Domingo, 13.12.20

Frei Francisco de Oliveira foi um erudito frade dominicano que viveu, no Convento de S.Domingos ,   vários   anos, no século XVIII e deixou obra vultuosa sobre ‘’antigualhas’’ romanas, tanto abrantinas, como da sua região natal, o Baixo Alentejo.

convento de sao domingos artur falcão ar.jpg

(foto Artur Falcão)

O seu trabalho  consta parcialmente  publicado  em várias obras de referência , nesse  remoto século.

Em Abrantes, foi o capitão Mourato, que  se referiu ao dominicano pela primeira vez  na sua monografia sobre a história da vila, (Archivo dos Municipios portuguezes historia analytica, descritiva e critica de todos os municipios do Reino... 1885),  reeditada por Eduardo Campos em 1981, com o título ‘’ ’Memória Histórica da notável vila de Abrantes’’.

Há alguns anos, a investigadora bejense,  Marta Páscoa, na sua tese de mestrado,   ’Frei Francisco de Oliveira, A escrita da História Regional e Local no século XVIII’, (2002)’’,  resgatou a memória do frade dado às pedras romanas e aos velhos alfarrábios.

Traçou o retrato possível, à luz da documentação coeva, da vida e obra dum sábio clérigo, saído da pequena nobreza bejense e que colaborou intensamente com os homens, que no século XVIII, estavam a reescrever a história pátria, limpando-a das patranhas lendárias que séculos de obscurantismo tinham acumulado sobre ela.

Um grupo de homens ilustrados  pelo espírito do iluminismo e que em parte se reuniam sob a égide da Academia de História, a cuja fundação andou ligado o 1º Marquês de Abrantes.

Pela sua correspondência, publicada e citada pela Autora,  sabemos que esteve em Abrantes seis anos, talvez a partir de 1742.  

Numa das suas obras, dá notícia duma lápide romana abrantina, que viu em 1747, na Quinta do Seixo  ’’ ‘’Esta em Abrantes em 1747 na quinta chamada do Seixo dos padres dominicanos que continha o seguinte:

 

‘’Taemilio Ma Or.

Aed. II vir Flamin.

Provinc. Lusitaniae

Taemilia Maerina. D. S. P. F.

Isto he: sendo Tamilio Maero Almotacé e segundo varam do governo levantou este sepulchro a Temilia Maerina Sacerdotiza da Província Lusitana.’’

( Frei Francisco de Oliveira, "Memórias para a História da Província do Alentejo’’ publicada por Marta Páscoa, na tese citada).

Esta obra foi reconstruida pela autora citada, a partir dos manuscritos do dominicano, que se encontram na Biblioteca Pública de Évora (entre os papéis de Frei Manuel do Cenáculo) e no Arquivo Municipal de Beja.

 

O frade, em múltiplas publicações feitas em livros da época e noutros textos deixados inéditos, existentes na Biblioteca Pública de Évora e no Arquivo de Beja (etc), transcreve lápides romanas, existentes sobretudo no Alentejo.

A autenticidade dalgumas destas lápides é atestada pelo académico e reputado especialista em epigrafia, Prof José da Encarnação, por exemplo na sua monumental obra ’’Inscrições Romanas do Convento Pacense’’ (Coimbra, 1984).

 

A partir dos manuscritos do frade, que consultou na BPE, o capitão Mourato escreveu:

seixo.png

Transcrição de Manuel Mourato da lápide da Quinta do Freixo ( Campos, 2002)

A transcrição não é igual e há divergências de datas. Mourato diz que o frade a viu em 1742, este diz que foi em 1747. Também afirma que no papel que consultou não havia tradução e que fez esta:

tradução.png

Que é muito diferente da proposta por Frei Francisco.

 

Mourato refere outra lápide, que o frade teria visto na mesma quinta. No que Marta Páscoa  publicou, não há referência a ela.

Mourato diz que transcreveu a lápide a partir dos ‘’apontamentos manuscritos para a história da sua pátria (a Cidade de Beja)’’, que estariam entre os papéis de Frei Manuel do Cenáculo, na Biblioteca Pública de Évora. ‘’ Os quais se conservam na Biblioteca Pública de Évora, entre os papéis do Arcebispo D.Fr Manuel do Cenáculo, já bastantes deteriorados’’. 

 

Temos portanto, que o frade descreveu e traduziu uma lápide abrantina, existente em 1747, que diz que viu e que o documento, escrito pela sua mão, jaz na Biblioteca Pública eborense, no Códice cIII.

 

Face a esta descrição factual do capitão Mourato (e ainda a outras sobre os desaparecidos documentos alegadamente escritos por Frei D.João da Piedade, Bispo de Macau ou da China, sobre história de Abrantes), desdobraram-se em considerações, Eduardo Campos e Joaquim Candeias Silva.

Bastantes pouco abonatórias  para Mourato. E no mínimo infelizes. 

 

Temos agora a prova documental, graças a Marta Páscoa, que parte dos documentos citados por Mourato, estavam na BPE, como ele sustentava. 

E que o capitão Mourato não inventou nenhuma lápide, transcreveu-a a partir dos apontamentos setecentistas de Frei Francisco de Oliveira.

Era um probo historiador, Mourato, aqueles que atiraram pedras, podem agora meter a viola no saco.

Finalmente fica a pista, na tese citada há amplas referências a uma volumosa massa documental, saída da pena de Frei Francisco (alguma com referência a Abrantes), dispersa pelos arquivos citados, que ainda não está estudada.

Entre esses papéis, podem estar os outros documentos citados por Mourato e que não são vistos desde o século XIX, como os famosos apontamentos do dominicano abrantino, o Bispo Fr. D.João da Piedade,  sobre a História da Vila abrantina.    

ma



publicado por porabrantes às 19:45 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

A lápide romana da Quinta...

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

cacique

candeias silva

carrilho da graça

cavaco

cdu

celeste simão

chefa

chmt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

coronavirús

cria

crime

duarte castel-branco

espanha

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

frança

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

salazar

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds