a D.Isilda, chefe local do PS, ou melhor mandatária do boss que é o dr. Lacão, disse à comunicação social qualquer coisa como ‘que era melhor manter no segredo dos edis e da cúpula do PS os motivos da discórdia.
 
Como a D.Isilda é professora pensou que o povo é constituído por menores que não devem ser elucidados sobre coisas importantes.
 
Dizemos albanistas porque o Dr.Amaral bem tentou desalbanizar o ICA e ser fiel ao mandato popular.
 
Mas o resto dos candidatos eleitos preferiu continuar albanizado  em auto-gestão esperando que o Albano mude de nome e se assuma D.Sebastião para galvanizar as hostes.  
 
Qual a posição do albanismo autogestionário sobre o património?
 
Zero.
 
Até agora não lhes ouvimos uma palavra sobre ele.
 
Mas o pior é que na Assembleia Municipal votaram a favor do MIIA.
 
E na C.M.A. o Vereador Arez também votou a favor, aduzindo qualquer coisa como que era um grande projecto.
 
Será, por enquanto não o contestamos.
 
Mas o que Vereador Arez não referiu foi a questão do ajuste directo a Carrilho da Graça, o problema do impacto do caixote sobre o casario abrantino, a monstruosidade da despesa em época de restrições.
 
Lembramo-nos bem do escarcéu que o colunista laranja Arez fez sobre o insignificante Posto de Turismo modernista da Praça da Feira.
  foto Licofer 
Até deu direito a polémica.
 
E goste-se dele ou não, não ofende a paisagem abrantina.
 
Por isso estranha-se a vénia pia do Vereador Arez perante Carrilho da Graça.
 
O Dr.Arez não deve ser albanista em auto-gestão, porque senão tinha puxado dos seus galões contra a arquitectura moderna e fulminado o projecto do Cubo.!!!
 
O Dr.Arez afinal é um albanista autêntico que pensa pela cabeça do Chefe que actualmente se encontra em parte incerta em termos políticos.
 
Para terminar o post, só nos resta perguntar há albanistas autogestionários ou afinal são todos tele-dirigidos pelo Supremo Arquitecto da Mansão Alberty?
 
Ou algum que seja capaz de dizer sobre a carrilhada o que disse José Amaral?
 
Ou já agora o que disse José Amaral sobre o Arquitecto Albano Santos? 
 
POR ABRANTES
 
Todas as outras fotos são made in albanismo on-line


publicado por porabrantes às 22:22 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.12.09

 

Temos os comentários moderados neste blogue, isto é damo-nos o soberano direito de cortar a palavra a tipos que não merecem a nossa confiança, a não ser que um visado queira exercer o direito de resposta.
 
Não somos como a folha gratuita dos empreiteiros que negou ao Arquitecto António Castel-Branco o direito de defender a sua honra.
 
E chamamos os nomes às coisas.
 
Chama-se José Eduardo Alves Jana, a criatura que foi responsável editorial, porque é o Director da coisa, que permitiu dar a palavra a um tal Fernando António Baptista Pereira para agredir Castel-Branco e se recusou a deixar o António defender-se.
 
Este é o Baptista Pereira,  o homem que organizou o livro de homenagem a  Lucília Moita e insultou a petição onde o empresário Pedro Tavares Simão exerceu o seu soberano direito a dizer que o projecto do Carrilho ofende a cidade de Abrantes e naturalmente não é digno de alojar a colecção doada pela ilustre  Pintora.
  Foto da Presidência da República
 

Ai temos de novo o Baptista Pereira, que parece que irá depois do Natal passar uns dias a Paris, na sua faceta de cortesão implorando a atenção dum Presidente eleito democraticamente ,Cavaco Silva e naturalmente do tenente-coronel Putin, o sinistro tipo que enterrou a democracia na Rússia. 

Putin não passa da versão russa dum pide, era de profissão agente do KGB. Como se Rosa Casaco fosse o governante de Portugal......

 

 
Aqui temos o cónego José da Graça, sub-director da Nova Aliança. Da Drª Ana Soares Mendes, conhecida advogada e aristocrata, Directora do referido quinzenário católico   e membro do Secretário Diocesano das Comunicações  Sociais não temos foto.
 
 
OS DOIS DERAM UMA VALENTE LIÇÃO DE JORNALISMO AO EX-SEMINARISTA ALVES JANA PUBLICANDO A RESPOSTA DO ARQ. CASTEL-BRANCO
 
 
Que está na foto, lendo provavelmente palavreado beato sobre  qualquer matéria  esotérica enquanto o António Colaço, apoiante da petição, o contempla.
 
Numa foto do mesmo blogue, ano1963.wordpress.com.,  o professor Mário Pissarra, também apoiante da petição. 
        
 
O dito blogue tenta ser um forum dos ex-seminaristas da diocese de Portalegre e Castelo-Branco.
E lá também aparece Isilda Jana, uma das principais responsáveis pela adjudicação sem concurso público das obras do Convento.
 
Todas estas fotos são do António Colaço 
 
Mas a D.Isilda não é a principal responsável, porque é Nelson de Carvalho o responsável político da coisa, com a fraternal colaboração do VPC e do Albano Santos.
 
Foto da campanha de Maria do Céu Albuquerque
 
Gostávamos de saber se um dia o Mário Pissarra e o António Colaço terão o direito de dizer na dita folha o que pensam sobre o malfadado projecto do Carrilho.
 
Gostávamos de ler na dita folha o que tem escrito o António Colaço sobre o caciquismo rupestre no Mação e o desastre paisagístico que representa o projecto do Carrilho.
 
Ou aquele memorável post sobre o Menage a trois,em Abrantes, ou seja a teoria das três torres em erótica harmonia.... 
 
E se a dita folha será capaz de perguntar à ex-Vereadora Isilda Jana as circunstâncias precisas como foram assinados os contratos (porque há 2) com a empresa de Carrilho da Graça......
 
Deixando estes comentários para outro dia, porque se aproxima o Natal, que teoricamente é tempo de paz, e temos de ter tempo para homenagear um verdadeiro resistente à Ditadura e à hipocrisia clerical, Monsenhor Carvalheira que acaba de falecer, vamos responder ao amável comentário do nosso leitor José  Duarte, não sem dizer antes que já moderámos comentários ofensivos numa linguagem de carroceiro do Souto assinados por um tal Cachoeira.
 
O homem fazia ameaças para que não disséssemos o que pensávamos dum cacique batido miseravelmente nas eleições que insultava D.Alice de Brito, porque ela não tinha querido levar a mãezinha a exame....
 
Somos a favor de professoras como a D.Alice, se todos os professores fossem como ela foi haveria menos analfabetos em Portugal.
 
Depois disto vimos responder à sugestão do nosso leitor José Duarte para que faça um jantar de homenagem ao Dr. José Amaral.
 
Somos a favor, mas desde que à porta do restaurante se afixe um letreiro enorme:
 
Foto o Mirante
 
  
PROIBIDA A ENTRADA AO ALBANO!
E JÁ AGORA AO ALVES JANA, BAPTISTA PEREIRA E RESTO DA TRIBO!
  
  
 
 


publicado por porabrantes às 20:18 | link do post | comentar

Terça-feira, 22.12.09
 
Num acto de verticalidade e corajosa coerência política, o Dr. José Amaral, subscritor da petição e deputado independente à Assembleia Municipal, demitiu-se do seu cargo, enviando uma violentíssima carta ao Presidente da Assembleia Municipal, o Ministro Jorge Lacão Costa, onde denunciava com frontalidade e valentia a cobardia política do Arq. Albano Santos, ex-cabeça de lista dos Independentes à C.M.A.
Desde sempre José Amaral se caracterizou por dizer o que pensava, tendo apoiado a contestação popular ao faraónico projecto de Carrilho da Graça de que Albano Santos foi um dos responsáveis e mais entusiastas defensores, só ultrapassado por gente que não tem sentido de humor nem é capaz de defender o património de Abrantes, como João Pico ou Nelson Carvalho.
Tiramos o chapéu a José Amaral, advogado que dedicou boa parte da sua vida profissional a sozinho defender nos Tribunais o povo de Abrantes contra o esbulho que foi a isenção de sisa concedida pelo governo a quando do negócio da Central do Pego.
Recordemos que tanto as edilidades de Humberto Lopes e Nelson Carvalho deixaram sozinho o ilustre Advogado num combate quixotesco contra o esbulho a que Abrantes foi sujeita.
Recordemos que os partidos políticos fizeram o mesmo e que os senhores rotários homenagearam agora o director da central pegacha em vez de homenagear o Advogado íntegro, o Homem de Bem e o herdeiro daquele que foi um cidadão exemplar, o médico José Amaral.
Recordemos que tarde e más horas, a edilidade de Nelson Carvalho resolveu apoiar José Amaral e patrocinar uma petição popular contra o negócio da sisa, quando a acção popular, um monumento à dedicação cívica e à ciência jurídica, já estava no Tribunal Constitucional, um dos mais veneráveis exemplos da partidocracia lusitana.
Agora que o Dr. Amaral já não é um político, contamos com ele para varrer o projecto do Carrilho da face honrada de Abrantes.    
   
Por Abrantes


publicado por porabrantes às 21:44 | link do post | comentar | ver comentários (2)

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Bem-haja a Ordem por faze...

o homem que não gosta de ...

O Dr. Arês, a estrela do ...

O Júlio, a Relação e o DI...

OS ELEITOS E O MIAA-I

PROIBIDA A ENTRADA AO ALB...

Homenagem ao Dr. José Ama...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carlos marques

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

crime

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds