Quarta-feira, 09.08.17

Em 1974 e 1975 um grupo de salafrários  e amigos do alheio dedicou-se a saquear e a roubar as herdades dos abrantinos no Concelho de Avis, designadamente da família Duarte Ferreira, Moura Neves, Fernandes, Godinho, etc

 

Se fossem só ladrões já era demais, mas também queriam privar-nos da Liberdade! 

 

Só a título de exemplo, os roubos cometidos contra a viúva do Dr.Manuel Fernandes, Senhora D.Maria Virgínia Moura Neves Fernandes

virgínia moura neves.png

 

maria virgínia 2.png

 Todos os dados citados são extraídos com a devida vénia da extraordinária tese de doutoramento de ALMEIDA, Maria Antónia de Figueiredo Pires de - A reforma agrária em Avis: elites em mudança num concelho alentejano (1974-1977). [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2004.

 

Comentarei que os que aparicam agora a memória do

manuel fernandes 2.png

 Dr.Manuel Fernandes, confraternizaram alegremente com a tropa fandanga que roubou a sua viúva. E já agora com tipos como o Barata Gil, ocupante de imóveis alheios e recordista do desafino musical eclesiástico. 

Há gente que gosta de confraternizar com tipos desta laia

Nós não gostamos

 

mn



publicado por porabrantes às 17:23 | link do post | comentar

Domingo, 06.11.16

gabriel prior.png

O maior marujo de Água de Casas, o Prior, regressava duma ''missão de soberania'' na Índia nas vésperas da Invasão Indiana. Era comandante naval da colónia e como se sabe a artilharia e os barcos quase se renderam ao primeiro tiro do garboso exército de ''libertação'', comandado por marciais shiks, de turbante vermelho, educados na disciplina de http://www.army.mod.uk/training_education/24475.aspx

 

O Vassalo e Silva que se rendeu com o garbo de um pacifista que tinha lido Gandhi,  dava-lhe um cocktail.

O Vassalo não era colonialista, nem fascista lá por ter aceite um cargo de Governador, por escolha do Professor Salazar.

De forma que era só um democrata orgânico, como os da nova Comissão Municipal empossada pelo brigadeiro Lino Valente (o homem que meteu Henrique Augusto da Silva Martins no olho da rua).

Presidia o dr. Emílio Salgueiro, filho dum distinto militante do PRP, estava na comissão, o cunhado, o Dr.Santana Maia, que era conotado com o vencido henriquismo,  o capitão Júlio Serras Pereira, também era henriquista, o dr. Chambel era novo nestas lides, mas tinha por si ser familiar próximo do falecido Prof. Manuel Rodrigues, ex-Ministro da Justiça, o dr. Vasconcelos de Alferrarede, açoriano, não sei com quem alinhava, mas como trabalhava na Santa Casa, não andaria longe do líder henriquista que estava na sombra, que era o dr.Agostinho Baptista.

emílio salgueiro.png

Este era o flamante novo chefe do Partido único abrantino, o Dr.Salgueiro, que devia servir de ponte pacificadora entre os órfãos de Manuel Fernandes (acabado de falecer, também Presidente da UN) e os órfãos de Henrique Augusto.

Como curiosidade o Dr.Santana Maia 

M_Santana_Maia.jpg

acabou condecorado por Eanes e protegeu muito o Humberto Lopes. E naturalmente nenhum jornal progressista ou reaccionário cá do burgo explicou que ele tinha sido dirigente do partido único, quando o de Alcains o condecorou. Memória curta.

 

Tudo isto dava uma interpretação sociológica do que foi o doce salazarismo abrantino. Doce mas com Marques Godinho morto.

ma      

foto do mourisquense: mot.blogs. Do Dr. Emílio-Coisas de Abrantes;



publicado por porabrantes às 18:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.10.16

Já li uns artigos e ouvi bocas na rádio, sobre a história deste Colégio. Mas o melhor é lê-la escrita pelas Doroteias (também há umas páginas de memórias escritas por Manuel Fernandes.)

colégio de fátima - copia.png

 

 

''No dia 30 de Setembro de 1940, as primeiras Irmãs de Santa Doroteia pisaram terras de Abrantes. Eis os nomes das primeiras fundadoras: Madre Mª José Martins, Madre Amália Bastos e Irmã Castro. Vieram em seguida Madre Mª dos Prazeres Almeida, Sr. Madalena Casaleiro, Sr. Mª Eduarda Fernandes, Madre Mª Luísa Galt, Madre Attracta Halpin, Irmã Maria Marques, Irmã Júlia Coelho e, no dia 11 de Outubro, a Rev.da Madre Mª José Oliveira Monteiro que foi a primeira Superiora desta Casa».

Quem pode dizer «Eu estava lá...»?

I''r. Maria Eduarda Fernandes,

90 anos, Comunidade de Coimbra''

 

Fiz parte do grupo das primeiras Irmãs que foram para Abrantes.

No dia em que partíamos para a nova missão, fomos à Missa todas juntas na Igreja de Nª Sª de Fátima, nos Jesuítas do Porto, e fomos de comboio até ao Entroncamento. Ali nos esperava o Dr. Manuel Fernandes e uma pessoa da Família Moura Neves, com dois carros, para nos levarem para Abrantes.

Era em meados de Setembro. As obras estavam atrasadas, e a Comissão pediu que viessem as Irmãs para ver se os operários adiantavam os trabalhos.

Dormíamos todas no sótão, sem cortinas, sem nada. Não havia fogão. O Dr. Manuel Fernandes e a Família Moura Neves iam buscar-nos para almoçar e jantar. O pequeno-almoço e a merenda eram preparadas por nós.

Como era tudo muito cerimonioso nestas famílias, não comíamos o suficiente, por não estar à vontade. Eles perceberam isso e passaram a mandar-nos as refeições ao Colégio.

Vivíamos com dificuldades monetárias, não porque não houvesse dinheiro, mas porque a Ir. Mª Amália Bastos não gostava de o gastar, como se pode ver pelo episódio seguinte: Vinha para Abrantes mais uma Irmã, a Ir. Mª dos Prazeres Almeida. Fui encarregada de ir buscá-la ao comboio. A Ir Mª Amália deu-me uma moeda de vinte e cinco tostões e disse: "Veja lá, não os gaste"! Eu tomei aquilo à letra e fui a pé até à estação que era no Rossio ao Sul do Tejo. Ali encontrei umas pessoas que também tinham ido esperar alguém, pedi uma boleia para ela e vim outra vez a pé com o dinheiro na mão… Cheguei a casa e entreguei-lho.

Entretanto, foram chegando outras Irmãs, e por fim veio a Superiora, Ir. Mª José Oliveira Monteiro.

As obras da casa prosseguiam, e nós íamos confeccionando algumas alfaias litúrgicas

As alunas iam chegando. O Colégio abriu no dia 13 de Outubro de 1940. A Missa de abertura foi muito solenizada: a Ir. Galt, que tinha vindo de Inglaterra, foi a organista, e todas as Irmãs cantaram. Passámos a ter Missa todos os dias, celebrada pelo Sr. Cónego Martins, que foi nosso Capelão durante algum tempo. E à tarde tínhamos o Terço presidido por ele, com a Bênção Eucarística.

Semanalmente ia o Sr. Padre João Maia, jesuíta, dar catecismo às mais crescidas. O P. Agostinho Veloso era o confessor extraordinário da Comunidade; era um grande amigo dos Moura Neves.

população de Abrantes era muito nossa amiga, em particular as famílias das primeiras alunas; todos acolheram muito bem as Irmãs.

Havia um grupinho de internas, umas da Covilhã, outras dos arredores de Abrantes e Santarém. Eram todas muito dedicadas às Irmãs. Gostavam tanto de estar no Colégio que nas férias queriam vir uma vez por semana para estarem com as Irmãs e brincarem. Então as três juniores (Mª de Lurdes Belo, Madalena Casaleiro e eu) revezávamo-nos para estar com elas.

O Dr. Manuel Fernandes tinha imenso brio no Colégio, e para que as Irmãs tivessem gosto por aquela região do Ribatejo, todos os fins de semana ia buscar um grupinho para lhes mostrar os arredores: Vila Nova da Barquinha, Castelo de Almourol, Rossio, Barragem de Castelo de Bode…

Os resultados do primeiro ano lectivo satisfizeram muito as famílias. Duas alunas minhas foram apresentadas a exame no Conservatório, e tiveram muito boas notas. Realizaram-se exames no Liceu de Santarém com óptimos resultados.

As Irmãs iam dar catequese a S. João e depois também a S. Vicente.

No ano seguinte a Comunidade foi aumentada com algumas transferências: em substituição da Ir Mª Amália Bastos, a Ir Júlia Manzi Valente; a júnior Mª Emília Villasboas e mais alguma vinda da Inglaterra.

O espírito das alunas continuava muito bom; o internato foi aumentando… Mas em Fevereiro, com muita satisfação minha, fui escolhida para ir para Angola onde fiquei 22 anos.

Depois de ter vindo de Angola, em 1963, estive um ano em Viseu, e depois a Ir. Furtado

A população de Abrantes era muito nossa amiga, em particular as famílias das primeiras alunas; todos acolheram muito bem as Irmãs.

Havia um grupinho de internas, umas da Covilhã, outras dos arredores de Abrantes e Santarém. Eram todas muito dedicadas às Irmãs. Gostavam tanto de estar no Colégio que nas férias queriam vir uma vez por semana para estarem com as Irmãs e brincarem. Então as três juniores (Mª de Lurdes Belo, Madalena Casaleiro e eu) revezávamo-nos para estar com elas.

O Dr. Manuel Fernandes tinha imenso brio no Colégio, e para que as Irmãs tivessem gosto por aquela região do Ribatejo, todos os fins de semana ia buscar um grupinho para lhes mostrar os arredores: Vila Nova da Barquinha, Castelo de Almourol, Rossio, Barragem de Castelo de Bode…

Os resultados do primeiro ano lectivo satisfizeram muito as famílias. Duas alunas minhas foram apresentadas a exame no Conservatório, e tiveram muito boas notas. Realizaram-se exames no Liceu de Santarém com óptimos resultados.

As Irmãs iam dar catequese a S. João e depois também a S. Vicente.

No ano seguinte a Comunidade foi aumentada com algumas transferências: em substituição da Ir Mª Amália Bastos, a Ir Júlia Manzi Valente; a júnior Mª Emília Villasboas e mais alguma vinda da Inglaterra.

O espírito das alunas continuava muito bom; o internato foi

foi aumentando… Mas em Fevereiro, com muita satisfação minha, fui escolhida para ir para Angola onde fiquei 22 anos.

Depois de ter vindo de Angola, em 1963, estive um ano em Viseu, e depois a Ir. Furtado Martins chamou-me para Coordenadora de Abrantes. Vim encontrar muitas pessoas ainda conhecidas, mas algumas tinham já falecido.

Encontrei o mesmo ambiente bom entre as alunas e as Irmãs. Tinha aumentado o número de professores, alunas e Irmãs. Era vice-superiora a Ir. Laura Azevedo, que veio a falecer em 1966.

Em 1966 celebraram-se as Bodas de Prata do Colégio. Toda a população se uniu para celebrar essa data. Foram convocadas antigas alunas e Irmãs. Houve Missa de grande festa, uma Sessão Solene no Teatro, uma festa no Colégio: no ‘quadrado’ devidamente engalanado, ao redor de uma chama, apresentou-se um recital composto pela Ir. Laura Soares, que nessa altura já estava nas Calvanas.

Pela morte da Ir. Laura Azevedo, veio temporariamente a Ir. Hermínia Bacelar, substituída depois pela Ir. Alice Burguete, que tinha vindo para descanso e tratamento, e assumiu o cargo, uma vez restabelecida. Por essa altura, a Comissão propôs à Congregação a compra do edifício do Colégio por um preço simbólico. Fez-se a aquisição do olival contíguo ao terreno do Colégio e do Quartel ao lado, uma vez que o Ministério do Exército construíra outro edifício um pouco afastado da cidade. Este antigo quartel tinha sido em tempos Convento da Esperança, por isso lhe demos o nome de Casa da Esperança. Para esta aquisição muito contribuiu o pai da nossa Irmã Maria de Lurdes Dias Ferreira, que era major do Exército.

Estes contratos foram ultimados pela Ir. Mª José Lencart que me substituiu, quando em 1968 fui transferida para Fátima.

Estive 15 anos em Abrantes, a partir de 1951.

Ir. Alice Burguete,

86 anos, Com. Escolar Calvanas

Era roupeira da ‘casa’. Apanhei uma época de mudança de hábitos das Irmãs, mas também trabalhei nos uniformes das ....meninas, que acompanhava ao alfaiate. Renovei os dormitórios (colchas, cortinados...), as toalhas do refeitório, fiz paramentos de todas as épocas litúrgicas, numa altura em que a capela se modificou (era Superiora a Irmã Maria Emília Villasboas).

Estava em Abrantes por ocasião das Bodas de Ouro da Madre Corte-Real; foi uma grande festa, com muitos presentes, e dentre eles um paramento que foi lindamente bordado pela casa de Vilar. Tinha também o ofício das Visitas; iam lá muitos padres...

Gostei muito, muito de lá estar, e custou-me muito sair. Era uma casa que tinha alguma coisa de especial, desde a Superiora às Irmãs e Meninas, que eram especialíssimas. Houve muitas vocações no Colégio.

Recordo as festas litúrgicas, especialmente a procissão do Corpo de Deus, em que a primeira bênção era na nossa casa. As meninas metiam vista na procissão. Mas isso dava trabalho: as túnicas dos anjos, as asas... Havia também o sagrado lausperene todos os meses.

Recordo também algumas coisas engraçadas:

No andar da capela não dormia ninguém, o que começou a preocupar as Irmãs. Como eu tinha fama de não ter medo (mas tinha...), fui escolhida para passar a dormir no gabinete da Mestra Geral. Uma noite o alarme da capela tocou... Era rebate falso, mas foi um grande susto!

A casa dos soldados ficava mesmo diante do meu quarto. No tempo do calor não podia abrir a janela. Uma vez vieram comer fruta, sentados no muro mesmo diante da janela do meu quarto; acordei com as vozes dos homens, e ia ficando gaga...

''

 

Um testemunho importante. Publicado com a devida vénia à Província Portuguesa de S.Paula Francinetti

 

a redacção

 

 

 

 

 

 



publicado por porabrantes às 15:28 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.09.16

É costume (aliás em parte resultado do escrito neste blogue) ligar Henrique Augusto da Silva Martins ao Integralismo Lusitano. É verdade, mas também é verdade que a cúpula do Integralismo passou à Oposição ao fascismo, logo nos anos 30, e foram os quadros intermédios e algum mais destacado, caso do Pedro Teotónio Pereira, que aderiram ao dr. Salazar.

Como o Henrique Augusto.

Mas não se pode construir uma linha divisória na cisão que dividiu a sociedade abrantina nos anos 30-60, que parta do simplismo Integralistas versus partidários de Manuel Fernandes.

Num dos poucos discursos que fez na Assembleia Nacional, o Dr.Manuel Fernandes traça uma justa homenagem a um dirigente integralista,  Hipólito Raposo, que fora demitido da função pública, entre outras coisas por ter definido a ''Salazarquia'' como ''Salazarquia, poder que se exerceria à semelhança do caracol dentro da espiral ou do cágado dentro da concha…” –

hipólito raposo.png

Manuel Fernandes evoca a grave doença que pôs em perigo de vida o oposicionista monárquico, em 1937, e que o levou a ser tratado na Casa de Saúde de Abrantes. Pelo que sabemos, através de correspondência particular, as relações entre o futuro dirigente estado-novista abrantino e alguns dirigentes do Integralismo ou do Legitimismo foram relativamente estreitas.

Embora se desse pessimamente com os integralistas do Silva Martins e bem com maçons locais como Diogo Oleiro ou Ramiro Guedes.

mn

ps-Mas não nos expliquem que M.Fernandes foi um democrata, não, foi um salazarista até ao fim....até orquestrar a burla local nas eleições de 1958, que roubou a vitória ao General Delgado...

Fonte: Diário das Sessões, 1958

 



publicado por porabrantes às 16:35 | link do post | comentar

Quarta-feira, 06.01.16

carta de cónego 2.jpg

O Cónego Jean Baptiste De La Salle, do Cabido da Catedral de Reims, explica aos outros Cónegos que devem estar dedicados à pobreza nos seus corações e cofres, ou seja não se devem dedicar a roubar velhas que não se podem defender.

De La Salle era um fidalgo, apesar de cónego, e uma das coisas que fez foi proibir aos seus discípulos dos Irmãos das Escolas Cristãs serem padres ou cónegos.

Mas impôs-lhes serem castos e boas pessoas.

Sobre o papel do fidalgo de Reims na revolução pedagógica do século XVIII, remete-se para um artigo do Sr.Dr. Rolando Silva, na revista Zahara, onde analisa  a vida de  Victor Marques, o escultor que fez o monumento ao Dr.Manuel Fernandes

manuel fernandes estatua.jpeg

 

e assinou a estátua de Jean Baptiste De La Salle, em Fátima (infeliz sítio para meter um revolucionário)

1024px-Reims_de_la_Salle_015 (1).JPG

Casa dos fidagos de La Salle, em Reims, foto de Monsieur Gérald Garitan

ma



publicado por porabrantes às 14:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 12.11.15

manuel fernandes 2.png

Manuel Luís Fernandes

'' Data de nascimento

1897-05-17.
Localidade

Lisboa.
Data da morte

1959.
Habilitações literárias

Licenciatura em Medicina pela Universidade de Lisboa (1921).

 

 

Lisboa

 

VII Legislatura (1957-1961)
1.ª Sessão Legislativa (1957-1958)

Fala da necessidade de serem concluídas as estradas nacionais n.ºs 2 e 241.

Requer informações sobre a reorganização dos serviços médico-forenses e faz considerações sobre a execução dos serviços médico-forenses nas comarcas do País.

Requer informações sobre a construção e reparação de estradas no distrito de Santarém.

Presta homenagem à memória do professor e sábio anatomista Doutor Henrique de Vilhena, recentemente falecido.

Discute as Contas Gerais do Estado da metrópole e do ultramar e as da Junta do Crédito Público relativas a 1956.

Chama a atenção do Sr. Ministro das Comunicações para a necessidade de ser substituída a ponte ferroviária sobre o rio Torto, junto de Abrantes.
2.ª Sessão Legislativa (1958-1959)

Discute na generalidade a proposta de lei de autorização de receitas e despesas para 1959.''

 

seleccionado de 

deputados.png

a biografia do Dr.Tavares Castilho é fraquinha

 

O Dr. Passarinho fala dele como médico:

 

''

JORNAL DE ABRANTES
9 de Maio de 1937
A Inauguração da Casa de Saúde em Abrantes
Como representante do Sardoal e amigo íntimo do construtor e director daquela Casa de Saúde, Sr. Dr. Manuel Fernandes, esteve o Sr. Rafael Alves Passarinho.
Eis algumas afirmações do seu discurso:
Diz o “Jornal de Abrantes”: O Sr. Rafael Alves Passarinho enalteceu a obra construtiva
do Sr. Dr. Manuel Fernandes no meio abrantino, principalmente pelo que respeita á
assistência e beneficência.
“Século” diz: O Sr. Rafael Alves Passarinho afirmou que a Casa de Saúde era um
templo com um apóstolo, o Sr. Dr. Manuel Fernandes.
“A Voz” diz: O Sr. Rafael Alves Passarinho, exaltou o alcance da obra realizada pelo
Sr. Dr. Manuel Fernandes, o significado da manifestação e simpatia que o rodeava.
“Primeiro de Janeiro”, “Diário de Noticias”, “Diário de Lisboa”, “Novidades” e “Diário da Manhã”, apenas aludem que o Sr. Rafael Alves Passarinho, botou um esclarecido e valoroso discurso em referência ao acto, entre outros oradores.
''
 
in Sardoal com Memória, do Sr. Luís Gonçalves'
 
Já se deu aqui a notícia do seu casamento, visto pela imprensa diocesana
 
Ver como o carpinteiro Apolinário Marçal se solidarizou com Manuel Fernandes
 
A Rev. Madre Maria Fernandes conta a fundação do Colégio de Fátima
 
Como a cacique ajudou a fechar o Hotel
 
Guilherme Henrique Moura Neves
 
etc....e o que há-de vir
 
mn
 
 
 


publicado por porabrantes às 16:49 | link do post | comentar

Sexta-feira, 03.04.15

ferro.png

Francamente....num artigo no ''Expresso'', a jornalista Ana Soromenho explica que António Ferro partiu para a Europa em busca de ditadores.

E diz que encontrou o ditador José António Primo de Rivera e outro ditador, Gabriele D'Annunzio.

Li o artigo e encontrei declarações das duas pessoas que sabem mais de Ferro em Portugal, uma delas o Prof.José Augusto França.  

Se bem me lembro um filho do Ferro teve uma tuberculose e passou uns tempos num sanatório das Penhas Douradas, enquanto a Mãe, a escritora Fernanda de Castro, cuidava dele e revia as provas dum livro de contos infantis. Havia lá tuberculosos abrantinos mas não vou dar a lista deles . Algum ou alguns dos tuberculosos foram Rotários e foi a saúde e os pulmões que os levaram a comprar casas na Serra da Estrela.

Se algum rotário moralista beato  tivesse juízo e respeito pelos colegas, não andava a insultar quem tem casa na Serra da Estrela, mesmo que algum dos colegas dele  tivesse contas no estrangeiro e casa serrana. Tinha conta na estranja , porque fazia obras na Líbia do Kadafi.

E fazia bem, porque tinha de pagar salários a centenas de empregados e havia Revolução em Portugal, revolução donde saíram autarcas à moda sertaneja do Uíge, e não havia aqui trabalho.

Deslocou o industrial trabalhadores abrantinos para a Líbia e naturalmente teve de fazer operações bancárias para lhes pagar.

O que não fez foi andar a distribuir  dinheiro a banqueiros duvidosos como fazem os trafulhas do Souto.

Feita a defesa da Honra do Rotário, cabe-me defender a honra de José António Primo de Rivera, Marquês de Estella e Grande de Espanha

primo de rivera.jpg

Foi fuzilado pela República Espanhola em 1936, apesar dos esforços dum amigo dele, Indalecio Prieto, dirigente do PSOE para o salvar.

Nunca foi ditador, quem o foi chamava-se Miguel Primo de Rivera e era pai dele. Acho que vou pedir ao Balsemão, que a forretice que o leva a não contratar revisores, por um dia desapareça, e me devolva o preço do exemplar.

Também o excelente poeta Gabrielle D'Annunzio nunca foi ditador. Um tipo pode ser pré-fascizante, caso dele, sem levar galões de líder de massas. Aliás o Gabrielle crismava o Duce  como ''il maestrucolo'' e aproveitou-se do palerma para lhe sacar honras, dinheiro e sobretudo coca. Estou a ver que o D'Annunzio era da Escola do Fernando Pessoa,  no referente à coca e à política.

Quem o conta é o Indro Montanelli, que conheceu os dois italianos.

Mussolini chamava-lhe palhaço ou histrião, mas tinha de lhe pagar a coca por motivos políticos.

Já que falo do fascista António Ferro, deve saber-se que foi ele quem inventou Manoel de Oliveira

raimundo.jpg

E o Orlando Raimundo conta que o 1º filme em que o Manuel de Oliveira entrou foi Fátima Milagrosa, onde contracenava com  a Beatriz Costa, rapariga de ardente charme. Espero que o Manuel a tenha levado a dar umas voltas nalgum Hispano-Suiza a toda a velocidade.

A Beatriz fazia de bailarina de tango na fita.

Porque havia o sensual tango no filme beato?

Perguntem ao realizador, que era um jesuíta, director do colégio que o Manuel frequentara na Galiza.

Talvez fosse uma premonição visionária de que haveria um Papa jesuíta e argentino.

 Se calhar era a 4ª parte do Mistério de Fátima. ..... 

No livro também se fala duma personagem assídua a casa do Dr.Manuel Fernandes (1),

manuel fernandes.jpg

e que dava conferências às meninas do Colégio de Fátima, o militar Carlos Selvagem, que depois animaria o golpe do General Marques Godinho.

Leiam o livro, que é bom.

MA    

(1) que tinha o bom gosto de ter casa na Serra da Estrela e de não ser Rotário. 



publicado por porabrantes às 20:36 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.10.12

 
Espectacular vista do Castelo de Abrantes com as casernas militares.
 
 

 

CasteloLateral1968.jpg

 

 
 
 
 
 
 
 
 
ASão as casernas do Castelo onde estava um Regimento de Artilharia. Em cima da Torre de menagem havia umas metralhadoras anti-aéreas. Os cavalos puxando os canhões baixavam pela Rua Correia de Lacerda. As casernas forem todas demolidas nos anos 60!!!!! Nós não nos lembramos disto assim....Um dia o dr. Manuel Fernandes foi fazer uma inspecção higiénica ao quartel  Furioso o comandante, Coronel Rosado, mandou afixar fotografias do dr.Fernandes nas paredes do Castelo alegadamente com ordem ao sentinela impedir o médico se aproximar do quartel a menos de 50 m  . Foi expulso de sócio da Assembleia pelo anúncio.
 
Notas:
 
Dr.Manuel Fernandes, ao tempo Delegado de Saúde e chefe da facção política do Estado Novo adversa a Henrique Augusto da Silva Martins, o outro líder local da União (desunida) Nacional abrantina
 
 
A UN dos 30-50 em Abrantes era como o PSD abrantino actual o reino das facções inimigas que não hesitavam em golpear o rival a qualquer momento......
 
 
MN


publicado por porabrantes às 14:02 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Como roubaram a viúva do ...

O doce salazarismo à abra...

História do Colégio de Fá...

Manuel Fernandes e os int...

Carta do Cónego De La Sal...

Manuel Fernandes, Deputad...

Das gralhas ao Coronel Se...

O Dr.Manuel Fernandes e o...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds