Domingo, 06.08.17

Não havia quase nada escrito sobre a emigração galega no século XIX e XX.para a região de Abrantes.

Agora já há

seara.png

ler aqui

 

É um texto muito interessante para a história da região.

ma



publicado por porabrantes às 12:41 | link do post | comentar

Sábado, 26.11.16

O Diário de Pontevedra conta-nos a surpreendente história do Sr.Mário Gil Pires, um sem-tecto abrantino ajudado por uma instituição social de Vila-Garcia. Espera-se que o Banco Social tome as medidas necessárias para socorrer o nosso conterrâneo.

Seria uma boa prenda de Natal. Com a devida vénia transcreve-se a história do Senhor Mário:

 

 

"Con 67 años ya no hay futuro"

El albergue de Cruz Roja de Vilagarcía figura en la ruta que hace Mario Gil buscando dónde dormir. Jesús Utrilla es un voluntario que presta ayuda a quienes más lo necesitan

A Mario Gil Pires la vida le dio un vuelco en el año 1992, y desde entonces va de un lado para otro, primero trabajando y desde hace algún tiempo su prioridad es comer caliente y contar con un lugar donde dormir. Una vez jubilado, Jesús Utrilla Gómez decidió destinar una parte de sus tiempo libre a los demás. El punto del encuentro entre ambos es el albergue de Cruz Roja en Vilagarcía, donde el primero cuenta con una cama limpia y un lugar caliente, y el segundo es voluntario.

Mario Gil relata que tras la muerte de sus padres y la marcha de sus hermanos, uno a Alemania y el otro a O Alentejo, él también abandonó si localidad natal Abrantes, en Portugal. Ayamonte (Huelva) fue su primer destino, y siguió caminando. Pasó pro Sevilla e hizo un alto en Córdoba después de tres días en los que bebía agua, cuando encontraba una fuente, y no ingirió alimento alguno.

Mario Gil relata que una ambulancia lo trasladó a un hospital y después siguió camino hasta Cádiz, donde durmió varias noches en un parque, comiendo lo que encontraba. "Un hombre que pasaba por allí, y me dijo que era de Canarias, me pagó el billete", recuerda, y así pudo viajar hasta Logroño, donde vivió durante ocho años en los que trabajó en la vendimia.

"Trabajar por los demás es gratificante, y quizá no somos conscientes de que cualquier día pueden cambiar los papeles"


Cuando podía se desplazaba hasta Portugal, y después se ganó la vida en la recogida de la pera en Lérida. La fresa de Lepe (Huelva) fue su ocupación en marzo, y en agosto recogía patadas en Santo Domingo de la Calzada (La Rioja). Durante más de seis años permaneció en un centro de acogida de Plasencia (Cáceres), donde se ocupaba de su mantenimiento como soldador.

La salud le jugó una mala pasada y se quedó sin un riñón. Desde entonces no trabaja y Ferrol fue su siguiente destino, donde está empadronado. Mientras espera empezar a cobrar una pensión, acude a los albergues de Cambados, O Grove, Vigo y Tui. El de Cruz Roja de Vilagarcía figura en su ruta. "Aquí encuentro descanso", comenta emocionado. "Me busco la vida, pero a los 67 años ya no hay futuro", lamenta.

Cuando pilotaba una moto en Gran Canaria, Jesús Utrilla, de Alcázar de San Juan (Ciudad Real) sufrió un accidente. Una ambulancia de Cruz Roja lo trasladó hasta un hospital. Sucedió hace 40 años. Desde entonces afirma que tenía una deuda pendiente con esta organización, que paga gustoso acompañando a las personas que se encuentra en el asilo de Vilagarcía, además de encargarse de organizarlas sesiones de cine que se celebran en el albergue.

"Hacer cosas por los demás es gratificante", expone, La semana pasada, cuando salía del asilo en compañía de otros voluntarios que habían ayudado a varios de sus usuarios a desplazarse en sus sillas de ruedas, uno comentó que cualquier día podrían cambiar los papeles. "Quizá porque no lo vemos, no somos conscientes de eso", advierte.''

 

Devida vénia ao Diário de Pontevedra

 

  



publicado por porabrantes às 10:05 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.09.16

merda galega.png

''Aquilo está cheio de fascistas'' disse o SG do PSOE e de gente ligada ao narcotráfico...

Esqueceu-se de dizer que todos os narcotraficantes andam de boina e com uma vaca atrelada

FabadaLitoralFabesaresexy_1.jpg

Sobre a gastronomia galega disse que o polvo sabe a pastilha elástica

No facebook há uma multidão de galegos e amigos da Galiza protestando, sem terem descoberto que o El Mundo Today é uma coisa humorística.

ma



publicado por porabrantes às 10:40 | link do post | comentar

Quinta-feira, 28.07.16

galegos.jpg

 enviado por um conhecido latifundiário de Montargil

 

ma


tags:

publicado por porabrantes às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 22.07.15

OS EUROPEOS EN ABRANTES
(EPOPEA EN PROSA)
I
ABRANTES, ANTES DA INMIGRACIÓN EUROPEA
A historia esta non é a da colonización de Abrantes, aínda que pareza que leva ese camiño. Dende a súa fundación, Abrantes tiña estación do camiño de ferro, Casa‐cuartel da Garda Civil e mais estanco. Non é o Poble Gris de Santiago Rusiñol, porque é moito máis pequeno. Nin é aldea, nin é vila, nin é cidade. Non ten historia nin falta que lle fai; mellor dito, a verdadeira historia de Abrantes é a que imos contar.
Procedamos con orde: Abrantes achase separada do río Miño polos seguintes valados: un gran coiñal, queimado polo sol; unhas veigas de millo resequido e poirento; o camino de ferro co seu leito de coio partido, e maila estación. O lugar componse de case que unha ducia de casas, ao longo dunha estrada poirenta, chantada de acacias de bóla. Por frente ao río, érguese un monte pelado e negro, polo que rubirían as cabras, se as houbera. A flora é pouco variada, agás as acacias de bóla e o millo medran na aba do monte fentos e carpazas, e variada, agás as acacias de bóla e o millo medran na aba do monte fentos e carpazas, e arredor da estación e das casas danse as ortigas. A fauna componse dalgunhas pitas, unha vaca, un porco e unha borrica; ademais, en cada casa hai uns cantos cans; en cada cama, unha chea de chinches, e en todas partes unha infinidade de moscas. Tocante á poboación humana, aínda que axiña coñece un a todos non se pode calcular ben o número de almas.
Socialmente, a poboación divídese en tres clases: a alta é o médico; a media o xefe de estación e o cabo da Garda Civil e a baixa todos os demais. Esta división tripartita fúndase na consideración social, mais pódese facer outra entre o elemento militar e o civil, outra entre a clase industrial e a clase agraria, etc., porque Abrantes é un mundo en pequeno. En Abrantes non hai costumes... Os homes xúntanse na tenda, onde venden viño e gaseosas. O viño, cando hai colleita no país, é agre; cando non a hai, é composto. As gaseosas teñen a temperatura do tempo: quentes no verán e frías no inverno. As mulleres xúntanse nas portas. Os nenos e os cans xúntanse en todas partes.
Coma as gaseosas, así é o clima de Abrantes: no inverno é un glaciar, no verán é un inferno.

 

Vicente Risco, o galego nazi que defendeu que havia uma raça superior galega

 

continua aqui

 

Risco começou a transformar um dialecto numa língua. Foi um grande escritor.

 

mn 



publicado por porabrantes às 18:29 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.05.15

O Presidente da Câmara  de Vinhais, Abade Firmino Martins, fascista dos quatro costados, dirigiu ao Governador Civil de Bragança a carta que se transcreve:

 

firmino.png

firmino 2.png

 

A carta vem transcrita neste excelente livro

 

galiza.png

onde o Autor retrata a brutal repressão clerical-fascista, desencadeada pela Guardia Civil e pela Falange do lado de lá e pela PIDE/GNR do lado luso da raia, com o santo apoio e colaboração do clero e a benção dos Senhores Bispos, nos anos 36-40.

 

O Abade Martins, que parece que se dedicava à etnografia, nas horas vagas da epistolografia amorosa ao brutal Governador Civil, foi o homem que dizia as missas frequentadas pelo Armando Fernandes, quando era menino e moço. Depois instruiu-o em leituras miguelistas. Também lhe leria as cartas que mandara antanho ao Governador Civil ????

 

MA



publicado por porabrantes às 21:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 27.03.14

(...) Que são essas memórias envergonhadas?

O de memórias envergonhadas é uma expressão (afortunada) de Carlos Velasco que tomo prestada. Filhas do sofrimento e próprias de sociedades onde (como em Trás-os-Montes) a hegemonia das oligarquias conservadoras e da Igreja Católica é abafante, as memórias envergonhadas rejeitam tudo aquilo que possa lembrar o antagonismo e a revolta. E ponho o exemplo de Manuel Buíça, coautor do regicídio na pessoa do monarca D. Carlos no ano de 1908 e filho natural de um abade de Vinhais, localidade em que residiu enquanto jovem. Pois bem, em Vinhais até há bem pouco ninguém queria ver escrito que Buíça tinha sido vizinho da vila. E também até bem entrados os anos 90, os vizinhos do Cambedo ou de Sernande, lugares onde moita gente foi presa por ajudar o "maquis", estavam pouco predispostos a tratar estas temáticas por temor a serem assinalados como "vermelhos". Penso que na Galiza sabemos bastante destas cousas.(...9

 

 

(...)

 

 

http://bloguedominho.blogs.sapo.pt/dionisio-pereira-os-trabalhadores-2143168 

in Emigrantes, exilados e perseguidos. A comunidade portuguesa na Galiza (1890-1940)

 

o senhor é o  investigador galego,Dionísio Pereira

 

 

aqui  pode comprar o livro

 

 

http://www.imperdivel.net/933-emigrantes-exilados-e-perseguidos-a-comunidade-portuguesa-na-galiza-1890-1940.html

 

Dionísio Pereira analisa o peso da repressão franquista e falangista sobre os portugueses residentes na Galiza e ligados a organizações operárias. É pena que não analise o peso dos portugueses residentes na Galiza ligados à Falange e aos organismos repressivos do franquismo como bufos, militantes dos esquadrões de morte e às próprias tropas franquistas.

 

Já não falando dos participantes nos esquadrões dos ''voluntários'' lusos, os ''Viriatos'' que combateram por Franco. Ou do apoio dado por sectores da direita regionalista  galega ao golpe.

 

Isto foi mais relevante  em Ourense, onde residia o único prosador galego digno de menção (um notabilíssimo prosador em dialecto local), Vicente Risco que tem dois livros assinaláveis

 

Uma divertidíssima sátira às castas políticas locais.
O Porco,  enquanto metáfora do político raiano luso-galego, foi primeiro ensaiado por Risco numa obra ''Os europeus em Abrantes'', onde começa assim:

 

  

 

 pode ler mais aqui

 

Risco teve vários contactos com intelectuais portugueses, em especial com Teixeira de Pascoais e através de Pascoais, que era amigo de Solano de Abreu visitou Abrantes e esteve alojado no palacete de Solano de Abreu.

 

As ligações de Solano com o que ele chamava os '' nacionalistas de campanário'' chegaram ainda aos catalães e um deles Ribera Rovira deu conferências
smas 20001.jpg
em Abrantes e noutras localidades da região. As cartas de Solano a Pascoais e a outros importantes escritores foram vendidas há pouco num alfarrabista.
Porque é que Risco resolveu satirizar a vida política galega com  um título abrantino? Porque quando visitou Abrantes no início da primeira década do século XX, mandava muito um político abrantino de presumível origem galega, cujos parentes tinham um célebre lagar ainda existente e o Risco que era um reaccionário e terminaria partidário de Franco, ficou tão chocado como o sistema caciquista abrantino, que teria dito '' Isto parece a Galiza''. 
O bisneto do político abrantino dos anos 10 foi deputado do PRD. Aliás excelente, ao contrário doutros. O político que Risco achava que tinha apelido galego era Ramiro Guedes. E o lagar era o Víctor Guedes.
O divertido é que os azeites Guedes são hoje ainda duma família de origem galega
1792
O primeiro Jerónimo Martins era galego.
  
Edite S.Fernandes, estudiosa de problemas galegos


publicado por porabrantes às 11:09 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.03.13

a raia manifesta-se com o anúncio do fecho da freguesia de Lagarelhos

 

 

 

 

 

Contra a supressão da personalidade jurídica da paróquia, contra o centralismo e a política profissional, pola democracia direta e a restauração da nossa territorialidade.



(texto em dialecto local copiando a norma ortográfica culta lusitana)



Entretanto já apurámos que um idoso ameaça pendurar-se numa corda no centenário castanheiro local, se o projecto for avante


as autoridades dobraram a ração de Xanax ao idoso para se acalmar.....



forças vivas locais querem entregar o caso a um conhecido Advogado raiano chamado Moreira



Edite S. Fernandes, antropóloga especialista em assuntos galegos 



publicado por porabrantes às 12:20 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21.06.12

 

 

colocado por Edite Fernandes, consultora diplomada de Ciências Sociais e Galegas, autora da tese '' Devíamos trocar Olivença por Lagarelhos, Mais Alentejo e menos Galiza'', dedicada ao Sr.Dr. Santana-Maia Leonardo.

 

A autora é natural de Vinhais (Portugal) e prepara outras obras de referência sobre a minoria étnica galega em Portugal.

 

 

 



publicado por porabrantes às 19:27 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.12.11

Se isto se passasse na Escola Primária de Lagarelhos, a professora perguntava ao Pepinho

 

Na aula de portugués, a profesora pergunta para o Pepinho:

Cual/cal o tempo verbal da frase: "Iso non podia ter acontecido"?

- Preservativo imperfeito!

Na aula de português em Vinhais, a professora pergunta ao Pepinho:

Qual o tempo verbal da frase: "Isso não podia ter acontecido"?

- Preservativo imperfeito!

 

Galego tentando suicidar-se depois de ler este blogue ontem

 

Tudo gamado na net e tratado por Suzy de Noronha com assessoria da rural Edite Fernandes, natural de Vinhais mas não da parvónia rural de Lagarelhos (além-raia na  Galiza) 

 



publicado por porabrantes às 10:37 | link do post | comentar

ASSINE A PETIÇÃO

posts recentes

Memórias familiares : ent...

Um sem-tecto abrantino na...

A Galiza é uma merda

A grande Galiza segundo o...

OS EUROPEOS EN ABRANTES

Padre Firmino escreve ao ...

Homenagem a Vicente Risco...

Solidariedade com Lagarel...

Desporto em Lagarelhos, ú...

Anedotas de Lagarelhos (3...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

25 de abril

abrantaqua

abrantes

alferrarede

alvega

alves jana

ambiente

angola

antónio castel-branco

antónio colaço

antónio costa

aquapólis

armando fernandes

armindo silveira

arqueologia

assembleia municipal

bemposta

bibliografia abrantina

bloco de esquerda

bombeiros

brasil

candeias silva

carlos marques

carrilhada

carrilho da graça

cavaco

cdu

chefa

chmt

cidadão abt

ciganos

cimt

cma

cónego graça

constância

convento de s.domingos

cria

diocese de portalegre

duarte castel-branco

eucaliptos

eurico consciência

fátima

fogos

gnr

grupo lena

hospital de abrantes

hotel turismo de abrantes

humberto lopes

igreja

insegurança

ipt

isilda jana

jorge dias

jorge lacão

josé sócrates

jota pico

júlio bento

justiça

mação

maria do céu albuquerque

mário semedo

mário soares

mdf

miaa

miia

mirante

mouriscas

nelson carvalho

nova aliança

património

paulo falcão tavares

pcp

pego

pegop

pina da costa

portugal

ps

psd

psp

rocio de abrantes

rossio ao sul do tejo

rpp solar

rui serrano

santa casa

santana-maia leonardo

santarém

sardoal

saúde

segurança

smas

sócrates

solano de abreu

souto

teatro s.pedro

tejo

tomar

touros

tramagal

tribunais

tubucci

todas as tags

favoritos

Passeio a pé pelo Adro de...

links
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12

18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
blogs SAPO
subscrever feeds