Terça-feira, 18.08.15

Para evitar acidentes destes e defender os trabalhadores da construção civil de Abrantes, em 1931 foi organizado pelo carpinteiro Apolinário Marçal e por  outros operários deste ramo um sindicato.

sindicato.png

sindicato 2.png

sindicato 3.png

sindicato 4.png

O carpinteiro Apolinário Marçal era um dos sindicalistas activos

apolinário marçal.jpg

 outro era o Luís Marques dos Santos que criou a Construtora Abrantina (hoje nas mãos da Lena), enquanto o Marçal criou a falida empresa que está na página do Jornal de Alferrarede.

O sindicato teve logo problemas, já se estava em ditadura e mandava em Abrantes (e queria mandar em tudo) o integralista Henrique Augusto Silva Martins, o pai dele mudou o nome da Moagem para Afonso XIII, e Manuel Fernandes contava, na Assembleia, que por vontade do cacique Abrantes se passaria a chamar Afonso XIV.

O projecto caciquista totalitário do fascista Martins consistia em dominar tudo o que se mexia na sociedade abrantina. Lembra-me coisas que acontecem agora.

Logo nesse ano (1931) é dissolvido pela Ditadura o Sindicato Agrícola, associação do latifúndio, que tantos problemas criara à República, e que era presidida por Solano de Abreu.

solano de abreu.jpg

 Diz o Eduardo Campos que em 8 de Agosto de 1931 tinham sido  aprovados os estatutos da  Associação Operária de Construção Civil. E que houve muitos protestos porque os seus fundadores não eram trolhas, mas puros comparsas aliciados pela tropa integralista.

 Como reacção a esse sindicato-fantasma é que os autênticos trabalhadores da construção civil se associam. E eles são os que assinam o documento reproduzido.

sindicato 5.png

Mas meter-se com o cacique

henrique augusto.png

ia dar-lhes problemas....

Segundo Eduardo Campos, este Sindicato é dissolvido em Janeiro de 1934, juntamente com outros dois, e um mês depois o fascismo expulsava o monárquico liberal Solano de Abreu de Provedor da Santa Casa.

Pelo processo que compulsamos temos evidência de 1938 que o arquivo do Sindicato teria sido destruído pela ditadura

sindicato 7.png

 

   mn

estes documentos sindicais foram-nos cedidos (com muitos outros documentos) pelo falecido Mário Semedo. Para o caso dos documentos sindicais, o Mário pensara escrever um trabalho sobre isto, em colaboração com o historiador César Oliveira.

Mas a porca da política meteu-se à frente. E morte do César também. Também chegaram à nossa posse, via Mário, de quem se evoca a memória, documentos sobre o MIAA que serão aqui publicados 

 

créditos: Eduardo Campos, Cronologia do Século XX em Abrantes

foto do cacique Martins: blogue do Dr.Rui Lopes 



publicado por porabrantes às 22:17 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.06.15

O património é aquilo que temos, que devemos cuidar e que temos de transmitir às gerações que nos seguirão.

 

A história do património de Abrantes é a história da sua vandalização.

 

E a história da destruição bárbara e acéfala, inculta  e criminosa da Quinta de Solano de Abreu ficará ligada a esta criatura.

 

Graça actualmente.JPG

Porque presidindo, de jure, à Comissão Fabriqueira de São Vicente, é o responsável por estas obras, que começaram ilegalmente.  

 

obras vale de roubao 1 (1).jpg

obras cónego 2.jpg

Que destruíram um jardim histórico, um dos únicos jardins novecentistas da cidade, juntamente com o do Castelo.

 

Para construir isto:

palácio cónego 2.jpg

Que tem a ver isto com a arquitectura romântica do chalet de Solano de Abreu?

quinta solano 1.jpg

Tem a Igreja falta de casas em Abrantes?

É mentira, a casa do dr. João Nuno Serras Pereira, doada à Igreja, está vazia e ao abandono há muito tempo.

E parte do espólio da Senhora Dona Maria Manuel Serras Pereira, a única mulher portuguesa que como jornalista cobriu o Concílio Vaticano II, a saudosa Mená, fui encontrá-lo num comerciante de velharias que fez o favor de mo oferecer.

Os documentos conciliares e as reportagens feitas por ela.

Da mesma forma os documentos de Solano de Abreu vendem-se on-line.

 

Não há perdão, para quem destrói a nossa cultura e vandaliza o património

CASA VALE ROUBAO 2.jpg

 

Uma edilidade que não embargou a obra e não protege o património, um Bispo que permite que uma Comissão Fabriqueira destrua o nosso legado.

 

Como se chama o Bispo?

Antonino Dias

 

a redacção 

 

 

créditos: Fotos Tubucci-Associação de Defesa do Património da Região de Abrantes, Artur Falcao, DGMN,etc



publicado por porabrantes às 21:23 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

O carpinteiro Apolinário ...

Vandalizada Quinta do Val...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds