Terça-feira, 29.12.20

corja de plagiadores.png

A frase referente à greve, foi escrita ''ipsis verbis'' por Eduardo Campos, a páginas 51 da Cronologia de Abrantes, ed pela autarquia.

Os direitos de autor pertencem aos herdeiros de Eduardo Campos, como já explicou uma entidade oficial a um tipo chamado Luís Dias, que como os outros não tem o mínimo respeito pelo trabalho dum investigador sério que deu o melhor de si a Abrantes.

eduardo campos.png

Esta gente rouba a propriedade intelectual, apropria-se do trabalho alheio, não respeita quem trabalhou por Abrantes.

É duro o que se escreve?

Não, é demasiado diplomático, porque a acção desta gente a favor do plágio é reiterada.

Um dos ignorantes escreve no seu curriculum que é ''investigador credenciado''.

Pode acrescentar chefe  dos 'plagiadores encartados''.

ma  



publicado por porabrantes às 20:21 | link do post | comentar

Sábado, 02.05.20

Neste artigo de 2008, chez ''Expresso'', o José Pedro Castanheira analisa os cuidados da censura com Francisco Pinto Balsemão,  milionário, Advogado, deputado da ala liberal e director do semanário referido.

Entre o material capturado pela DGS figurava uma carta enviada pelo semanário abrantino, ''Correio de Abrantes'', dirigido pelo dr. Eurico Consciência, com um questionário para uma entrevista.

Francisco Pinto Balsemão - Wikipedia, la enciclopedia libre

Em 1975, em plena euforia do PREC, o ''Correio'' adoptava uma linha sectária, sendo boa parte dos escritos saídos da pena do Eduardo Campos.

Segundo o estatuto editorial '' O C. de A. será um jornal socialista, eliminando por isso todos os textos, que do ponto de vista dos seus redactores, prejudiquem os rumos socialistas''.

Portanto Pinto Balsemão não podia ser nunca lá ouvido, primeiro por causa da polícia fascista, depois porque tendo fundado o PPD, não era um verdadeiro socialista.

ma

 



publicado por porabrantes às 18:15 | link do post | comentar

Domingo, 30.12.18

páreo

Este livro foi editado pela CMA por esforço de Eduardo Campos, que pediu ajuda ao saudoso Dr.José Vasco.

páreo luso

Neste estudo sobre Manuel Constâncio, Candeias Silva mete o livro na bibliografia e reproduz a capa, sem citar nem José Vasco, nem Eduardo Campos.

Não é novidade, é evolução na continuidade.

mn

imagem da Livraria Suméria, um bom alfarrabista

 

 

 



publicado por porabrantes às 16:25 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.06.17

ec candeias silva.png

Eis o Doutor Candeias Silva, garboso, segurando a obra . ''Foral concedido a Abrantes por D.Manuel I em 10 de Abril de 1518, edição diplomática de Eduardo Manuel Tavares Campos,''

eduardo campos 2.jpg

Tendo em conta que passou muito tempo a ocultar a obra do Eduardo....

cs campos.jpg

nome que não podia figurar por exemplo nesta bibliografia inserida no opúsculo ''Abrantes na Expansão Ultramarina'' .........teremos de comentar que segurar a obra do Eduardo será para ele um pesado fardo....

 

ma



publicado por porabrantes às 10:45 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.06.17
Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

Eduardo Campos.png

corpus christi 1.jpg

 

corpus christi 2.jpg

 A maior procissão de Abrantes, pelo historiador Eduardo Campos desmedalhado pelo caciquismo.

Pub na Nova Aliança

ma

 



publicado por porabrantes às 10:17 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.06.17

sara morgado.png

Diz o excelente jornalista que é o sr.José Gaio no Médio Tejo....

 

Ora o livro citado é da autoria do Eduardo Campos e da Sara Morgado...

 

E as teses do Eduardo Campos

eduardo campos 2.jpg

que seguem Alexandre Herculano (numa má leitura)  sustentam que Abrantes não foi conquistada, mas que foi fundada por Afonso Henriques (veja-se Notas sobre a Fundação  de Abrantes.)

mn 



publicado por porabrantes às 19:55 | link do post | comentar

Domingo, 26.03.17

 

Era 15 de Janeiro 1923. O deputado monárquico Artur Virgínio de Brito Carvalho da Silva increpa o Governo:

 

(...)Aproveito ainda, Sr. Presidente, a ocasião para protestar contra os factos que se passaram em Abrantes e Oliveira de Azeméis a quando da posse das câmaras municipais, em que teve de intervir a fôrça pública para impedir que os eleitos do povo tomassem conta dos seus lugares.(...)

 

Que se passara???

 

Segundo o Eduardo Campos (1): Justo Rosa da Paixão

justo da paixão album republicano.jpg

que fora Presidente anterior da Câmara e era um dos homens do Partido Democrático, é eleito presidente da Assembleia Deliberativa mas recusa-se a dar posse à Vereação com o pretexto de questões sub judice acerca da inelegibilidade dalguns dos candidatos.

 

O Administrador do Concelho manda 12 GNRs evacuar a sala, face aos protestos dos eleitos da Oposição Monárquica, dos radicais da extrema-direita do Integralismo Lusitano, cujo chefe político era....

henrique augusto (2).png

Henrique Augusto da Silva Martins.....

Tudo cheira a golpada do delegado dos democráticos,  Justo da Paixão.

As eleições tinham sido ganhas pelos democráticos, sendo António Farinha Pereira o mais votado. Além dos candidatos do PRP, houve candidatos liberais e integralistas (dr.David Serras Pereira,França Machado, João Henrique Alves Ferreira e Henrique Augusto Silva Martins.)

Mas havia acusações de fraude eleitoral nas Mouriscas, alegadamente praticada pelos integralistas e este homem assaltara a Câmara, para roubar documentação entregue pelos integralistas.

valente júnior.jpeg

Pelo qual o Senado da Câmara o declara impossibilitado de ser Vereador. Trata-se do célebre Valente da Pera, que ainda seria militante do PS abrantino, já muito velhinho, depois do 25 de Abril.  

Era face a esta confusão, que António Maria da Silva

220px-Antonio_Maria_da_Silva.jpg

Presidente do Conselho, é interrogado e promete '' Sr. Presidente: pedi a palavra para declarar que ouvi com atenção as considerações feitas pelo Sr. Carvalho da Silva, relativamente à posse de algumas Câmaras Municipais, e devo dizer que o Governo vai apurar o que há de verdade a tal respeito, pedindo depois as responsabilidades a quem de direito e nos termos legais.''.

 

A 22 de Janeiro a crise parece sanada, António Farinha Pereira é eleito Presidente, mas toda a política da época vai ser atribulada, com tiros e agressões inclusive.

 

Os nomes da Oposição integralista são os nomes do futuro. Excepto David Serras Pereira que morre cedo, os outros irão governar Abrantes nos anos 30 e durante metade da década de quarenta.

 

Ainda não encontrámos o apuramento de responsabilidades prometido por António Maria da Silva.

 mn

 

(1) Seguimos a Cronologia do Eduardo Campos para o ano 22 e 23. É o único estudo decente que há sobre a época. O resto não é grande coisa. A Cronologia do Eduardo Campos   (Cronologia de Abrantes no século XX, Abrantes, 2000) continua a ser a base de dados necessária para começar a esclarecer qualquer questão abrantina desta época. E a nossa dúvida nasceu das acusações lançadas pelo Carvalho da Silva ao ''premier'' da época  

 

 



publicado por porabrantes às 19:33 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.10.16

Na última Zahara, o doutor Candeias Silva aponta alguns erros ao livro ''Abrantes, 1916-Processo de Elevação a Cidade'' de Eduardo Campos e da drª Isabel Cavalheiro, editado pela CMA no remoto ano de 1992.

Esses erros estavam na pag 41 e agora estão na página 32, daquilo que o doutor Candeias diz ser uma '' reedição''.

Não conseguimos saber como é que o doutor Candeias diz ser uma reedição, porque o que foi editado, em 2016, foi isto:

 

isabel cavalheiro.jpg

e em 1992

 

ed campos elev.png

ou seja os dois livros têm títulos diferentes e só aparentemente coincidem numa coisa, que a drª Isabel Cavalheiro é co-autora do segundo.

 

Mas aguçado o nosso interesse pela oportuna nota do doutor Candeias Silva, fomos verificar....

 

Os textos apontados pelo dr. Candeias  dos 2 livros ''diferentes'' são idênticos.....

 

Fomos verificar outras partes, que reproduzimos, sendo A -a edição de 1992, B-a edição de 2016

ed campos 4.jpg

 

 

 

 

Edição A-página 29

 

 

ed campos 5.jpg

Edição B-pag.37

ed campos 6.jpg

 

 Edição A-página 27

 

 

 

ed campos 7.jpg

 Edição B-pag.36

Quem é escreveu os parágrafos citados na edição A, foi o Eduardo Campos ou a drª Isabel Cavalheiro, ou foram os dois?

Não estando identificado no texto a autoria individual, só pode haver co-autoria...

Porque é que o nome do Eduardo Campos desapareceu da autoria do livro editado em 2016?

Eduardo Campos - copia (2).png

 

 

Será censura centenária?

 

Coisas como estas multiplicam-se ao longo do livro B, e são uma evidente ofensa aos direitos de Autor de Eduardo Campos, um ultraje à sua memória honrada (não é a dedicatóriazinha que serve de desculpa) e um ataque à propriedade literária.

 

A responsabilidade atinge também o Editor, ou melhor a Editora, que é a autarquia, que mesmo que fosse detentora dos direitos de autor de E.Campos, não pode permitir uma evidente contrafacção dum livro.

 

Para isto há Leis, que Portugal não é o Texas.

 

 Artigo 196.º
Contrafacção

1 - Comete o crime de contrafacção quem utilizar, como sendo criação ou prestação sua, obra, prestação de artista, fonograma, videograma ou emissão de radiodifusão que seja mera reprodução total ou parcial de obra ou prestação alheia, divulgada ou não divulgada, ou por tal modo semelhante que não tenha individualidade própria.
2 - Se a reprodução referida no número anterior representar apenas parte ou fracção da obra ou prestação, só essa parte ou fracção se considera como contrafacção.
3 - Para que haja contrafacção não é essencial que a reprodução seja feita pelo mesmo processo que o original, com as mesmas dimensões ou com o mesmo formato.
4 - Não importam contrafacção:
a) A semelhança entre traduções, devidamente autorizadas, da mesma obra ou entre fotografias, desenhos, gravuras ou outra forma de representação do mesmo objecto, se, apesar das semelhanças decorrentes da identidade do objecto, cada uma das obras tiver individualidade própria;
b) A reprodução pela fotografia ou pela gravura efectuada só para o efeito de documentação da crítica artística

  

  ma

créditos: foto de E.Campos-CMA

    



publicado por porabrantes às 11:10 | link do post | comentar

Quinta-feira, 26.05.16

Eduardo Campos.png

corpus christi 1.jpg

 

corpus christi 2.jpg

 A maior procissão de Abrantes, pelo historiador Eduardo Campos desmedalhado pelo caciquismo.

Pub na Nova Aliança

ma



publicado por porabrantes às 17:09 | link do post | comentar

Quinta-feira, 28.04.16

candeias silva.jpg

O Eduardo Campos e o Doutor Candeias Silva

Eduardo Campos.png

foram autores, em 1987, do ''Dicionário Toponímico e Etimológico do Concelho de Abrantes''

 

Uma tese recente mete em causa algumas das interpretações dos Autores.Um dos problemas essenciais da obra citada é desprezar a sábia interpretação do arabista José Pedro Machado, para decifrar a origem de certos topónimos da região.

José pedro machado.jpg

 Nem o Eduardo, nem o Doutor Candeias sabiam árabe, José Pedro Machado sabia. Como sabia muitíssimo sobre língua portuguesa, mais que os dois anteriores juntos, como o atesta o seu Dicionário etimológico da língua portuguesa .

A tese de Eduardo Campos é, como sabemos,  que houve ermamento cá no burgo (ou seja que Abrantes estava despovoada antes da época afonsina ).  

Se havia presença muçulmana na região, teria de haver toponímia de raiz árabe e dois dos topónimos dessa origem foram negados pelos autores citados. Numa tese relativamente recente (muito boa) Filipa Santos coloca em causa essa interpretação

alcolobre.png

e defende que Abrantes podia ter origem árabe e que podia  ser uma cidade ou uma alcaria ou seja uma povoação de escassa importância.

A tese de Filipa Santos vem na esteira dos trabalhos  muito importantes do Doutor Sílvio Alves Conde que sustentaram que o Médio Tejo era um espaço humanizado aquando da Reconquista e portanto com presença berbere,árabe e moçárabe.

 

tese filipa.png

 

Entre os topónimos que denotam clara presença árabe está para a Drª Filipa Santos: ''Arreciadas'' que como já explicara José Pedro Machado significa ''calçada''.

doaçao santiago 2.png

 

 mn

 

tese de Mestrado  defendida na Faculdade de Letras, 2011

 

créditos: foto do EC-CMA. Candeias Silva-Jornal de Alferrarede; José Pedro Machado: Biblioteca Nacional; Extractos da tese da Drª Filipa Santos

 

  

  

 



publicado por porabrantes às 10:31 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Pode acrescentar chefe d...

Correio de Abrantes, o jo...

Evolução na continuidade:...

Um pesado fardo

Os nossos arquivos: O Cor...

Um pequeno lapso

Carvalho da Silva e a tom...

Como apagar Eduardo Campo...

A Procissão do Corpo de D...

Abrantes árabe

arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds